Serie A

37ª rodada: Morna, quase esfriando

Festa da Juventus foi destaque em rodada morna na Itália (Repubblica.it)

Em uma penúltima rodada com quase tudo já definido no campeonato, só poderia mesmo se esperar um punhado de jogos mornos. E foi exatamente isso que aconteceu na Serie A. Foram definidos os últimos rebaixados, Palermo e Siena, e uma vaga na Liga dos Campeões e outra na Liga Europa estão em aberto – mas não tanto assim. Confira o resumo da rodada.

Milan 0-0 Roma  

Jogando em casa, o Milan poderia ter assegurado sua classificação para a próxima Liga dos Campeões nesta rodada. Com o empate, porém, os rossoneri não tiveram o que comemorar e ainda permitiram aproximação perigosa da Fiorentina, concorrente direta à vaga. Para piorar, a partida não ficou marcada pelo futebol jogado, e sim pelas manifestações racistas contra Balotelli. O árbitro Rocchi teve que interromper a partida e pedir para que a torcida da Roma parasse com as imitações de macaco e os cânticos racistas.

Dentro de campo, a expulsão boba de Muntari (indignado com cartão amarelo mostrado a Balotelli, segurou o juiz, impedindo-lhe de mostrar cartão), no fim do primeiro tempo, deu maior liberdade para a Roma, que foi melhor durante quase todo o jogo. A equipe giallorossa, no entanto, não conseguiu converter suas chances em gol e já não tem chances matemáticas de alcançar uma vaga para a Liga Europa através da Serie A. O time da capital ainda pode assegurar um lugarzinho na Europa se vencer a Coppa Italia. O jogo só voltou a ficar equilibrado no fim do segundo tempo, quando Totti foi expulso por briga com Mexès. (Rodrigo Antonelli) 

Lazio 2-0 Sampdoria

Sob sol muito quente, Lazio e Sampdoria fizeram uma partida feia de assistir e com poucas emoções, no Olímpico de Roma. Floccari abriu o placar logo aos dez minutos de jogo e, depois disso, pouco aconteceu. O forte calor diminuiu o ritmo do jogo e a Lazio preferiu se encolher em seu campo, levando pressão em boa parte dos 90 minutos. Na chance mais perigosa dos blucerchiati, Icardi acertou o travessão.   

As coisas só foram melhorar para a Lazio na segunda metade do segundo tempo, depois que Rossini teve que deixar o campo, machucado, e a Samp ficou com um a menos em campo. No fim, Renan ainda foi expulso por reclamação, após pênalti marcado para os donos da casa. Candreva converteu, de cavadinha, e garantiu e luta pela vaga na Liga Europa, contra a Udinese, até a rodada final. Apenas dois pontos separam as equipes. A Lazio enfrenta o Cagliar, enquanto a Udinese pega a Inter. (RA)

Juventus 1-1 Cagliari

Foi mais um dia de comemoração que uma tarde de futebol, em Turim. Novamente com um time misto, a Juventus ficou no empate em 1 a 1 com o Cagliari e não conseguiu sua maior pontuação na história da Serie A. A equipe da casa começou melhor, porém, não abriu o marcador porque Giovinco apanhou da bola e sequer conseguiu finalizar à meta de Agazzi. O goleiro do Cagliari trabalhou bem em um chute de fora da área de Vidal. Após a cobrança de escanteio, Ibarbo puxou o contra-ataque de seu próprio campo, passou por entre Marchisio e Barzagli e tocou na saída de Storari. Na etapa final, Vucinic, que entrou no lugar de Giovinco, empatou o jogo após cabeçada de Vidal para o meio da área.   

Na Arena Juventus, antes da partida, Vidal recebeu o prêmio de melhor jogador da Juventus na temporada. O chileno foi escolhido pelos torcedores bianconeri, em votação no site oficial do clube. Depois da peleja, o circo foi armado na grama da arena. Todos os jogadores, por ordem de numeração, receberam a medalha de campeão italiano. A comissão técnica (incluindo Antonio Conte) levou tabefes dos atletas da Juventus numa forma de agradecer o trabalho realizado no ano – isso é difícil compreender, mas tentem. O único poupado foi o auxiliar Massimo Carrera. O último a subir no pódio foi Buffon, capitão, que levantou a taça. (Murillo Moret)

Napoli 2-1 Siena

Em jogo que não valia nada, já que o vice-campeonato do Napoli e o rebaixamento do Siena já haviam sido confirmados, o clima foi de despedida no San Paolo. Afinal, pode ter sido a última partida de Cavani e do técnico Mazzarri pelo Napoli no estádio do clube. Para os azzurri, uma rápida definição do futuro dos dois será imprescindível, já que a preparação para a Champions, em caso de partida do principal jogador e do técnico que está fazendo um excelente trabalho em Fuorigrotta será fundamental para definir os rumos de 2013-14.

