Serie A

15ª rodada: uma Lazio em grande forma parou a Juventus e ajudou a Inter a manter a liderança

Em mais uma rodada de fortes emoções, o único 0 a 0 foi suficiente para que a liderança não trocasse de mãos. A Inter abriu a jornada com um empate contra a Roma e contou com um show da Lazio para ampliar em um ponto a sua vantagem para a Juventus, que perdeu pela primeira vez no campeonato.

A vitória maiúscula dos celestes ainda os aproxima da disputa pela primeira posição e consolida a equipe de Inzaghi como uma das favoritas para abocanhar uma das quatro vagas para a Liga dos Campeões, juntamente com Inter, Juventus e Roma. Isso porque o aguerrido Cagliari e a ofensiva Atalanta correm por fora e o Napoli continua distante do pelotão europeu. Agora, os azzurri estão apenas um ponto à frente de um Milan que pouco a pouco se recupera. Confira, abaixo, o resumo da rodada.

O jogão

Immobile não brilhou, mas Lazio conseguiu bater a Juventus com autoridade – e ainda contou com expulsão de Cuadrado (Getty)

Lazio 3-1 Juventus

Gols e assistências: Luiz Felipe (Luis Alberto), Milinkovic-Savic (Luis Alberto) e Caicedo; Ronaldo (Bentancur)
Tops: Luis Alberto e Milinkovic-Savic (Lazio)
Flops: Cuadrado e Can (Juventus)

A Juventus até conseguiu parar o artilheiro Immobile, que perdeu um pênalti na segunda etapa, mas não foi o suficiente para parar uma Lazio devastadora e em grande fase: os celestes fizeram um segundo tempo estrepitoso e conseguiram sua sétima vitória seguida no campeonato. A Juve saiu na frente em uma boa jogada de Bentancur, que cruzou rasteiro para Cristiano Ronaldo fazer o seu, e derreteu depois que o uruguaio saiu machucado e deu lugar a Can. Depois disso, a Velha Senhora ameaçou em chances esporádicas, com CR7 e Dybala, mas Strakosha estava atento.

A Lazio vinha crescendo e chegou ao empate perto do intervalo, depois que o brasileiro Luiz Felipe completou um cruzamento perfeito de Luis Alberto. O espanhol chegou à marca de 10 assistências e se tornou o jogador a atingi-la com o menor número de rodadas desde que o campeonato passou a ser disputado por 20 times – o que ocorreu em 2004. O momento positivo laziale se consolidou no segundo tempo e a vitória ficou mais próxima aos 70 minutos. Num contra-ataque fulminante, Luis Alberto acionou Lazzari, que só parou após falta de Cuadrado: o colombiano, que vem jogando como lateral, acabou expulso após consulta ao VAR.

Danilo entrou na vaga de Bernardeschi para fechar a defesa, mas a consequência imediata foi a perda definitiva do meio-campo por parte dos bianconeri. Com espaço, Luis Alberto teve tempo de pensar e achou um lindo lançamento para Milinkovic-Savic, que se infiltrou na zaga adversária, dominou com perfeição e marcou o segundo.

A Juve acabou se vendo exposta e correu o risco de levar o terceiro após Szczesny cometer pênalti em Correa – o polonês defendeu a cobrança de Immobile e o rebote. Já nos acréscimos, o goleiro evitou o tento de Lazzari, mas Caicedo não perdoou na sobra e garantiu a primeira vitória da Lazio contra a Juventus no Olímpico desde 2003. Os celestes também se aproximaram do topo da tabela: agora são apenas três pontos de desvantagem para a própria Velha Senhora e cinco para a Inter.

Olho no lance

As defesas levaram a melhor no duelo entre Inter e Roma (AFP/Getty)

Inter 0-0 Roma

Tops: Godín (Inter) e Smalling (Roma)
Flops: Borja Valero (Inter) e Perotti (Roma)

Na sexta, o empate com a Roma não parecia o melhor dos resultados para a Inter, já que a Juventus jogaria no dia seguinte contra uma de suas maiores freguesas em tempos recentes. Contudo, ao fim do sábado Conte e seus comandados puderam celebrar a ampliação da vantagem na liderança em um pontinho. Como importa a perspectiva, não é mesmo?

Nerazzurri e giallorossi vinham de cinco vitórias nas seis últimas rodadas, mas protagonizaram o quarto empate consecutivo no confronto pela segunda vez na história – a outra foi em 1967. Um dos maiores responsáveis pelo zero no placar dessa vez foi o veterano Mirante, que substituiu Pau López de última hora e trabalhou com defesas importantíssimas. O goleiro, ao lado de Smalling – que vem sendo um dos melhores zagueiros do campeonato – contribuíram muito para que a Inter passasse em em branco pela primeira vez nesta temporada.

