Liga dos Campeões

Conheça os adversários e os desafios dos times italianos na Champions League



No início da tarde desta quinta (29), no horário de Brasília, tivemos o sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões. Quatro times italianos disputarão a competição e terão desafios de maior ou menor dificuldade nesta etapa do torneio continental. Por ordem de classificação das equipes na última Serie A, analisamos os adversários de Juventus, Napoli, Atalanta e Inter na UCL. Confira o que aguarda cada um deles em suas chaves.

Grupo D

Juventus, Atlético de Madrid, Bayer Leverkusen e Lokomotiv Moscou

Atual octacampeã italiana, a Juventus é a cabeça de chave do Grupo D. Os bianconeri vão reencontrar o Atlético de Madrid, rival nas oitavas de final da temporada passada, e a equipe de Diego Simeone deve ser a principal concorrente na disputa pelo primeiro lugar. Leverkusen e Lokomotiv fecham o grupo, que tem um bom nível mas acaba sendo bastante acessível para os favoritos.

Calendário da Juventus
Atlético x Juventus | Juventus x Leverkusen | Juventus x Lokomotiv | Lokomotiv x Juventus | Juventus x Atlético | Leverkusen x Juventus

Atlético de Madrid

Time-base (4-4-2): Oblak; Trippier, Giménez, Savic, Renan Lodi; Koke, Partey, Saúl, Lemar; João Félix, Diego Costa.
Treinador: Diego Simeone, no cargo desde 2011
Colocação no Campeonato Espanhol 2018-19: vice-campeão

O Atlético de Madrid tem como sua principal força a continuidade no trabalho do Simeone. Depois de nove temporadas no comando da equipe, o treinador argentino continua utilizando o 4-4-2 como sistema base, embora na última janela de transferências tenha trazido peças mais ofensivas para as laterais. Principalmente, contratou João Félix para ocupar a lacuna deixada por Griezmann. Desta maneira, devemos ter um Atleti que marca com intensidade e agressividade, mas que busca ser mais criativo ofensivamente.

Um fator que pode dificultar a vida dos colchoneros é o grande número de mudanças no sistema defensivo. Afinal, Godín, Lucas Hernández e Filipe Luís deixaram o clube.

Bayer Leverkusen

Time-base (4-3-3): Hrádecky; Lars Bender, Tah, Sven Bender, Wendell; Aránguiz, Havertz, Demirbay; Bailey, Bellarabi, Volland.
Treinador: Peter Bosz, no cargo desde dezembro de 2018
Colocação no Campeonato Alemão 2018-19: 4º lugar

O Bayer Leverkusen terminou a última Bundesliga em alta, depois que trocou de treinador no final do primeiro turno e deu lugar a Bosz, ex-Ajax e Borussia Dortmund. O treinador holandês conseguiu recuperar a confiança do time e explorou sua veia ofensiva, trabalhando com pressão alta, marcação agressiva e muita intensidade na disputa pela segunda bola.

Outro ponto de destaque da equipe na pré-temporada e neste começo de Bundesliga é a bola parada de Demirbay. O meia, que chegou do Hoffenheim, é um especialista no quesito e pode levar muito perigo para os rivais com sua perna esquerda. O que pode jogar contra a equipe alemã é a falta de vivência do elenco em competições europeias e a enorme dificuldade com a transição defensiva. O Leverkusen é um time que pode variar muito de desempenho de uma partida para a outra, dependendo do encaixe com o adversário.

Lokomotiv Moscou

Time-base (3-5-2): Guilherme; Höwedes, Murillo, Corluka; Zhivoglyadov, Krychowiak, Miranchuk, João Mário, Idowu; Zhemaletdinov, Smolov.
Treinador: Yuri Semin, no cargo desde 2016
Colocação no Campeonato Russo 2018-19: vice-campeão

O Lokomotiv voltou a ser campeão russo na temporada 2017-18, depois de enfrentar uma seca de 13 anos sem conquistar a principal competição do país. Na temporada passada, o bicampeonato não aconteceu, mas o time fez uma boa Premier League, dando seguimento ao trabalho de Yuri Semin. O treinador consegue variar muito bem seu desenho, para jogar como mandante ou como visitante. Em casa, 4-2-3-1 com muita intensidade para pressionar; fora, 5-3-2 com bloco baixo e busca intensa por tirar o ritmo das partidas.

