Serie A

32ª rodada: Juve dispara em fim de semana repleto de zeros

A não ser para os torcedores da Juventus, a 32ª rodada da Serie A passou longe de ser empolgante: o fim de semana registrou cinco empates por 0 a 0, recorde na era dos três pontos por vitória, igualando marca de 2011-12. O alto número de partidas sem gols e a baixa média de tentos (1,3/jogo) foi um claro reflexo do fato de os clubes terem de entrar em campo já entre terça e quarta, para uma rodada infrasemanal.

No sábado e no domingo, somente os anfitriões venceram – e foram apenas quatro vitórias na rodada. A maior e mais importante vitória foi a da Juventus, que contou com um Douglas Costa estrepitoso para superar a Sampdoria e abrir seis pontos de vantagem para o Napoli. As brigas por vagas europeias e contra o rebaixamento continuam acirradas. Confira a análise.

Juventus 3-0 Sampdoria
Mandzukic (Douglas Costa), Höwedes (Douglas Costa) e Khedira (Douglas Costa)

Tops: Douglas Costa e Khedira (Juventus) | Flops: Viviano e Barreto (Sampdoria)

Há uma Juventus com Douglas Costa, e outra sem. Recém-eliminada da Liga dos Campeões, a Velha Senhora não perdeu nova oportunidade de ampliar a liderança na Serie A rumo ao inédito heptacampeonato, mas para bater uma Sampdoria em crise precisou contar com a entrada decisiva do ponta brasileiro. Douglas substituiu Pjanic (lesionado) no final do primeiro tempo e já entrou em campo cruzando na medida para Mandzukic abrir o placar no Allianz Stadium.

Também dos pés do camisa 11 saíram os gols que consolidaram a 27ª vitória dos bianconeri, ambos no segundo tempo. O segundo foi para o alemão Höwedes, que voltou aos gramados depois de quase cinco meses sem jogar por causa da lesão sofrida na estreia – que aconteceu apenas em novembro justamente porque se recuperava de outro problema físico. O gol final foi de outro selecionável de Joachim Löw, Khedira, que ampliou sua melhor marca em gols marcados em uma temporada: agora são oito. A diferença para o Napoli aumentou para seis, e restando seis rodadas para o final do campeonato, o scudetto está cada vez mais próximo de Turim.

Milan 0-0 Napoli
Tops: Donnarumma (Milan) e Insigne (Napoli) | Flops: Kalinic (Milan) e Mertens (Napoli)

Um mês depois do empate com a Inter, o Napoli voltou a ser anulado em Milão. Dessa vez a tarefa foi executada pelo Milan, que não precisou de muito esforço para segurar um empate sem gols em casa contra o time de Sarri, que não vence longe do seu estádio há três rodadas e vê a rival Juventus abrir vantagem a cada tropeço crucial na reta final do campeonato. Um resultado que, no entanto, também não beneficiou os anfitriões, que estão cada vez mais distantes da briga por vaga na Liga dos Campeões, mesmo com os tropeços dos outros adversários.

Apesar das intervenções decisivas de Donnarumma – foram quatro ao longo da partida –, foi o time de Gattuso que produziu as principais oportunidades, sempre com Suso e Çalhanoglu. O Milan, no entanto, pecou por ter Kalinic no centro do ataque: o croata teve mais uma péssima atuação. Do outro lado, Mertens também não fez muito para superar a má fase e Insigne acabou sobrecarregado com a responsabilidade de levar seu time ao ataque. O baixinho napolitano ainda levou perigo para o gol rival, mas não foi suficiente para evitar outro tropeço. Já nos acréscimos, Milik teve a bola do jogo nos pés, mas Donnarumma fez uma defesa clamorosa à queima-roupa e garantiu o empate.

Frustração: Napoli de Hamsík vai se distanciando do scudetto (Foto Mosca)

Lazio 0-0 Roma
Tops: Strakosha (Lazio) e Fazio (Roma) | Flops: Immobile (Lazio) e Schick (Roma)

O grande jogo da rodada seguiu o roteiro da maior parte das partidas da rodada, mas não o habitual nos clássicos. Afinal, havia quatro anos que Lazio e Roma não empatavam sem gols no Derby della Capitale. Di Francesco apostou na estratégia utilizada na surpreendente vitória sobre o Barcelona que levou a equipe para a semifinal da Liga dos Campeões, porém Inzaghi estava preparado para isso. Ao contrário dos catalães, os laziali têm um time bastante físico: com isso, o plano giallorosso ruiu contra a defesa posicional celeste. Milinkovic-Savic e Felipe Anderson também ofereceram resistência e tentaram impulsionar a Lazio em busca da vitória.

