Serie A

5ª rodada: quem tem boca vaia a Roma

Geralmente, quando há rodada no meio da semana os times italianos costumam se preservar no fim de semana anterior aos compromissos intrassemanais. Neste sábado e neste domingo, só um time colocou isso em prática: a Juventus, que vinha de um jogo complicado contra o Valencia, mas enfrentou o fraco Frosinone e manteve 100% de aproveitamento.

Com força máxima, Napoli, Inter, Fiorentina e Lazio venceram adversários duros, ao passo que o Milan jogou bem, mas empatou. E a Roma… ah, a Roma! Romou contra o Bologna, que não havia feito gol algum no campeonato e foi presenteado pelos giallorossi. Com seu time na parte baixa da tabela, Di Francesco enfrenta sua primeira grande crise no cargo em pouco mais de um ano de trabalho. Acompanhe o resumo da rodada.

Bologna 2-0 Roma
Mattiello, Santander (Falcinelli)

Tops: Mattiello e Skorupski (Bologna) | Flops: Marcano e Manolas (Roma)

E se Skorupski não tivesse defendido a cabeçada de Fazio, logo no início? E se Pellegrini não tivesse chutado para fora, com o gol aberto, pouco depois de o Bologna ter aberto o placar? O torcedor da Roma vai ficar com essas perguntas na cabeça, mas também guardará na memória uma das piores atuações recentes do time giallorosso – a pior de um grande nesta Serie A. Não à toa, os romanistas presentes ao estádio Renato Dall’Ara vaiaram muito a equipe, que já enfrenta a primeira crise da campanha. Por isso, o questionado Di Francesco decretou que o elenco ficará concentrado até quarta, quando encara o Frosinone.

O Bologna de Pippo Inzaghi não havia marcado nenhum gol no campeonato e nem mesmo havia criado mais de uma chance perigosa nas quatro primeiras rodadas. Após dar a impressão de que vacilaria de novo, os felsinei contaram com a ajuda da zaga romana. Uma péssima atuação de todo o sistema defensivo fez com que a equipe da casa matasse o jogo. Primeiro, Olsen saiu mal do gol e Marcano ficou olhando Mattiello cortar para o centro e soltar uma bomba para estufar as redes. No início do segundo tempo, um contra-ataque pegou a defesa giallorossa completamente desarrumada e em lenta recomposição: Santander aproveitou para fechar a conta (aham). Ainda poderia ter sido mais, mas as más escolhas de Okwonkwo pouparam a Roma de um vexame ainda maior.

Frosinone 0-2 Juventus
Cristiano Ronaldo e Bernardeschi (Pjanic)

Tops: Sportiello (Frosinone) e Bernardeschi (Juventus) | Flops: Molinaro (Frosinone) e Mandzukic (Juventus)

Como tantas outras vezes em sua história, a Juventus venceu sem jogar bem. Com o elenco extenuado após a batalha da última quarta de Champions League, contra o Valencia, Allegri decidiu poupar várias peças – mas pareceu que vários dos que entraram em campo usaram o gramado do Benito Stirpe para descansar. De qualquer forma, a Velha Senhora impôs sua força no final e manteve os 100% de aproveitamento contra o mais frágil time do campeonato.

Cristiano Ronaldo foi mal na partida, mas mesmo assim foi o jogador mais perigoso da Juventus. Antes de marcar o seu terceiro gol pelos bianconeri, aos 81 minutos, o português alternou momentos em que fez Sportiello trabalhar com algumas finalizações sem rumo, típicas de alguém que está meio nervoso por não ter encontrado a melhor forma. Szczesny não trabalhou nenhuma vez na partida e o Frosinone parecia muito feliz em conquistar seu segundo ponto no campeonato, mesmo sem ter marcado qualquer gol. Foi então que CR7 foi deixado sozinho por Molinaro e aproveitou uma sobra de bola para abrir o placar. Já aos 90, Bernardeschi driblou o ex-lateral juventino e deu números finais à partida.

