Serie A

900 minutos em 9: 1ª rodada

Milito sofreu o pênalti que Eto’o converteu. Mas ainda é pouco para a dupla.

Mourinho tinha razão ao dizer que, contra o Bari, o jogo seria difícil. O que não fez o técnico português poupar seu time após o empate na estreia da tetracampeã italiana: “Em casa, se deve vencer”. Com Materazzi formando dupla com Lúcio na zaga, a Inter se confirmou num 4-3-1-2 sem surpresas até metade do primeiro tempo, quando mudou para o 4-3-3 depois de Balotelli substituir Muntari, que se sentiu mal por causa do jejum de Ramadan. Do outro lado, um Bari sem os dois atacantes titulares, Meggiorini e Barreto, apostando na velocidade de Álvarez. No segundo tempo, a Inter se viu com quatro atacantes após a entrada de Quaresma. Ainda assim, o gol de Eto’o só saiu de um contestado pênalti sobre Milito. Quando parecia decolar, a Inter viu Kutuzov bater Júlio César para empatar. A Inter continua atrás de um trequartista. Mas nenhum deles pode fazer melhorar a movimentação de um time que pareceu meio avoado em sua estreia.

Resultado melhor teve o Milan. “Agora os especialistas vão dizer que eles são fantásticos e favoritos no dérbi”, já disparou Mourinho para declarar aberto o jogo da 2ª rodada. Se a péssima pré-temporada tinha feito soar alarmes no Milan, a estreia rossonera em Siena deixou um suspiro de alívio – com ar brasileiro. Ainda que não tenha sido uma vitória fácil, os comandados de Leonardo finalmente tiveram um bom desempenho ofensivo, pelos pés de Ronaldinho e Pato. O último marcou duas vezes e ainda teve a chance de ampliar a partida no fim, de novo com assistência do camisa 80. Muitas palmas para a estreia de Thiago Silva, o melhor em campo. Que Dunga fique de olho: o Milan em boa fase só tem a ajudar sua seleção.

O melhor jogo da rodada foi disputado no Marassi, entre Genoa e Roma. O empate sem gols ao fim do primeiro tempo é suficiente para enganar um observador desatento, já que cada lado teve duas ótimas oportunidades. No segundo tempo, Criscito abriu, Taddei e Totti responderam, Zapater e Biava decidiram. No ataque grifone, os novos argentinos Crespo e (no segundo tempo) Palácio estrearam muito bem. Ironicamente, os melhores jogadores do lado romanista foram os zagueiros Burdisso e Andreolli: respectivamente, um que havia chegado há 24 horas e outro que sairá em outras 24. Um Genoa com ares de Liga dos Campeões. Uma Roma no aguardo do bom condicionamento físico de Taddei, De Rossi, Riise e, principalmente, Doni.

Voltemos à corrida de verdade pelo título, onde a Juventus usou seu tradicional 1 a 0 para bater o Chievo. Di Carlo surpreendeu ao não surpreender: pôs em campo dez dos titulares que seguraram a Vecchia Signora em abril passado. Já Ferrara optou bem por Salihamidzic no lugar do medonho Molinaro, na lateral esquerda. O gol da Juve saiu de uma falta cobrada por Diego e cabeceada por Iaquinta no início do jogo. O Chievo chegou a pressionar, mas não o suficiente para ameaçar de verdade Buffon. Enquanto isso, o Napoli sofria a primeira decepção de sua temporada ao ser derrotado para um “Palermo de scudetto”, nas palavras de Walter Zenga, que já lançou Pastore como titular na meia-direita. No Napoli, os dois que lutam pela vaga na lateral-direita foram decisivos: Maggio entregou o primeiro gol rosanero, enquanto Zúñiga cometeu o pênalti para o segundo. Hamsík marcou o de honra.

O dérbi do Appennino, que abriu o campeonato no sábado, foi prejudicado pelo forte calor de Bolonha. Mas Portanova fez pelo Bologna uma estreia maiúscula, assim como Viviano, autor de um milagre duplo sobre Gilardino. Já a Fiorentina deixou a desejar e só funcionou com a entrada de Mutu no segundo tempo: o romeno foi bem e empatou o jogo que estava indo para o ralo com o gol de Osvaldo. Em Roma, Rocchi aprevoitou lançamento de Foggia para marcar o único gol da morna vitória biancoceleste sobre a Atalanta. Mas o time se mostra mais compacto que o do ano passado e pode ser uma boa surpresa. Os próprios Rocchi e Foggia, além de Baronio, foram os destaques. Ledesma, De Silvestri e Pandev continuam de fora.

No Friuli, só nos acréscimos é que a Udinese se safou da derrota. O ponto ganho pelo empate em 2 a 2 com o recém-promovido Parma pode ser comemorado, pelo que o time mostrou em campo. A boa estreia de Panucci pelos crociati só não foi melhor por conta de um pênalti cometido sobre Di Natale, autor dos dois gols da Udinese. Também nos acréscimos, a Samp decidiu a partida com o Catania, na Sicília: a expulsão do zagueiro polonês Augustyn foi determinante. Entre Livorno e Cagliari, 0 a 0. Mesmo com as boas atuações de Diamanti e Larrivey, os goleiros De Lucia e Marchetti é que decidiram.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 1ª rodada, clique aqui.

Seleção da 1ª rodada
Viviano (Bologna); Burdisso (Roma), Thiago Silva (Milan) e Gastaldello (Sampdoria); Rossi (Genoa), Juric (Genoa), Diego (Juventus) e Foggia (Lazio); Pato (Milan), Cavani (Palermo) e Di Natale (Udinese).

1 comentário

Deixe um comentário