Serie A

Os melhores da Serie A 2013-14

Ao longo da última semanas, analisamos a temporada dos 20 clubes que
disputaram a Serie A em um especial dividido em duas partes (parte 1 aqui e parte 2 aqui),
destacando os principais pontos de cada equipe, além dos destaques e
fracassos individuais dos elencos. Falamos também sobre os melhores jovens jogadores desta edição do torneio.
Encerrando a nossa retrospectiva, só nos resta montar a seleção dos
melhores do campeonato e também atribuir prêmios por desempenhos
individuais.

As equipes do Quattro Tratti e da Trivela
votaram, juntamente com alguns dos mais prestigiados jornalistas
especialistas brasileiros e estrangeiros para escolher a seleção da
temporada
recém-finalizada da Serie A, e foram escolhidos também os melhores da
temporada em seis categorias. Agradecemos a cada
um dos participantes desta votação e também a você, leitor, que nos
acompanha diariamente. Continuaremos atentos a tudo o que acontece antes, durante e depois da Copa do Mundo, aqui e nas nossas mídias sociais. Vamos, agora, ao
que interessa!

Publicado também na Trivela.

Chegou quem faltava: Tévez alçou o patamar da Juventus (Getty Images)

Carlos Tévez

Prêmios: Melhor jogador e Melhor atacante

Tévez chegou à Juventus neste verão para ser o diferencial que a Velha Senhora queria ter para o seu ataque, que não tinha jogadores do mesmo calibre que nos outros setores. Tévez foi contratado sobretudo por causa da Liga dos Campeões, competição em que não fez gol, mas se salvou na má campanha juventina. Porém, na Serie A, foi decisivo: marcou 19 gols e foi o autor de sete assistências, além de ter feito um campeonato brilhante, com a vontade e a garra que lhe são características.

Não à toa, o Apache teve a melhor média de votos entre os jogadores da Serie A, segundo a Gazzetta dello Sport, e garantiu o quarto título nacional de sua carreira. Não é pouca coisa ter sido o melhor jogador da temporada vestindo a 10 de Del Piero na melhor campanha da história da Juventus e da história do campeonato italiano com 20 equipes e vitória valendo três pontos. Tévez bateu a concorrência de nomes como Immobile, Toni, Higuaín, Palacio, Di Natale, Rossi, Destro, e Llorente, além dos ponteiros Gervinho, Cuadrado e Cerci, como melhor atacante e os de Pogba, Vidal, Pirlo, Pjanic, Strootman e Benatia como melhor atleta do campeonato.

Tão jovem, mas tão importante: Pogba foi um dos craques da temporada (AFP)

Paul Pogba

Prêmio: Melhor meio-campista

Pogba tem apenas 21 anos, mas não parece. Um dos jogadores mais completos e classudos do futebol atual,  o francês foi o dono do meio-campo juventino nesta temporada e tomou a vaga de Marchisio no time titular bianconero. Além do mais, foi mais importante que Vidal, que não estava no auge da forma física, e do que Pirlo, que foi poupado em alguns jogos da temporada. O jogador, que ganhou o nosso prêmio de melhor jovem da última temporada, evoluiu bastante, e acabou como o melhor jogador da primeira parte da temporada juventina e só perdeu o posto para Tévez não por demérito seu, mas porque o argentino cresceu muito de produção.

Ao todo, Pogba marcou sete gols (alguns deles, pinturas) e deu sete assistências, mostrando boa presença ofensiva e ótima visão de jogo. Vidal também teve bons números (11 gols e cinco assistências), mas o francês foi superior em termos de movimentação, posicionamento e, mesmo com a pouca idade, foi o jogador da Juve que mais entrou em campo no ano, e esteve entre o top 10 dos jogadores de linha com mais minutos nas pernas. No meio-campo, além de ter superado Vidal e Pirlo, com quem fez grande trio, Pogba também foi melhor que Strootman, Pjanic, Borja Valero, Iturbe e Candreva, outros jogadores que receberam votos na nossa eleição.