A marcação alta do time da casa fez com que a defesa da Roma saísse tocando errado algumas vezes, mas faltou uma pontaria melhor para Brozovic, que desperdiçou uma grande chance. Houve ainda no segundo tempo uma reclamação de pênalti não marcado para a Inter, depois de Spinazzola travar o chute de Lautaro e a bola tocar em seu braço. Apesar disso, a criação de jogadas dos dois times não fluiu muito bem e as defesas, bem postadas, se sobressaíram.

Bologna 2-3 Milan

Gols e assistências: Hernandez (contra) e Sansone (pênalti); Piatek (pênalti), Hernandez (Suso) e Bonaventura
Tops: Piatek e Suso (Milan)
Flops: Tomiyasu e Bani (Bolgona)

Para terminar a rodada, jogão em Bolonha. O Milan parece enfim ter encaixado com Pioli e conseguiu sua segunda vitória seguida, mas não foi nada fácil: apesar de ter feito um bom jogo, o time sofreu alguns sustos na reta final e suou para bater o Bologna, que teve Mihajlovic de volta ao banco de reservas. A partida começou bem para os rossoneri, já que Piatek cavou pênalti, converteu e encerrou um jejum de um mês e meio. Aos 32, o lateral Hernandez recebeu ótima enfiada de bola de Suso, e ampliou com o seu quinto na temporada. O francês, porém, acabou anotando contra ainda na etapa inicial, ao tentar cortar a bola numa cobrança de escanteio.

Logo no início do segundo tempo, o Milan voltou a balançar as redes e cortou a reação do Bologna. Foi a vez de Bonaventura marcar, aproveitando corte errado de Tomiyasu num cruzamento de Piatek (que participou dos três gols) e batendo colocado, sem chances para Skorupski. A partir do terceiro tento visitante, a partida deu uma acalmada e foi com um pênalti, desta vez para os mandantes, que ela esquentou. Sansone cobrou e Donnarumma até pulou para o lado certo, mas não pode evitar o gol. Apesar das tentativas rossoblù, já era tarde demais para buscar o empate.

Atalanta 3-2 Verona

Gols e assistências: Malinovskyi (Hateboer), Muriel (pênalti) e Djimsiti (Rafael Toloi); Di Carmine (Faraoni) e Di Carmine (Lazovic)
Tops: Malinovskyi (Atalanta) e Di Carmine (Verona)
Flops: Muriel (Atalanta) e Dawidowicz (Verona)

A Atalanta abriu o sábado com mais uma partida recheada de gols. O time começou atrás no placar por causa de uma falha de marcação da defesa em um lateral, aproveitada por Di Carmine. O empate veio em um golaço do ucraniano Malinovskyi: ele tinha entrado no lugar de Ilicic, que saiu lesionado, e deixou o seu com um chute forte de fora da área. Ruslan foi o 11º jogador diferente da Dea a marcar um gol nesta temporada – nenhum outro time chega perto nesse quesito.

O segundo tempo continuou em bom ritmo, com os times se agredindo e o Verona fugindo de seu default – ou seja, se defender. Di Carmine fez o seu segundo depois de mais um falha da defesa da Atalanta, que é a mais vazada dos 10 primeiros colocados da Serie A. O ataque nerazzurro, porém, funciona e deixa os problemas defensivos em segundo plano. O empate veio através de um pênalti cobrado por Muriel e a virada ficou mais próxima depois que Dawidowicz levou o seu segundo vermelho na temporada e deixou o Hellas com 10. Nos acréscimos, o trio de zagueiros se redimiu de forma absolutamente improvável: Palomino iniciou jogada, o brasileiro Rafael Toloi deu um excelente passe de primeira e Djimsiti virou.

Udinese 1-1 Napoli

Gols e assistências: Lasagna (Fofana); Zielinski (Mertens)
Tops: Fofana e Lasagna (Udinese)
Flops: Insigne e Mário Rui (Napoli)

Somando péssimas exibições e sem vencer há sete partidas pela Serie A – nove, considerando todas as competições – o Napoli segue ladeira abaixo e se mantém oito pontos distante da zona Champions League. Os azzurri não passavam tanto tempo sem triunfos desde 2010, quando Walter Mazzarri estava no comando de um elenco bem menos talentoso e caro quanto Ancelotti tem em mãos.

