Serie A

Review: acompanhamento das futuras estrelas

Jorginho é destaque entre os jovens e comanda o Verona na boa campanha na Serie A (Getty Images)

Apostar em jovens nem sempre é uma garantia de sucesso imediato. Alguns necessitam de mais confiança e levam algum tempo para se tornarem o que se espera deles como profissionais, com um rendimento similar ao dos tempos da base. Outros, porém, logo se adaptam a um nível superior e vingam em pouco tempo.

Com a Serie A praticamente na sua metade após cinco meses e a parada para as festividades, o blog volta a falar de alguns dos jovens que poderiam ter destaque no certame. Analisamos os onze jogadores apontados por nós como apostas no início da temporada (veja aqui), além de outros que ficaram de fora da citada lista e apareceram bem nesta primeira parte do campeonato.

Riccardo Saponara (22, meia-atacante, Milan)

Apontado como o “novo Kaká”, pela semelhança física e forma de jogar, Saponara teve meses difíceis ao lado do real Kaká. Uma pubalgia lhe tirou da pré-temporada e prejudicou o trabalho com o time rossonero. Mesmo recuperado, Allegri deu poucas oportunidades para o ex-meia do Empoli, que em 40 jogos na temporada passada foi responsável 13 gols e 15 assistências. Até aqui, foram apenas 110 minutos jogados em 3 partidas, além da ausência na lista de jogadores inscritos na Champions League.

A surpresa foi sua presença no Derby della Madonnina, sendo titular pela primeira vez na carreira na Serie A. Como trequartista, o camisa 8 mostrou bom desempenho ao atuar atrás de Balotelli e Kaká, neutralizando Cambiasso e participando ativamente da troca de passes. Um pouco tímido, só conseguiu uma jogada de efeito (uma caneta em Campagnaro), mas foi importante nos minutos de superioridade rossonera no dérbi, e a partir da sua saída o time caiu de rendimento. Com a concorrência de Kaká, Birsa e agora Honda, é difícil imaginar que ganhe mais minutos, mas isso cabe mesmo a Allegri, se é que o livornês seguirá em Milanello.

Denis Alibec (22, atacante, Bologna)

Após bom desempenho na pré-temporada, o flop interista Alibec parecia que engrenaria no empréstimo ao Bologna. Ilusão. Quando esteve em campo até conseguiu mostrar algo, mas apenas na Coppa Italia: o jogador teve míseros cinco minutos na Serie A. Pioli preteriu o romeno, que só conseguiu dar o passe para o gol de Moscardelli, inútil na eliminação precoce na Coppa Italia para o Siena. O atacante canhoto ainda jogou pela Primavera, onde marcou dois gols em quatro partidas. Num Bologna mal das pernas, poderia ter tido melhores chances. A conferir se isso acontecerá em 2014 ou se o jovem será preservado diante das dificuldades dos felsinei.

Dejan Lazarevic (23, ponta, Chievo)

Assim como outros jogadores da nossa lista, Lazarevic não recebeu muitas oportunidades em Verona. O esloveno também mostrou futebol na pré-temporada, mas amargou o banco de reservas sob o comando de Sannino, com quem jogou apenas 38 minutos. O treinador careca saiu, e outro entrou, Corini. Com o comandante novo, recebeu uma oportunidade logo na estreia, no dérbi da cidade. E marcou o gol que deu a vitória histórica sobre o Hellas. O camisa 7 ainda jogou outras três partidas, uma como titular, pouco para mostrar sua qualidade. A tendência é que ganhe chances no 4-3-3 clivense, apesar de concorrer com Estigarribia, Sestu e Paloschi.

Sime Vrsaljko (21, lateral-direito, Genoa)

Se não é a revelação do campeonato, Vrsaljko está entre os principais destaques. Apesar do nome complicado, o croata tem ido muito bem no Genoa e, observado pela Inter desde a temporada passada, pode acabar indo para outro time ainda na janela de inverno. Titular absoluto na seleção sub-21 e já convocado para a seleção principal, o lateral tem a melhor avaliação no site de estatísticas WhoScored, dentre os jogadores da sua posição, e duas assistências, uma para Calaiò, no dérbi de Gênova. Como ala com a chegada de Gasperini e seu 3-4-3, tem liberdade para fazer o que gosta (fazer ultrapassagens e cruzar na área) e não decepciona na fase defensiva, ainda mais com a cobertura de Antonini, agora zagueiro.

Francesco Bardi (21, goleiro, Livorno)

A maior decepção da lista, Bardi não tem correspondido as expectativas e o desempenho das últimas Serie B nesta temporada. O goleiro titular da seleção sub-21 e principal promessa para o gol italiano fez 48 defesas em 17 partidas (média de 2,8 defesas/jogo), pouco para sua qualidade, levou 29 gols, com apenas 3 jogos sem levar gols (clean sheets) e falhou contra Napoli, Inter (clube detentor de seu passe), Milan e Udinese. Bardi também tem o azar de jogar num time que conta com zagueiros lentos e que tem pouca qualidade técnica, jogando na maioria das partidas apenas no contra-ataque. Muito bem nas primeiras rodadas, como todo o time do Livorno, fez algumas grandes defesas neste período, mas acabou caindo juntamente com a equipe nas rodadas seguintes, quando pareceu um pouco atordoado.