No final das contas, ninguém levou a melhor. Fazio novamente esteve em grande forma defendendo as bolas longas e Alisson acabou não tendo grande trabalho contra um Immobile bastante apagado. Dzeko foi bastante acionado, mas também não levou grande perigo para o gol adversário durante quase todo o jogo e não teve o apoio de Schick como no meio da semana. Já nos minutos finais, bem depois de o checo deixar o campo, o camisa 9 da Roma fez Strakosha trabalhar com uma cabeçada violenta e também chegou perto do gol ao acertar o travessão e finalizar de fora da área. No final, o laziale Radu ainda foi expulso, elevando o número de cartões vermelhos no clássico para 33 desde 1994 – nenhum outro duelo teve tantos expulsos no período.

Com o empate, a dupla romana defendeu suas posições no G4 depois de novo tropeço da Inter: a seis rodadas do fim do campeonato, já se desenha decisivo o confronto direto entre interistas e biancocelesti na última rodada. Por sua vez, a Roma tem tabela mais fácil, mas terá de dividir atenções com a Liga dos Campeões, competição em que fará suas partidas mais importantes em quase duas décadas.

Atalanta 0-0 Inter
Tops: Barrow (Atalanta) e Miranda (Inter) | Flops: Cornelius (Atalanta) e Cancelo (Inter)

Tem coisas que realmente não mudam. A Inter, por exemplo. O time de Spalletti voltou a jogar bem em março, e apesar de ter mantido o bom futebol nas últimas partidas, está há três jogos sem marcar gols – o que não lhe acontecia desde fevereiro de 2012. Contra um adversário historicamente complicado, especialmente sob o comando de Gasperini, os nerazzurri de Milão perderam mais uma oportunidade de voltar ao G4 e continuam na quinta posição, com um ponto a menos que os romanos, enquanto os nerazzurri de Bérgamo também perderam a chance de recuperar a sétima posição.

O jogo foi marcado por escolhas contestáveis dos treinadores. Primeiro, foi Spalletti quem escalou a Inter de maneira nova, com Cancelo espetado na ponta-direita, e também alternando momentos em que espelhava o 3-4-1-2 bergamasco. Assim, os anfitriões dominaram o primeiro tempo. Os visitantes pareciam jogar outro esporte em relação ao time de Gasperini, que pressionava muito forte a saída de bola adversária e levava grande perigo para Handanovic, que conseguiu manter sua meta intacta perante a Barrow. O time de Spalletti melhorou apenas na segunda etapa, quando o jovem atacante gambiano foi inexplicavelmente sacado por Gasperini e deu lugar a Cornelius. Sem os perigos criados por Barrow no ataque, os donos da casa cansaram e diminuíram o ritmo. A Inter ainda poderia ter saído do simpático Atleti Azzurri d’Italia com uma vitória, não fosse a imprecisão de Perisic após ótimos passes de Rafinha e Gagliardini. Com isso, foi a primeira vez que a Beneamata viajou a Bérgamo e voltou para Milão sem um gol sequer desde 1992.

Fiorentina 0-0 Spal
Tops: Chiesa (Fiorentina) e Meret (Spal) | Flops: Simeone (Fiorentina) e Costa (Spal)

E chegou ao fim a série de vitórias da Fiorentina. Há seis rodadas o time de Pioli vencia consecutivamente, um recorde inferior apenas aos dos líderes Juventus e Napoli, mas dessa vez Meret estava no meio do caminho dos viola. Apesar do gigantesco volume de jogo dos anfitriões, o promissor goleiro italiano correspondeu às expectativas e deu conta do trabalho ao parar Chiesa, Saponara, Biraghi e Gil Dias.

De todo, o resultado não foi tão ruim para os amigos de Astori, porque Milan, Atalanta, Sampdoria e Torino também tropeçaram – e a série de oito jogos de invencibilidade se manteve. Apesar da ressalva, o 0 a 0 teve sabor meio amargo, já que a equipe criou o suficiente para conquistar a vitória e ficar em melhores condições para assegurar uma vaga europeia. Melhor para a Spal, que deu conta do recado e garantiu mais uma rodada fora da zona de rebaixamento com a sétima partida seguida sem perder.

Cagliari 2-1 Udinese
Pavoletti e Ceppitelli (Cossu) | Lasagna (Barák)

Tops: Ceppitelli e Pavoletti (Cagliari) | Flops: Bizzarri e Maxi López (Udinese)

Após três rodadas seguidas sendo derrotado, o Cagliari encontrou a Udinese no seu caminho e venceu na Sardenha após dois meses e meio de jejum. O drama vivido pelo time de Oddo aumenta a cada semana, e agora são dez partidas sem vitórias, sendo nove derrotas seguidas, segundo pior recorde do campeonato – apenas o lanterna Benevento ficou mais tempo sem vencer.