Dessa vez, o empate acabou saindo melhor do que a encomenda para os sulistas, já que a Udinese dominou a peleja com facilidade e encontrou pouquíssima resistência de um time muito desinteressado. Dono do jogo, Fofana foi o grande responsável pelo primeiro gol: fez ótima jogada e encontrou Lasagna em profundidade. Mesmo sem merecer, o Napoli encontrou seu gol no segundo tempo. A marcação alta fez com que Mandragora perdesse a bola e Zielinski fez valer a lei do ex. O gol até fez os napolitanos acordarem, mas a falta de criatividade nas jogadas predominou e nada de mais importante voltou a ocorrer na Dacia Arena.

Os outros jogos

Piatek reencontrou as redes e o Milan ganhou terreno na briga por vagas europeias (Iguana Press/Getty)

Sassuolo 2-2 Cagliari

Gols e assistências: Berardi (Djuricic) e Djuricic (Toljan); João Pedro e Ragatzu
Tops: Djuricic (Sassuolo) e João Pedro (Cagliari)
Flops: Turati (Sassuolo) e Pellegrini (Cagliari)

O Sassuolo teve chances de ouro para bater o Cagliari, quarto colocado, e subir na tabela, mas não aproveitou e viu os sardos mostrarem um espírito de luta irrepreensível para arrancarem pontos importantes nos acréscimos pela segunda rodada seguida. Depois de empatar com a Juventus, o time de De Zerbi voltou a viver um dilema: o copo está meio cheio ou meio vazio?

O primeiro tempo foi totalmente dominado pelos mandantes, que contaram com o retorno de Berardi ao time titular após quase um mês de ausência por lesão. O calabrês voltou a todo vapor e foi um dos destaques da etapa inicial, ao lado de Djuricic – o sérvio, por sua vez, deu um show. Aos sete minutos, o camisa 10 puxou um contra-ataque e o italiano abriu o placar. Depois de dar assistência, o eslavo continuou em alta: quase ampliou e, na sequência, anotou um golaço.

No segundo tempo, o Cagliari reagiu e mostrou a sua força. O jovem goleiro Turati, que foi o grande destaque na última partida do Sassuolo, acabou colaborando: saiu mal de sua meta e permitiu que o brasileiro João Pedro aproveitasse para tocar por cima, de cabeça. O atacante foi o primeiro jogador do Cagliari a marcar 10 gols em 15 jogos desde o ídolo Luigi Riva, em 1974. Apesar da reação sarda, os neroverdi poderiam ter ampliado aos 66, mas Berardi viu sua cobrança de pênalti explodir no travessão e na linha – no rebote, Rafael ainda evitou o tento. Já no finalzinho, João Pedro incomodou a defesa do Sassuolo e Ragatzu aproveitou a sobra para voltar a marcar: o atacante criado no clube havia deixado o seu na Coppa Italia, no meio da semana.

Torino 2-1 Fiorentina

Gols e assistências: Zaza (Ansaldi) e Ansaldi (Aina); Cáceres (Chiesa)
Tops: Zaza e Ansaldi (Torino)
Flops: Ghezzal e Ceccherini (Fiorentina)

A fase da Fiorentina não é nada boa e, para piorar a sua situação, a viola viu o Torino realizar uma de suas melhores partidas no campeonato e subir para a nona posição. A equipe toscana, 13ª colocada, chegou ao quinto jogo sem vencer, acumula quatro derrotas em série e parece prestes a se separar de Montella. O diretor esportivo Daniele Pradè informou em entrevista que o treinador comandará o time nos dois últimos compromissos do ano, contra Inter e Roma, mas que sua permanência dependerá do nível das atuações nessas rodadas.

Em campo, tivemos um Torino ofensivo, que mesmo sem Belotti buscava voltar a vencer em casa, onde não festejava desde setembro. Zaza começou em bom ritmo, apesar das rusgas com Mazzarri, e anotou seu gol em sua terceira tentativa que Zaza marcou, após cruzamento na medida de Ansaldi. Na etapa final, a Fiorentina chegou a crescer e criar oportunidades, mas parou na sólida defesa grená. Numa das tentativas dos violetas, em escanteio, o Toro encaixou contragolpe: Ansaldi recebeu de Aina, foi carregando a bola e arriscou um chute forte, sem chances para Dragowski. Nos acréscimos, Chiesa fez boa jogada e passou para Cáceres, que se esforçou para desperdiçar o gol, mas acabou anotando.

