Liga dos Campeões

Nesta quarta, Juventus e Roma tiveram classificação adiada na Liga dos Campeões

Depois de um dia de festa no sul da Itália, o centro e o norte do país tiveram de esperar um pouco mais para estourar a champanhe. Juventus e Roma tinham chances de se classificarem às oitavas de final da Liga dos Campeões ainda nesta quarta, mas tropeçaram e adiaram as celebrações. As duas equipes dependem só de si para carimbarem a passagem à próxima fase.

Em Turim, a Juve recebeu o Barcelona, que precisava apenas de um empate para garantir a liderança no Grupo D. A equipe catalã entrou em campo para fazer este resultado e não atacou muito, contrariando seu hábito. O fato de Ernesto Valverde ter poupado Jordi Alba e Messi – que entraram no segundo tempo – também contribuíram para a postura mais cautelosa dos blaugrana.

Allegri também projetou uma equipe mais defensiva, ainda que tenha perdido Chiellini de última hora: o time jogou no 3-4-2-1, com Barzagli, Benatia e Rugani na zaga, Cuadrado e Alex Sandro como alas e Douglas Costa no lugar de Mandzukic, que ficou no banco. Com dois times pensando em se proteger, pouco aconteceu no Allianz Stadium. Na verdade, os momentos de maior emoção ficaram por conta das homenagens da torcida a Mandzukic e Buffon, através de mosaico e cartazes, e a Iniesta, aplaudidíssimo no momento de sua substituição.

O primeiro tempo, paupérrimo, teve apenas duas chances notáveis para a Juventus e uma para o Barcelona. Pelos bianconeri, Douglas Costa testou Ter Stegen e Dybala acabou chutando para fora, enquanto os blaugrana acertaram a trave em uma falta cobrada de forma despretensiosa por Rakitic. Após o intervalo, a entrada de Messi acendeu um pouco o Barça, mas a melhor chance dos catalães caiu nos pés de Digne, após erro de Cuadrado. O francês não soube o que fazer e acabou tentando servir uma assistência quando deveria ter chutado. Já no apagar das luzes, Dybala tentou colocar no cantinho direito de Ter Stegen, mas foi negado por uma bela defesa do alemão.

Na última rodada, a Juventus visita o Olympiacos e se classifica com uma vitória simples. A partida acontecerá em momento espinhoso para a Velha Senhora, entre os duelos contra Napoli e Inter, pela Serie A. Embora o calendário seja um problema, pesa a favor da trupe de Allegri que o Sporting, o outro concorrente pela vaga, precisa vencer o Barcelona em pleno Camp Nou e ainda torcer por um tropeço dos italianos.

Por sua vez, a Roma saiu derrotada contra o Atlético de Madrid, mas está ainda mais perto da vaga nas oitavas do que a Juventus. Paradoxal, não? É que a equipe da Cidade Eterna enfrenta o Qarabag na última rodada do Grupo C e só deixa a classificação escapar se tropeçar contra os azeri no Olímpico e se o Atleti vencer o classificado Chelsea em Londres.

O primeiro tempo no Wanda Metropolitano foi ainda mais pobre de emoções do que o do Allianz Stadium. De relevante, apenas um gol anulado dos donos da casa, por um toque de mão na origem da jogada que acabou concluída por Augusto Fernández. Após o intervalo, a Roma chegou muito perto do gol com Nainggolan, que cruzou para a área e viu a bola surpreender Oblák e acertar a trave. Foi aí que Griezmann surgiu das trevas em que se encontra ultimamente e afastou a má fase, decidindo a partida.

O atacante francês abriu o placar aos 69 minutos com uma pintura. Correa chegou à linha de fundo e cruzou para que Griezmann emendasse um lindo voleio para as redes, sem oferecer chances para Alisson, até então inoperante. O ex-arqueiro do Internacional trabalhou logo na sequência, defendendo uma finalização de Torres.

Após a expulsão de Bruno Peres, aos 83, o Atlético de Madrid encontrou mais espaços para dar números finais à partida. Em jogada totalmente gaulesa, Griezmann achou Gameiro com passe vertical e viu o compatriota driblar o goleiro brasileiro para fazer 2 a 0. No “dérbi” entre Simeone e Di Francesco, melhor para o ex-atleta da Lazio.

Deixe um comentário