Serie A

Balanço final: Torino

Decepção: após três anos e pífia campanha, Torino volta à Serie B

A CAMPANHA 18ª colocação, 34 pontos. 8 vitórias, 10 empates, 20 derrotas. Rebaixado para a Serie B.
FORA DA SERIE A Derrotado pela Lazio nas quartas de final da Coppa Italia.
O ATAQUE 37 gols, o 4º pior.
A DEFESA 61 gols, a 4ª mais vazada.
OS ARTILHEIROS Rolando Bianchi (9 gols), Alessandro Rosina (5).
OS ONIPRESENTES Matteo Sereni (31 jogos), Alessandro Rosina (32), Blerim Džemaili (30).
OS TÉCNICOS Gianni De Biasi (até a 15ª rodada), Walter Novellino (da 16ª até a 29ª rodada) e Giancarlo Camolese (da 30ª em diante).
QUEM DECIDIU Ninguém
QUEM DECEPCIONOU Eugenio Corini
QUEM SURGIU Blerim Džemaili
QUEM SUMIU Elvis Abbruscato
MELHOR CONTRATAÇÃO Rolando Bianchi
PIOR CONTRATAÇÃO Nicola Amoruso
NOTA DA TEMPORADA 1

O que esperar de uma equipe que trocou de técnico durante três vezes em uma competição? A desorganização nos bastidores foi reinante, e, no ano em que se completam 60 anos do desastre de Superga, a torcida granata amarga também uma melancólica queda para a Serie B – com um elenco que certamente não estava entre os três piores da competição. Após um mercado contradizente a esta expectativa, em que chegaram jogadores como Bianchi, Džemaili, Pratali, Säumel e Abate, que substituíam a altura os que foram negociados, a equipe teve um mau início de campeonato. O presidente Urbano Cairo segurou o técnico De Biasi por metade da temporada, mas a sequência de maus resultados e um atrito com o experiente Corini (que não foi nem sombra daquele meia do Palermo) foram decisivos para sua saída.

Se a demissão foi, em certa medida, justificada pelos maus resultados do clube, a escolha do seu substituto acabou por ser fator preponderante ao rebaixamento da equipe. O retorno do conservador Walter Novellino, ainda contratado ao clube, foi uma lástima: apenas duas vitórias em quatorze partidas e uma moral baixíssima para a reta final da Serie A. Camolese ainda levou o time a três vitórias, mas a situação era praticamente irreversível. Os nervos da equipe estavam em frangalhos e a pancadaria injustificada após a derrota contra o Genoa – que deixou sete titulares suspensos para a última e decisiva partida do campeonato – foi apenas uma amostra do descontrole que tomava o elenco.

Se há algo a se destacar na equipe, foi a afirmação de Bianchi como um jogador capaz de marcar gols até quando a fase é ruim. O suíço Džemaili, emprestado pelo Bolton, também mostrou ser bom jogador e deve deixar a clube, rumo a outra a equipe italiana (Fiorentina e Sampdoria têm interesse). Ogbonna, revelado na base do clube, mostrou-se uma opção bastante confiável, apesar da juventude. Por outro lado, o capitão Rosina parece cada vez mais fadado a não ser aquilo que se esperava: a irregularidade é algo que o acompanha e os lampejos de bom futebol não foram suficientes para tirar a má impressão que tem pairado sobre si. Abate, revelado pelo Milan, também decepcionou.

Deixe um comentário