Serie A

15ª rodada: Reação na hora certa

Maicon marcou um dos gols da vitória da Roma sobre a Fiorentina (AFP)

A Roma vinha de quatro empates consecutivos, mas na volta de Totti ao banco de reservas (ele não entrou em campo), reencontrou a vitória. O time, que não sabia mais o que era vencer, reagiu contra uma adversária qualificada, como a Fiorentina, e ainda aproveitou os empates de Napoli e Inter, para ter folga na vice-liderança da Serie A. Hora mais do que certa para vencer e mostrar para uma Juventus que só vence e não sofre gols há sete partidas que ainda há perseguição no campeonato.

Roma 2 x 1 Fiorentina
Após quatro empates consecutivos, a Roma finalmente voltou a vencer e continua na cola da líder Juventus em busca do título da Serie A. No difícil jogo contra a Fiorentina, Gervinho foi o melhor em campo, mais uma vez, e Destro retornou aos campos em grande estilo: com o gol que deu a vitória aos romanistas, depois que Maicon já havia aberto o placar para os donos da casa e Vargas empatada para a viola. O resultado marca um novo recorde na história do clube da capital. Nunca antes a Roma tinha conseguido ficar 15 jogos sem perder. As 11 vitórias e quatro empates colocam o time como único invicto no campeonato até aqui. O duelo entre dois postulantes às vagas para a Liga dos Campeões foi um dos melhores da Serie A até aqui e foi jogado em ritmo altíssimo durante pelo menos uma hora.

O gol de Maicon ainda aos sete minutos de jogo incendiou a partida. Gervinho, sempre muito participativo pelos lados do campo, criou chances para De Rossi e Pjanic logo depois do primeiro gol. Mas quem marcou foi a Fiorentina, com Vargas, em um dos únicos chutes da equipe de Florença a gol na partida. A defesa romanista foi muito bem e Benatia anulou as ações de Giuseppe Rossi. O problema romanista estava no ataque, em mais uma tarde infeliz para Ljajic e Florenzi. Problema este que foi resolvido com a entrada de Destro. O atacante substituiu Florenzi e logo em seu primeiro toque na bola fez o gol que definiu o placar. Pjanic ainda foi expulso no fim, mas nada que pudesse estragas a festa dos gialorossi. Com a derrota, a Fiorentina perdeu a chance de ultrapassar a Inter na tabela, mas continua em quinto lugar. (Rodrigo Antonelli)

Bologna 0 x 2 Juventus
A zebra junventina continua galopando à frente de todos na Serie A. Mesmo com o turnover aplicado por Antonio Conte, a Velha Senhora não teve problemas para bater o Bologna, fora de casa, vencer a sétima partida seguida na competição e manter a liderança. O chileno Arturo Vidal permanece no melhor de sua forma e marcou o primeiro gol do jogo, chegando a seis no campeonato. Buffon também fez outra grande apresentação e já está há sete partidas sem sofrer um gol. O bom momento do time dá força à equipe que tem jogo decisivo contra o Galatasaray, hoje, pela Liga dos Campeões.
A Juve entrou em campo sem os titulares Lichtsteiner, Bonucci, Asamoah, Llorente e Tévez, poupados para o jogo da LC, e viu os reservas fazerem boa partida. Vucinic e Quagliarella foram bem no ataque, com movimentação constante e abrindo espaço para Vidal e Marchisio chegarem de trás, e Peluso também entrou bem pela esquerda. A Juve foi melhor durante quase toda a partida e o gol de Vidal ainda na primeira etapa deu tranquilidade para o resto do jogo. Chiellini marcou o segundo no final. Com o resultado, o Bologna caiu para a 19ª colocação, na zona de rebaixamento. (RA)

Napoli 3-3 Udinese

Sem grandes emoções até o final do primeiro tempo, Napoli e Udinese protagonizaram um novo jogo a partir dos 35 minutos de bola rolando e um 3 a 3 memorável – muito mais para os friulanos, é claro. Na estreia do goleiro Rafael em uma partida oficial pelo time napolitano (o lateral Réveillère também estreava), os azzurri tiveram de conviver com erros defensivos que tem se tornado comuns. Nos últimos sete jogos do campeonato, o Napoli sofreu 14 gols, o que explica as duas vitórias conquistadas nos últimos cinco jogos. Com isso, a equipe segue na 3ª posição, com 32 pontos, cinco a menos que a Roma e oito atrás da líder, a Juventus. A Udinese é a 14ª colocada, com 17 pontos, quatro acima da zona do rebaixamento.

