Serie A

31ª rodada: Sob juízo

Arbitragem mais uma vez contestada: são muitos erros em momentos capitais (Ansa)

Mais uma vez, os árbitros chamaram mais a atenção do que os jogadores na Serie A. Neste domingo, os apitadores foram destaques negativos em Fiorentina 2-2 Milan e Inter 3-4 Atalanta, interferindo em lances capitais e sendo fundamentais nos resultados, com graves erros. Em um país que já viveu tantos escândalos de manipulação dos resultados, caberia à Federação Italiana de Futebol (FIGC) exigir mais dos árbitros, treiná-los com mais competência e ser mais rigorosa nas punições. A credibilidade do futebol nacional está em jogo há anos e a FIGC parece fechar os olhos para os problemas, arranjando álibis para tirar o corpo fora. 

Na esfera do futebol jogado, porém, a Juventus segue firme para o bicampeonato, enquanto o Napoli respira e a briga contra o rebaixamento esquenta. Confira o resumo da rodada.

Inter 3-4 Atalanta

A Inter poderia estar sorrindo neste momento: em um momento no qual seus atacantes estão lesionados, viu Rocchi desencantar e marcar seu centésimo gol na Serie A, depois de 14 meses em jejum. Recuperou Álvarez, que jogou bem no Giuseppe Meazza pela primeira vez. E, caso este texto estivesse sendo escrito às 17 horas de domingo (7 de abril), poderíamos dizer que a briga pela Liga dos Campeões estava reaberta, uma vez que o time estava cinco pontos atrás do Milan. Porém, em uma temporada negativa, tudo isto é ficção. A verdade é que os problemas defensivos, as lesões, a instabilidade psicológica e, também, os erros dos árbitros vão minando a temporada nerazzurra.

Neste domingo, a Inter conseguiu abrir 3 a 1 sobre a Atalanta, com dois gols de Álvarez e um de Rocchi – sem contar a ótima partida de Kovacic. Porém, aos 20 minutos, o árbitro Gervasoni inventou um pênalti – os jogadores da Atalanta já se encaminhavam para cobrar escanteio – e tudo mudou. Em 12 minutos, com três gols do bomber Denis, a Atalanta virou a partida, se aproveitando de erros defensivos e da fragilidade psicológica de uma Inter que vê seus melhores jogadores se lesionando em momentos cruciais: depois de Milito, em um espaço de quatro dias, Palacio e Cassano tiveram lesões musculares que os afastarão por um mês. Uma Inter que se sente injustiçada pelos árbitros e não vê perspectiva de melhora a curto prazo. E que vê a temporada praticamente jogada no lixo, terminando de forma absolutamente melancólica. (Nelson Oliveira)

