Serie A

22ª rodada: O pulo da loba

Roma em estado de graça: com os tropeços de quem está na parte de cima da tabela, goleada sobre a Inter valeu mais. E a renovação de De Rossi. um dos melhores em campo, foi a cereja do bolo (Getty Images)

Na semana em que caiu mais neve em Roma desde 1986 e o frio causou problemas, a promessa era de alguma tensão e reclusão na capital. Mas, para a parte giallorossa dos romanos, o domingo foi de festa. A Roma foi absolutamente superior à Inter e goleou os nerazzurri por 4 a 0, com uma grande exibição coletiva. De quebra, foi a única equipe entre as sete primeiras colocadas na tabela a conseguir vencer e se aproximou da zona de classificação para a Liga dos Campeões. Como se fosse pouco, a torcida ainda pode comemorar o encerramento das especulações envolvendo a saída de Daniele De Rossi, o Capitan Futuro. Ele renovou com o clube por mais cinco temporadas. Acompanhe o resumo da rodada, que ainda teve o empate da líder Juventus contra o Siena e também entre Milan e Napoli, jogo no qual Ibrahimovic fez besteira e pode ter comprometido o campeonato rossonero.

Roma 4-0 Inter

Foi um baile à Luis Enrique. Honrando sua filosofia barcelonista, o técnico da Roma colocou seu time para frente e viu seus comandados começarem o atropelo logo nos primeiros minutos. Acuada, a Inter sofreu o primeiro aos 12 minutos, depois de Júlio César fazer duas defesas importantes. Sem qualquer nome criativo no meio-campo, por causa das lesões de Sneijder, Álvarez e Stankovic, Ranieri, em sua 600ª partida como técnico na Serie A, escalou uma equipe extremamente defensiva e pragmática, um pouco impelido pelas circunstâncias, um pouco pela sua crença tática. Fato é que a Roma cresceu ainda mais, com o domínio no meio-campo proporcionado pelas boas partidas de De Rossi e Pjanic, e pela grande partida de Borini na frente. O jovem atacante marcou os dois gols seguintes, enquanto a Inter não dava o menor sinal de reação e luta, dominada até mesmo quando a Roma não fazia mais força e tocava a bola preguiçosamente – os números finais indicam que os romanos tocaram a bola duas vezes mais que os milaneses e tiveram 66,4% de posse de bola. O quarto gol, de Bojan nos minutos finais, foi apenas um tiro de misericórdia na desmoralização interista e a cereja no bolo para dar mais respaldo ao projeto da Roma.

Milan 0-0 Napoli

O Napoli vinha acostumado a crescer em jogos grandes. Contra o Milan, no San Siro, foi diferente. A equipe de Walter Mazzarri não fez grande partida e, mesmo que Cavani tenha perdido um gol feito no final, não fossem algumas intervenções do goleiro De Sanctis, teria saído derrotada. A sorte é que o Milan também não jogou bem e, quando teve chances, sempre criadas de alguma forma por Ibrahimovic, as desperdiçou. A maior delas aconteceu com Robinho, que recebeu passe inteligente do sueco e, cara a cara com De Sanctis, chutou para fora. Se Ibra foi inteligente ao ajeitar essa bola para Robinho, foi extremamente irresponsável por dar um tapa no rosto de Aronica quando nem mesmo uma confusão existia em campo. Expulso, o sueco foi suspenso por três partidas e, caso o Milan não vença o apelo para reduzir seu gancho, não enfrentará a Juventus, no confronto direto para o título. Suspenso, também, Massimiliano Allegri, que ofendeu o árbitro e acabou expulso.

Juventus 0-0 Siena

A Juventus poderia ter se lamentado muito mais do tropeço em casa contra o Siena, caso suas perseguidoras tivessem vencido. Em um dia menos inspirado, a Juve até que pressionou os visitantes, mas a mira não estava calibrada. Além disso, Giuseppe Sannino armou, mais uma vez, um ferrolho muito eficiente, praticamente impedido que os jogadores bianconeri pudessem entrar na área. Méritos também para o goleiro Pegolo, que tem substituído o titular Brkic, lesionado, com maestria. Nos três últimos jogos, esteve entre os principais nomes do time, fazendo defesas importantíssimas. Uma “defesa” fez também o capitão Vergassola, ao colocar a mão na área para evitar cruzamento de Chiellini. O árbitro não viu, a Juve reclamou bastante, mas querer justificar o tropeço por causa de uma decisão incorreta da arbitragem é exagerado.

Genoa 3-2 Lazio

Em Gênova, a equipe da casa teve pouquíssimo trabalho para vencer uma Lazio desfigurada, repleta de desfalques, e quebrou um tabu: desde 1991-92 não vencia a equipe romana em seus domínios. Sem boa parte da defesa e com Hernanes se lesionando no aquecimento, Reja teve de colocar em campo Garrido, que há tempos não jogava, e mudou seu esquema de um 4-2-3-1 para um 4-4-2. Rocchi, substituto do brasileiro, se aqueceu mal e logo no início saiu com uma lesão muscular. Sobre um campo escorregadio, por causa da neve acumulada nas horas anteriores ao jogo, o Genoa logo abriu o placar com Palacio, depois de uma cobrança de escanteio e de um erro de Marchetti, que foi encoberto por seu toque de calcanhar. Jankovic marcou o segundo (com mais uma falha de Marchetti) e foi também o autor do terceiro, completando o domínio rossoblù e estabelecendo certa preguiça no time. A Lazio ainda tentou  reagir, no finalzinho, mas os dois gols saíram tarde demais.

