Serie A

Review da temporada: Fiorentina

A expressão de Vargas representa a temporada da Fiorentina: decepção total (Associated Press)

A CAMPANHA 11ª colocação, 47 pontos. 13 vitórias, 8 empates, 17 derrotas
FORA DA SERIE A Eliminada pela Inter nas semifinais da Coppa Italia e nas oitavas-de-final da Liga dos Campeões pelo Bayern de Munique.
O ATAQUE 48 gols
A DEFESA 47 gols
OS ARTILHEIROS Alberto Gilardino (15 gols), Stefan Jovetic e Marco Marchionni (ambos com 6) e Juan Manuel Vargas (5)
OS ONIPRESENTES Sébastien Frey, Riccardo Montolivo e Alberto Gilardino (todos com 36 jogos)
O TÉCNICO Cesare Prandelli
QUEM DECIDIU Stefan Jovetic
QUEM DECEPCIONOU Adrian Mutu
QUEM SURGIU Khouma El Babacar
QUEM SUMIU Keirrison
MELHOR CONTRATAÇÃO Marco Marchionni
PIOR CONTRATAÇÃO Cesare Natali
NOTA DA TEMPORADA 5

Ficou no quase. A temporada da Fiorentina decepcionou à medida que prometeu demais até certo momento, mas acabou de maneira melancólica, com uma derrota para um Bari desinteressado e cheio de reservas. Mais esquisito ainda foi o fato de que suas estrelas tiveram boas atuações ao longo do ano. Sébastien Frey, se não foi brilhante, ao menos manteve o ótimo nível. Vargas se afirmou como um dos melhores meias externos da Itália, enquanto Montolivo recuperou a boa forma e, com a braçadeira de capitão, tornou-se um dos grandes líderes da equipe. No ataque, Gilardino continuou marcando seus gols e Jovetic, por sua vez, apareceu de vez para o cenário mundial, após exibições de alto nível na Liga dos Campeões, quando atropelou o Liverpool e deu trabalho ao Bayern de Munique.

O desempenho na competição foi o ponto alto da equipe de Florença, que eliminou os Reds e se classificou em primeiro lugar em um grupo difícil, para depois deixar a competição de cabeça erguida nas oitavas, eliminada pelo finalista Bayern após duas grandes atuações e um erro arbitral classificado pela própria sociedade como “roubo”. Conciliar a disputa continental com a Serie A foi trabalhoso para os viola, que tropeçaram muito, inclusive em casa – sete das 17 derrotas foram no Artemio Franchi. Ao fim da temporada, duas coisas se mostraram claras: a saída de Felipe Melo não teve reposição à altura, assim como a solidez defensiva ficou comprometida com a saída de Dainelli e a lesão de Gamberini, cujo desfalque por dois meses cruciais foi um golpe para as ambições do clube. Cristiano Zanetti e Natali não suportaram o tranco e decepcionaram, assim como Keirrison. O ex-palmeirense não teve sucesso como vice-Gilardino em seu primeiro ano de empréstimo à Fiorentina e conseguiu ser ofuscado por Babacar, atacante senegalês nascido em 1993 e já comparado a Drogba, Weah e Balotelli.

Com o fiasco na Serie A e a desclassificação na LC, a Fiorentina só poderia se agarrar à Coppa Italia para salvar a temporada, já que a mera classificação para a final valeria uma vaga na próxima Liga Europa. Ainda assim, a equipe viola não repetiu a ótima atuação do campeonato frente à Inter e saiu derrotada no jogo decisivo, em casa. Para completar a temporada esquecível, muitos problemas extracampo destruíram o ambiente gigliato. Entre o segundo doping da carreira de Adrian Mutu, os problemas societários que envolviam a troca de presidência e possível venda do clube, e também a possibilidade que o técnico Cesare Prandelli deixasse Florença, é difícil apontar qual fator foi mais prejudicial. O treinador, desde 2005 envolvido nos projetos do clube, será, de acordo com a Gazzetta dello Sport o novo técnico a Squadra Azzurra após a Copa. Gente importante, como Frey e Vargas, também tem o nome ligado a transferências para longe da Toscana, neste iminente fim de ciclo viola.

1 comentário

  • Acho que a eliminaçao na LC, deixou o time muito desmotivado, os que continuaram jogando bem nao foram o bastante.Quando anunciaram a saida de Daineli e a contrataçao de Natali no inicio da temporada pensei: Essa nao foi uma boa janela.

Deixe um comentário