Coppa Italia

Cereja sem bolo

Leonardo trocou o Milan pela Inter e viu sua ex-equipe comemorar. Agora o jeito é recomeçar à sua maneira (Getty Images)

Leonardo, homem de m****!“, eis algo que até um ano atrás não se poderia imaginar entoado por algum setor milanista. Pois Gattuso e Abate, na festa após o empate com a Roma, trataram de cantar a frase em alto e bom som. Junto a torcedores animados com o título, não faltaram celulares que registrassem o momento. Sem entrar no mérito de sua necessidade ou deselegância, o gesto expõe a derrocada de Leonardo no lado rubro-negro de Milão. Pois se antes o brasileiro era ídolo de longa data, tornar-se ofensa escancarada de outro atleta respeitado não é lá uma condecoração das mais desejáveis.

Leonardo rejeitou a Roma sob justificativa de amor ao Milan. Suas motivações pessoais, entretanto, não resistiram à oportunidade de treinar a Internazionale. Diante do relacionamento desgastado com Silvio Berlusconi no período em que comandou os rossoneri, o brasileiro planejou uma vingança própria: vencer o capo com a camisa arquirrival. E ele foi bem: ajeitou uma Inter confusa sob o comando de Rafael Benítez e aumentou bastante o aproveitamento da equipe. Todavia, bom não foi o bastante, e o ex-lateral e meia acabou a temporada assistindo à conquista do scudetto por parte de seus ex-companheiros.

Sem o bolo de comemoração, resta ao treinador uma cereja de consolo: ao eliminar a Roma nas semifinais da Coppa Italia, basta à Inter derrotar o Palermo para conquistar sua oitava coccarda. Diante disso – um possível fim de temporada mais alegre e menos desgastado com o título milanista -, será possível reestruturar uma equipe que passou por claro choque comportamental na troca de José Mourinho por Rafa Benítez, e que, portanto, não ofereceu muitas escolhas ao ex-jogador, procurado pelo clube após o Mundial Interclubes.

Para tanto, o voto de confiança declarado por Massimo Moratti é importantíssimo. Confirmado para a próxima temporada, o brasileiro terá a chance de começar a Inter do seu jeito, aproveitando-se do ambiente conquistado desde sua chegada, além do desempenho interista sob seu comando. Vale lembrar que até o dérbi de Milão, e, principalmente, até a derrota para o Parma – ambos em abril, bem como a queda na Liga dos Campeões -, os nerazzurri ressurgiram como candidatos ao título. É justo que o brasileiro possa iniciar uma temporada como treinador; fazer parte de seu planejamento.

Se houve especulações sobre uma possível troca de comando, a confirmação de Leonardo lhe dará tempo e oportunidade necessárias para, pela primeira vez, começar um trabalho em definitivo. Pois se a contratação da parte nerazzurra foi no meio da temporada e, não só, também à sombra de um onipresente José Mourinho; no Milan ele nunca pode se sobrepor. Confiante no potencial do ‘Judas interista’ e no que ele demonstrou em sua nova vida milanesa, a mensagem que Moratti passa é simples: “fica, vai ter bolo”.

Deixe um comentário