Vasco Regini (23, zagueiro/lateral-esquerdo, Sampdoria)

O coringa doriano, Regini não é exatamente titular do time de Gênova, mas não lhe tem faltado oportunidades. Com Delio Rossi fez de tudo, jogando como zagueiro, lateral-esquerdo e ala-esquerdo. Seguro na defesa, com boa disposição e posicionamento, o defensor não é um exímio apoiador, mas tem três assistências na temporada, em três cruzamentos para Gabbiadini (duas vezes) e Pozzi. Esteve presente nas cinco partidas de Mihajlovic, quatro como lateral (duas entrando no decorrer do jogo) e uma como zagueiro.

Domenico Berardi (18, ponta/meia-atacante, Sassuolo)

Berardi é o caçula da lista, mas o principal prospecto. Uma das maiores promessas do futebol italiano desde Balotelli e Insigne, o calabrês demorou para mostrar seu futebol na Serie A por causa de uma suspensão ainda da segunda divisão, mas quando entrou em campo encantou quem o viu. Em 12 partidas (11 como titular, substituído em 7), Berardi tem 7 gols e 5 assistências, com destaque para o desempenho contra a Sampdoria (3 gols e 1 assistência) e o gol que deu o primeiro tropeço à Roma. O garoto chama ainda mais a atenção por ter passe vinculado a Juventus, que pagou 4,5 milhões de euros por 50% de seus direitos. Depois de problemas com a federação italiana, deve voltar a ser lembrado nas convocações (e se espera que seja já na sub-21 de Di Biagio).

Simone Zaza (22, atacante, Sassuolo)

Outro prospecto do Sassuolo, e também vinculado a Juventus, Zaza é comparado a Ibrahimovic e até aqui fez jus pela marra e indisciplina. Seu desempenho não é ruim, mas não vem sendo o mesmo da temporada passada, quando a comparação surgiu ao realizar 18 gols e 4 assistências em 30 partidas pelo Ascoli. Na Serie A, o atacante foi titular em 11 partidas e entrou em outras 5, revezando com Floro Flores o posto de titular. Zaza é o jogador com mais finalizações do Sassuolo, e vice-artilheiro com 5 gols (incluindo um golaço contra o Napoli). Em números, a quantidade é considerável, mas seu desempenho tem deixado a desejar em outros fundamentos.

Nicola Bellomo (22, meia, Torino)

O “novo Cassano”, Bellomo não atua na mesma posição de Fantantonio, mas demonstra tanto qualidade técnica quanto visão de jogo. Porém, o técnico do seu time, Gian Piero Ventura, parece não acreditar muito nisso, já que o barês tem apenas seis participações na Serie A, três como titular. Regista ou trequartista, o camisa 63 teve pouco tempo para mostrar seu futebol, mas teve bons desempenhos contra Verona e Livorno. Participou ativamente de dois gols: uma assistência para Immobile na Coppa Italia e no gol salvador contra a Inter, garantindo o empate nos minutos finais.

Bruno Fernandes (19, meia, Udinese)

Um mês mais velho que Berardi, Fernandes é o segundo mais novo da lista, mas também esbanja bom futebol. No ano passado desembarcou em Novara, onde não durou muito tempo na equipe Primavera e logo virou titular do time, na boa campanha na segunda metade da Serie B. Seu desempenho fez a Udinese pagar 2,5 milhões de euros por metade de seu passe, e aos poucos o meia vai ganhando espaço com Guidolin, titular desde que jogou a primeira partida na Serie A. Irregular como seu time, tem alternado bons e maus momentos durante os jogos, mas já mostrou sua habilidade nas cobranças de falta, visão de jogo e agilidade. Contra o Napoli teve sua redenção, com um gol e uma assistência.

Jorginho (22, meia, Verona)

Por último, o jogador mais bem avaliado no WhoScored, dentre aqueles presentes na lista. Natural de Imbituba, foi logo jovem para o Vêneto por ter laços familiares na região, e hoje faz parte do selecionado sub-21 italiano, embora ainda não tenha jogado. Com 19 anos, assumiu o meio-campo de Mandorlini, de quem deve ter boas instruções. Com muita qualidade no passe, leitura de jogo e liderança, o ítalo-brasileiro é comparado a Pirlo e já foi observado por times como Milan, Fiorentina, Liverpool entre outros. Com contrato renovado, não sabe se continuará pelos gialloblù, mas enquanto isso vai mostrando seu melhor futebol, com 7 gols e 4 assistências. Com moral, Jorginho é o cobrador de pênaltis do time e é o artilheiro da equipe, ao lado do veterano Toni.