Sampdoria 0-1 Parma

Gols e assistências: Kucka (Hernani)
Tops: Sepe e Hernani (Parma)
Flops: Ekdal e Jankto (Sampdoria)

A Sampdoria melhorou desde a chegada de Ranieri, mas ainda está longe de embalar na temporada. As duas derrotas para o Cagliari (no campeonato, nos acréscimos, e no meio de semana, na Coppa Italia) afetaram o time, que tropeçou em casa e deixou o torcedor amargurado. Méritos para o sólido Parma de D’Aversa, que marcou com Kucka, no primeiro tempo, e soube neutralizar Quagliarella e Gabbiadini para empatar em pontos com o Napoli e dividir a sétima posição com os azzurri.

Quando a defesa crociata não isolava os atacantes dorianos, o goleiro Sepe, que estava em um bom dia, garantia o triunfo. No primeiro tempo, o campano foi providencial ante Vieira e, na segunda etapa, mostrou agilidade ao defender chute à queima-roupa de Colley e o pênalti de Quagliarella. O atacante até aproveitou o rebote, após passe de Jankto, mas o checo invadira a área e o tento foi invalidado. Sepe ainda contou com a ajuda do travessão em cobrança de falta de Gabbiadini.

Lecce 2-2 Genoa

Gols e assistências: Falco (Petriccione) e Tabanelli (Falco); Pandev e Criscito (pênalti)
Tops: Falco (Lecce) e Romero (Genoa)
Flops: Majer (Lecce) e Agudelo (Genoa)

Correndo contra o rebaixamento, Lecce e Genoa fizeram o jogo mais maluco da rodada – e olha que a concorrência foi grande. A partida no ensolarado Via del Mare teve quase de tudo. Aos 31 minutos, o goleiro brasileiro Gabriel foi afastar a bola da defesa, mas seu corte encontrou Pandev, que esticou a perna e, sem deixar a pelota cair, encobriu o goleiro para fazer um golaço. Antes do fim da etapa inicial, o macedônio foi derrubado na área e Criscito converteu o pênalti, marcando o segundo.

O Lecce contornou o improvável no tempo complementar, pouco depois de o Genoa perder uma chance clara de gol, com Agudelo. Falco, que saiu do banco no intervalo, marcou o segundo golaço do dia aos 60 minutos, depois de acertar um chute cruzado no ângulo. O tento animou os apulianos e deixou os genoveses apreensivos, a ponto de Agudelo e Pandev serem expulsos por faltas bobas, em que chegaram atrasados para o combate – o experiente atacante ainda levou dois amarelos em cinco minutos. Entre as expulsões, Falco colocou a bola na cabeça de Tabanelli, que empatou. Méritos para o técnico Liverani, que acertou nas mexidas. Contudo, o Lecce não conseguiu aproveitar 15 minutos de ampla superioridade numérica e não encontrou sua primeira vitória em casa.

Spal 0-1 Brescia

Gol: Balotelli
Tops: Cistana e Joronen (Brescia)
Flops: Petagna e Vicari (Spal)

Bastou demitir Grosso que o Brescia voltou a marcar gols e vencer. Após três jogos de suplício com o treinador, os biancoazzurri tiveram a volta de Corini e entregaram a lanterna para a Spal logo na reestreia do treinador. Com o ex-meia, os brescianos voltaram a ter solidez defensiva e um meio-campo propositivo, o que lhes dá maior competitividade. Uma característica que os spallini também têm, embora os pontos não estejam sendo somados.

A Spal até marcou com Kurtic, mas o esloveno estava em posição de impedimento. Após um primeiro tempo de poucas emoções, o jogo cresceu na etapa final. O Brescia ameaçou bastante e balançou as redes com Balotelli, que chegou à marca de 50 gols na Serie A – Berisha até salvou duas vezes, mas a terceira sobrou para o atacante. A Spal teve a chance do empate em um pênalti, mas Joronen acertou o canto e defendeu a cobrança de Petagna. Na sequência, foi a vez de Cistana impedir a igualdade. No último lance, o Brescia ainda perdeu a chance de ampliar. O goleiro Berisha foi para a área dos visitantes para tentar o empate num escanteio e, no contra-ataque, Donnarumma acabou finalizando em cima de Missiroli.

Seleção da rodada

Sepe (Parma); Godín (Inter), Smalling (Roma), Cistana (Brescia); Lazzari (Lazio), Luis Alberto (Lazio), Milinkovic-Savic (Lazio), Djuricic (Sassuolo), Ansaldi (Torino); Falco (Lecce), Piatek (Milan). Técnico: Simone Inzaghi (Lazio).

1 comentário

Deixe um comentário