Ronaldo: três gols pela Juventus (LaPresse)

Torino 1-3 Napoli
Belotti (pênalti) | Insigne, Verdi (Mertens) e Insigne

Tops: Insigne e Verdi (Napoli) | Flops: Moretti e Aina (Torino)

Bombardeio. O Napoli mostrou mais uma vez porque é o maior carrasco do Torino desde o retorno dos grenás à Serie A, em 2012-13: neste período, nenhuma equipe fez mais gols sobre o Toro do que os partenopei, que balançaram as redes 33 vezes em 13 confrontos. No almoço de domingo na Itália, o goleiro Sirigu foi um pobre coitado, que teve de trabalhar muito contra Insigne, Verdi, Mertens, Callejón e Allan.

Logo aos 3 minutos, Moretti foi mui amigo de seus companheiros de zaga. Ao tentar afastar cruzamento rasteiro, chutou em cima de N’Koulou e deixou Insigne com a faca e o queijo na mão para fazer 1 a 0. Depois de muito importunarem a defesa granata, Mertens e Verdi concluíram em gol mais uma bela tabela, proporcionando ao ex-jogador do Bologna o seu primeiro tento com a camisa azzurra. Só depois de estar em grande desvantagem no placar é que o Torino acordou, mas sem muita criatividade. O gol de honra saiu após um pênalti infantil cometido por Luperto, que Belotti converteu – curiosamente, o Galo tem seis gols contra os napolitanos, mas nunca os venceu. Aos 59, Insigne aproveitou a sobra do chute de Callejón, que explodiu na trave, marcou mais um e fechou a conta.

Sampdoria 0-1 Inter
Brozovic

Tops: Ekdal (Sampdoria) e Brozovic (Inter) | Flops: Ramírez (Sampdoria) e Politano (Inter)

Haja coração! O que dizer de uma partida que teve três gols anulados (dois deles com sinalização do VAR), um tento anotado no quarto minuto de acréscimos do segundo tempo e um treinador expulso por comemorar para as câmeras de televisão? Foi com esse enredo que, em um belo jogo no Marassi, a Inter superou a Sampdoria, terceira melhor mandante da Itália em 2018. Com o segundo triunfo seguido no apagar das luzes, a Beneamata ganha novo fôlego para a temporada e empata com a Samp: ambas têm sete pontos.

No final de uma primeira etapa bastante travada, a Inter encontrou o gol com Nainggolan, mas o árbitro de vídeo notou impedimento na origem da jogada. Frustrada, a equipe visitante continuou dominando o jogo, com Brozovic na origem de todas as ações. Icardi teve duas ótimas oportunidades de cabeça e Candreva, positivo no jogo, acertou a trave e incomodou o goleiro Audero. Já na reta final do jogo, Asamoah teve um gol anulado porque D’Ambrosio havia cruzado a bola de fora do campo e, na sequência, Defrel não pode comemorar seu tento pois estava impedido. Só aos 94 uma torcida pode celebrar por um gol válido: Brozovic recebeu cruzamento, dominou no peito e soltou um petardo, indefensável para Audero. Epic Brozo, épica Inter.

Milan 2-2 Atalanta
Higuaín (Suso) e Bonaventura (Suso) | Gómez (Zapata) e Rigoni

Tops: Suso (Milan) e Zapata (Atalanta) | Flops: Çalhanoglu (Milan) e Castagne (Atalanta)

Só mesmo o Milan dos últimos anos seria capaz de fazer uma ótima partida e, mesmo assim, entregar a paçoca para a Atalanta nos acréscimos. Não é à toa que a Dea tem sido uma asa negra dos milanistas nos últimos anos: em 10 confrontos, só perdeu uma vez. O empate mantém rossoneri e nerazzurri com apenas cinco pontos, na parte de baixo da tabela.

O Milan mostrou que estava afiado no ataque logo aos 2 minutos, quando Higuaín recebeu cruzamento de Suso e pegou de primeira, vencendo Gollini. O Diavolo levou um susto quando Pasalic perdeu gol feito, mas não aprendeu com o desperdício do croata: acumulou finalizações imprecisas. Algumas por detalhes, como o chute de Bonaventura que atingiu a trave ou o gol de cabeça do próprio meia, que foi anulado por impedimento.