Artilheiro do Sassuolo, Berardi já chamou a atenção da Juventus (Fox Sports)

Os “fora da lista”

Luca Antei (21, zagueiro, Sassuolo)

Segundo melhor zagueiro da Serie A segundo os números do WhoScored, Antei é a grande surpresa desta Serie A. Isso porque o zagueiro sequer começou a temporada com previsão de ser titular, apenas como segunda ou terceira opção para a zaga do Sassuolo. E apesar de jogar na pior defesa do campeonato, consegue se sobressair com ótimas roubadas de bola, interceptações e eficiência no jogo aéreo. Virou titular com a gravíssima lesão de Terranova, a partir da quinta rodada, e de lá pra cá só deixou de jogar por suspensão e lesão (três jogos). São 10 partidas na primeira divisão, uma na Coppa Italia e agora a titularidade na seleção sub-21 italiana. Romano e romanista, Antei foi cedido por copropriedade pela Roma, onde teve sua formação marcada por Stramaccioni, que o transformou em zagueiro.

Ciro Immobile (23, atacante, Torino)

Immobile não é mais um garoto, mas finalmente recebeu a oportunidade que merecia e vai recompensando a confiança de Ventura em gols. Cria da Juventus, onde já jogou pela Serie A e até na Champions League ainda em 2009, o atacante apareceu melhor no Pescara de Zeman, onde foi o artilheiro da Serie B 11-12 com 28 gols – também participou com 7 assistências. Em 2012 foi para o Genoa, mas o sucesso não se repetiu no bagunçado clube, embora o jogador ainda tenha sido importante na campanha do vice-campeonato europeu da seleção sub-21, marcando 6 gols pelos azzurrini. Comprado em co-propriedade pelo Torino junto à Juventus, Immobile chegou fazendo gols na pré-temporada e na Coppa Italia, mas na Serie A demorou para abrir a conta, que em dois meses cresceu consideravelmente: são 8 gols nos últimos 10 jogos. Como não é mais selecionável para a sub-21, agora espera por um chamado para a seleção principal, que tem os questionáveis Gilardino e Osvaldo.

Juan Iturbe (20, ponta, Verona)

Precocemente considerado um flop, assim como também precocemente considerado o “novo Messi”, Iturbe vem correspondendo às expectativas e calando os críticos. Baixinho, habilidoso, com boa batida na bola e canhoto, o portenho tem todo o estereótipo do craque argentino, mas surgiu bem no Cerro Porteño, do Paraguai, onde, inclusive, chegou a jogar pelas seleções de base (hoje faz parte da sub-20 argentina). Do Porto desde 2011, não teve muitas oportunidades no clube português e também ficou devendo no empréstimo ao River Plate, mas na calma e histórica Verona tem mostrado toda sua habilidade com a bola no pé esquerdo, seja através de dribles, chutes de fora da área ou cobranças de falta. Em 11 partidas, marcou 4 gols e deu uma assistência. Veja vídeo do mês passado com seu melhores momentos, antes dos gols contra Fiorentina e Lazio.

Dodô (21, lateral-esquerdo, Roma)

O brasileiro está na Roma desde o ano passado, fez 15 partidas (7 como titular) na última temporada, mas só agora vem conquistando seu espaço. Com os sucessivos problemas físicos e defensivos de Balzaretti, Dodô aproveitou bem a oportunidade dada por Garcia e, aparantemente, virou o titular da posição na vice-líder. Reserva nos sete primeiros jogos da Serie A, em dois entrando no segundo tempo, o camisa 3 foi titular em sete das últimas nove partidas, e com bom desempenho. Apesar de ainda ser infantil em alguns lances e lhe faltar concentração, tem boa média de roubadas de bola, desenvoltura com a redonda e muita participação na troca de passes do time.

Luca Marrone (23, meia/zagueiro, Sassuolo)

Como Berardi e Zaza, Marrone está no Sassuolo em copropriedade com a Juventus. Mas o meia é, realmente, cria do time de Turim e nasceu na cidade. Pelos bianconeri também já jogou pela Serie A – estreou em 2009, com 19 anos –, mas só na última temporada foi participar mais ativamente dos jogos. Foram ao todo 15 partidas, 13 como titular, e conseguiu ter boas atuações sob o comando de Conte, com quem atuou até como zagueiro, substituindo (bem) Bonucci. Especulado e observado pela rival Inter, acabou indo em copropriedade para o Sassuolo. Começou como reserva no clube por causa de uma lesão sofrida no Europeu sub-21, onde formou ótima dupla de meio-campo com Verratti (hoje, ambos não são mais selecionáveis para os azzurrini), mas é titular desde que se recuperou, em outubro. Marrone tem 9 partidas na Serie A e 3 assistências, e suas características o fazem ser considerado o sucessor de De Rossi, combinando força física e habilidade em interceptações com boa leitura de jogo, passe seguro e bolas longas.

Deixe um comentário