Matando jogadas e sendo artilheiro, Benatia se destacou na Roma (Reuters)

Mehdi Benatia

Prêmio: Melhor zagueiro

Aqui, não há dúvidas. O marroquino Benatia, da Roma, foi o melhor zagueiro do campeonato com sobras e, não à toa, não constou em poucas das seleções dos nossos votantes. Uma das melhores contratações de toda a temporada europeia (como algumas outras feitas pela equipe giallorossa), Benatia deixou a Udinese rumo ao Olímpico rejeitando outras propostas, porque seria titular. E protagonista. Liderou a segunda melhor defesa do campeonato em números – mas a que foi melhor e mais sólida durante a maior parte da Serie A –, foi perfeito nas jogadas aéreas e nas rasteiras, no posicionamento para afastar as jogadas adversárias. Como se fosse pouco, repetiu por cinco vezes a comemoração de “matador” (vide foto) e terminou o certame como o defensor com mais gols marcados.

A temporada magnífica do marroquino fez com que nem mesmo o seu colega de posição, Leandro Castán, sonhasse com o prêmio de melhor beque do campeonato, apesar da bela temporada. O melhor do ano passado, Barzagli, conviveu com muitos problemas físicos e não conseguiu defender a primazia com a mesma força – o mesmo vale para Paletta, outro bom defensor de 2012-13. Chiellini e Bonucci, que fizeram boa Serie A, chegaram perto; Ranocchia foi muito bem na reta final, mas teve campanha turbulenta até então, enquanto na Inter, Samuel foi fantástico, mas atuou em apenas 14 partidas, pouco para ser levado em consideração. Merecem menção honrosa, também, o argentino Rodríguez, o parmense Lucarelli e Darmian, do Torino, que é lateral, mas também atuou como zagueiro na campanha granata.

Não fosse por Handanovic, a Inter poderia ter terminado o campeonato de forma mais melancólica (AP)

Samir Handanovic

Prêmio: Melhor goleiro

Se a Inter teve a terceira melhor defesa do campeonato, deve muito a Handanovic. O esloveno acabou exposto na primeira parte da temporada, porque a defesa interista errava muito e dava muitos espaços. Parecia, também, sem confiança, e cometia alguns erros infantis. Porém, o Batman crescia nos grandes jogos (foi muito bem contra Roma, Milan e Fiorentina) e, mesmo que a Inter não vencesse, mantinha a equipe viva nas partidas.

Também garantia resultados, como as últimas vitórias do campeonato nerazzurro, em que fez defesas sensacionais contra Parma, Lazio e, especialmente, Sampdoria, ajudando a equipe a se classificar para a Liga Europa. Com a defesa mais organizada à sua frente, recuperou a confiança e atingiu o mesmo nível de 2012-13, quando ganhou o prêmio de melhor goleiro, e dos anos anteriores, quando brilhou na Udinese. Para garantir o bi na categoria, Handanovic ficou à frente dos experientes Buffon e De Sanctis, que também fizeram boa temporada. Os brasileiros Neto e Rafael, destaques de Fiorentina e Verona, também merecem menção honrosa. Assim como os jovens e ótimos Perin e Scuffet.

Na boa defesa da Roma, Castán viveu momentos melhores que no Corinthians (Getty Images)

Leandro Castán

Prêmio: Melhor jogador brasileiro

Alguns anos atrás, se disséssemos que um jogador que nem é lembrado pelo técnico da seleção brasileira acabou sendo o melhor canarinho da Serie A italiana, duvidariam de nós. Claro, a Itália deixou de ser o destino de grande parte dos melhores jogadores brasileiros, mas Castán merece crédito. Na própria Roma, teve temporada melhor do que a de Maicon, que recuperou seu futebol e voltou a ser chamado para integrar o grupo da Seleção. Castán também foi superior a Hernanes, Kaká, Neto, Jonathan, Rômulo, Rafael, Jorginho, Danilo, Allan, Taddei, Éder e Paulinho, que tiveram bons momentos na temporada.

Após uma primeira temporada razoável em Trigoria, o jogador cresceu com a chegada de Rudi Garcia e com Benatia, zagueiro mais físico que o antigo companheiro Marquinhos, a seu lado, conseguiu demonstrar um futebol seguro e muito técnico. Aos 27 anos, atingiu o auge da carreira e teve seu contrato renovado até 2018.

