Coppa Italia

Para recomeçar

Leonardo comemora o primeiro título de sua carreira e terá chance de recomeçar. Primeiro desafio da temporada que vem será bater o Milan, na Supercopa italiana (Reuters)

O último jogo da temporada do futebol italiano teve um quê de recomeço tanto para Inter quanto para Palermo. A vitória nerazzurra por 3 a 1, que valeu o sétimo título da Coppa Italia para o time de Milão, o quarto em sete anos, foi o primeiro da carreira do técnico Leonardo, que ganhará a chance de começar do zero um novo projeto.

Com o Olímpico de Roma quase completamente pró-Palermo, que levou cerca de 40 mil torcedores ao estádio, a Inter teve muitas dificuldades de jogar na primeira etapa, tendo encontrado os rosanero bastante fechados, muito bem postados em campo pelo técnico Delio Rossi, que armou um meio-campo forte na marcação. Por outro lado, a defesa da Inter estava desatenta e permitiu que Hernández e Pastore ficassem sozinhos na cara do gol.

Ainda no primeiro tempo, um fato mudou a história do jogo: Goian saiu lesionado e deu lugar a Carrozzieri, que havia passado dois anos suspenso por uso de cocaína, e estava sem ritmo de jogo. Logo após sua entrada, o Palermo, que era melhor em campo, errou saída de bola, quando Múñoz passou na fogueira para Acquah, e possibilitou que a Inter saísse na frente. Thiago Motta roubou a bola e, na sobra, Sneijder, com um belo passe, achou Eto’o, aberto pela esquerda e entrando em diagonal, da maneira como Leonardo o havia escalado.

Consciente de que o Palermo poderia empatar o jogo, Rossi ousou e, no início da segunda etapa, tirou o jovem Acquah e colocou Miccoli. O Romário do Salento logo testou Júlio César: cabeceou sozinho e o brasileiro voou como um gato, em sua terceira participação fundamental no jogo – antes, tinha se saído bem em duas oportunidades sobre Hernández, já após o intervalo. O Palermo buscou a reação de todas as formas, mas a Inter segurava bem o resultado, defendendo-se muito melhor do que na primeira etapa. No Palermo, faltava apoio dos meio-campistas à dupla de ataque.

Novamente, quando o Palermo era melhor e o meio-campo interista não encostava em Eto’o, que se tornou centroavante após a substituição de Pazzini por Pandev, e ficou muito isolado, a Inter, cínica, parecia matar o jogo, quando aumentou a vantagem com um gol fotocopiado. O Palermo errou saída de bola, Sneijder tocou e Eto’o, em diagonal, bateu no contrapé de Sirigu. O camaronês encerra a temporada com 37 gols marcados, seu recorde na carreira, mas um a menos que Giuseppe Meazza, Gunnar Nordahl e Antonio Angelillo, detentores do recorde italiano. Eto’o poderia ter igualado a marca, mas uma cobrança de falta sua explodiu no travessão.

Perto do fim do jogo, uma jogada levou todo o estádio à loucura: Zanetti, quase 38 anos, aos 40 minutos do segundo tempo, deu uma arrancada de 50 metros e ganhou na corrida de todos os adversários. Na sequência, Sneijder quase marcou um golaço, mas Sirigu fez ótima defesa. Pouco depois, após um erro de Morganti, que encerrava sua carreira como árbitro, o Palermo colocou emoção no jogo. O juiz não percebeu saída de bola antes de cruzamento de Balzaretti, cortado por Ranocchia para escanteio. Múñoz aproveitou a enorme desatenção do setor defensivo da Inter e cabeceou sozinho para diminuir.

Os sicilianos poderiam reagir, mas acabaram ficando nervosos quando Morganti deu cinco minutos de acréscimo – queriam mais – e Delio Rossi acabou expulso. Na sequência, Múñoz também foi expulso por cometer falta sobre Milito. O Príncipe ainda foi responsável por definir o jogo, em uma espécie de renascimento. Mais uma vez, o Palermo perdeu bola quando ia saindo para o jogo, desta vez com o capitão Cassani, e Pandev cruzou para que o argentino, livre, fechasse a conta e colocasse a coccarda no peito da Inter.

Para aqueles que consideravam que o título da Inter na Coppa serviria apenas como consolação, o Palermo deu uma boa resposta, valorizando a partida com um ótimo futebol. Sua torcida também deu espetáculo, fzendo muito barulho e cantando demais para incentivar o time, que poderia vencer seu primeiro título nacional. Mesmo com o segundo vice de sua história, a equipe saiu de cabeça erguida e em meio a muitas lágrimas, por ter feito uma partida corajosa e por, provavelmente, dar adeus a alguns nomes importantes. O primeiro deles é Miccoli, que chegou ao clube em 2007 e, desde então, foi o principal jogador – e, normalmente, capitão – do time, que deve transferir-se ao Lecce, seu clube do coração. O outro é Delio Rossi, que chorou muito após ter sido ovacionado pelos 40 mil rosanero no Olímpico e não deve renovar contrato.

Na Inter, o título foi comemorado como se fosse um scudetto ou uma Champions, dando um sinal claro: o time não está cansado de vencer. A comemoração foi longa, contou com declarações de permanência de Eto’o e Milito para 2011-12, presença de Massimo Moratti e ainda teve Materazzi aprontando com o comentarista Giampiero Galeazzi, da Rai: o zagueiro encheu a taça de água e deu um banho no jornalista. O dia foi especial porque a Coppa Italia comemorava, também os 150 anos da unificação italiana, e ofereceu uma outra taça – além da que foi dada pela conquista -, levantada por Materazzi. Festa especial também para Stankovic, que conquistou o quinto título da competição – um a menos que Roberto Mancini, recordista.

Com o primeiro título de sua carreira como treinador, Leonardo tem o ponto ideal para começar do zero. O brasileiro, que chegou a 21 vitórias em 32 partidas pelo clube, não conta com nenhuma contestação da diretoria, que o vê em totais condições de ser treinador no ano que vem. Leo ficará e terá como primeiro jogo oficial da próxima temporada, a Supercopa italiana, em Pequim, contra o Milan. Um desafio emocional e técnico, visto que Leonardo ainda não ganhou nenhum dérbi em sua carreira. A próxima temporada começará à toda.

Deixe um comentário