Seleção italiana

Com vaga assegurada na Euro, Itália goleia Liechtenstein e dá recorde a Roberto Mancini



A Itália entrou em campo para cumprir tabela nas Eliminatórias da Euro e bateu a fraca equipe de Liechtenstein por 5 a 0, jogando fora de casa, no Rheinpark Stadion. Foi uma partida previsível entre lanterna do grupo – sem chances de ir à Eurocopa de 2020 – e uma líder que vinha de oito vitórias consecutivas, sete delas pela qualificatória. Com o resultado, o técnico Roberto Mancini chegou a nove triunfos seguidos e igualou um recorde de 1939, obtido pelo lendário Vittorio Pozzo.

Como de praxe, Mancio usou a partida para testar alguns jogadores – afinal, a classificação para a Euro foi assegurada na sétima rodada, diante da Grécia. Com exceção do capitão Verratti, o treinador mudou o time inteiro e escalou uma equipe jovem, com média de idade de apenas 25,2 anos. Dos onze titulares, seis atletas tinham menos de dez partidas pela seleção principal em seus currículos, e um deles estava fazendo sua estreia – o lateral Di Lorenzo, do Napoli.

As duas seleções jogaram para menos de 7 mil pessoas, o que deixou o clima da partida ainda mais frio na chuvosa noite liechtensteinense. A Itália fez 1 a 0 logo no terceiro minuto de jogo: após cruzamento de Biraghi na entrada da área, Bernardeschi apareceu e marcou de canhota. O jogador da Juventus aproveitou bastante a data Fifa, já que também deixou o seu contra a Grécia.

O gol no começo tirou ainda mais emoção da partida. No decorrer do primeiro tempo, os donos da casa não conseguiam ficar muito tempo com a bola e mostraram muita desorganização. Com pouca técnica, os alpinos apelaram para os chutões, cometeram erros primários e poucas vezes passaram do meio de campo. A Itália, por sua vez, aplicou uma marcação alta que ajudou o time a roubar bolas no ataque e a neutralizar qualquer jogada ofensiva de Liechtenstein.

A certa altura da partida, os visitantes chegaram a 81% de posse de bola. Mesmo assim, não conseguiram converter esse domínio em chances claras de gol e pararam no ferrolho liechtensteiniense. No entanto, o panorama começou a mudar no segundo tempo e, com isso, o jogo foi ficando mais movimentado. A primeira grande chance saiu dos pés de Salanovic: em jogada individual, o atacante puxou para a perna direita e obrigou Sirigu a fazer ótima defesa. A partir desse momento, só deu Itália: a Nazionale contou com a participação dos reservas para transformar o placar magro em goleada.

O segundo gol azzurro saiu aos 70 minutos, em jogada de escanteio: a cobrança de Grifo encontrou Belotti que, sozinho, testou para as redes. Poucos minutos depois, El Shaarawy, que havia entrado no segundo tempo, apareceu com liberdade no ataque e cruzou para o zagueiro Romagnoli marcar de cabeça. O jogador do Milan sequer comemorou o seu primeiro gol pela seleção italiana – afinal, àquela altura, a partida já estava em ritmo de amistoso.

A tendência de goleada se confirmou nos minutos seguintes. Aos 82, El Shaarawy recebeu passe açucarado de Cristante e tirou do goleiro para marcar o quarto. No apagar das luzes, Belotti marcou de cabeça outra vez e fechou a conta.

A Itália conclui mais uma data Fifa com duas vitórias e já começa a pensar na competição continental e na fase de grupos, que disputará ano que vem no estádio Olímpico, em Roma. A sequência de resultados afasta os contratempos de Mancini e cria um ambiente pacífico para que o técnico possa trabalhar com tranquilidade. Ainda há muito para acontecer antes da Euro, mas a Squadra Azzurra certamente está trilhando o caminho certo.

Liechtenstein 0-5 Itália

Liechtenstein: B. Büchel; Rechsteiner, Kaufmann, Hofer, Göppel; M. Büchel; Yildiz (Wolfinger), Polverino (N. Frick), Hasler, Salanovic; Gubser (Y. Frick). Técnico: Helgi Kolvidsson.

Itália: Sirigu; Di Lorenzo, Mancini, Romagnoli, Biraghi (Bonucci); Zaniolo (El Shaarawy), Cristante, Verratti; Bernardeschi (Tonali), Belotti, Grifo. Técnico: Roberto Mancini.

Local: Rheinpark Stadion, em Vaduz, Liechtenstein.
Árbitro: Andris Treimanis (Letônia).
Gols: Bernardeschi, Belotti, Romagnoli, El Shaarawy e Belotti.



Deixe um comentário