Já adquirido pela Juve, Berardi brilhou na Serie A (Sky)

Domenico Berardi

Prêmio: Melhor jovem

Se o pequeno Sassuolo garantiu a permanência na Serie A em seu debute na primeira divisão, deve muito a Berardi. Na categoria para revelações (considerando apenas jogadores sub-23 e excluindo Pogba, vencedor do ano passado), o atacante calabrês ganhou com alguma distância dos seus rivais. Na temporada, teve números de grande jogador: 16 gols e nove assistências em 29 jogos, participação em quase 60% dos gol da equipe. Destes tentos, quatro foram feitos em uma mesma partida contra o Milan, outros três sobre a Fiorentina e outros sobre a Sampdoria.

Infernal, o atacante não é um goleador, mas um jogador que cai pelos lados do campo e, com bom poder de finalização, chuta apenas quando é possível. Além de ter chamado a atenção pela qualidade na movimentação, na técnica para criar jogadas e finalizá-las, a personalidade também é algo a se louvar em Berardi – apesar de, pelo temperamento explosivo, ter perdido chances na seleção sub-21 e também na principal. Já adquirido pela Juventus, o jovem, que deve seguir no Sassuolo em 2014-15, bateu a concorrência de alguns dos seus colegas de equipe, como Zaza e Sansone, e também de jogadores de outras equipes, como Scuffet, Perin, Iturbe, Keita e Kovacic.

Seleção da Serie A 2013-14

Handanovic
(Inter); Barzagli (Juventus), Benatia (Roma), Chiellini (Juventus);
Cuadrado (Fiorentina), Vidal (Juventus), Pogba (Juventus), Strootman
(Roma), Pjanic (Roma); Immobile (Torino), Tévez (Juventus).
Técnico: Rudi Garcia (Roma).

Também foram votados

Goleiros: Buffon (Juventus), Perin (Genoa), Scuffet (Udinese), De Sanctis (Roma), Rafael (Verona), Neto (Fiorentina) e Consigli (Atalanta);

Defensores: Lichtsteiner (Juventus), Bonucci (Juventus), Paletta (Parma), Leandro Castán (Roma), Nagatomo (Inter), Ranocchia (Inter), Lucarelli (Parma), Maicon (Roma), Darmian (Torino) e Mustafi (Sampdoria);

Meias: Pirlo (Juventus), Callejón (Napoli), Iturbe (Verona), Asamoah (Juventus), Candreva (Lazio), Borja Valero (Fiorentina), De Rossi (Roma), Inler (Napoli) e Bonaventura (Atalanta);

Atacantes: Rossi (Fiorentina), Cerci (Torino), Toni (Verona), Higuaín (Napoli), Gervinho (Roma), Mertens (Napoli), Totti (Roma), Palacio (Inter), Berardi (Sassuolo) e Cassano (Parma).

Técnicos: Conte (Juventus) e Ventura (Torino)

Votantes da seleção da temporada

Anderson Moura (Quattro Tratti/Esporte Interativo)

André Rocha (ESPN

Andrea Chiavacci (Fox Sports/Di Marzio)

Arthur Barcelos (Quattro Tratti)
Braitner Moreira (Correio Braziliense)

Caio Dellagiustina (Quattro Tratti

Caíque Toledo (VAVEL)

Cleber Gordiano (Quattro Tratti)

Cristiano Acconci (Who Scored?)
Daniel Leite (God Save The Ball/iG)

Daniele Mari (Tutto Mercato)

Fabrizio Romano (Di Marzio)

Felipe Lobo (Trivela)
Felipe Portes (Portal Vox)

Felipe Rolim (Esporte Interativo)

Felipe Schmidt (Globo Esporte)
Gian Oddi (ESPN)
Giancarlo Rinaldi (Football Italia)

Guglielmo Cannevale (Di Marzio)

João Guilherme (Fox Sports)

Leandro Stein (Trivela)

Marco De Vargas (Fox Sports)

Marco Mazzocchi (RAI)

Mateus Ribeirete (Quattro Tratti)

Michael Cox (Zonal Marking)

Michel Costa (Além das 4 Linhas)
Murillo Moret (Quattro Tratti)
Nelson Oliveira (Quattro Tratti/Terra)
Paolo Bandini (Guardian)
Pedro Spiacci (Quattro Tratti)
Rafael Oliveira (ESPN)
Rodrigo Antonelli (Quattro Tratti/Correio Braziliense
Serafino Ingardia (Football Italia)
Tiago Lima Domingos (Doentes por Futebol)
Victor Canedo (Globo Esporte)
Victor Quintas (Doentes por Futebol) e
Vitor Sergio Rodrigues (Esporte Interativo).

Deixe um comentário