Fiorentina 3-2 Udinese

Jovetic, no final do jogo, declarou: “conseguimos uma boa vitória para o nosso objetivo, que é a permanência na Serie A”. Já reconhecendo internamente seus próprios limites, a Fiorentina fez um bom jogo e, contando com erros da Udinese, conseguiu três pontos importantes. O próprio JoJo marcou dois gols de pênalti, ambos cometidos por Benatia, que parece ter voltado da Copa Africana de Nações em outra rotação. Armero, por sua vez, esqueceu de marcar Cassani no lance do segundo gol viola, quando a partida estava empatada: o lateral florentino apareceu muito de trás para fulminar Handanovic, sem qualquer objeção da zaga. Na Udinese, que deixou a Fiorentina virar com alguma facilidade, só mesmo Di Natale jogou: além da assistência para o primeiro gol do romeno Torje na Itália, fez um golaço por cobertura e assumiu a artilharia isolada da competição. Agora, bianconeri terão o Milan como próximo adversário para buscar a recuperação.

Palermo 2-1 Atalanta

Caiu muito bem para o Palermo a notícia dada pelo presidente Maurizio Zamparini que um grupo de investidores árabes deve investir cerca de 300 milhões de euros no clube e participar também do projeto de construção do novo estádio. Com um Miccoli novamente inspirado, o Palermo jogou na maior parte do tempo com um homem a mais, fez a Atalanta de presa fácil e encostou no grupo de equipes que lutam pela Liga Europa. Aos 25, o capitão rosanero sofreu pênalti do goleiro Consigli – que acabou expulso. Sem Denis, suspenso, a Atalanta já teria mais dificuldades de chegar ao gol, já que Tiribocchi está sem ritmo de jogo, e com a saída do bomber para a entrada do goleiro Frezzolini, as coisas ficaram ainda mais complicadas. Depois de fazer 1 a 0, o Palermo só foi marcar o segundo na etapa seguinte, com Budan, após pequeno bate-rebate na área. Maxi Moralez reencontrou as redes pouco depois, diminuindo para a Atalanta e fazendo a torcida relembrar os melhores momentos do início da temporada, que parecem ter passado de uma vez.

Chievo 1-2 Parma

Golaço e grande partida: Giovinco, mais uma vez, lidera o Parma à vitória. O time com mais cara de que joga o campeonato para ficar no meio da tabela, sem incomodar ou ser incomodado, venceu o Chievo com facilidade, mesmo que apenas o Formiga Atômica tenha feito partida digna. Destaque para as lambanças: primeiro, Paletta furou ao tentar cortar e permitiu que Théréau empatasse, e depois Luciano foi tentar cortar cruzamento de Giovinco e, de canela, fez um gol contra risível. Tudo a ver com o péssimo estado do gramado do Bentegodi, que mais parecia cenário de guerra e não merecia um bom jogo.

Lecce 0-0 Bologna

Em um jogo cheio de faltas, Lecce e Bologna não saíram do 0 a 0 na Puglia. Melhor para o Bologna, que entrou em campo com a intenção de não sair derrotado e conseguiu seu objetivo. Com uma partida a menos, os felsinei receberão a Fiorentina em casa, no dérbi do Appennino, e poderá chegar aos 25 pontos – oito a mais que o Lecce. Na equipe da casa, se o novo contratado Bojinov (que estreou ontem) deve ganhar a titularidade, Carrozzieri, expulso, e Benassi, machucado, serão desfalques na próxima partida. Chance para o goleiro Júlio Sérgio, que não aceitou ser reserva na Roma e no Paris Saint-Germain e acabou amargando a reserva no pequeno Lecce. Será que continuará?

Novara 0-0 Cagliari

Em partida de baixíssimo nível técnico, Emiliano Mondonico conseguiu seu primeiro ponto em dois jogos no comando do Novara. Mas não tem o que comemorar, já que, mais uma vez, a prestação da equipe foi bem ruim e atingir a salvezza parece cada vez mais um milagre. Mesmo assim, Mondonico brincou: “o Cagliari fez quatro na Roma, a Roma quatro na Inter e nós não levamos gol do Cagliari. Então venceremos a Inter [próxima adversária, no domingo] por 8 a 0…”. O espírito do bigodudo é justo: ele está treinando um time da Serie A pela primeira (e possivelmente última) vez em anos. Tecnicamente muito abaixo dos outros times, resta aos novareses apenas se divertirem com os últimos meses na elite.

Cesena-Catania
Adiado, por causa do forte volume de neve que caiu em Cesena, para o fim de fevereiro.

Para resultados, escalações e estatísticas da 22ª rodada, clique aqui.

Para relembrar a 21ª rodada, clique aqui.

Seleção da 22ª rodada

De Sanctis (Napoli); Cassani (Fiorentina), Juan (Roma), Terzi (Siena), Pasqual (Fiorentina); Jankovic (Genoa), De Rossi (Roma), Pjanic (Roma); Palacio (Genoa), Borini (Roma), Giovinco (Parma). Técnico: Luis Enrique (Roma).

Deixe um comentário