Serie A

Parada de Inverno: Inter

Eto’o agradece a Benítez por ter sido posicionado mais próximo ao gol. Mas fim da linha para o espanhol era inevitável, depois de maus resultados e polêmica (Reuters)


Campanha

7ª posição. 15 jogos, 23 pontos. 6 vitórias, 5 empates, 4 derrotas. 20 gols marcados, 14 sofridos.
Maior sequência de vitórias: 3, da 2 à 4ª rodada.
Maior sequência de derrotas: 2, na 12ª e 13ª rodadas.
Maior sequência de invencibilidade: 6, da 6ª à 11ª rodada.
Maior sequência sem vencer: 2, na 12ª e 13ª rodadas.
Artilheiro: Samuel Eto’o, 9 gols.
Fair play: 19 cartões amarelos, nenhum vermelho.

Time-base

Júlio César (Castellazzi); Maicon (Zanetti), Lúcio, Samuel (Córdoba), Chivu; Zanetti, Cambiasso, Stankovic; Pandev (Biabiany), Sneijder; Eto’o (Milito).

Treinador
Rafael Benítez, até a 15ª rodada. Leonardo, contratado na véspera de Natal. A direção da Inter fez uma aposta arriscada ao escolher Benítez como substituto de Mourinho: o espanhol é bom em construir equipes e não para dar continuidade a trabalhos. Além disso, é declarado desafeto do antigo treinador, que contava com total apoio dos jogadores. Querendo impor estilo próprio, Benítez logo implantou mudanças drásticas na preparação física e na forma de jogar do time, que passou a jogar com a defesa bastante avançada. O resultado de tudo: perda da Supercopa Europeia e fim do sonho de seis títulos na temporada, 48 lesões (musculares, em sua maioria), vulnerabilidade defensiva, time apático e péssimas atuações. Na Serie A, pouco mais de 50% de aproveitamento, nenhuma vitória nos jogos mais importantes (derrota para Milan, Roma e Lazio, empate contra a Juventus) e sétima posição no campeonato. Ainda caíram no colo de Benítez dois títulos conseguidos por herança de Mourinho, a Supercoppa e o Mundial de Clubes da Fifa, em Abu Dhabi – palco final da ópera que culminou em sua demissão. Há de se reconhecer também que a direção, preocupada em economizar, não renovou o time, o que deve acontecer na gestão de Leonardo, que começa nesta quarta.

Destaque
Samuel Eto’o. O camaronês é um dos poucos pontos positivos nesta Inter dizimada por lesões e que não tem jogado bem. Os nove gols marcados até agora, quase metade do total de gols do time, são fruto do posicionamento diferenciado a que o atacante foi submetido por Benítez após declarar publicamente que gostaria de jogar mais próximo ao gol e também pelas lesões de Milito, que o fizeram naturalmente assumir a centroavância da equipe. Em um time que tem tantos jogadores lesionados, quem permanece em campo por mais tempo merece destaque. Dessa maneira, Lúcio merece ser lembrado, por não ter saído de campo por um minuto sequer e ter levado apenas um cartão amarelo em 15 partidas.

Decepção
Diego Milito. Enquanto Eto’o faz ótimo campeonato, Milito sucumbe em atuações muito ruins, influenciadas por um condicionamento físico abaixo do normal. Até agora, o Príncipe marcou apenas três gols na temporada (contra Lecce e Bari, as duas piores defesas da Serie A) e chegou a ensaiar algumas reações, mas sempre foi impedido pela má sorte e pelo azar. Após a ótima atuação contra o Seongnam, no Mundial de Clubes, e com mais tempo para atingir boa forma física, o torcedor nerazzurro espera que o atacante volte a jogar bem em 2011. Outro que vem bem abaixo do esperado é Sneijder, clamorosamente excluído da lista final de três jogadores para a Bola de Ouro 2010. O holandês não tem sido brilhante como na última temporada e também tem contado com o azar: até agora, na Serie A, passa em branco e, mesmo cobranças de falta muito bem batidas não tem entrado. A recuperação dos dois será fundamental para a recuperação da Inter.

Perspectiva
Voltar à briga pelo scudetto e título da Liga dos Campeões. Se na LC, uma nova etapa começa a partir das oitavas contra o Bayern de Munique, na Serie A não é muito diferente. Os nerazzurri estão 13 pontos atrás do Milan, mas tem dois jogos a menos bastante acessíveis, contra Fiorentina e Cesena. Além disso, a chegada de Leonardo deve renovar os ânimos do elenco, que não apoiava Benítez. Uma nova preparação física, muito semelhante a de Mourinho também pode ajudar a diminuir as lesões do elenco, que deve ser reforçado com o retorno de todos os titulares, a chegada de Ranocchia – provável titular da defesa, ao lado de Lúcio – e de, possivelmente, mais um meia e um atacante. O perfil de Leonardo, bastante conciliador, deve fortalecer as relações entre o treinador e o elenco, que ficaram rachadas na primeira parte da temporada. Fato é que o desempenho da Inter piorar é algo praticamente impossível.

Deixe um comentário