O principal reforço para a temporada foi João Mário. O português não deu certo na Inter, mas demonstrou muito talento no Sporting e agora chega ao clube russo para oferecer capacidade criativa ao setor de meio-campo. O maior fator de preocupação para a equipe de Moscou é o seu sistema defensivo, que conta com muitos jogadores lentos, que tem boa capacidade técnica e bom posicionamento, mas sofrem muito no mano a mano. Além disso, a diferença do ambiente competitivo do campeonato local para o da Liga dos Campeões pode pesar.

Grupo E

Liverpool, Napoli, Salzburg e Genk

Depois de conquistar mais um vice-campeonato na temporada passada, agora com Carlo Ancelotti no comando, o Napoli vai reencontrar o Liverpool na fase de grupos da Liga dos Campeões. Em 2018-19, as duas equipes fizeram dois jogos bem intensos e bem disputados, e Alisson tirou a classificação azzurra para as oitavas de final dos pés de Milik. Salzburg e Genk fecham o grupo, que é forte, mas também bastante acessível para os partenopei.

Calendário do Napoli
Napoli x Liverpool | Genk x Napoli | Salzburg x Napoli | Napoli x Salzburg | Liverpool x Napoli | Napoli x Genk

Liverpool

Time-base (4-3-3): Alisson; Alexander-Arnold, Van Dijk, Matip, Robertson; Fabinho, Henderson, Wijnaldum; Mané, Salah, Firmino.
Treinador: Jürgen Klopp, no comando desde 2016
Colocação no Campeonato Inglês 2018-19: vice-campeão

O Liverpool vem de duas finais consecutivas e vai defender o seu título na atual temporada. O entrosamento, a qualidade técnica e a capacidade física da equipe saltam aos olhos. Além disso, os hexacampeões do torneio têm muitos atletas que representam uma segurança de desempenho, a exemplo de Alisson, Van Dijk, Henderson, Salah, Firmino e Mané.

Outro fator de destaque é a capacidade ofensiva dos laterais. Alexander-Arnold e Robertson são protagonistas da equipe de Klopp, e buscam a linha de fundo a todo momento. É bem complicado apontar pontos fracos do Liverpool, mas a falta de profundidade do elenco no setor de ataque pode ser considerado um aspecto negativo.

Salzburg

Time-base (4-4-2): Stankovic; Kristensen, André Ramalho, Wöber, Ulmer; Minamino, Bernède, Mwepu, Januzovic; Hwang, Håland.
Treinador: Jesse Marsch, no comando desde o início da temporada
Colocação no Campeonato Austríaco 2018-19: campeão

O Salzburg é o projeto mais duradouro e vencedor da Red Bull dentro do futebol. Com competência para organizar o clube, montar uma equipe de scouts inteligente e criativa, que consegue renovar a qualidade do elenco a cada temporada, o time austríaco vem empilhando conquistas em nível nacional e fazendo bom papel internacionalmente, principalmente na Liga Europa.

A equipe, porém, vem de mudança de comando. Apesar de apostar em um treinador adaptado à estrutura do clube, visto que Jesse Marsch veio do New York Red Bulls e foi assistente do Leipzig, tal modificação sempre será importante numa agremiação. Além disso, a partida de jogadores mais adaptados às competições europeias – e referências técnicas nos últimos anos – como Schlager, podem atrapalhar. Por outro lado, Håland é uma promessa do futebol norueguês, com altura, força e boa velocidade. Principal reforço da equipe para a temporada, vem sendo destaque na Bundesliga, com sete gols em quatro partidas.

Genk

Time-base (4-3-3): Coucke; Maehle, Dewaest, Lucumí, Uronen; Berge, Heynen, Piotrowski; Ito, Paintsil, Samatta.
Treinador: Felice Mazzù, no comando desde o início da temporada
Colocação no Campeonato Belga 2018-19: campeão

O Genk tem sido uma equipe caracterizada pela qualidade ofensiva e pelo modo como consegue encontrar bons jogadores em mercados alternativos, seja na África, Europa ou América do Sul. Na temporada passada, a equipe conquistou a liga nacional sob o comando de Philippe Clement. Só que Clement foi para o Club Brugge e deu lugar a Felice Mazzù, belga de origem italiana que treinava o Charleroi.

