Serie A

Um reencontro e outras histórias



Finalizando o serviço da segunda rodada, o balanço das seis partidas restantes. Nestas, o reencontro do Palermo com um futebol convincente merece destaque – mesmo que contra um insosso Livorno. Também de se considerar a vitória da Juventus contra o Cagliari, fora de casa, com direito a mais pixotadas de Zebina. Alguns bons jogos se destacam nesse início de temporada, e as expectativas acerca de um ano emocionante devem se confirmar.


Livorno 2-4 Palermo
Uma das equipes de melhor futebol na última temporada, o Palermo voltou a jogar bem após a decepção na última rodada. Destaque para o novo esquema de Colantuono, que escalou três atacantes desde o início da partida – Cavani e Miccoli pelos lados, e Amauri pelo centro. O meia Migliaccio, como previsto, começou a partida no lugar do limitado Tedesco e deu mais consistência ao jogo da equipe. Bresciano, ainda recuperando-se de lesão, só entrou no segundo tempo. Do lado do Livorno, bagunça total. Orsi, vaiado pela torcida durante todo o jogo, não levou a campo o goleiro Amelia. Também não escalou Bogdani, que tinha até treinado como titular durante a semana – em seu lugar, optou por um Tristán fora de forma. Em campo, o Palermo abriu quatro gols de diferença antes mesmo do intervalo, e depois só administrou o resultado. Fora dele, a situação do Livorno pós-Lucarelli é bastante delicada. E o ex-assistente de Mancini já balança em sua primeira experiência como técnico.

Atalanta 2-0 Parma
Sem o lesionado Doni, mas com o estreante Costinha, Del Neri preferiu armar a Atalanta em seu tão querido 4-4-2 com duas linhas. Do outro lado, Mimmo Di Carlo não tomou conhecimento do risco do jogo e partiu pra cima mantendo o esquema com três atacantes – mesmo com a lesão de Budan. Com um meio pegador, mas com criatividade nula, o esquema não funcionou e o Parma não conseguiu chegar ao ataque com perigo no primeiro tempo (à exceção de bom lance de Pisanu após passe de Reginaldo). Por outro lado, o esterno Langella sofreu pênalti infantil do experiente Coly para Zampagna converter. Com o promettente Dessena no lugar de Parravicini, o Parma teve chances de empatar até sofrer o gol do zagueiro Carrozzieri, que desviou de cabeça escanteio de Tissone.

Torino 2-2 Reggina
Na estréia de Recoba, quem roubou a cena foi o trequartista Cozza. Decepcionante o público no velho Comunale, com menos de 3.000 pessoas nas arquibancadas para acompanhar a equipe granata. Média digna de São Caetano. No banco, Novellino completava sua 500ª partida como técnico. Em campo, um time armado por Recoba e Rosina na intermediária, além do experientíssimo Corini fazendo o papel de regista. Num belo jogo, quem abriu o placar foi Amoruso, da Reggina. Ao fim do primeiro tempo, Rosina completou ótima triangulação com Recoba e Ventola, empatando a partida. O mesmo Ventola virou o jogo, para Cozza, no último minuto, empatar a jornada logo em seu primeiro toque na bola. Mais um empate com sabor de derrota para o Torino, que mostrou um bom potencial de crescimento.

Cagliari 2-3 Juventus
Chorado e sofrido. Jogo para confirmar as péssimas expectativas que permeiam a defesa da Juventus, com destaque para o já folclórico Zebina e o jovem Criscito, não correspondendo às expectativas. E para servir de padrão para as ações da arbitragem em lances duvidosos. Tagliavento não hesitou em marcar dois pênaltis a favor do Cagliari, algo impensável na era Moggi. Desencargo de consciência? É de se pensar. Giampaolo conseguiu, outra vez, pôr em campo um time compacto tendo como base o meio de campo já testado e aprovado em seu velho Ascoli. Primeiro tempo emocionante, mas sem gols. Destaque para a chance perdida de Del Piero, que errou a finalização após encobrir o goleiro Fortin. No segundo tempo, Camoranesi entrou no lugar do lesionado Salihamidzic e logo em seu primeiro lance tocou de costas para Trezeguet abrir o placar. Um minuto depois, Tagliavento marcou pênalti discutível de Legrottaglie sobre Matri, que Foggia definiu. As chances não diminuíram, e Buffon não deixou de trabalhar muito bem. Novamente, a seqüência: assistência inesperada de Camoranesi, desta vez gol de Del Piero. E zebinatta na grande área, com outro pênalti a favor dos isolani convertido por Foggia. Sorte da Juve o gol decisivo ter saído no último minuto, com a terceira assistência de Camoranesi, desta vez para gol de cabeça de Chiellini.


Catania 0-0 Genoa
A pergunta é simples: quando os dois times conseguirão deixar o mau futebol de lado? Voltando a jogar no Angelo Massimino, e com a viúva do inspetor Ratici nas tribunas, é outro fantasma que parece rondar os frágeis elefantes da Sicília. Já um estático 3-4-3 do Genoa parece ser o principal fator restringente a um plano de jogo mais fluido. No péssimo gramado do Cibali, não se podia esperar muito. O jovem esterno brasileiro Danilo Sacramento ainda marcou um gol anulado nos últimos minutos, a favor do Genoa. Mas nada que fizesse os torcedores acordarem.

Milan 1-1 Fiorentina
Na segunda-feira, o posticipo da rondada ficou por conta do Milan. Os rossoneri haviam entrado em campo na última sexta-feira, na decisão da Supercopa Européia contra o Sevilla. Prandelli manteve a Fiorentina no 4-3-3, desta vez com Santana aberto pelo lado direito. Dentro de campo, os viole começaram melhor, mas logo o Milan passou a dominar o jogo até abrir o placar com Kaká. O brasileiro, sumido, converteu um pênalti de Dainelli sobre o onipresente, onipotente e onímodo Ambrosini. Com boa movimentação, Santana encontrou Mutu no segundo tempo para alcançar o empate. Após alguns minutos de emoção, o jogo ficou morno até o fim. O cansaço da maratona rossonera minou as oportunidades do Milan, enquanto as vaias contra Vieri abateram a volúpia da Fiorentina. No final, aliás, Kuzmanovic ainda errou um gol embaixo das traves. Mas o empate fez justiça.

Confira a seleção Quattro Tratti da segunda rodada:
Buffon (Juventus), De Rosa (Genoa), Panucci (Roma), Chiellini (Juventus); Camoranesi (Juventus), Aquilani (Roma), Pirlo (Milan), Foggia (Cagliari); Ibrahimovic (Inter), Mutu (Fiorentina) e Lavezzi (Napoli).



2 comentários

  • Decepcionante o público no velho Comunale, com menos de 3.000 pessoas nas arquibancadas para acompanhar a equipe granata. Média digna de São Caetano

    caaaaaalmou vai… o Torino não merece ser tão rebaixado.. São Caetano, o dia que tiver 1.000 torcedores em média, já será muito.

    hahahahha

    no demais, interessante 2ª rodada. Estou ansioso para a próxima, pena que vai demorar.

  • Po meu, esse 4-3-3 do Prandelli é mais enganoso que o do Parreira em 2002! Hahaha..

    Os dois caras tão bem atrás..mas que fique bem claro que sou fã do Prandelli. E foi um jogaço!

    Outra cornetada: faltou mencionar o lindo lançamento do Almirón DEUS no gol do Delpi.

    Só sacanagem minha..

    O blog está excelente e os resumos ficaram supimpas!

    Outro petardo de Aquilani!

    []’s

Deixe um comentário