Liga dos Campeões

Coisa de cinema

Lavezzi teve exibição solo e foi o melhor dos três tenores do Napoli. Classificação sobre o Chelsea está próxima (Reuters)

Por Leonardo Sacco

Aurelio de Laurentiis é cineasta reconhecido no mercado. Nunca, porém, em toda sua carreira, conseguiu fazer um roteiro tão impecável quanto o que o Napoli, do qual é presidente, tem escrito desde o ano passado. Parece manjado, parece que não se repetirá, mas o script não falha: Napoli, Cavani e San Paolo formam uma combinação que alça os partenopei a outro nível no futebol. O Chelsea que o diga. O poderoso clube inglês conheceu a força do caldeirão napolitano e, mesmo saindo na frente, perdeu por 3 a 1 no primeiro jogo das oitavas de final da Liga dos Campeões.
A partida de ida entre italianos e ingleses colocou frente a frente dois clubes em situação oposta: enquanto o Napoli é uma equipe ascendente e que desfruta da boa fase, o Chelsea pena para não ter que demitir seu treinador com a temporada em andamento, imerso em resultados negativos. Os visitantes não conseguiram controlar as primeiras ações da partida e Cech precisou de duas defesas importantes sobre Cavani e Maggio para segurar o zero no placar. Porém, depois o Napoli ficou nervoso e o Chelsea aproveitou. Em falha bizonha do zagueiro Paolo Cannavaro, Juan Mata não perdoou e, aos 27 da primeira etapa, abriu o placar para os londrinos.
O gol teve efeito positivo no time do Napoli. Suspenso e sem poder estar na beira do campo, o técnico Walter Mazzarri ficou à beira de um ataque de nervos e fumou vários cigarros em um quarto de hotel. Seu auxiliar, Nicolò Frustalupi, teve trabalho para conseguir acordar o até então desligado time napolitano. Não demorou para que a resposta ao gol do Chelsea viesse. Em bela jogada individual Lavezzi invadiu a intermediária londrina em velocidade e bateu forte, sem chance para Cech, aos 38 minutos do primeiro tempo. O San Paolo explodiu em azul e fez os napolitanos despertarem de vez para o duelo.
Se o Chelsea tem atualmente uma equipe com muito mais investimento do que o Napoli, o mesmo não se pode dizer quando se compara o nível técnico. A forte defesa londrina já não é mais tão forte; Cech parece cada vez mais estar em uma curva de declínio; Drogba perde bolas e jogadas que não perdia antes; e os partenopei souberam aproveitar todas essas falhas dos Blues para virar a partida antes do intervalo. Após ótimo cruzamento na área Cavani foi oportunista e colocou, de ombro, os napolitanos na frente. Mais festa e ainda mais pressão sobre o Chelsea.
O script napolitano, porém, só não previa ainda mais gols. Mas no segundo tempo o placar ainda aumentou. Mesmo com o Chelsea tomando as rédeas da partida e indo com desespero e sem tática para cima, o Napoli soube se segurar e utilizar o contra-ataque para matar a partida e viajar para Londres com mais tranqüilidade. Em dividida com o brasileiro David Luiz, Cavani conseguiu tocar para que Lavezzi, livre, só empurrasse para dentro. O que começou como tragédia se transformou em uma comédia que rendeu a maior felicidade aos torcedores napolitanos. Um roteiro que só o Napoli tem podido proporcionar. E embalado por ‘O Surdato ‘Nnamorato, música cantada a plenos pulmões pela mesma torcida que cantou o hino da Liga dos Campeões no início do jogo.

3 comentários

Deixe um comentário