Em campo, o Siena começou aprontando, depois que Grillo recebeu cruzamento na grande área e, livre, chutou alto para o fundo das redes, marcando o primeiro gol em sua primeira partida na elite. No segundo tempo, Cavani empatou após bate-rebate na área, chegando aos 28 gols no campeonato, e, já nos acréscimos, Hamsík – que havia entrado no segundo tempo e mudado o jogo – marcou o gol da última vitória azzurra em casa na temporada. Agora é hora de se planejar. (Nelson Oliveira)

Udinese 2-1 Atalanta

Di Natale marcou dois gols para virar o jogo, no Friuli. A Udinese bateu a Atalanta por 2 a 1, conquistou sua 7ª vitória consecutiva e permaneceu dentro da zona de classificação à próxima Liga Europa. O artilheiro bianconero fez com que Consigli sujasse o uniforme logo no primeiro minuto de jogo; na sequência, uma falta cobrada pelo atacante passou perto da trave. No entanto, quem saiu na frente em Údine foi a Atalanta: Brkic defendeu os chutes de Giorgi e De Luca, mas não conseguiu parar a terceira finalização, também de De Luca. Maxi Moralez teve a chance de dobrar a vantagem, porém, não aproveitou. O castigo veio no fim da primeira etapa: Totò tabelou com Allan e chutou no canto para empatar a partida.  

Logo no começo do segundo tempo, Di Natale colocou a Udinese na frente. O capitão marcou seu 175° gol na Serie A – passou Amedeo Amadei, ex-atacante de Roma, Napoli e Inter (174). Totò é o 12° maior artilheiro da competição e se aproxima de Giampiero Boniperti, ex-bandeira da Juventus, que tem 178. A equipe do Friuli decide a vaga continental contra a Inter, no domingo, e talvez sem Di Natale. O jogador saiu no fim da partida com uma lesão no joelho. A Udinese tem dois pontos de vantagem para a Lazio, única que pode roubar-lhe a vaga. A Atalanta encerra sua participação na temporada contra o Chievo, em Bérgamo. (MM)

Genoa
0-0 Inter
No jogo mais morno da rodada e sem muito
o que valer para os adversários, Genoa e Inter empataram no Marassi num chocho
0 a 0. Aos anfitriões bastava um empate e o tropeço do Palermo para a salvezza
ser garantida. Aos visitantes, já sem possibilidades de se classificar para a
Liga Europa, nem mesmo a vaga direta para as oitavas de final da Coppa Italia
pareceu importar para os comandados de Stramaccioni. No fim das contas, o Genoa
garantiu sua permanência na Serie A, enquanto a Inter caiu para a nona
colocação. Caso queira evitar a terceira fase de classificação da Coppa Italia,
terá que vencer o último jogo da fracassada temporada (contra a Udinese) e
ainda secar um surpreendente Catania.
Em Gênova, as equipes até tiveram bom
desempenho no primeiro tempo. A Inter, com o domínio territorial e posse de
bola (61%), trocava displicentes passes no campo rival e desperdiçou boas
chances de aproveitar os buracos na defesa rossoblù (e foram vários). Por sua
vez, o time de Ballardini buscou explorar as deficiências defensivas interistas
por meio de contra-ataques. Desfalcada de vários defensores e contando com um
Ranocchia com o joelho quase estourado, um Cambiasso improvisado e o jovem
Pasa, o sistema defensivo se saiu bem. Enquanto Borriello e Bertolacci fizeram
Handanovic trabalhar apenas duas vezes (muito bem, diga-se de passagem), e Rocchi acertou o travessão de Frey.
Mas foi só isso. (Arthur Barcelos)
Fiorentina
1-0 Palermo
Em casa, a Fiorentina jogou para o gasto,
garantiu ao menos uma vaga na Liga Europa e manteve o sonho de participar da
próxima Liga dos Campeões. Para isto, basta vencer o rebaixado Pescara e torcer
por um empate ou derrota do Milan contra o também rebaixado Siena. Com a derrota, o Palermo também teve decretado o seu rebaixamento após nove
temporadas na elite italiana. Reflexo de uma temporada conturbada e recheada de
erros, especialmente do proprietário e presidente Maurizio Zamparini, que terá
muito trabalho (e paciência) para adequar o clube à realidade da Serie B. Leia mais sobre aqui.
No Artemio Franchi, o time de Montella só
abriu o placar nos minutos finais do primeiro tempo após algumas chances desperdiçadas.
Em jogada que já se tornou marca da equipe, Borja Valero abriu para Cuadrado na
ponta direita, o colombiano centrou para o desvio de Luca Toni reviver seus
melhores momentos e marcou contra seu ex-clube. Na segunda etapa, a forte chuva sobre Florença acabou
prejudicando a troca de passes da Viola, enquanto o Palermo ofereceu pouco
perigo a Viviano. (AB)

