Liga Europa

Mesmo com derrota para o Brighton, a Roma se garantiu nas quartas da Liga Europa

A Roma foi até a Inglaterra, nesta quinta, 14 de março, enfrentar o Brighton comandado pelo italiano Roberto De Zerbi, na partida de volta das oitavas de final da Liga Europa. Após golear por 4 a 0 no jogo de ida, na semana passada, a Loba atuou com o regulamento debaixo do braço e, sabendo se defender, deixou o tempo passar. A derrota por 1 a 0 não foi dolorosa e serviu para que a equipe de Daniele De Rossi avançasse na competição.

O jogo começou com o Brighton, que precisava do resultado, tentando muitas jogadas pelas laterais para colocar a bola na área romanista. Só que a melhor oportunidade do início da partida foi da Roma, aos 15 minutos. Adingra saiu jogando errado e a pelota sobrou para Azmoun que arriscou da entrada da área, mas a mandou para fora.

Em Brighton, Azmoun chegou a ter um gol anulado de forma rigorosa no primeiro tempo (Getty)

O Brighton reagiu na casa dos 22 minutos, quando Lallana encontrou um belo passe para Gross, que cortou Ndicka e perdeu uma grande chance, finalizando para fora. Em seguida, a Roma chegou ao ataque e balançou as redes: Çelik cruzou e, depois de a bola rebater em Gilmour, Azmoun efetuou uma puxeta, encobrindo o goleiro Verbruggen. Entretanto, o árbitro Felix Zwayer anulou o gol por jogo perigoso do iraniano, mesmo que ele tenha chegado na pelota muito antes do zagueiro Van Hecke.

Antes do intervalo, aos 37 minutos, o Brighton abriu o placar de fato. Welbeck arrancou, tocou para Estupiñán e recebeu de volta: de fora da área, encobriu Svilar e marcou um golaço. Só que, após o descanso, o Brighton não conseguiu intensificar o ritmo do jogo e pouco assustou uma Roma absolutamente confortável com sua vantagem.

Na parte inicial da segunda etapa, o Brighton levou perigo para a Roma quando Adingra recebeu cruzamento da esquerda, mas cabeceou ao lado do gol romanista. Aos 59, foi a vez de a Loba responder: Spinazzola fez ótima jogada individual, passando por três marcadores, e arriscou de canhota. A bola acertou em cheio a trave e saiu pela linha de fundo. Três minutos depois, Gross levantou a pelota na área, outra vez para o marfinense Adingra. O meia testou na direção correta dessa vez e viu Svilar efetuar uma incrível defesa, evitando o segundo tento das gaivotas.

Bem postada em campo, a Roma chegou a acertar a trave com Spinazzola e pouco sofreu contra o time de De Zerbi (AFP/Getty)

Mesmo sendo reconhecido como um time que gosta de trabalhar a bola em trocas de passes, o Brighton assustava mesmo pelo alto. E foi assim que Van Hecke tentou duas vezes seguidas, sem sucesso. Aos 74, foi a vez de o brasileiro Igor Júlio arriscar de fora da área. Só que os ingleses novamente pararam em Svilar, que espalmou. A partir dos 79, o time da casa era todo ataque no Falmer Stadium, mas De Rossi recuou as linhas da equipe italiana para dificultar as chegadas do time de De Zerbi, praticamente anulando qualquer chance de reação.

No fim das contas, a Roma somou a sua segunda derrota em 11 partidas sob o comando do ídolo De Rossi, mas esse tropeço não teve qualquer importância. Valem muito mais os dois empates e as sete vitórias, como a que impôs,  de facto, a eliminação do Brighton no Olímpico. Sólida e vivendo ótimo momento, a equipe giallorossa segue na briga por vaga na Liga dos Campeões tanto através da Europa League quanto pela Serie A, sendo que a torcida se permite sonhar com a terceira decisão continental consecutiva e, quem sabe, com o inédito troféu da competição.

Compartilhe!

Deixe um comentário