Outros torneios

Serie B: a hora da verdade

Festa na Toscana: o Empoli foi vice-campeão e subirá para a Serie A junto com o Palermo (LaPresse)

Com o final da temporada regular da Serie B, quase todos os vereditos do campeonato já estão definidos. Palermo e Empoli subiram para a elite; Padova, Reggina e Juve Stabia jogarão a terceira divisão. Agora, começa a fase de mata-mata, que agrega oito das 22 equipes do torneio. Os jogos eliminatórios definirão o último classificado à Serie A (seis equipes brigam pelo posto) e o último rebaixado à renovada Serie C. Confira a nossa análise do torneio e os prognósticos para o que está por vir.

Palermo

Fora o início ruim com Gattuso, o campeonato do Palermo foi cirúrgico. O time de Iachini não brilhou, mas fez o dever de casa: mostrar a superioridade financeira em campo. A despeito das seis primeiras rodadas, com três derrotas e apenas duas vitórias, com Iachini foram 79 pontos em 36 partidas, aproveitamento de 73,1% – 23 vitórias, 10 empates e três derrotas. O treinador ainda se sagrou o primeiro a conquistar duas vezes o troféu Coppa Ali della Vittoria, destinado ao primeiro colocado da Serie B e criado em 2007 – em 2007-08, foi campeão com o Chievo.

O time siciliano retorna para a Serie A um ano depois com alguns destaques: o quase intransponível Sorrentino no gol, com 15 partidas sem ser vazado e apenas 20 tentos sofridos em 32 partidas; os firmes Pisano, Múñoz, Terzi e Andelkovic na defesa; o capitão Barreto, líder em assistências, o dinâmico Bolzoni e o promissor Verre no meio-campo; o bomber Hernández, a surpresa Lafferty e o jovem Belotti no ataque. Porém, difícil fazer uma previsão de como o clube de Zamparini voltará para a primeira divisão. Provavelmente buscará um ano de estabilidade, entre as 14ª e 8ª posições.

Empoli

O torcedor azzurro por um momento ficou preocupado. Até a 33ª rodada, o Empoli dava indicativos de uma queda de rendimento, e deu margem para o Palermo disparar na frente e os clubes de baixo encostarem. Mas foi só um susto: o clube toscano estará na Serie A. Desde a última análise do blog, o time de Sarri jogou nove vezes, venceu seis, empatou uma e perdeu duas (ambas fora de casa). O suficiente para colocar quatro pontos de vantagem sobre o terceiro colocado e fazer a festa contra o Pescara na última rodada, acabando com um tabu de seis anos fora da primeira divisão.

Como o Palermo, o time de Sarri, técnico que jamais treinou na Serie A, é simples e pragmático: defesa bem montada, meio-campo sólido e três jogadores na frente livres para desequilibrarem. A tônica foi a mesma da temporada passada, quando por pouco não bateu o Livorno: um jovem e dois veteranos. Verdi, antiga promessa do Milan e hoje vinculado ao Torino, foi o substituto de Saponara com sete gols e sete assistências, enquanto Tavano marcou incríveis 22 gols e Maccarone foi o autor de 15 gols e 12 assistências.

Os azzurri voltam pra elite do futebol italiano sem expectativa de altos investimentos, tanto que é apenas o quinto plantel melhor avaliado da segundona – também não possui uma folha salarial gorda, para os padrões do campeonato. Retorna para primeiro brigar contra rebaixamento. Porém é um time que mescla bem jovens (Laurini, Tonelli, Rugani, Hysaj e Verdi) e experientes (Bassi, Valdifiori, Moro, Croce, Tavano e Maccarone), o que funcionou para Torino, Verona e Atalanta nos últimos anos. Interessante também para ver a dupla Tavano-Maccarone de volta a Serie A, ainda mais após uma temporada com bons desempenhos dos “velhinhos” Toni, Totti e Di Natale.

Play-off

Como esperado, as últimas vagas para o play-off foram disputadas até o último minuto dos jogos da 42ª rodada. Apenas Latina e Cesena tinham segurança da presença na fase. Ambos estão nas semifinais, onde esperarão pelos vencedores de Crotone-Bari e Modena-Spezia, respectivamente. Crotone e Bari farão jogo único em Crotone, dia 3, enquanto o Modena recebe o Spezia em casa também em jogo único e no dia 3. As semifinais acontecerão em jogos duplos, nos dias 8 e 11, com decisão nas casas de Latina e Cesena. Na final, dois jogos nos dias 15 e 18.

Os últimos play-offs indicam que o terceiro colocado geralmente vence a fase, com apenas a Sampdoria, sexta em 2011-12, destoando nos últimos sete anos. O atual terceiro colocado é o Latina, que já pode se dar por satisfeito de ter chegado até aqui, em sua estreia na segundona – caso suba, será a terceira equipe da região do Lácio na Serie A, ao lado das capitolinas Roma e lazio. A equipe, contudo não representa um palpite confiável, visto que, apesar do sistema defensivo forte, produz pouco e nem mesmo tem grande superioridade como mandante (até perdeu mais em casa do que fora). O Cesena, que caiu para a Serie B em 2012, aparece na quarta posição e também é uma surpresa, com uma defesa pouco vazada, mas poucos gols marcados e um time sem grandes destaques.