Fiorentina 2-2 Milan
Em
Florença, a arbitragem pra lá de contestável de
Tagliavento ofuscou o duelo entre 3º e 4º colocados na tabela. O
apitador prejudicou a Fiorentina no primeiro tempo e depois tentou
compensar, influenciando no resultado. Pressionando a saída de bola e
tendo maior domínio territorial desde o início, o Milan aproveitou-se do
mau
dia do time de Montella, especialmente do meio-campo. O primeiro gol
rossonero
saiu justamente quando o time milanês pressionava a saída de bola.
Pizarro
tentou driblar na entrada da área e acabou
sendo desarmado por Montolivo, que chutou da entrada da área, marcando
seu primeiro gol contra seu ex-clube. Ele, que era capitão da Fiorentina
e capitaneava o Milan nesta partida, não comemorou.  Melhor
no jogo, o Diavolo teve chances, mas a falta de pontaria e as
defesas de
Viviano impediram que a vantagem fosse aumentada na primeira etapa. Aos
42 minutos, outro erro na saída de bola toscana:
El Shaarawy avançava, mas Tomovic impediu sua progressão com o braço e
fez falta. Tagliavento expulsou o sérvio diretamente, cometendo seu
primeiro erro no jogo.
Na
volta do intervalo, a
Fiorentina conseguiu ter o domínio da posse de bola, porém pouco criava.
O
Milan, por sua vez, procurou ocupar os espaços e sair em velocidade,
especialmente pelos flancos. Assim, em cruzamento de Montolivo, Flamini
desviou
para ampliar a vantagem milanista. Contudo, pouco depois Ljajic fez
jogada
individual dentro da área rossonera, passando por quem estivesse na
frente, e
ao ser tocado no ombro por Nocerino, desabou no chão. Tagliavento marcou
uma
penalidade bastante generosa e o próprio Ljajic converteu a cobrança.
Sem reação, o Milan ainda
viu Tagliavento marcar outra penalidade, seis minutos depois, agora de
De
Sciglio em cima de Cuadrado. Na cobrança, Pizarro empatou a partida,
para o desespero
dos milanistas, que viram o Napoli ampliar sua vantagem para quatro
pontos. Na próxima rodada, tem confronto direto, e Balotelli, suspenso,
não joga. (Arthur Barcelos)
Napoli 2-0 Genoa
Depois de sete jogos sem vitórias
na temporada, o time de Mazzarri vai reagindo na Serie A. Em casa, os partenopei
chegaram à terceira vitória
consecutiva, ampliando a vantagem sobre o Milan para quatro pontos. O
melhor é que a vaga na Liga dos Campeões está bem próxima, já que o time
está dez pontos à frente da Fiorentina, 4ª colocada, faltando sete
rodadas para o fim do campeonato. Já o Genoa, sem vencer há quase dois
meses (seis jogos),
voltou para a zona de rebaixamento com os pontos conquistados por Siena e
Palermo – os três times tem 27 pontos. Situação complicada para o time
genovês, que, mesmo tendo uma tabela
teoricamente mais fácil que os adversários, precisa voltar a reagir no
campeonato caso não queria voltar à Serie B.
No San Paolo, após duas chances
dos visitantes em três minutos, só deu Napoli. E o primeiro gol saiu aos 17,
quando Cavani passou para Pandev chutar contra o gol de Frey. Criando chance
atrás de chance, mas parando em Frey, os donos da casa só voltaram às redes dez
minutos depois. Em jogada puxada por Hamsík, líder de assistências
na Serie A com 13 passes para gol, ficou fácil: o eslovaco passou para Dzemaili, em grande fase, surpreender
a defesa lígure e ampliar a vantagem. Na segunda etapa, Cavani ainda teve três
boas chances de marcar, mas parou em Frey. No pênalti sofrido por Hamsík após
falta de Kucka, defesa do goleiro francês. Depois, em duas jogadas de Armero,
novas defesas do arqueiro grifone.
(AB)

Juventus 2-1 Pescara

Os preparativos para a festa do scudetto já podem começar. A apenas sete rodadas do fim, a Juve mantém nove pontos de vantagem para o vice-líder Napoli e, salvo desastre, o título da Serie A deve mesmo ficar em Turim, pela segunda temporada seguida. Contra o lanterna Pescara, o resultado foi o esperado, mas não aconteceu com facilidade. O goleiro Pelizzoli fez grande exibição, talvez a melhor de sua carreira, e conseguiu parar o ataque juventino até os 73 minutos de jogo. Um feito e tanto para quem guarda as redes da pior defesa do campeonato, com 63 gols sofridos.  

O bloqueio do Pescara só foi furado depois que Rizzo fez pênalti em Vidal e acabou expulso. Vucinic converteu e na comemoração, ainda abaixou o calção e ficou só de cueca. Assim, ele facilitou as coisas para a Velha Senhora, que pouco depois faria 2 a 0, com o mesmo Vucinic. O montenegrino girou dentro da área e bateu no canto do goleiro. Antes do fim, o Pescara ainda diminuiu, com Cascione, mas já era tarde demais. O time já soma 22 derrotas na competição e vê a Serie B cada vez mais perto. Com apenas 21 pontos marcados e futebol pouco producente, difícil imaginar que a equipe consiga tirar seis pontos para o primeiro fora da zona de rebaixamento em apenas sete rodadas. (Rodrigo Antonelli)

Roma 1-1 Lazio

Em um dérbi que poderia ajudar a decidir uma vaga europeia, Roma e Lazio se frustraram. O empate em uma partida muito emocionante foi negativo para as duas equipes, uma vez que a Lazio, que segue na zona de classificação à Liga Europa, não conseguiu se distanciar da Inter e se aproximar do Milan, que hoje estaria classificado à LC, e a Roma também não conseguiu se reaproximar de vez do grupo. Com 51 pontos, a Lazio é a 5ª colocada, enquanto a Roma tem 48 e mantém a 7ª posição.

Em campo, o grande nome do jogo foi Hernanes. No primeiro tempo, dominado pela Lazio, o Profeta foi o autor do golaço que abriu o marcador. Ele recebeu passe de Lulic na intermediária e, sem ser importunado por qualquer romanista, mandou um canudo no ângulo de Stekelenburg. No início do segundo tempo, o brasileiro desperdiçou pênalti cometido por Marquinhos e, menos de 10 minutos depois, cometeu penalidade sobre Pjanic, reacendendo a partida. Totti cobrou e se igualou a Dino da Costa e Delvecchio como maior artilheiro do dérbi na Serie A, com 9 gols. Com o empate e, a partir dos 24 minutos, com um a mais após expulsão de Biava, a Roma cresceu no jogo e só não chegou ao segundo gol porque Marchetti fez ótimas defesas e Lamela perdeu chance inacreditável debaixo das redes.