Mazzù vem buscando manter a bases táticas. Sua equipe gosta de controlar a posse da pelota, tem uma saída de bola qualificada através da figura de Berge e possui muita velocidade pelos flancos, buscando colocar Samatta em condições de finalizar. O tanzaniano é o principal destaque individual desse time, aliando força física, velocidade e poder de fogo. O principal problema que o Genk enfrenta é a diferença de qualidade do elenco como um todo, em comparação aos adversários. Apesar do bom trabalho coletivo, acaba ficando aquém do nível da Liga dos Campeões.

Grupo C

Manchester City, Shakhtar Donetsk, Dinamo Zagreb e Atalanta

O sonho europeu da Atalanta irá começar em breve e, depois de fazer seguidas boas campanhas no futebol italiano, tudo que o torcedor da Dea poderia esperar é fazer um bom papel na principal competição de clubes do mundo e enfrentar gigantes. Para tanto, o sorteio ajudou bastante. O Manchester City de Pep Guardiola é bastante favorito ao primeiro lugar do grupo, mas a disputa pela segunda vaga será muito franca e, com o Shakhtar Donetsk vivendo um momento de transição, o time de Gasperini pode sonhar alto.

Calendário da Atalanta
Dinamo Zagreb x Atalanta | Atalanta x Shakhtar | Manchester City x Atalanta | Atalanta x Manchester City | Atalanta x Dinamo Zagreb | Shakhtar x Atalanta

Manchester City

Time-base (4-3-3): Ederson; João Cancelo, Laporte, Stones, Zinchenko; Rodri, De Bruyne, David Silva; Sterling, Agüero, Bernardo Silva.
Treinador: Pep Guardiola, no comando desde 2016
Colocação no Campeonato Inglês 2018-19: campeão

O Manchester City conquistou o bicampeonato da Premier League na temporada passada, depois de uma disputa sensacional com o Liverpool, que se arrastou até a última rodada do campeonato. A equipe de Pep Guardiola é uma máquina ofensiva e trabalha muito bem o controle da posse de bola, mas também joga com muita verticalidade, velocidade e intensidade em campo ofensivo.

O principal objetivo para a nova campanha deve ser conquistar o tão sonhado título da Liga dos Campeões e, para isso, primeiro é preciso passar de fase. O sorteio ajudou os Sky Blues, que devem ter tranquilidade para avançar em primeiro do grupo. Um ponto que precisa ser trabalhado por Guardiola é o controle emocional da equipe para os momentos decisivos da competição.

Shakhtar Donetsk

Time-base (4-3-3): Pyatov; Dodô, Khocholava, Matviyenko, Ismaily; Stepanenko, Kovalenko, Marlos; Taison, Júnior Moraes, Tetê.
Treinador: Luís Castro, assumiu o comando para essa temporada
Colocação no Campeonato Ucraniano 2018-19: campeão

O Shakhtar vem dominando o futebol ucraniano na última década, apostando sempre em talentos brasileiros e buscando jogar de maneira ofensiva. Nas duas temporadas mais recentes, a equipe desenvolveu um forte jogo de posição, sob o comando de Paulo Fonseca, que agora é novo treinador da Roma. Para substitui-lo e manter a ideia central, o clube buscou Luís Castro, outro português que executa os mesmos preceitos de maneira eficiente.

A equipe ucraniana não tem em seu elenco peças tão fortes, como já teve em temporadas anteriores, e conta com muitos jovens na equipe titular. Ainda assim, tendo como alicerce Stepanenko, Taison e Marlos, vai buscar a classificação para as oitavas de final.

Dinamo Zagreb

Time-base (4-2-3-1): Livakovic; Stojanovic, Dilaver, Peric, Leovac; Ademi, Moro; Hajrovic, Dani Olmo, Orsic; Petkovic.
Treinador: Nenad Bjelica, no comando desde 2018
Colocação no Campeonato Croata 2018-19: campeão

O Dinamo Zagreb mantém o mesmo formato de sempre em seu projeto de futebol: a aposta forte em suas categorias de base, que produzem muitos talentos a cada ano. Como Dani Olmo, um grande talento do futebol espanhol, e jovens que subiram do sub-20 para o time principal nessa temporada. O Zagreb também “resgatou” Orsic e Petkovic, que tiveram sucesso anterior no clube.