Parma 0-2 Bologna
No dérbi emiliano, a falta de objetivos dos dois times no restante da temporada nem chegou a atrapalhar o futebol. O Parma celebrava os 20 anos da sua primeira conquista internacional, a Recopa Europeia vencida no estádio de Wembley – com direito a faixas, convite aos jogadores que participaram e até a camisa comemorativa, utilizada no encontro. Porém, o Bologna de Pioli estava lá para estragar a festa.

Pioli, que nasceu em Parma e até já treinou a equipe crociata, conseguiu sua primeira vitória contra a equipe de sua cidade. O Bologna, inclusive, voltou a vencer após dois meses de jejum. No primeiro tempo, logo aos 6 minutos, Taïder acertou um chute de fora da área bem no canto do gol defendido por Mirante, que nada poderia fazer. Depois, o Parma buscou a reação, mas parou no jovem goleiro austríaco Stojanovic, que havia sofrido nove gols nos últimos dois jogos, mas que conseguiu se recuperar. Fez boas defesas e foi um dos melhores em campo. No segundo tempo, Moscardelli fechou o placar e jogou de vez água no chope da festa parmiggiana. (NO)

Catania 1-0 Pescara
Jogando sua última partida em casa na temporada, o Catania
encarou o lanterna Pescara. Embora não tenha maiores objetivos na Serie A, o
Catania ainda sonha com um feito para entrar para a história, alcançar sua
melhor posição na primeira divisão, igualando as temporadas 1960-61 e 1963-64
quando terminou na oitava colocação, a mesma da atual. O recorde de pontos já foi superado (era de 48, hoje o time tem 55) e é muito provável que esta se converta na melhor temporada da história do clube. Por outro lado, o
Pescara chegou a marca negativa de 27 derrotas, igualando a marca do Venezia (a
pior da história da primeira divisão) em 1949-50.
Em campo, o Catania foi melhor desde o início, criando
inúmeras oportunidades, mas todas foram bloqueadas pela defesa ou defendidas
por Perin, que merecia uma equipe melhor pela temporada que fez. O gol
rossoazzurro só saiu no começo da segunda etapa. Após cruzamento da direita de
Bergessio, Gómez precisou se esticar para tocar no canto de Perin. Um gol que
pode ter sido o último do camisa 17 pelo time siciliano, já que o interesse de Inter e Atlético Madrid é grande. O Pescara teve apenas
uma boa chance nos pés de Sforzini, defendida sem muitas dificuldades por
Andújar. Lodi, em cobrança de escanteio e depois Bergessio tiveram a chance de
ampliar, mas o placar se encerrou com contagem mínima. (Caio Dellagiustina)
Chievo 1-1 Torino
Já sem preocupações, o Chievo recebeu o ameaçado Torino, que
lutava pela salvezza (confirmada após a derrota do Palermo). Sem vencer há cinco
jogos (quatro derrotas e um empate), o Toro não se preocupava muito em vencer e
se contentaria com um novo empate. A escalação de Ventura, com cinco defensores e
apenas Cerci e Barreto na frente mostrou isso. Embora também com cinco
defensores, o Chievo se aproveitou da moleza incial dos granata e atacou desde
os primeiros minutos. O gol não tardou a sair e logo aos nove minutos, Théréau
fez boa jogada pela esquerda e tocou na saída de Gillet. Um gol que pode ter
sido o último dele com a camisa amarela, já que tem sondagens da Fiorentina e
pode sair ao final da temporada.
Após o gol sofrido, o Torino saiu para o jogo e aos 19
chegou ao empate. Dainelli cometeu pênalti bobo em Ogbonna e na cobrança Cerci
não deu chances ao goleiro Puggioni e empatou o jogo. O time de Turin seguiu atacando,
mas ao ouvir o anúncio do gol de Toni, em Florença, o time só se preocupou em
segurar o empate. Assim, na segunda etapa, pouca movimentação das duas equipes
que só quiseram saber do final do jogo e da permanência na Serie A da próxima
temporada. (CD)

Relembre a 36ª rodada aqui.

Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.
Seleção da rodada
Handanovic (Inter); Allan (Udinese), Roncaglia (Fiorentina), Naldo (Bologna), Lulic (Lazio); Cuadrado (Fiorentina), Candreva (Lazio), Nainggolan (Cagliari), Hamsík (Napoli), Gómez (Catania); Di Natale (Udinese). Técnico: Francesco Guidolin (Udinese).

Deixe um comentário