Em campo, após momentos de sonolência, o Napoli contou com um super Pandev para abrir 2 a 0, aos 38 e aos 41. Pouco depois, após escanteio, Heurtaux cabeceou e, com desvio em Fernández, diminuiu para a Udinese, levando o jogo vivo para o intervalo. Após a volta dos vestiários, a Udinese empatou o jogo com um golaço de Bruno Fernandes, depois que o Napoli saiu jogando errado – os laterais, posicionados de forma muito ofensiva, deixaram espaços de sobra na defesa. Mais uma vez, o Napoli voltou a ter vantagem, depois que Dzemaili aproveitou rebote de Brkic, mas Basta, também em falha da defesa napolitana, empatou o jogo perto dos acréscimos. A Udinese ainda teve seu técnico, Francesco Guidolin, expulso por reclamar demais por um cartão vermelho não dado a Maggio. (Nelson Oliveira)

Inter 3-3 Parma

Preguiçosa
e com muitos erros, a Inter voltou a tropeçar. Contra Cagliari, Torino,
Atalanta, Bologna, Sampdoria e Parma o time de Mazzarri fez apenas 6 de
18 pontos possíveis e embora não perca há oito jogos, não vence no
campeonato há um mês. Não bastasse, é a equipe com mais empates
(sete, mesmo número do Torino) e não consegue aproveitar as
oportunidades de encostar em Napoli e Roma, além de ver Fiorentina e Verona
próximos. Ainda assim tem o melhor ataque (34 gols) e é capaz de
proporcionar partidas movimentadas: esta foi a terceira partida com seis
gols (3-3 com Torino e 4-2 no Verona), na Coppa Italia ganhou por 3-2
do Trapani e goleou o Cittadella por 4-0, além de já ter ganhado e
perdido por 3-0 (contra Udinese e Roma, respectivamente) e ainda ter
feito 7-0 no Sassuolo, a maior goleada da Serie A.

Com
a bola rolando, o que se viu novamente foi uma Inter acanhada. Valente e ousado, o Parma de Donadoni, cumpriu mais
uma vez o papel de carrasco interista – desde que ele assumiu o comando,
venceu duas, empatou uma e perdeu outra –, e sufocou a Inter por pelo
menos 15 minutos, adiantando a marcação e forçando o erro da defesa
nerazzurra, que sofreu no duelo com o ataque emiliano. Bastaram 11 minutos para Sansone abrir o placar ao receber
passe de Marchionni entre Ranocchia e Juan. Os anfitriões tentaram
reagir com Palacio em duas chances, mas só na terceira conseguiu o
empate, em cruzamento de Jonathan (sua sexta assistência na temporada).
Empate que durou menos de dois minutos, já que Handanovic engoliu frangaço e permitiu que Parolo fizesse 2-1. Mais
aguerridos e também organizados, os nerazzurri voltaram melhor na
segunda etapa e precisaram de dois minutos para virar, sempre com Álvarez
pela esquerda: em dois cruzamentos do argentino, Palacio e Guarín marcaram. A vantagem não durou, mais uma vez, e Sansone, torcedor do Milan, fez sua doppietta se antecipando a Cambiasso. Depois, o Parma foi melhor e quase venceu o jogo. (Arthur Barcelos)

