Serie A

A Primavera

Em 1962, o Campionato Cadetti, torneio nacional de juniores na Itália, dava lugar ao Campeonato Primavera (Campionato, em italiano). O Cadetti, inaugurado em 1957 com o título da Lazio, já não havia tido seus jogos finais disputados em seus dois últimos anos por falta de tempo. O Campeonato Primavera, então, vinha para se firmar como a liga dos juniores, similar à Serie A, a qual, por sua vez, já adotava o formato de pontos corridos desde a temporada 1929-30. Disputada até hoje, não é difícil chegar à conclusão de que a competição realmente deu certo. Este especial tem a função de explicar tudo sobre o expressivo e até essencial torneio para a base italiana.

O que, quando e onde

Desde 1969, o Campeonato Primavera é disputado entre clubes da primeira e da segunda divisão. As equipes podem utilizar jogadores que tenham pelo menos 15 e no máximo 20 anos. Entretanto, dois atletas acima do limite etário podem ser usados por jogo. Estas duas exceções, porém, são alteradas na fase de mata-mata, quando só é permitida a utilização de dois jogadores com no máximo 21 anos. A divisão dos 42 clubes é feita em três grupos com 14 equipes cada. Já a divisão destes grupos é realizada por conta da localização dos times na Itália, ou seja, dependem de suas regiões. Como exemplo, Juventus-Torino, Milan-Internazionale e Roma-Lazio caem nos mesmo grupos, invariavelmente se enfrentando logo na primeira fase.

Após partidas de ida e volta, as cinco melhores equipes de cada grupo, mais a melhor sexta colocada, formam as oitavas-de-final do torneio. As classificadas seguem em mata-mata na fase chamada de Final Eight, desta vez de um turno só, até o fim da competição. O campeão fatura o troféu Giacinto Facchetti, nomeado em homenagem ao ex-defensor interista, falecido em 2006 com 64 anos. O vencedor, assim como acontece no profissional, ainda disputa a Supercoppa Primavera – existente desde 2004 –, enfrentando sempre o ganhador da Coppa Italia Primavera. Esta última, por sua vez, engloba as mesmas 42 equipes do Campeonato, com a diferença de ser sempre disputada no formato mata-mata, com turnos de ida e volta. Foi posta em prática pela primeira vez na temporada 1972-73, com a Inter levantando o caneco.

Albo d’oro

Depois do oito vezes campeão Torino, Inter e Roma são as equipes que mais venceram o Primavera, com seis conquistas cada uma. Ultimamente, o destaque ainda é dado à Internazionale, desta vez com a companhia da Sampdoria. A primeira conquistou a Coppa Italia Primavera em 2006 e o campeonato em 2007, além da conquista de Viareggio em 2008. A Samp, por sua vez, faturou a copa, o campeonato e a supercopa em 2008. Quem sempre merece destaque é a Juventus: a Vecchia Signora venceu a copa em 2004 e em 2007, o campeonato em 2006 e a supercopa em 2006 e 2007. Não fosse o bastante, ganhou também Viareggio em 2003, 2004, 2005 e neste ano.

Destaques

Mario Balotelli é um caso à parte no futebol. O garoto de apenas 18 anos e potencial futebolístico inquestionável foi peça chave no elenco interista campeão na temporada 2006-07, marcando, inclusive, um gol na final. Não bastasse, também arrebentou em Viareggio no ano seguinte. Super Mario é só um dos nomes que já chamavam a atenção antes de atuar com a equipe principal. Sebastian Giovinco, uma das principais esperanças para o futuro do futebol italiano, foi eleito o melhor jogador da fase final no Campeonato Primavera de 2006, do qual saiu campeão com a Juventus. Claudio Marchisio e Domenico Criscito também fizeram parte da conquista. Já Raffaele Palladino, hoje no Genoa, começou a atrair holofotes quando, também pela Juventus, marcou 20 e 21 gols nas temporadas 2002-03 e 2003-04, respectivamente.