Na sequência de vitórias em dezembro, os friulanos chegaram até mesmo a sonhar com vaga europeia, mas novamente tornaram as atenções para a parte de baixo da tabela. Agora os próprios sardos estão na sua cola, graças ao gol salvador de Ceppitelli, marcado já no final da partida, após uma cobrança de escanteio do veterano Cossu. Mais uma vez inútil o gol de Lasagna, que viu sua equipe sofrer o empate pouco tempo depois com Pavoletti, que aproveitou rebote de falta de Cigarini, que acertou o travessão.

Mais um vermelho no dérbi romano: cena habitual (LaPresse)

Sassuolo 2-2 Benevento
Politano (Babacar) e Politano (Babacar) | Diabaté (Djuricic) e Diabaté (Cataldi)

Tops: Politano (Sassuolo) e Diabaté (Benevento) | Flops: Consigli (Sassuolo) e Iemmello (Benevento)

O Sassuolo parou de perder – está invicto há dois meses e seis rodadas -, mas também não tem vencido. Os oito pontos conquistados desde março apenas evitaram uma posição na zona de rebaixamento, mas não seu distanciamento: a zona da degola segue perigosamente próxima, e os neroverdi têm somente quatro pontos de vantagem para o Crotone. Ao menos, a equipe emiliana pode contar com a boa fase de Politano, que pela primeira vez superou a marca de cinco gols na Serie A: quatro deles foram marcados nas últimas quatro partidas.

O resultado significou o primeiro ponto conquistado fora de casa para o Benevento, que conseguiu evitar mais uma derrota, mas não melhorou em nada sua situação na tabela. A distância para a Spal é justamente a mesma quantidade de pontos que somou em 32 rodadas (14), e com mais 18 em disputa, o rebaixamento segue cada vez mais próximo para o time de De Zerbi. A terceira doppietta seguida de Diabaté, autor de sete gols em seis presenças, serviu apenas para dar uma mínima alegria aos sanniti e aumentar o mercado do atacante malinês, que já declarou que deve permanecer na Itália na próxima temporada.

Chievo 0-0 Torino
Tops: Sorrentino (Chievo) e Ljajic (Torino) | Flops: Bani (Chievo) e Belotti (Torino)

É claro que a rodada dos 0 a 0 teria este resultado em uma partida do Chievo. Perigosamente próximo da zona de rebaixamento, o time de Maran ainda não se deu conta da situação e parece seguir de férias no campeonato: novamente protagonizou outra partida amarrada e sem grandes emoções. Do outro lado, um empolgado Torino com três vitórias seguidas e que dominou o jogo, mas também sem grande criatividade para superar a defesa anfitriã. Dos pouco menos de 20 chutes, apenas três foram no alvo – todos de Ljajic, que não teve os companheiros Belotti e Falque em boa tarde. O resultado não beneficiou o time de Mazzarri, que tinha voltado a ambicionar uma vaga europeia nas últimas semanas.

Bologna 2-0 Verona
Verdi e Nagy (Verdi)

Tops: Verdi e Masina (Bologna) | Flops: Cerci e Aarons (Verona)

Dois meses depois da última vitória, o Bologna deu um passo importante para assegurar mais uma permanência na Serie A, mesmo que sem grandes méritos. Agora com 38 pontos, são 11 de vantagem para o Crotone, este com dois a mais que o Verona, sempre destinado ao retorno para a segunda divisão. E para que o time treinado por Donadoni conquistasse os primeiros três pontos desde fevereiro, Verdi voltou a assumir as rédeas. O meia-atacante foi o grande destaque da partida, autor do gol que abriu o placar, em cobrança de falta aos 30 minutos, e também da assistência para o sumido Nagy, que fechou o placar já nos acréscimos da etapa final.

Genoa 1-0 Crotone
Daniel Bessa (Iuri Medeiros)

Tops: Daniel Bessa e Iuri Medeiros (Genoa) | Flops: Sampirisi e Ajeti (Crotone)

De volta ao caminho das vitórias, o Genoa também encaminhou sua salvezza ao chegar aos 38 pontos. Assim como o Bologna, dificultou ainda mais a vida do Crotone, que junto com o Verona tinham voltado a vencer na rodada passada e encurtado a diferença para o grupo da frente. Desvantagem que, contudo, voltou a aumentar nesse final de semana. No caso do time de Zenga, graças ao gol marcado pelo também ex-interista Daniel Bessa após enfiada de bola de Iuri Medeiros.

*Os nomes entre parênteses após os autores dos gols se referem aos responsáveis pelas assistências

Seleção da rodada
Donnarumma (Milan); Höwedes (Juventus), Miranda (Inter), Albiol (Napoli); Douglas Costa (Juventus), Pulgar (Bologna), Dabo (Fiorentina), Verdi (Bologna); Politano (Sassuolo), Diabaté (Benevento), Mandzukic (Juventus). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

Deixe um comentário