Serie A

Review da temporada: Juventus

Chiellini foi o único que se salvou na péssima temporada juventina (AP/La Presse)

A CAMPANHA 7ª colocação, 55 pontos. 16 vitórias, 7 empates, 15 derrotas
FORA DA SERIE A Eliminada na fase de grupos da Liga dos Campeões, nas oitavas-de-final da Liga Europa e nas quartas-de-final da Coppa Italia
O ATAQUE 55 gols
A DEFESA 56 gols
OS ARTILHEIROS Alessando Del Piero (9 gols), David Trezeguet (7) e Vincenzo Iaquinta (6)
OS ONIPRESENTES Diego (33 jogos), Giorgio Chiellini (32) e Amauri (30)
O TÉCNICO Ciro Ferrara (até a 21ª rodada), Alberto Zaccheroni (a partir da 22ª)
QUEM DECIDIU Giorgio Chiellini
QUEM DECEPCIONOU Felipe Melo
QUEM SURGIU Ciro Immobile
QUEM SUMIU Sebastian Giovinco
MELHOR CONTRATAÇÃO Martin Cáceres
PIOR CONTRATAÇÃO Fabio Grosso
NOTA DA TEMPORADA 3

Recapitulando: na temporada passada, a Juventus terminou o campeonato na segunda colocação; Pavel Nedved se aposentou e foi a única grande baixa do time; chegaram os “bons” Cannavaro, Felipe Melo, Grosso e Diego; e o mercado bianconero, lógico, foi considerado um dos melhores da Itália. Com isso, todos apostavam que o time de Turim seria o único capaz de estragar a festa da Inter, já que diminuira a distância qualitativa entre os dois elencos. Dez meses depois, a Juve é a maior decepção do campeonato e também o time com mais problemas internos na Serie A. Desde 1962 a Velha Senhora não terminava um campeonato com 15 derrotas. Para piorar, o time ficou de fora da próxima Liga dos Campeões e quase não se classificou para a Liga Europa. Nas competições continentais, derrotas incríveis para Bayern de Munique e Fulham marcaram as quedas da Velha Senhora.

Muitos colocam a culpa em Ciro Ferrara, que foi aprovado precocemente para um dos cargos de maior pressão do futebol italiano. Em hora nenhuma o técnico conseguiu impor um padrão de jogo ao time e começou a ser contestado muito cedo, tumultuando o ambiente de trabalho bianconero. Alberto Zaccheroni assumiu sua posição pouco depois da metade da temporada e também não conseguiu ajeitar o time. Então fica claro que o problema não foi só o comando. O que aconteceu com o bom futebol de Diego e Felipe Melo? E com os gols de Amauri? Cannavaro também não mostrou o bom futebol que o levou ao topo do mundo, sendo uma sombra do jogador que foi. Sem muito esforço, a lista de decepções aumenta: Grosso, Camoranesi, Trezeguet e outros mais.

Grosso, por exemplo, perdeu até seu lugar na seleção que vai à Copa por causa do péssimo rendimento. Outros bianconeri também perderiam, caso Lippi fosse menos paternalista com os jogadores do clube. No fim das contas, só Chiellini se salvou: sempre seguro, o zagueiro é um dos motivos para a Juve não ter perdido, também, a vaga para a próxima Liga Europa. Para o futuro, Ciro Immobile é uma das grandes esperanças. O menino de apenas 20 anos foi o grande destaque da Juve bicampeã do Torneio de Viareggio, com 10 gols marcados. Por agora, a ordem é esquecer essa temporada e reestruturar a equipe. As mudanças começaram de cima, com a volta da família Agnelli à presidência do clube, a contratação de Giuseppe Marotta para a direção geral e de Luigi Del Neri para o comando do técnico da equipe. Muitas dispensas e contratações ainda devem acontecer antes do início da próxima temporada.

3 comentários

Deixe um comentário