Serie A

Benítez, o inconveniente

Relação de cordialidade entre Moratti e Benítez acabou.
E o trabalho do madrilenho da Inter também (Associated Press)

Encontrar a paz no ambiente interista tem sido tarefa árdua. Lesões em profusão, jogadores e diretoria insatisfeitos, resultados abaixo do esperado. E, agora, seu técnico entra publicamente em rota de colisão com as decisões de mercado da sociedade. Benítez disparou contra a diretoria interista em plena coletiva pós-título do Mundial de Clubes da Fifa, em Abu Dhabi, durante as comemorações por um dos títulos mais importantes da Inter, no ano mais festivo da história do clube.

Difícil tratar o caso de forma diferente: Benítez atirou “merda no ventilador”. Em um momento inapropriado, cobrou da diretoria contratações que, segundo ele, haviam sido prometidas quando chegou ao clube no meio deste ano. “Mereço respeito. Assumo toda a culpa e toda a responsabilidade, mas o clube me prometeu, em agosto, três ou quatro reforços e nenhum foi contratado. Agora necessito de reforços. Ou contratam ou falem com meu agente”, disse.

A declaração não foi bem digerida no ambiente nerazzurro: Materazzi respondeu à altura do técnico e disse que “o que Benítez faz não interessa aos jogadores”. Stankovic também demonstrou insatisfação e reclamou publicamente de não ter sido titular na final contra o Mazembe. Por fim, o presidente Massimo Moratti não quis comentar nada sobre o espanhol e se reservou a dizer que foram “palavras inadequadas”. Paradoxalmente, Benítez foi recebido com festa por alguns torcedores, no aeroporto Malpensa, em Milão.

O silêncio de Moratti é revelador: Benítez está para ser demitido do clube (já teria matriculado sua filha em uma escola de Liverpool) e o anúncio ainda não foi feito porque a saída é complicada. Além de buscar uma solução para não pagar os 8 milhões de euros de multa rescisória, Moratti precisa ainda encontrar o técnico adequado para, no mínimo, o restante da temporada. Para a primeira parte do quebra-cabeças, a Inter estaria buscando tomar medidas legais contra Benítez, alegando que a coletiva de imprensa traria “danos a imagem do clube”.

Para uma eventual substituição do espanhol, diversos nomes tem sido especulados. Luciano Spalletti, Fabio Capello e Leonardo fazem parte da lista daqueles que conduziriam a Inter não só nesta temporada, mas que acertariam com vistas a um futuro no clube. No entanto, é difícil que Capello se libere de seu contrato com a Federação Inglesa e negociar com o Zenit por Spalletti não é difícil apenas porque o clube quer manter o técnico campeão russo de 2010: o clube é comandado pela Gazprom, rival da Saras (empresa de Moratti) no setor energético. Leonardo é um nome extremamente identificado com o rival Milan e poderia encontrar resistência da torcida, mas agrada a Moratti e teve saiu de Milanello após muitos atritos com Silvio Berlusconi.

Entre os treinadores que comandariam o time apenas nesta temporada e fariam a transição para o trabalho de um outro técnico para a temporada 2011-12, pensa-se em nomes com história no clube. O primeiro da lista seria Walter Zenga, que está no Al Nassr, mas ex-jogadores da Beneamata e que trabalham no clube atualmente, como Giuseppe Baresi, assistente técnico, e Luís Figo, dirigente, também são opções. Caso a escolha seja por este método, Moratti sonha com Guardiola em 2011 e, dizem os jornais mais imaginativos, até mesmo uma eventual volta de Mourinho não está descartada, já que o português entrou em atrito com Jorge Valdano, um dos membros da cúpula do Real Madrid.

O título

Cinco títulos em 2010: Inter fecha temporada com o paradoxo crise-chave de ouro (Inter.it)

Mesmo com toda a falta de apoio, Benítez somou o título de campeão mundial de clubes a seu currículo. Sem tantos méritos, já que o caminho traçado pela Inter para jogar o Mundial de Clubes da Fifa foi realizado por José Mourinho. Mesmo nos Emirados Árabes Unidos, a Beneamata não pareceu contar com grande colaboração do treinador: os adversários não chegaram a incomodar e os jogadores pareciam atuar no piloto automático.

Na final contra o Mazembe, o script foi praticamente o mesmo da semifinal contra o Seongnam. Para evitar qualquer pressão, a Inter foi para cima e sufocou o time congolês. A exemplo da partida contra o Seongnam, os nerazzurri foram para o intervalo com uma mão na taça: aos 17 minutos, a Inter já tinha feito 2 a 0, com Pandev e Eto’o, e daí em diante apenas geriu a partida, até com excesso de preguiça.

Ainda no primeiro tempo, Milito poderia ter ampliado por duas vezes, mas perdeu cara a cara com o goleiro Kidiaba. Também frente ao exótico goleiro, mas já no finalzinho da partida, Biabiany aproveitou ótimo lançamento de Stankovic para marcar seu primeiro gol com a camisa do clube, para fechar uma partida na qual a Inter ainda chegou a correr riscos desnecessários, permitindo que o Mazembe chegasse perto demais de marcar pelo menos um gol. A se destacar, na Inter, a ótima fase de Eto’o, que foi eleito melhor jogador do campeonato e melhor jogador africano de 2010. Além disso, com o gol, o camaronês encerrou 2010 alcançando sete competições em que marcou pelo menos um tento e bateu o recorde do barcelonista Pedro, que havia marcado em seis ano passado.

No fim das contas, a Inter não repetiu o Barcelona, mas fechou o ano de 2010 com cinco de seis títulos disputados. Sagrou-se tricampeã mundial de clubes como a primeira equipe neste formato da competição a não ter sofrido nenhum gol nos jogos que disputou. O merecimento dos títulos não chega a passar por questionamentos, mas fato é que a facilidade encontrada no Mundial de Clubes da Fifa faz com que a declaração de Benítez pareça completamente acima do tom. Caso realmente deixe o clube agora, o espanhol sairá com a medalha de campeão mundial, mas passará longe de sair pela porta da frente.

4 comentários

Deixe um comentário