Serie A

11ª rodada: Volta à normalidade

Tévez marcou um dos gols mais bonitos da temporada e comandou o massacre da Juve sobre o Parma (Reuters)

A 11ª rodada da Serie A fez com que os três times mais cotados para lutar pelo scudetto finalmente se encontrassem nos três primeiros lugares da tabela. Enquanto Juventus e Roma seguem em alto ritmo puxando a fila, o Napoli voltou a figurar na zona de classificação à Liga dos Campeões, vencendo bem a Fiorentina e aproveitando os tropeços de todos os seus concorrentes – na verdade, uma curiosidade sobre esta rodada é que todas as equipes classificadas entre a 4ª e a 15ª posições não conseguiram vencer suas partidas, equilibrando mais o campeonato. Confira a análise.

Juventus 7-0 Parma
Seria somente mais uma goleada do melhor time da liga em cima do lanterna, mas foi mais que isso: foi a supremacia de um novo sistema tático da Juventus exatamente no 40º aniversário da lenda do clube Alessandro Del Piero. A Juve nem estava completa para o jogo na Arena, com Vidal suspenso e Asamoah, Cáceres, Barzagli, Pirlo e Evra de fora da partida. No 4-3-2-1, Rômulo teve a chance de atuar ao lado de Marchisio e Pogba, atrás de Pereyra e Tévez. O que mais chamou a atenção na nova distribuição tática bianconera – pela primeira vez utilizada na Serie A – foi a mobilidade que Lichtsteiner ganhou pela direita com o auxílio de Rômulo. O lateral participou de três dos sete tentos: marcou um, com um lindo chute, e deu passes para dois.

Provavelmente a partida ficará marcada pelo golaço de Tévez, que, durante a segunda etapa, carregou a bola desde o campo de defesa, fintou Lucarelli, deu um drible da vaca em Felipe e chutou no contrapé de Mirante para balançar a rede em Turim. Depois, ele fez outro, aproveitando rebote. Llorente e seu substituto Morata também fizeram dois gols, destroçando um Parma que viu quase todos os seus jogadores, especialmente todos do sistema defensivo, em dia horroroso. Enquanto o time vitorioso se reencontrou no campeonato, o Parma segue cada vez sem mais perdido. (Murillo Moret)

Roma 3-0 Torino 
Após as derrotas para Napoli e Bayern de Munique, a Roma fez valer sua força dentro de casa – pelo menos no Campeonato Italiano – e voltou ao caminho das vitórias. Os 3 a 0 sobre o Torino marcam a sexta vitória seguida da equipe no Estádio Olímpico nessa Serie A e deixa o time na cola da líder Juventus ainda. Apenas três pontos separam os dois times (28 x 25). O Torino, por sua vez, empaca nos 12 pontos e cai para a 14ª colocação, quatro pontos à frente da zona de rebaixamento. Há times piores na disputa, mas é bom a equipe de Turim já ligar o sinal de alerta para continuar longe da degola.

Mais técnica e organizada em campo, a Roma foi melhor durante todo o jogo. Quagliarella deu trabalho ao goleiro De Sanctis em duas oportunidades na primeira etapa, mas não passou muito disso. Torosidis e Keita fizeram 2 a 0 para os donos da casa antes do 30 minutos de jogo e tranquilizaram a partida. Na etapa final, Ljajic fez o 3 a 0 ainda aos 13 minutos, melhorando ainda mais a situação romanista. Destaque para o retorno de Kevin Strootman ao time, no fim do segundo tempo. O holandês, que ficou nove meses afastado por lesão, entrou sob ovação dos torcedores e ainda ganhou moral com o capitão Totti ao fim do jogo: “Apesar da vitória, a melhor notícia do dia é a volta de Strootman”, disse. A tendência é que o time fique ainda mais competitivo na caça à Juve com ele no time. (Rodrigo Antonelli)

Fiorentina 0-1 Napoli
O Napoli voltou a demonstrar um bom futebol. Desde que viveu fase negativa, no mês passado, em que complicou sua vida até mesmo em um acessível grupo da Liga Europa, os azzurri viram Hamsík e Higuaín finalmente acordarem em 2014-15 e passaram a jogar muito bem, galgando posições na tabela. Hoje, a equipe é a 3ª colocada no campeonato, fazendo jus ao que já se esperava deles neste ano. No entanto, um dos responsáveis pela subida de produção, Insigne, lesionou ligamentos do joelho na partida e ficará parado de quatro a seis meses. Já a Fiorentina de Montella até tenta, mas está fazendo campeonato abaixo das expectativas, muito porque Borja Valero não tem jogado muito bem. Além disso, a inexplicável opção de Alonso no lugar de Pasqual, na lateral esquerda, limita as ações da equipe no setor. No ataque, Babacar tem feito bons jogos, mas a falta de jogadores decisivos, como Rossi e Gómez, é notória.