Bologna 2-2 Torino
Quase livres de algum perigo de
rebaixamento, Bologna e Torino se enfrentaram no Renato Dall’Ara. Os bologneses
queriam apagar a má impressão deixada no último jogo, enquanto o Torino queria
se recuperar da derrota frente ao Napoli, mas sem contar com o artilheiro
Bianchi, deixado no banco pelo técnico Ventura que insistiu com Barreto no
ataque. No entanto a opção do treinador granata deu resultado ainda no primeiro
tempo. Após chute de Cerci, o goleiro Curci espalmou mal e o brasileiro só teve
trabalho de completar para o gol, marcando seu segundo gol consecutivo após 873
dias sem balançar as redes. Com Cerci e Meggiorini municiando Barreto, a equipe
de Turim pressionou bastante no primeiro tempo, mas não conseguiu ampliar.
Na volta para o segundo tempo, o
Bologna voltou sem alterações, mas com uma atitude diferente e pressionou desde
os minutos iniciais a equipe do Torino. O gol, porém, só saiu já na metade da
segunda etapa. Depois de cruzamento de Morleo, o grego Kone apareceu livre para
cabecear para empatar o jogo. No primeiro tempo, Kone já havia marcado um gol, injustamente invalidado. O jogo seguiu equilibrado até os minutos finais,
quando Guarente, que havia acabado de entrar, aproveitou a sobra na entrada da
área e disparou uma pancada, sem chances para Gillet. A vitória do Bologna
parecia certa, mas com alguns segundos além do tempo adicional, Bianchi concluiu
cruzamento de D’Ambrosio e empatou a partida. O camisa nove dedicou o gol
torcedores, reiterando o desejo de ficar no clube. Com um ponto cada, ambas
seguem distantes da zona da degola, mas ainda correndo riscos. (Caio Dellagiustina)

Sampdoria 1-3 Palermo
Assim como a lei do ex nunca falha, quando o primeiro treinador da temporada, demitido, volta ao time, ele esboça uma reação no clube. Tá… É uma brincadeira, obviamente, mas o Palermo ganhou a sua primeira partida fora de casa em mais de um ano e chegou à segunda vitória consecutiva no campeonato – pela primeira vez em 2012-13. O time só não saiu da zona do rebaixamento devido ao número de vitórias. O rosanero, fora de casa, quase balançou a rede, aos 20 minutos, com o capitão Miccoli, que calculou mal e finalizou perto de Romero, que defendeu. Von Bergen, no entanto, foi mais eficaz. O zagueiro escorou o cruzamento de Miccoli e surpreendeu o arqueiro da Sampdoria. A equipe empatou ainda no primeiro tempo: após cobrança de escanteio, Munari subiu sozinho no meio da área para vencer Benussi.

Ilicic, logo no começo da etapa final, fez um belíssimo gol no Marassi: ele cortou quatro jogadores e chutou na saída de Romero. Golaço. García aumentou a vantagem rosanera, com assistência de Miccoli a partir de um escanteio. Só não foi 4 a 1 porque o capitão do Palermo, mais tarde, errou o gol em chance clara. Com uma boa atuação, o Palermo volta empolgado à Sicília, onde recebe o Bologna; a Sampdoria encara o Genoa, fora de casa. (Murillo Moret)

Udinese 3-1 Chievo
Com uma bela partida de Di Natale, autor de dois gols e uma
assistência, a Udinese voltou a vencer em casa, após quatro jogos. Pior para o
Chievo que acumulou sua segunda derrota e voltou a flertar com a zona de
rebaixamento, apesar do risco ainda ser pequeno. Sem Muriel, deixado de fora
por Guidolin e contando com Di Natale e Maicosuel no ataque, o time da Udinese
demorou a atacar. Então, o goleiro Puggioni resolveu dar uma “forcinha”: se
complicou ao tentar driblar Di Natale, que apertou a saída de bola e acabou sendo atingido pela bola chutada por Puggioni, que bateu nele e serviu para abrir o marcador. Na comemoração Totò homenageou Franco
Califano, cantor italiano falecido na última semana.
O segundo gol não demorou a chegar. Cinco minutos depois,
Di Natale acertou um incrível voleio, sem chances para
o arqueiro do Chievo, que apenas pode observar um dos golaços da temporada. O time gialloblù conseguiu descontar ainda no primeiro
tempo. Após cruzamento, Papp cabeceou na trave, mas na sobra, Rigoni, mesmo
sentado, devolveu a bola na área, novamente na cabeça do zagueiro romeno que
dessa vez mandou para as redes. Na segunda etapa, os dois goleiros tiveram
trabalho e Brkic salvou a Udinese em chutes de Pellisier e Théréau. Puggioni
também fez boas defesas, mas não conseguiu evitar o terceiro gol friuliano,
marcado por Benatia, que só completou cruzamento de Di Natale e definiu o jogo.
(CD)

