Coppa Italia

Lumezzane, a hora é agora

Em casa, 3 a 0 sobre o Fano e 6 a 0 em cima do Gallipoli. Depois, jogando fora, surgiu a estrela do jovem atacante Michele Marconi, de apenas 20 anos: foram dele os gols decisivos no 3 a 2 de virada no Ancona e do 1 a 0 na Atalanta, na surpreendente campanha que levou o Lumezzane às oitavas-de-final da Coppa Italia. Agora, o confronto em jogo único contra a Udinese, no Friuli, vai definir se os rossoblù de Brescia continuarão com a chance de escrever uma bela página em sua história.

A Associazione Calcio Lumezzane joga na Lega Pro Prima Divisione, nome atribuído à terceira divisão italiana. Nada mal para quem começou a disputar torneios profissionais em 1993, quando chegou pela primeira vez à Serie C2. Em suas fileiras já jogaram jovens talentos, como Simone Inzaghi (1996-97), Cristian Brocchi (1997-98), Andrea Cossu (1999-02), Antonio Buscè (1999-02) e Salvatore Masiello (2001-03). O Lumezzane também foi responsável por revelar dois jogadores importantes da Serie A em suas categorias de base: o lateral-direito Marco Cassetti (Roma) e o atacante Mario Balotelli (Inter).

Fundado em 1948, o Lumezzane chegou à quarta divisão nacional em 1955, após disputar alguns campeonatos regionais. O time ainda respirava amadorismo, tanto que Oscar Messora ainda atuava pela equipe ao mesmo tempo em que comandava seus colegas como treinador. Tanto é que não durou muito tempo na IV Serie, como era chamada a divisão à época. Duas temporadas depois, acabou rebaixado com apenas oito vitórias em 34 jogos no Grupo C da competição.

A queda afastou o presidente Natale Bonomi, ninguém quis assumir o comando rossoblù, e assim o time ficou sem futebol nos cinco anos seguintes. Quando voltou, em 1961, a estrutura do futebol italiano era bem parecida com a de hoje e o time retornou na Terza Categoria, a décima divisão, jogando apenas torneios regionais. A promoção foi imediata, começando assim a luta que duraria 30 anos para voltar ao futebol profissional, que só chegaria em 1993.

De lá pra cá, por três vezes o Lumezzane bateu na trave, quase se classificando para a Série B. Em 1998, caiu nas semifinais dos play-offs para a Cremonese. Em 1999 e 2004, perdeu as finais para Pistoiese e Cesena, respectivamente. Hoje, a promoção volta a ser uma realidade próxima ao time. Mas é questão para os próximos meses. Enquanto isso, o jogo contra a Udinese será sua partida mais importante dos últimos anos.

As temporadas
16 participações na Serie C e 6 na Serie D.

Os rivais
Com uma torcida pequena e pacífica que geralmente adota o Lumezzane como segundo time, suas rivalidades não são muito acirradas e praticamente se restringem a outros clubes modestos da Lombardia, como Chiari, Palazzolo e Montichiari. Fora da região, há ainda certa animosidade em relação à Pistoiese, por conta de problemas na final dos play-offs, em 1999. Jogando em campo neutro, em Cremona, a torcida da Pistoise lançou um petardo que acertou na cabeça o então goleiro rossoblù Marco Borghetto, que foi parar no hospital. O Lumezzane chegou a pedir a vaga para a Serie B no tapetão, mas de nada adiantou.

Os brasileiros
O primeiro brasileiro da história do Lumezzane é o lateral-esquerdo Emerson, um dos melhores jogadores do atual elenco. Chamado pela torcida de sinistro di Dio, por conta da ótima precisão no pé esquerdo, o brasileiro está em sua segunda temporada pelo clube. Com passagens em Taranto e Nuorese, no Brasil jogou por Joinville e Caxias, ambos de Santa Catarina.

Os selecionáveis
O mais perto disso foram os 14 jogos do meia Biagio Pagano pela seleção sub-20, em 2002-03. Também chegaram às seleções de base: o goleiro Francesco Benussi (2001), os defensores Francesco Andreoli (1991), Mauro Minelli (2002) e Matteo Toldi (2005) e os meias Roberto Previtali (2001) e Tommaso D’Attoma (2005). Todos pela sub-20, exceto o último, que fardou pela sub-18.

1 comentário

Deixe um comentário