Livorno 2-2 Milan           
Tivesse o Milan feito um bom início de temporada,
Massimiliano Allegri (que completou sua 200ª partida no comando do Diavolo) certamente
rodaria o elenco para encarar o Livorno, já pensando no duelo que vale a
temporada rossonera, na Liga dos Campeões, contra o Ajax. Mas, precisando de reação, a equipe foi até
o Armando Picchi enfrentar o time amaranto, que vinha de três derrotas seguidas,
com força máxima, contando inclusive com o retorno de Mexès, além de Kaká e
Balotelli na frente. E a opção de escalar a dupla ofensiva deu resultado logo
nos primeiros minutos. Kaká fez bela jogada pela esquerda e cruzou para
Balotelli, que mesmo desajeitado, abriu o placar. Após o gol, o Milan, ao invés
partir para cima de um time abatido, se retraiu, permitindo ao time toscano se
soltar e aos poucos, ir dominando o meio-campo e criando jogadas perigosas.
O gol de empate saiu aos 25, quando Siligardi conseguiu espaço, por erro de Mexès, e arriscou de
fora da área e acertou o canto baixo de Gabriel, sem dar qualquer chance ao
brasileiro. El Shaarawy, que também retornou de lesão, entrou ainda no primeiro
tempo para dar mais mobilidade ofensiva ao time, mas pouco mudou. Na segunda
etapa, o ímpeto do Livorno era maior, tanto que o gol da virada saiu com
Paulinho, que recebeu nas costas de Zapata e chutou na saída de Gabriel. Quando a torcida
milanista começava a reclamar, Balotelli mostrou do que é capaz. Com um petardo, de falta,
igualou o jogo e só não fez a trippleta porque parou no travessão e no bom goleiro Bardi. O
empate não foi bom para ninguém, deixando o Milan no meio da tabela e longe das
competições europeias, e o Livorno ainda na zona de rebaixamento. (Caio
Dellagiustina)
Verona 2-1 Atalanta
Confronto entre dois times que vinham de eliminação na Coppa
Italia e de momento ruim na Serie A. O Verona, apesar da boa campanha, vinha de
quatro derrotas consecutivas e a Atalanta, mesmo tendo conseguido um grande
empate com a Roma, no Olímpico, somava apenas uma vitória nas últimas seis
partidas. No final, melhor para os veroneses que, com uma reação incrível, voltaram
a vencer e permanecem na parte de cima. A Atalanta, por sua vez, segue no meio
da tabela, perdendo uma posição, ficando em 12º.

O time bergamasco ainda saiu na frente do placar, com Denis,
que recebeu na entrada da área, fintou González e finalizou com cavadinha, na saída de Rafael.
A vantagem conseguida no final da primeira etapa foi segurada até os instantes
finais, quando em quatro minutos, os gialloblù conseguiram a virada. Aos 37, Gómez
Taleb, que havia entrado no lugar de Cirigliano, subiu mais que todo mundo e
cabeceou sem chances para Consigli e na sequência, Jorginho, de pênalti, deu a
vitória ao Verona. A penalidade, que culminou com a expulsão de Cazzola, gerou
muita reclamação por parte de Colantuono, que creditou a derrota à falha do
árbitro. (CD)

Torino 1-0 Lazio
Em um dos jogos mais chatos da rodada, Torino e Lazio erraram quase tudo o que tentaram no Olímpico de Turim. Não à toa, mesmo o gol turinês saiu de uma jogada errada. Após levantamento na área da Lazio, D’Ambrosio (um dos melhores em campo), acabou fornecendo uma assistência involuntária para que Glik marcasse o único gol do jogo, aos 19 minutos.

O resultado levou o Torino para uma incrível 7ª posição, com 19 pontos. No entanto, ainda há muitos times próximos naquela região da tabela, e a colocação ainda deve ser analisada com cautela – a Udinese, 14ª colocada, tem dois pontos a menos. O Toro de Gian Piero Ventura, porém, tem feito alguns bons jogos, com um futebol propositivo, e tem em Cerci, com 8 gols na Serie A, um grande nome para conseguir algo mais. Enquanto Cerci é decisivo para o Torino, a Lazio ainda sofre com a ausência de Klose e com o marasmo técnico de Hernanes. Faz tempo que o brasileiro não joga bem, o que até tem colocado em xeque a sua titularidade – Ederson agradece. Com 17 pontos, na parte de baixo da tabela, a torcida começa a se preocupar.

Sampdoria 2-0 Catania
Não há mais dúvidas que Sinisa
Mihajlovic mudou a Sampdoria. Após quebrar um jejum de um mês sem
vitórias ao vencer na Coppa Italia no meio de semana, o time genovês
voltou a vencer na Serie A depois de cinco rodadas, batendo o Catania
por 2 a 0 no Marassi. O resultado, terceiro invicto, tira o time da zona
de rebaixamento, com 14 pontos. Já o Catania permanece na
lanterna do campeonato, com apenas nove pontos, já cinco a menos que o
primeiro time fora da zona de descenso. Foi a terceira derrota
consecutiva e a décima no campeonato, o que representa um aproveitamento
de apenas 20% até aqui.