No Artemio Franchi, o Napoli nem parecia longe de casa. Começou com muita pressão, fazendo o goleiro Neto e a defesa florentina trabalharem. Higuaín teve a melhor chance, passando por três adversários, mas chutando para fora. No segundo tempo, a Fiorentina teve leve melhora e quase chegou ao gol com Cuadrado, que obrigou Rafael a fazer boa defesa. Na jogada seguinte, Hamsík ia concluindo contra-ataque com bela jogada, mas Neto fez uma defesa absurda – é bom ressaltar que os dois goleiros foram convocados por Dunga à Seleção. Poucos minutos depois, Tomovic falhou e Higuaín aproveitou sobra de bola para encher o pé e marcar o gol solitário do jogo. Na busca pelo empate, Montella lançou Gómez e Pasqual e viu a equipe jogar mais. Num chute do lateral, Koulibaly cortou em cima da linha, enquanto o atacante alemão acertou a trave em finalização. (Nelson Oliveira)

Sampdoria 2-2 Milan
O Milan mais uma vez desperdiçou uma bela oportunidade de encostar no grupo dos primeiros colocados. Depois de uma apresentação terrível diante do Palermo, o rossonero teve pela frente a Sampdoria, concorrente direta à briga pela Liga dos Campeões. Na casa do adversário, a equipe milanista até saiu na frente logo aos nove minutos, com um gol de El Shaarawy, o primeiro após quase dois anos. O gol deu confiança ao time que dominou o confronto… até os 45 do primeiro tempo, quando numa jogada despretensiosa, Okaka se esticou para antecipar Bonera, desviar de Diego López e empatar a partida.

No segundo tempo, os blucerchiati voltaram com muito mais determinação e logo aos cinco minutos, Éder aproveitou a sobra de bola na trave e colocou a Samp em vantagem. Inzaghi apostou em Torres e o espanhol colaborou com o gol de empate e protagonizou o lance que mais gerou polêmica. Ele iniciou a jogada que culminou com o desvio de mão de Mesbah, dentro da área. Na cobrança do pênalti, Ménez não deu chances a Romero. Minutos depois, o camisa 9 foi segurado dentro da área, mas Daniele Orsato nada assinalou, para a revolta de todo o banco milanista. No fim das contas, o empate deixou o Milan na 7ª colocação e a Samp na 4ª. (Caio Dellagiustina)

Inter 2-2 Verona
A Inter não para de perder pontos. E vê o Napoli se recuperar e chegar no terceiro posto, enquanto os outros tropeçam junto com o time de Mazzarri. O treinador toscano, mais uma vez, foi alvo de lasers e vaias num Giuseppe Meazza vazio e que pouco apoia um time sem ideias e sem um jogo que convença a todos – ainda mais com tantos tropeços. Com o treinador com maior salário da Serie A e uma cara multa rescisória, a diretoria não quer correr riscos em momento de recuperação financeira. E… enquanto isso, o time sucumbe. O Verona, por sua vez, conquista um bravo resultado e se mantém exatamente no meio da tabela.

Falando do jogo, especificamente, a Inter teve outro ótimo começo, dominando e controlando por completo o primeiro tempo, mesmo em desvantagem ao gol de Toni logo aos 10 minutos, em distração da defesa nerazzurra após inversão e passe de Lazaros para o veterano centroavante. O empate veio rápido, em jogada que teve enfiada de bola de Ranocchia, passe para trás de Palacio e gol de Icardi. A Inter seguiu em cima, mas a virada só veio na segunda etapa, logo no início. Sempre com Icardi, e novamente com assistência de Palacio e jogada pela direita. Medel, porém, colocou a mão na bola dentro da própria três minutos depois, e foi expulso. Handanovic defendeu a cobrança de Toni, chegou aos cinco pênaltis defendidos em sequência (três só nesse ano) e ao 20ª em 11 anos de Serie A. O pênalti motivou o time do Vêneto a partir pra cima e, depois de muita resistência interista com um a menos, o empate aconteceu em nova distração defensiva, com Nico López, como contra Milan e Napoli, ir às redes após passe de Saviola. (Arthur Barcelos)

Empoli 2-1 Lazio
Depois de seis jogos sem perder, coletando cinco vitórias nesse período e chegando ao topo da tabela após início ruim, a Lazio perdeu. O Empoli, irregular como se esperava, mas forte em casa, apesar das derrotas para Cagliari e Juventus, voltou a vencer após quatro jogos e três derrotas. Resultado que ainda mantém o time toscano logo acima da zona de rebaixamento, mas em momento importante, considerando que os dois próximos jogos serão contra adversários diretos – depois, o time toscano enfrentará times que atualmente brigam por vaga europeia.