Modena e Crotone, porém, são totalmente o oposto, com o melhor ataque do campeonato e o terceiro melhor do “G8”, respectivamente. Enquanto o tradicional Modena está afastado da elite desde 2004, o pequeno Crotone, da Calábria, nunca jogou na primeira divisão. São equipes jovens, ousadas e criativas, mas que também não possuem grande estabilidade atrás.

Bari e Spezia prometem não serem adversários fáceis. O clube barês, depois de tanta turbulência em março sobre seu futuro, contou com uma forte campanha para salvação e arranjou um grupo para administrá-lo. Graças à campanha, que envolveu desde Antonio Cassano ao ex-árbitro Gianluca Paparesta, passando pelo ator e diretor pornô Rocco Siffredi, foi a sensação da Serie B nesta reta final, com 11 vitórias em 15 partidas e recordes atrás de recordes de público no gigante San Nicola: 32.528 contra o Latina em 16 de abril, 35.181 contra o Cittadella em 19 de maio e quase 50 mil contra o Novara, na última rodada, garantindo vaga no play-off. Se subir, volta à elite após três anos na segundona.

Já o Spezia, depois de montar um bom time e decepcionar em 2012-13, conseguiu maior estabilidade (16 vitórias, 14 empates e 12 derrotas contra as 12 vitórias, 15 empates e 15 derrotas no último ano) e contou com a queda de rendimento das surpresas Lanciano, Avellino e Trapani, além da dura punição do Siena. A equipe, dona de um scudetto honorário, conseguido num campeonato italiano realizado apenas por times do norte do país, durante a II Guerra Mundial, pode conseguir a sua primeira participação em uma Serie A em grupo único – o Spezia jogou a primeira divisão apenas quando o campeonato era dividido por grupos regionais.

Por fim, vale ressaltar que o Siena, de grande investimento, ficou fora dos play-offs por apenas um
ponto. Caso não houvesse recebido oito pontos de penalização por problemas fiscais, teria
ficado com a terceira posição nesta temporada. As outras decepções ficam por parte de Pescara e Ternana, que poderiam
ter terminado o campeonato ao menos brigando pelo play-off.

Play-out

Nos dias 06 e 13, Varese e Novara disputarão a permanência na Serie B. De bom campeonato em 2012-13, o Novara não manteve o nível do elenco da última temporada e os efeitos foram muito sentidos em 2013-14, com campanha muito irregular, péssimo desempenho fora de casa e muitos empates. O clube piemontês, que jogou a Serie A em 2011-12, é o favorito para cair, já que o Varese ainda pode contar com os gols de Pavoletti e vem de boa vitória sobre o Siena. Os biancorossi, inclusive, só estão no play-out pela desvantagem no confronto direto com o Cittadella, com os mesmos 47 pontos, mas 6-3 no placar agregado (5-1 e 1-2).

Rebaixados

O Padova caminhava para brigar com o Novara contra o rebaixamento direto, mas uma sequência de cinco derrotas em seis jogos definiu a queda para a Serie C de um time que tinha qualidade para estar do meio da tabela para cima. O time definhou fora de casa e nem mesmo o bom desempenho dos jovens Pasquato e Improta ajudou.

Já rebaixados desde a última análise, pouco a dizer sobre Reggina e Juve Stabia, com míseros 0,66 e 0,45 pontos por jogo, respectivamente. Para os lugares dos rebaixados, já estão confirmadas as presenças de Virtus Entella (primeira vez na Serie B) e do tradicional Perugia, que vem se reerguendo após anos de crise. As outras duas vagas serão decididas por Südtirol e Pro Vercelli, que buscam a outra vaga do grupo A, e Frosinone e Lecce, que brigam no grupo B.

Seleção da Serie B

Iacobucci (Latina); Ângelo (Siena), Tonelli (Empoli), Cottafava (Latina), Mammarella (Lanciano); Galano (Bari), Barreto (Palermo), Crisetig (Crotone), Verdi (Empoli); Mancosu (Trapani), Babacar (Modena).  T: Iachini (Palermo).

Perfil tático da Serie B

3-5-2 (6) – Palermo, Latina, Avellino, Brescia, Cittadella, Novara
4-2-3-1 (5) – Cesena, Bari, Spezia, Varese, Juve Stabia

4-3-3 (4) – Crotone, Siena, Lanciano, Ternana
4-1-4-1 (3) – Carpi, Padova, Reggina
4-4-2 (2) – Modena, Trapani 
4-3-1-2 (1) – Empoli
3-4-2-1 (1) – Pescara

Classificação da Serie B aqui.
Principais estatísticas da Serie B aqui.

Deixe um comentário