Siena 0-0 Parma
Enquanto o Pescara já é considerado virtualmente rebaixado, outros três times disputam um lugar ao sol fora da zona vermelha. Siena, Palermo e Genoa têm 27 pontos e é dentre os três que devem sair mais dois rebaixados. Com o empate contra o Parma, o Siena continuou em 17º lugar, se livrando do descenso por enquanto, mas permitiu aproximação perigosa do Palermo, que venceu a Sampdoria e vem em fase ascendente.

No Artemio Franchi, o jogo não reservou muitas emoções. O Parma fez uma partida melhor e teve as duas principais chances de gol da partida, com Amauri e Sansone. Méritos do treinador Donadoni, que optou por Benalouane, Paletta e Lucarelli na zaga e conseguiu anular muito bem a velocidade de Emeghara. A equipe emiliana joga de maneira muito parecida tanto fora de casa, quanto em seus domínios, com bola no chão e bom toque de bola, principalmente por causa de Parolo e Marchionni, e vem ganhando pontos importantes para assegurar matematicamente a permanência na Serie A. (RA)

Catania 0-0 Cagliari
Ainda lutando para conquistar uma vaga em competição europeia na próxima temporada, o Catania sentiu demais a falta de Lodi e Almirón e não saiu de um empate em 0 a 0, na Sicília, contra o Cagliari. Biagianti, Castro e Keko começaram jogando no meio de campo dos elefantini, já que Barrientos também ficou de fora (suspenso). Eles bem que tentaram suprir a falta dos titulares: Agazzi desviou o cruzamento perigoso de Keko e, na sobra, Bergessio não conseguiu completar para o gol. Cabrera, que substituiu Pisano, lesionado aos 30 minutos do primeiro tempo, isolou uma chance clara para o Cagliari.

Na etapa final, Marchese tentou de falta, de um lado, e Sau finalizou do outro. Em ambas as oportunidades os goleiros conseguiram defender. Em uma partida sem muitas emoções, a bola do jogo parou nos pés de Thiago Ribeiro. E ele também parou: o atacante brasileiro, em contra-ataque nos acréscimos da etapa final, demorou a concluir e deixou Marchese desarmá-lo. O Catania conseguiu apenas uma vitória nas últimas cinco partidas. Os elefantes encaram o Chievo, fora de casa, na próxima rodada. Por sua vez, o Cagliari, sem Nainggolan (suspenso), recebe a Inter. (MM)

Relembre a 30ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Marchetti (Lazio); Astori (Cagliari), Von Bergen (Palermo), Benatia (Udinese); Ilicic (Palermo), Hamsík (Napoli), Bonaventura (Atalanta), Álvarez (Inter); Vucinic (Juventus), Denis (Atalanta), Di Natale (Udinese). Técnico: Giuseppe Sannino (Palermo).

1 comentário

  • Sou interista e desde o inicio da temporada ja sabianque iria ser uma temporada complicada, dificil mas pelos resultados de campo, jogando bola, ate porque o time é ruim, e desde o inicio não tem um padrão tatico e muito menos uma cara de time. Mas chega uma hora que cansa. Tantos erros. Como Moratti disse, fica dificil acreditar na boa fé da arbitragem italiana. Eu não acredito mais. Vejo jogos esperando algo de no minimo estranho acontecer. O penalti dado a Atalanta ontem foi patetico, ridiculo e vergonhoso. Torço e tenho esperança que minha squadra melhore, não tenho tanta esperança assim que a arbitragem melhore ou pare de "errar". Vamos ver, esperar as cenas dos próximoa capitulos… E só para registrar, esse Gervasoni, é o mesml que apitou Catania x Juventus, aquele mesmo que anulou o gol do Catania. Isso que dizer alguma coisa?? Talvez. Na minha lógica de má fé dos arbitros, sim quer dizer muita coisa. Abraços a todos.

Deixe um comentário