Outro caso à parte é o de Antonio Cassano: enquanto arrebentava pelo primavera do Bari, tornou-se uma aposta do treinador Eugenio Fascetti para o time principal. Depois de marcar um gol na Inter logo em sua segunda partida profissional – no meio da temporada em que o Bari se sagraria campeão primavera –, Cassano não jogou mais com os menores e se firmou como um dos destaques da Serie A. Em 1993, um garoto habilidoso e muito técnico, vindo do Padova, levava a Juventus a mais uma conquista do Campeonato Primavera: Alessandro Del Piero, ao lado de eternas promessas como Christian Manfredini e Fabrizio Cammarata, foi o principal responsável pelo título. Não por acaso, teve a chance de alinhar com o time principal já na mesma temporada.

Del Piero: início impactante na primavera juventina

Já Gennaro Gattuso não fica atrás, pelo contrário. Bicampeão primavera pelo Perugia, em 96 e 97, neste último ano foi um dos maiores destaques do torneio. Ringhio (ou Rino) fez o suficiente para interessar ao Rangers, que o contratou a custo zero após inúmeras polêmicas sobre sua vontade em permanecer na Itália. Um dos mais assombrosos desempenhos em toda a base italiana, porém, veio com Roberto Baggio. Na temporada 1982-83, com o grupo primavera do Vicenza, Robby marcou 46 gols em 48 partidas disputadas.

Nem só de flores…

Valeri Bojinov era um cara interessante, futebolisticamente falando. Ágil, goleador e muito jovem, surgiu em um promissor Lecce. Disputou o Campeonato Primavera 2001-02, do qual foi essencial ao elenco rubroamarelo. Também atuou na temporada seguinte, quando sua equipe se sagrou campeã (fato que ocorreria também em 2003-04). Ganhou suas chances com os profissionais e soube aproveitá-las. Hoje no Manchester City, enquanto batalha contra problemas físicos, não consegue passar da classificação de promessa, bem como não o fez na Fiorentina e na Juventus.

Bojinov: atacante não conseguiu repetir atuações da Primavera

A Roma, por sua vez, é especialista em “foguetes molhados”: Alessandro Simonetta e Daniele Corvia, supostamente dois atacantes que garantiriam o futuro romanista, fracassaram por completo. Outro que era estimado ao ponto de ser comparado com Totti – tudo graças à categoria primavera – foi Alessio Cerci, hoje emprestado à Atalanta e buscando se firmar no futebol profissional.

Allievi e outros

Um degrau abaixo do Primavera está o Campeonato Allievi. Este, por sua vez, enquadra os atletas de até 16 anos das equipes. Até a temporada retrasada, inscreviam-se na competição os clubes das séries A e B que desejassem. Já no ano passado, a regra foi alterada para a inclusão, se houver interesse, de times que disputem até a Serie D. Estes mesmos times também disputam o Campeonato Juniores Nazionali, direcionado especificamente à quarta divisão. Outro torneio destinado aos atletas entre 15 e 20 anos é o Dante Berretti – homenagem a um ex-presidente da FIGC, a Federação Italiana. Desconhecido e de relevância questionável, não representa tanto quanto o Campeonato Primavera, por exemplo.

Para os jogadores sub-15, há também o Campeonato Giovanissimi Nazionali. Com as mesmas condições de participação de clubes dos Allievi, é disputado junto à Copa Giovanissimi. Sendo mais um com essa faixa etária, o Campeonato Giovanissimi Dilettanti não tem restrições de equipes e, por ser um torneio menor, é disputado regionalmente na Itália para só posteriormente haver uma fase nacional. Dos nomes de maior expressão da atualidade, Daniele De Rossi e Alberto Aquilani fizeram parte dos allievi da Roma vencedores em 1999, enquanto Francesco Totti levantou o caneco em 1993.

1 comentário

  • bom do documentário em Mateus. Observações interessantes e comparações que muitas vezes passam desapercebidas pelo fato da distância cotidiana de informações esportivas da bota. parabéns

Deixe um comentário