O time joga no 4-2-3-1 e, dentro do cenário nacional, costuma monopolizar a posse de bola. Contudo, no contexto europeu, a equipe joga de maneira mais reativa, marcando com agressividade e buscando o jogo direto em diversas ocasiões. Jogar na Croácia é bem complicado, mas ainda assim os azuis são os azarões do grupo.

Grupo F

Barcelona, Borussia Dortmund, Inter e Slavia Praga

Outra vez o sorteio da Liga dos Campeões foi ingrato com a Inter e colocou o Barcelona em seu caminho. Assim como no ano passado, a chave dos nerazzurri terá outra equipe de muita qualidade: antes, o Tottenham; dessa vez, o Borussia Dortmund. O time de Antonio Conte vai precisar jogar com muita concentração em cada partida e não poderá perder pontos contra os checos do Slavia Praga. Também buscará pontos em casa contra os seus dois grandes rivais por uma das vagas no mata-mata.

Calendário da Inter
Inter x Slavia | Barcelona x Inter | Inter x Dortmund | Dortmund x Inter | Slavia x Inter | Inter x Barcelona

Barcelona

Time-base (4-3-3): Stegen; Semedo, Piqué, Lenglet, Jordi Alba; Busquets, De Jong, Vidal; Messi, Suárez, Griezmann.
Treinador: Ernesto Valverde, no comando desde 2017
Colocação no Campeonato Espanhol 2018-19: campeão

O Barcelona vem de seguidas eliminações traumáticas na Liga dos Campeões: perdeu por 3 a 0 para a Roma, duas temporadas atrás, e por 4 a 0 para o Liverpool, na última edição do torneio. Ainda assim, a direção do clube decidiu manter Ernesto Valverde no comando técnico da equipe.

O treinador espanhol trabalha o controle da posse de bola, pelas peças que possui e por toda a cultura de jogo do clube. Contudo, gosta de adaptações mais defensivas diante de rivais mais fortes. As principais novidades para a temporada foram De Jong e Griezmann, que aumentaram o talento disponível no elenco. A meta principal é conseguir produzir mais nas grandes noites e finalmente voltar a vencer a competição.

Borussia Dortmund

Time-base (4-2-3-1): Hitz; Piszczek, Hummels, Akanji, Raphaël Guerreiro; Witsel, Weigl; Sancho, Reus, T. Hazard; Alcácer.
Treinador: Lucien Favre, no comando desde 2018
Colocação no Campeonato Alemão 2018-19: vice-campeão

O Borussia Dortmund realizou uma campanha de recuperação na temporada passada, tanto em termos de nível técnico quanto em termos de confiança. Favre conseguiu trabalhar bem com o grupo que tinha em mãos, pode contar com Reus em bom estado clínico, depois de muito tempo, e viu o fenômeno Sancho explodir em sua primeira temporada completa como profissional.

Para essa temporada, a diretoria do clube não poupou esforços para reforçar o elenco, trazendo de volta o antigo capitão Hummels e reforçando o setor ofensivo com Thorgan Hazard e Brandt. A equipe começou bem a Bundesliga, jogando bem ao estilo do seu treinador: de maneira vertical, apostando muito na velocidade pelas beiradas do campo e buscando potencializar Reus. Se conseguir encontrar a consistência defensiva que faltou na segunda metade da temporada passada, vai brigar forte por uma vaga nas oitavas.

Slavia Praga

Time-base (4-2-3-1): Kolár; Coufal, Kúdela, Hovorka, Boril; Král, Soucek; Mosopust, Stanciu, Olayinka; Skoda.
Treinador: Jindrich Trpisovsky, no comando desde 2018
Colocação no Campeonato Checo 2018-19: campeão

O Slavia Praga teve uma temporada muito forte em 2018-19 no que diz respeito aos torneios nacionais, uma vez que conquistou a dobradinha (campeonato e copa) depois de 25 anos. O time treinado por Trpisovsky não é muito privilegiado em termos técnicos, mas conta com jogadores com muita experiência e boa capacidade física.

Os checos jogam de maneira intensa, marcam com muita agressividade e devem buscar fazer um bom papel na competição, principalmente diante do seu torcedor – ainda que isso, provavelmente, não seja suficiente para que os alvirrubros terminem na lanterna da chave. Olho bem aberto com o volante Soucek, um jogador que com certeza tem espaço em ligas maiores da Europa.



Deixe um comentário