Gasperini mexeu no intervalo e as entradas de Zapata e Rigoni nos lugares de Barrow e Pasalic mudaram o jogo. O colombiano foi perigo constante para Donnarumma e, aos 54, deu a assistência para Papu Gómez empatar. Letal, Bonaventura apareceu na área para desempatar a peleja quase que imediatamente, mas Higuaín teve azar na sequência e não a matou – acertou a trave. Nos acréscimos, afã: num arco de menos de três minutos, Rodríguez salvou o Milan em cima da linha e Donnarumma fez defesa absurda em chute forte de Zapata. Na sobra, Rigoni, que tinha condição legal por causa do posicionamento de Romagnoli, deu números finais ao jogo e deixou amargor na boca dos rossoneri.

Lazio 4-1 Genoa
Caicedo (Milinkovic-Savic), Immobile (Parolo), Milinkovic-Savic (Lulic) e Immobile | Piatek

Tops: Immobile e Milinkovic-Savic (Lazio) | Flops: Daniel Bessa e Günter (Genoa)

A Lazio versão 2017-18 voltou – ao menos neste domingo. Com um Immobile oportunista e um Milinkovic-Savic dominante pelo céu e pela terra, a equipe celeste somou sua terceira vitória consecutiva no campeonato e, ao melhorar seu aproveitamento nas finalizações, vai recuperando terreno perdido após as derrotas nas duas rodadas iniciais. A volta de seus dois principais jogadores à melhor forma resultou numa partida tranquila contra um adversário que é habitualmente sólido na defesa e vinha sendo indigesto para os romanos.

A goleada sobre o Genoa começou aos 7 minutos, quando Milinkovic-Savic ajeitou de cabeça para Caicedo (em ótima semana) emendar a pelota de peixinho e estufar as redes. Aos 23, o ítalo-brasileiro Daniel Bessa deu mole na saída de bola, perdeu a posse e deixou a defesa fragilizada, sem chances de incomodar Immobile. Os genoveses reduziram a desvantagem quando Acerbi retribuiu o presente e falhou na frente de Piatek, artilheiro do campeonato com cinco gols. A Lazio respondeu imediatamente, com uma cabeçada fulminante de Sergej, e fechou o placar aos 89, quando Immobile estava no lugar certo para aproveitar a sobra de finalização de Correa.

Fiorentina 3-0 Spal
Pjaca, Milenkovic (Veretout) e Chiesa

Tops: Chiesa e Pjaca (Fiorentina) | Flops: Gomis e Fares (Spal)

Na partida entre duas das equipes que mais impressionaram até agora, acabou vencendo a que pratica um futebol mais ofensivo. A Fiorentina manteve a superioridade contra a Spal em partidas disputadas no Artemio Franchi e ainda contou com uma ajudinha dos estensi para ultrapassá-los na tabela. Agora, a viola ocupa a terceira posição, com 10 pontos – um a mais que os biancazzurri, que têm nove.

No primeiro tempo, a Fiorentina encontrou dois gols graças a erros individuais grosseiros por parte de jogadores da Spal. Aos 18 minutos, Fares furou na tentativa de cortar um cruzamento e ajeitou a bola para Pjaca abrir o placar. Aos 28, o goleiro Gomis errou na saída pelo alto e Milenkovic (que já tinha um tento anulado), se antecipou para cabecear e ampliar. Chiesa teve duas ótimas chances com finalizações insidiosas, mas só deixou o dele aos 56, após aproveitar a sobra numa tentativa de Pjaca. Na comemoração, Federico protagonizou uma das mais bonitas cenas do campeonato: correu todo o campo para abraçar o irmão Lorenzo, de 14 anos, que joga na base viola e é gandula. Orgulhoso, o papai Enrico viu tudo das tribunas.

Sassuolo 3-1 Empoli
Boateng (Di Francesco), Ferrari (Di Francesco) e Di Francesco (Lirola) | Caputo

Tops: Di Francesco (Sassuolo) e Caputo (Empoli) | Flops: Rogério (Sassuolo) e Zajc (Empoli)

Uma das sensações da Serie A, o Sassuolo precisou suar para vencer o Empoli. O time do ofensivo técnico De Zerbi saiu atrás no placar após apenas 18 segundos e contou com uma atuação inspirada de Di Francesco para virar e garantir os três pontos. Com o resultado, os neroverdi ocupam a quarta posição, enquanto os toscanos estão em 17º, acima da zona de rebaixamento.

