Serie A

20ª rodada: Fino alla fine

Cassano se lamenta: de tropeço em tropeço, a distância para os concorrentes vai diminuindo (Getty Images)

Em italiano, fino alla fine é uma expressão que quer dizer, de maneira um tanto hiperbólica, “até o fim”. Nesta rodada da Serie A, que marcou a primeira rodada do returno, boa parte das equipes acreditou que poderia conseguir resultados positivos até o fim. Muitas partidas ganharam contornos um tanto dramáticos e pitadas de emoção no final.:Lecce, Juventus, Lazio e Roma marcaram gols nos últimos dez minutos, somando pontos muito importantes e que incidiram no atual momento do campeonato. O gol do Lecce não mexeu na tabela, mas certamente traz outros ânimos para a Serie A: com o tropeço do Milan e a vitória no fim, a Lazio voltou a encostar no líder, enquanto Roma e Juve não perdem de vista a ascensão laziale e não se deixaram ser ultrapassadas pela Inter. Confira o resumo da rodada.

Lecce 1-1 Milan
Apesar de Max Allegri jurar que não há alarme no ambiente milanista, é difícil crer que o treinador e os jogadores não estejam preocupados com o desempenho do time nos últimos jogos. Contra Cagliari e Udinese, o time jogou mal e arrancou pontos no finalzinho das partidas, graças a Cassano. Desta vez, Cassano e o Milan não foram brilhantes como o gol de Ibrahimovic e acabaram cedendo o empate ao Lecce, que presionou nos dez minutos finais e marcou com Olivera. O resultado premiou os esforços do time de De Canio, mais ligados no jogo.

No Milan, destaque negativo para Seedorf, mal na função de suporte a Ibrahimovic e Pato. O brasileiro, aliás, é um caso à parte: considerado individualista pelos companheiros, discutiu com Gattuso após o jogo e não é, claramente, o companheiro que Ibrahimovic considera ideal – o sueco gostaria de jogar com Cassano. A vantagem milanista vai caindo e, atualmente, a Inter depende apenas dela para reassumir a liderança. A pressão no ambiente rossonero vai aumentando à medida que o desempenho vem caindo. Os milanistas esperam espantar a má fase contra o Cesena, no San Siro, no próximo fim de semana.

Juventus 2-1 Bari
Vitória providencial e nada fácil da Velha Senhora sobre o lanterna do campeonato. Em mais uma partida decidida por gol nos minutos finais, a Juventus encontrou um adversário aguerrido e disposto a não perder a partida. Os bianconeri contavam com algumas alterações no onze inicial: a primeira delas, muito positiva, era a volta de Buffon, após sete meses de inatividade. No meio-campo, Sissoko substituiu bem Felipe Melo, após disparar contra Giuseppe Marotta, enquanto o jovem atacante Giannetti estreava na Serie A, devido a lesão dos outros atacantes do time, mas pouco fez. Pouco incisiva, a Juventus só saiu na frente graças a um golaço de falta do capitão Del Piero, antes do intervalo.

Na segunda etapa, o Bari cresceu no jogo e se aproveitou dos espaços dados pelo meio-campo e pela defesa da Juventus, muito expostos pelas subidas ao ataque. Foi numa jogada de velocidade do hondurenho Álvarez sobre Sorensen que o Bari empatou, com o estreante Rudolf, que deu outra vivacidade ao pior ataque da Serie A. O Bari até poderia ter virado, mas Okaka desperdiçou duas chances preciosas. No fim do jogo, uma bola mal afastada por Donati puniu o Bari, pois Aquilani pegou de primeira e deu a vitória para a Juventus, que se recupera após dois tropeços e segue viva no campeonato. O Bari continua cinco pontos atrás do Cesena, último time fora da zona de rebaixamento.

