Serie A

Balanço final: Genoa

Super Milito: 24 gols, bela campanha e Genoa na Europa após 17 anos

A CAMPANHA 5ª colocação, 68 pontos. 19 vitórias, 11 empates, 8 derrotas. Classificado para a Liga Europa.
FORA DA SERIE A Eliminado nas oitavas-de-final da Coppa Italia pela Inter.
O ATAQUE 56 gols, o 7º mais positivo.
A DEFESA 39 gols, a 5ª melhor defesa.
OS ARTILHEIROS Diego Milito (24 gols), Giuseppe Sculli (8), Thiago Motta (6).
OS ONIPRESENTES Rubinho (37 jogos), Giuseppe Sculli (35), Domenico Criscito (35).
O TÉCNICO Gian Piero Gasperini
QUEM DECIDIU Diego Milito
QUEM DECEPCIONOU Anthony Vanden Borre
QUEM SURGIU Matteo Ferrari
QUEM SUMIU Francesco Modesto
MELHOR CONTRATAÇÃO Diego Milito
PIOR CONTRATAÇÃO Andrea Gasbarroni
NOTA DA TEMPORADA 8,5

O sucesso da temporada do Genoa começou com um mercado impecável. Uma busca competente por reforços fez o time se fortalecer quando perdia jogadores importantes, como Borriello e Konko. Os contratados Bocchetti, Biava, Sokratis e Ferrari – uma surpresa – se revezaram na sólida defesa montada por Gian Piero Gasperini, sem diminuir a qualidade. Para o meio-campo, chegaram reforços interessantes, como Jankovic e Mesto, além de Thiago Motta – outra surpresa. Na frente, o Genoa assegurou a co-propriedade de Palladino e acertou na mosca ao contratar Diego Milito no último minuto da janela, de uma maneira bem inusitada. Só Gasbarroni e Modesto não renderam o esperado, mas isto não causou drama algum.

O primeiro artífice desta campanha foi Gasperini – conhecido como Gasperson, um trocadilho com Sir Alex Ferguson. Um excelente treinador na parte tática, ele também é um motivador e é especialista em lidar com jovens. A partir daí, pode-se perceber como a afirmação de Bocchetti, Sokratis, Palladino e, sobretudo, Criscito, passou pelas mãos do treinador. Vanden Borre, porém, não seguiu o mesmo caminho. Até mesmo jogadores mais velhos, mas com a carreira desacreditada, tiveram uma injeção de ânimo com Gasperini: Ferrari, Sculli e Thiago Motta fizeram temporada excepcional, superando qualquer expectativa. Falar bem de Milito é chover no molhado, pois já se sabia que ele seria garantia de gols. No entanto, passa por ele a superioridade citadina ante a Sampdoria: ele marcou os quatro gols rossoblù no confronto, além de uma tripletta histórica no dérbi do returno. O Grifone se classificou para a Liga Europa, mas merecia a Liga dos Campeões: o empate em pontos com a Fiorentina dá vantagem à equipe de Florença, porque o primeiro critério de desempate é o confronto direto.

A próxima temporada começa a se desenhar de forma semelhantes à esta: jogadores valorizados deixam o clube, mas reforços interessantes fazem o caminho inverso. Enquanto Milito e Motta acertaram com a Inter, Crespo e Acquafresca foram contratados – porém o azzurrini deve ser emprestado para outro clube. Floccari, da Atalanta, e Tomovic, do Estrela Vermelha, também foiram confirmados como reforços, enquanto Quaresma é outro nome praticamente certo no Marassi. O trabalho da diretoria agora se dá no sentido de garantir a permanência de “Gasperson”, um dos melhores treinadores italianos da atualidade.

1 comentário

  • fiquem de olho em Rafaelle palladino…esse garoto é muito abilidoso e uma grande promessa do futebol italiano,e agora convocado para os amistosos da azurra…vai poder mostrar que pode jogar em um grande clube da europa

Deixe um comentário