Em jogo que a posse de bola foi o maior motivo de disputa, e as defesas tiveram destaque, poucas chances de gols foram criadas nos 90 minutos. O time da casa foi às redes pouco depois da volta do intervalo, sempre através de bola parada: uma das surpresas do campeonato, Valdifiori mostrou sua importância ao cobrar escanteio e Barba cabecear firme para o 1 a 0. No ataque seguinte, falta na intermediária, Mário Rui cobrou por fora da defesa e Maccarone foi esperto para ampliar. O desconto da Lazio veio dez minutos depois, em mais uma situação criada pela “dupla” Candreva-Djordjevic, com o sérvio completando cruzamento do italiano. (AB)

Palermo 1-1 Udinese
O Palermo esteve muito perto de sua terceira vitória seguida na Serie A, mas desperdiçou a chance da marca do pênalti. O placar marcava 1 a 1 quando o juiz assinalou penalidade para os donos da casa, aos 9 minutos do segundo tempo. Vasquez foi para a cobrança, mas viu o goleiro Karnezis espalmar para longe o que daria a melhor sequência dos rosanero no campeonato. Na sequência, o goleiro friulano continuou em grande forma e salvou o empate para os visitantes, com boas defesas.

No primeiro tempo, a Udinese começou melhor e saiu na frente logo no início, com Thereau, aos cinco minutos. O jogo continuou com emoções até o fim da primeira etapa. Palermo e Udinese criaram chances e os visitantes se defenderam bem até os 42 minutos da etpa inicial, quando Heurtaux derrubou Barretto dentro da área. Dybala converteu para fazer o gol de empate. O Palermo saiu de campo com um empate amargo e apenas um ponto a mais na bagagem: agora, com 13, ocupa a 12ª colocação. Já Udinese comemora o ponto marcado e sobre para 17 conquistados, na 8ª colocação. (RA)

Cagliari 1-1 Genoa
O Genoa se safou de uma derrota no Sant’Elia
graças a um pênalti defendido por Perin e um erro absurdo de Longo no
terço final da partida contra o Cagliari. A primeira chance do jogo foi
da equipe visitante, com uma finalização acrobática de Pinilla defendida
por Cragno. O time mandante saiu na frente por conta de uma falha de
comunicação entre o goleiro do Genoa e Marchese. Diego Farias aproveitou, deu drible da vaca no goleiro e fez o
primeiro gol dele na Serie A. No fim da etapa inicial, Ekdal, Pinilla e
Farias tiveram oportunidades paradas pelos respectivos goleiros
adversários.

No segundo tempo deu tudo errado para o Cagliari.
Primeiro, o time viu Rossettini desviar o cruzamento de Perotti para o
fundo da própria meta; depois, Avelar teve pênalti defendido por Perin
e, na sequência e sem goleiro, Longo isolou. Enquanto a equipe sarda
permanece na parte de baixo da tabela, com 10 pontos, o Genoa chegou a
19 e conseguiu se aproximar do pelotão de cima. (MM)

Chievo 2-1 Cesena
Enfim um jogo em que o Chievo mostrou querer vencer. No Marc’Antonio Bentegodi, os gialloblù tiveram pela frente o Cesena, equipe que também luta diretamente contra o rebaixamento. E após oito jogos, a equipe veronesa soube o que é vencer. Com dois gols de Pellissier (outro que desencantou, após mais de um ano sem marcar), o Chievo não deixou a zona de rebaixamento, mas se aproxima da Atalanta e de quebra ultrapassa os cavalos marinhos.

Melhor desde o início, o Chievo desperdiçou inúmeras chances para abrir o placar, graças também às grandes intervenções de Leali. Mas na segunda etapa, Maran apostou no veterano capitão Pellissier no lugar de Schelotto. E o atacante fez jus à aposta. No seu primeiro lance, aproveitou o chute de Radovanovic e, sozinho na área, abriu o placar. Já nos minutos finais, o Cesena achou o gol, num chute de Djuric que desviou na zaga e matou Bizzarri. Quando o empate parecia certo, Pellissier subiu mais que todos e, de cabeça, deu a vitória ao Chievo. (CD)

Sassuolo 0-0 Atalanta

No único jogo sem gols na rodada, pouca emoção. Apesar do empate, os dois times até podem comemorar o resultado: o Sassuolo pontuou nos últimos cinco jogos, um recorde histórico para a equipe, enquanto a Atalanta chegou ao terceiro empate seguido e se manteve fora da zona de rebaixamento. 

Pensando no lado negativo, o Sassuolo e o seu bom ataque (um dos melhores do campeonato, certamente o mais poderoso entre os times pequenos) não marcam há dois jogos. Já a Atalanta continua com o pior ataque do campeonato – marcou só quatro golzinhos em 11 jogos, a pior média da história da equipe. Em campo, as emoções foram poucas. A Atalanta de Colantuono soube se fechar bem e contou com mais uma boa exibição do jovem goleiro Sportiello. Porém, a melhor chance foi da Atalanta, que acertou a trave com Raimondi. (NO)

Relembre a 10ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Karnezis (Udinese); Lichtsteiner (Juventus), Koulibaly (Napoli), Barba (Empoli), Torosidis (Roma); Valdifiori (Empoli), Marchisio (Juventus), Pjanic (Roma); Tévez (Juventus), Llorente (Juventus), Icardi (Inter). Técnico: Maurizio Sarri (Empoli).

Deixe um comentário