Genoa 2-4 Udinese
Dá para colocar mais uma derrota do Genoa no Marassi na conta do goleiro Eduardo. Depois de um primeiro tempo de muito equilíbrio e ótimo futebol disputado pelas duas equipes, que tinham em Milanetto e Pinzi os melhores em campo, o goleiro português estragou a partida dos rossoblù: quando a partida estava empatada em 1 a 1 (gols de Armero e de Milanetto, que pegou um sem pulo após passe de Sculli, em sua última partida pelo clube), Eduardo falhou feio e furou, na tentativa de interceptar lançamento para Di Natale, que apenas teve o trabalho de empurrar para as redes. O empate de Destro (uma das maiores revelações do campeonato) no minuto seguinte não foi suficiente para reequilibrar a partida.

Jogando bonito e no contra-ataque, sempre com rapidez, a Udinese aproveitou o excesso de espaços deixados pela defesa dos donos da casa, que partiam ao ataque, e logo fez o terceiro, em jogada trabalhada por Di Natale e Isla, concluída por Sánchez. Eduardo ainda errou novamente no final do jogo, ao partir para cima de Denis e possibilitar que o argentino marcasse. Sánchez ainda teve a chance do quinto, mas acertou na trave. O resultado encurtou ainda mais a paciência dos torcedores, que contestaram a direção, e do presidente Preziosi, que está em busca de outro goleiro (Marchetti e Storari são os favoritos) para substituir Eduardo. Com a chegada de Floro Flores e a saída de Sculli, o time muda ainda mais (apenas cinco titulares são os mesmos da 1ª rodada) e perde unidade. Dessa maneira, chegar na Liga Europa se torna missão quase impossível e o desinteresse de Preziosi no clube apenas cresce. A Udinese, por sua vez, gastou pouco e mantém o sonho vivo com um futebol agradável de se ver e deve lucrar com Sánchez e Inler nos próximos meses.

Lazio 1-0 Sampdoria
Uma vitória conquistada no fim, com um gol irregular do tcheco Kozák em uma partida fraca pode não ter sido o jeito mais convincente de conseguir três pontos, mas foi suficiente para que a Lazio voltasse a encostar no Milan. Pela primeira vez, Reja decidiu recuar Hernanes para a função que desempenhava no São Paulo, mas o brasileiro mais uma vez não fez boa partida. A contratação de Sculli deve fazer com que a Lazio volte a atuar no 4-2-3-1, com o Profeta centralizado na linha de três homens que darão suporte a Floccari.

A Sampdoria, por sua vez, fez o que pode para segurar a Lazio. Com três desfalques na defesa (Zauri, Gastaldello e Lucchini), Di Carlo lançou Volta e Accardi no centro da defesa e improvisou Dessena na lateral-direita. O conjunto reserva não decepcionou, enquanto o meio-campo doriano continua com graves problemas. Tissone fez mais uma má partida e quando deu lugar a Poli, o time jogou um pouco melhor. A estreia e boa recepção do romano e laziale Macheda no Olímpico talvez tenha sido o único ponto de felicidade na partida. Até quando a crise nos clubes de Gênova continuará?

Cesena 0-1 Roma
No jogo mais polêmico da rodada, a Roma quebrou o tabu e venceu o Cesena pela primeira vez no Dino Manuzzi, apenas nos minutos finais, em jogada confusa, na qual Adriano estava impedido. O lance do estranho gol contra de Pellegrino, no entanto, não foi o motivo de maior polêmica na partida. A Roma não jogava bem e, a dez minutos do fim, Ranieri sacou Ménez e Vucinic, que deixaram o campo irritados e deram lugar a Borriello e Adriano. As substituições acabaram surtindo efeito, mas revelam o ambiente tenso da Roma nos últimos dias, que teve o desabafo de Totti contra Ranieri, após ter jogado apenas quatro minutos contra a Sampdoria.

