Seleção italiana

Os 23 de Lippi: Claudio Marchisio

Marchisio foi um dos poucos a se salvar na terrível campanha da Juventus e é nome certo na
África do Sul, ainda que não deva ser titular na campanha mundial (Tuttosport)

Na pior temporada da Juventus desde 1962, é complicado falar de destaques. Mais difícil ainda é entender o que faz Marcello Lippi ver neste time a base de sua seleção. Uma das poucas exceções é Claudio Marchisio, talentoso meio-campista que confirmou sua titularidade neste último ano. Suas boas atuações lhe renderam inclusive as primeiras convocações para a Nazionale, pela qual estreou no último mês de agosto, num amistoso contra a Suíça. Hoje, o sucessor de Marco Tardelli é considerado um dos melhores jovens talentos do futebol europeu, evidenciado pelos ótimos chutes em média distância, a visão de jogo, a força física e a personalidade em campo, além de ser capaz de cobrir várias posições no meio-campo.

Torcedor da Juve desde criança, chegou na base do clube em 1993, aos sete anos. Mesmo ano da chegada de Alessandro Del Piero, maior inspiração de Marchisio em seus tempos de atacante nas categorias de base, onde também foi capitão por seguidas temporadas. Foi Fabio Capello quem buscou Marchisio para o time principal, no início de 2006. Já atuando mais recuado que em seu início, às vezes treinava com os profissionais, mas sem entrar em campo. Com o rebaixamento do clube à Serie B após as investigações do calciopoli, ganhou espaço. Estreou pela segunda divisão aos 20 anos, contra o Frosinone, na nona rodada. Três dias depois, já era titular e continuou como uma das primeiras escolhas de Didier Deschamps. Depois da campanha de retorno à Serie A, foi emprestado para ganhar experiência na primeira divisão.

Assim, Marchisio chegou ao Empoli junto de Giovinco e Volpato e logo estreou, tanto na Serie A quanto na Copa Uefa. Apesar da campanha que acabou rebaixando os azzurri, conseguiu se destacar e ter seu retorno pedido por Claudio Ranieri. Voltou a vestir a camisa da Juventus logo na preliminar da Liga dos Campeões 2008-09, contra o Artmedia de Bratislava. Boa opção tanto no centro ou pela esquerda no meio-campo, foi conquistando espaço e acabou eleito entre os dez melhores jogadores jovens do futebol mundial, pelo londrino Times. Na mesma temporada, marcou seu primeiro gol em bianconero na Serie A, numa vitória por 1 a 0 sobre a Fiorentina, e pouco depois teve seu contrato prolongado até 2013.

Na atual temporada, Marchisio operou o menisco poucos dias depois de estrear na seleção italiana e passou quase dois meses parado, o que atrapalhou um pouco seu rendimento por alguns jogos. Mas voltou muito bem, marcando o gol decisivo da vitória por 2 a 1 sobre a Inter ao driblar Samuel e encobrir Júlio César. Em março passado, usou pela primeira vez a faixa de capitão da Juve, com apenas 24 anos, nas oitavas-de-final de Liga Europa. Mais uma característica que o faz, para muitos, o “De Rossi de Turim”: torcedores do clube desde criança, estilo de jogo parecido, muita paixão em campo e futuros capitães em médio prazo. Quatro anos depois de sua estreia como profissional, vai para sua primeira Copa do Mundo. Se mantiver o rumo, não será a única.

Claudio Marchisio
Nascimento: 19 de janeiro de 1986, em Chieri
Posição: meio-campista
Clubes: Juventus (2006-07), Empoli (2007-08), Juventus (2008-hoje)
Seleção italiana: 3 jogos
Títulos: 1 Serie B (2007)

Deixe um comentário