Coppa Italia

A Coppa ainda importa

Balotelli vira para a Inter nos minutos finais e elimina a Juventus (Gazzetta dello Sport)

Inter e Juventus levaram a sério o confronto pela Coppa Italia e foram a campo com boa parte dos titulares. Nenhum jogador em campo fazia parte do grupo dos reservas que nunca jogam, à exceção de Toldo, que é o titular do gol nerazzurro na competição. O jogo foi emocionante até o fim, quando Balotelli, sempre decisivo contra a Juventus, fez o gol de mais uma virada da Inter. Prova de que, quando há clássicos a Coppa ainda vale alguma coisa. Para a Juventus, valia mais ainda. A Coppa era a chance para os bianconeri levantarem um título na temporada, para reduzir os estragos da péssima Serie A e da queda na Liga dos Campeões. Porém, a temporada deve passar em branco para a equipe de Turim.

A Juventus começou a partida com mais posse de bola, e sempre no campo de ataque, ainda que a partida fosse em Milão. Com a pressão, logo a Juve saiu na frente: Diego driblou Cambiasso na entrada da área e chutou desprentesiosamente, mas Toldo engoliu um frango antológico. O experiente goleiro parecia fora de ritmo e ainda deu um susto na torcida, quando errou um tempo de bola, num cruzamento simples. Com isso, os jogadores da Velha Senhora começaram a testar chutes de fora da área, mas o florentino se recuperou e mostrou segurança até o fim do confronto.

Cambiasso trabalhava por dois, já que Thiago Motta parecia perdido na marcação. Com isso, o meio-campo bianconero levava vantagem, graças a boa partida de Diego e Sissoko. A Inter não jogava bem e buscava os contra-ataques, contando com Sneijder e Pandev, ligados no jogo, enquanto Balotelli tinha trabalho contra Cannavaro e Chiellini. Maicon e Balotelli tiveram as melhores chances, mas erraram por falta de tranquilidade: o brasileiro, sozinho, bateu por cima do gol de Buffon, enquanto o italiano não escolheu o melhor momento para chutar. O lateral brasileiro teve chance pelo lado direito, mas seu cruzamento tocou na mão de Felipe Melo. Os nerazzurri reclamaram, mas o árbitro Antonio Damato mandou seguir.

No segundo tempo, a Inter voltou com vontade de reverter o resultado e iniciou uma blitz logo nos primeiros minutos. Balotelli crescia no jogo e, num cruzamento seu, Pandev quase conseguiu completar para as redes. Logo depois, Supermario bateu forte, mas a bola foi para fora. No entanto, a Juventus esteve mais perto do segundo: primeiro, Diego arrematou com perigo, de fora da área, e depois, num escanteio, Chiellini ganhou no alto e acertou a trave. Poucas chances claras surgiram até o empate da Inter, aos 72. Milito, entrado no lugar de Cambiasso faltando trinta minutos para o fim do cotejo, achou Balotelli, na direita, com um bom passe. O italiano chutou forte para a defesa de Buffon, que deu rebote. Na sobra, Felipe Melo cometeu falta dura em Maicon, perfeita posição para a cobrança de Sneijder. O holandês cobrou, mas o gol foi de Lúcio: a bola desviou na barreira e sobrou para o zagueiro completar para as redes, pressionado por Chiellini.

Como a prorrogação na Coppa nunca é algo desejável, por conta dos compromissos das equipes na Serie A, o jogo ganhou nova vida. Candreva logo tentou um chute de longa distância, mas Toldo estava ligado. Mourinho deu liberdade para Santon, que arrancou, cortou Cannavaro e bateu para fora. Em jogada semelhante, Milito chutou para a defesa do goleiro bianconero. Milito teve outras duas chances claras, mas foi bloqueado por Chiellini em ambas.

A Inter pressionava mais e, aos 89, conseguiu o gol da vitória. Motta, adiantado por Mourinho após a entrada de Muntari no lugar de Pandev, trocou passes com Sneijder e chutou forte, da entrada da área. Buffon espalmou e a bola sobrou para Balotelli, que se aproveitara de uma falha grotesca de Grosso, que nem marcava nem prestava atenção na linha de impedimento. Quarto gol na conta de Balotelli contra a Juventus, sua principal vítima. Desta vez, o gol de Balotelli deve ter sido o tiro de misericórdia no cargo de Ciro Ferrara, que deve, enfim, ser demitido nas próximas horas.

Resultados das quartas-de-final
Fiorentina 3×2 Lazio
Roma 1×0 Catania
Milan 0x1 Udinese
Inter 2×1 Juventus

4 comentários

  • Nelson,
    Essa história do Ferrara já está durando demais – o que estão fazendo com ele é uma covardia!
    Infelizmente, sua recém iniciada carreira de treinador já está sendo maculada, sendo que, para mim, o maior problema da Juve está na gestão societária, ainda que Ferrara tenha sua parcela de culpa (mas, também, quem mandou a diretoria escolher um técnico totalmente inexperiente para comandar uma das equipes mais cobradas do mundo?).
    Abraços,

  • Excelente matéria, porém discordo do título. Os italianos "se ne fottono" para a Coppa Itália. Inter x Juve teve um pouco mais de interesse por ser considerado o derby d'Italia (alguns sustentam q se chama assim pois eram os dois únicos times q nunca tinham saido da Serie A). Somado a isso, temos a campanha desastrosa da Juve. Ou seja, o Ferrara tem q ganhar até jogo de botão pra se manter. Outro exemplo que a Coppa não conta quase nada é a sistemática de eliminação, tiraram o mata-mata de algumas fases e adotaram o mata, o que acaba configurando um desequilibrio técnico. Se a FIGC quiser valorizar a competição, não adianta, tem q dar uma vaga na pré-Champions para o campeão.

    Ricardo.

Deixe um comentário