O Sassuolo não começou a partida ligado. O time perdeu a posse de bola e deixou o artilheiro Caputo livre na área para anotar o gol mais rápido da temporada. O empate, porém, não demorou: Di Francesco recebeu na área e fez belo trabalho de pivô para ajeitar para Boateng marcar. A partir da igualdade, o time emiliano dominou o meio-campo e o jogo. A virada veio no início do segundo tempo, após uma jogada ensaiada de escanteio, que Ferrari completou. Após a boba expulsão de Zajc, por simulação, o Sassuolo encontrou mais facilidade e definiu o placar com Di Francesco, que coroou sua ótima atuação com um gol de letra.

As duas assistências de Suso não salvaram o Milan do empate contra a Atalanta (LaPresse)

Parma 2-0 Cagliari
Inglese e Gervinho

Tops: Gervinho e Bruno Alves (Parma) | Flops: Cerri e Sau (Cagliari)

O futebol italiano sentiu falta de Gervinho. Suas inteligentes arrancadas, capazes de quebrar defesas, voltaram em grande estilo, e o marfinense já é um dos principais jogadores do Parma na Serie A. Neste sábado, o atacante foi o destaque da partida que manteve a supremacia crociata sobre o Cagliari em jogos disputados no Ennio Tardini e levou a equipe à metade de cima da tabela.

O Parma foi absolutamente dominante em toda a peleja. Logo no início, Inglese teve um gol bem anulado e Gervinho quase abriu o placar, depois de uma arrancada e um chute perigoso. Aos 20 minutos, o centroavante italiano fez o seu terceiro nos três últimos jogos contra o Cagliari, depois de dividir com o goleiro Cragno e levar sorte. Os sardos tentaram equilibrar o jogo, mas os ducali mataram o confronto num dos avanços dos adversários ao ataque. Logo no início da segunda etapa, Gervinho puxou um contragolpe fulminante e ampliou com bela finalização. Quase no respiro final, Ceravolo e Deiola ainda desperdiçaram claríssimas chances para marcar o terceiro.

Chievo 0-2 Udinese
De Paul e Lasagna (De Paul)

Tops: De Paul e Scuffet (Udinese) | Flops: Obi e Birsa (Chievo)

Parece que aquele jovem jogador que surgiu no Racing sob muitas expectativas está finalmente desabrochando. Após momentos muito ruins no Valencia e na própria Udinese, De Paul se tornou a principal peça da equipe friulana. Com movimentação, passes decisivos e golaços, o argentino é o grande nome do bom início de temporada do time comandado por Julio Velázquez, sétimo colocado do campeonato. Com mais um show do camisa 10, a Udinese infligiu ao Chievo sua terceira derrota em cinco rodadas. A única vez em que o time veronês passou tanto tempo sem triunfar no início da Serie A foi em 2006-07, quando acabou rebaixado.

A vitória foi construída inteiramente no segundo tempo, mas na etapa inicial a Udinese teve boas chances. Pussetto parou na reativa defesa de Sorrentino e Fofana acertou um petardo no travessão. Após o intervalo, Lasagna fez uma grande jogada, com dois chapéus e um chute defendido por Sorrentino. O melhor estava por vir: a bola ficou com De Paul, que arriscou de longe e fez um golaço. O Chievo acabou saindo para o jogo depois de ficar em desvantagem e obrigou o goleiro Scuffet a fazer duas belas defesas, ante Rigoni e Giaccherini. Clínica, a agremiação visitante fechou o placar num contra-ataque de manual e num passe primoroso de De Paul, que encontrou Lasagna desmarcado para anotar o segundo.

Seleção da rodada
Scuffet (Udinese); Mattiello (Bologna), Milenkovic (Fiorentina), Bruno Alves (Parma), Asamoah (Inter); Brozovic (Inter), Milinkovic-Savic (Lazio), De Paul (Udinese); Di Francesco (Sassuolo), Insigne (Napoli), Chiesa (Fiorentina). Técnico: Gian Piero Gasperini (Atalanta).

Deixe um comentário