O Cesena segue fora da zona de rebaixamento, mas agora está empatado em pontos com o Lecce, 18º colocado. Os romanholos não conseguem resolver os problemas do ataque (pior da competição ao lado do Bari) e tem sido vítimas da falta de um atacante capacitado. Contra a Roma, Ficcadenti até abriu mão de Bogdani em prol da titularidade de Budan, mas ainda não é suficiente. O clube já demonstrou interesse em Mutu e Maccarone, mas corre o risco de não ter nenhum dos dois, dada a dificuldade das negociações. Resta lembrar aos cesenáticos que faltam menos de duas semanas para o fechamento do mercado.

Cagliari 3-1 Palermo
A quinta vitória do Cagliari em oito jogos após a chegada de Donadoni talvez tenha sido a mais convincente. Não apenas por ter sido contra um dos adversários mais bem colocados na tabela, mas pelo amplo domínio a que os sardos submeteram a equipe rosanero, desfalcada de Miccoli. Sem Cossu e Lazzari, Donadoni promoveu um inédito tridente, com Nenê um pouco mais atrás de Matri e Acquafresca. A estratégia empurrou o Palermo para seu campo de defesa e logo resultou em um gol de Matri, que comemorou de forma polêmica com a torcida, insatisfeita com a possibilidade de saída do craque do time.

Na segunda etapa, o Cagliari logo decidiu o jogo, com dois gols (Nocerino, contra, e Biondini) e nem mesmo o gol de Pastore reabriu a partida. Enquanto o Cagliari de Donadoni está em franca ascensão e, com 26 pontos, começa a encostar no próprio Palermo, estacionado nos 31. A irregularidade palermitana passa, também, pelo mau momento de Pastore nos últimos dois meses. El Flaco não é nem sombra daquele das primeiras rodadas e tem condicionado o momento crítico da equipe, que está fora da zona de classificação para a Liga Europa.

Brescia 2-0 Parma
Contra um Parma que tem primado pela irregularidade, a equipe de Mario Beretta voltou a vencer depois de um mês de jejum e respira, após a derrota do Cesena. A vitória bresciana, é certo, foi também condicionada pela expulsão do zagueiro Paci, por falta dura sobre Éder ainda no primeiro tempo. O brasileiro teve de deixar o campo e deu lugar a Lanzafame, que, ao lado de Diamanti, deu mais fluidez e movimentação ao jogo. A expulsão de Paci também penalizou os crociati à medida que Crespo deu lugar a Paletta e o time ficou sem referência fixa no ataque, impedindo uma reação após o golaço de Bega no primeiro tempo. Desta maneira, o Brescia conseguiu um raro período de tranquilidade e administrou bem a partida, decidida por um gol de Diamanti.

Catania 1-1 Chievo
Em jogo com ritmo alto, mas poucas oportunidades criadas, Catania e Chievo mostraram porque não vencem há tanto tempo – os rossoazzurri já chegam a quatro jogos sem vitória, enquanto os clivensi não vencem desde novembro. As dificuldades do Catania culminaram na demissão de Marco Giampaolo, agora há pouco. Os etnei tem tido problemas na hora de concluir as jogadas, fato diretamente ligado à ausência de Mascara, que se lesionou no fim de 2010 e está sendo reintegrado pouco a pouco. Por outro lado, o Chievo ainda depende demais de Pellissier e Constant teve uma sensível queda de rendimento desde que especulações que o ligavam a Inter e Milan. Além disso, Pioli começou fazendo bom trabalho, mas tem estagnado. O momento deve ser de revisão técnica e tática, para que o Chievo volte a apresentar um rendimento semelhante ao da primeira parte da temporada.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 20ª rodada, clique aqui.
Para ler sobre os jogos de sábado, clique aqui.
Para relembrar a 19ª rodada, clique aqui.

Seleção da 20ª rodada
Rosati (Lecce); Maicon (Inter), Kroldrup (Fiorentina), Bega (Brescia), Armero (Udinese); Pinzi (Udinese), Biondini (Cagliari), Stankovic (Inter); Sánchez (Udinese), Milito (Inter), Eto’o (Inter). Técnico: Leonardo (Inter).

1 comentário

Deixe um comentário