A Samp de Mihajlovic, que já
havia mostrado força contra adversários superiores como Lazio e Inter,
dominou por completo o duelo contra os sicilianos. Além da supremacia
territorial, os donos da casa finalizaram mais que o triplo dos etnei.
Contudo, os gols saíram apenas no segundo tempo. O brasileiro Éder abriu
o placar aos 9 minutos, cabeceando no meio dos zagueiros cruzamento de
De Silvestri da direita. Sem riscos oferecidos pelo Catania, o segundo
gol foi questão de tempo. Gabbiadini foi lançado em contra-ataque,
conduziu a bola até a esquina da área e bateu de perna esquerda no
ângulo de Frison, marcando um golaço. (Thiéres Rabelo)

Sassuolo 0-1 Chievo
Vindas
de boas sequências no campeonato, Sassuolo e Chievo, ambos com duas
vitórias e dois empates nos quatro jogos anteriores, se enfrentaram em
Reggio Emilia e quem levou a melhor foram os veroneses. Completando sua
terceira vitória consecutiva, o Chievo fez 1 a 0 e afastou-se da zona de
rebaixamento, ocupando agora a 15ª posição (15 pontos), sendo que há
três semanas era o lanterna. O Sassuolo cai duas posições com a derrota,
ocupando agora a 17ª posição (14 pontos), com um ponto a mais que o
Livorno, primeiro time dentro da zona.

Mesmo como
visitante, o Chievo foi o dono das chances mais perigosas da partida.
No primeiro tempo, Estigarribia perdeu chance clara aos 15, quando
esteve cara a cara com Pegolo e o goleiro conseguiu evitar o gol.
Radovanovic, em suas cobranças de falta, ameaçou a meta neroverde por
várias vezes. Mas o gol só veio no segundo tempo. Sestu recebeu passe na
ponta direita, e cruzou para Théréau bater em diagonal, definindo o jogo. (TR)

Cagliari 2-1 Genoa

Encontro
entre equipes rossoblù na Sardenha. Melhor para os donos da casa, agora
quatro jogos invictos depois de quatro derrotas dentre cinco jogos em
um mês. A vitória deixa o Cagliari em distância regular da zona de
rebaixamento, região que não pretende e nem deve frequentar nesta
temporada, mesma situação de seu adversário no domingo. Com Gasperini no
comando, o Genoa teve boa sequência de vitórias, e apesar de não vencer
há três jogos, não tem preocupações com o descenso, ao menos por enquanto.

Em
busca dos três pontos desde o primeiro segundo no Sant’Elia, os
anfitriões já tinham finalizado quatro vezes em 15 minutos, mas foram os
visitantes que abriram os trabalhos, quando os veteranos Gilardino e
Lodi apareceram: lançamento do regista para o centroavante fazer o
usual, ao proteger a bola e vencer Avramov – assim como Marchetti há
três anos, o bom Agazzi foi afastado pela diretoria por pedir valores
altos pela renovação e sairá do clube na próxima janela. Com um a menos
desde os 43 minutos, o Genoa sofreu ainda mais pressão na segunda etapa,
quando o Cagliari martelou até conseguir o empate, aos 76, em jogada
individual de Sau. Mais pressão pela virada e o gol da vitória veio aos
92, novamente com o baixinho artilheiro, após tentativa frustada de
bicicleta de Nenê. (AB)

Relembre a 14ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.  

Seleção da rodada
Rafael (Verona); Maicon (Roma), Dainelli (Chievo), Costa (Sampdoria), D’Ambrosio (Torino); Vidal (Juventus), Bruno Fernandes (Udinese); Sansone (Parma), Pandev (Napoli), Gervinho (Roma); Sau (Cagliari). Técnico: Sinisa Mihajlovic (Sampdoria).

1 comentário

  • Curiosamente numa das partidas mais fracas que fez o Torino venceu. Quando jogou melhor outras vezes cedeu empates. Falta alguém para segurar a bola, distribuir melhor o jogo. Não o vi jogar muitas vezes, mas creio que Bellomo merece uma oportunidade no time titular, ele poderia fazer essa função.

Deixe um comentário