Liga Europa

Em rodada pouco empolgante, Roma avança na Europa e Lazio está mesmo eliminada



A sexta rodada da fase de grupos da Liga Europa não teve grandes surpresas para os times italianos. A Roma estava com uma mão na vaga no mata-mata e a garantiu, embora não tenha conseguido o primeiro posto no grupo, por causa do empate por 2 a 2 com o Wolfsberger. Já a Lazio estava virtualmente eliminada e confirmou a queda ao perder por 2 a 0 para o Rennes.

Mesmo tendo feito uma campanha de pouco brilho durante toda a fase de grupos, com a vitória por 3 a 0 contra o Istanbul Basaksehir na Turquia, na rodada anterior, a Roma entrou em campo hoje no Olímpico com excelentes possibilidades de avançar para a próxima fase da competição. Para isso, bastava vencer a partida contra o modesto Wolfsberger, da Áustria. Paulo Fonseca escalou sua equipe no 4-2-3-1 esperado, com Diawara e Veretout formando a dupla de volantes e optando por começar com Zaniolo no banco. O português escolheu Ünder, Mkhitaryan e Perotti como os indicados para servir Dzeko.

O primeiro tempo começou com um erro defensivo dos visitantes e Dzeko saindo cara a cara com o goleiro Kofler, que – ao tentar impedir a finalização – cometeu penalidade. Perotti cobrou com a categoria de sempre e deslocou o arqueiro para abrir o placar para a Roma. A vantagem italiana no placar durou pouco, já que, após três minutos, o jovem atacante Niangbo conseguiu chegar à linha de fundo e cruzou para o centro da área, onde Weissman brigou com Florenzi pelo espaço e o defensor romanista acabou jogando contra a própria meta.

O jogo entrou num momento de muita troca franca, com as duas equipes buscando a transição rápida, em poucos toques e com conduções mais prolongadas. Numa delas, Diawara conseguiu criar o espaço ideal e colocou Perotti na cara do gol. O argentino só rolou para Dzeko, que marcou o segundo.

Depois que o jogo se estabilizou, a Roma buscou ter o controle da posse de bola para manter a vantagem no placar. A ideia era fazer uma saída sustentada, com Diawara e Veretout realizando a circulação ofensiva. Para os mandantes, o problema era a força física do Wolfsberger: os austríacos conseguiram bloquear as linhas de passes arquitetadas pelo trio de meias da Roma, que é melhor em transições do que em trocas de passes, e matou a progressão dos giallorossi.

Com a falta de continuidade romana na construção de suas jogadas, os visitantes aceleraram o jogo pelos flancos, atacaram os espaços deixados por Florenzi e Spinazzola e puderam conectar o seu centroavante ao jogo com cruzamentos laterais. Contudo, nenhuma das equipes conseguiu muito sucesso em suas tentativas no restante da primeira etapa e a partida foi mesmo em 2 a 1 para o intervalo.

Logo que o jogo retornou para o segundo tempo, o Wolfsberger teve uma chance de ouro para empatar, com um cruzamento desviado por Weissman, que explodiu na trave. Pouco tempo depois, Diawara errou um passe em zona perigosa e Mirante teve que aparecer com protagonismo para defender a finalização de Niangbo e evitar o empate. O goleiro se machucou no lance e teve que ser substituído por Pau López, que já entrou em campo sofrendo gol. Após nova jogada lateral dos austríacos, Liendl realizou um cruzamento perfeito para o centroavante Weissman mandar para o fundo da rede.

O restante do jogo não foi muito movimentando. O Wolfsberger perdeu intensidade e a Roma utilizou a posse de bola para se defender, apesar de conviver com o risco da virada, que acabaria com as chances de classificação da equipe. Mas a partida terminou mesmo em 2 a 2 e, ainda que tenha realizado uma fase de grupos preguiçosa, a Roma irá jogar a fase de 32 avos de final da Liga Europa. Contudo, pela segunda posição no grupo – o Basaksehir venceu o Mönchengladbach por 2 a 1 e ficou com a liderança – vai para o pote 2, e corre o risco de encarar um rival forte, como os que vierem da Liga dos Campeões.

O óbvio ululante: quase sem chances, a Lazio foi mesmo eliminada

Mesmo sabendo que sua equipe estava em uma situação bastante complicada na busca por avançar para o mata-mata da Liga Europa, Inzaghi optou por levar o melhor que tinha à disposição para a França, onde o time romano faria duelo contra o Rennes. Os laziali entraram em campo no 3-5-2 de sempre, com referências técnicas como Immobile, Luis Alberto e Acerbi entre os titulares. Por sua vez, o Rennes já estava eliminado da competição e, por conta disso, o treinador Julien Stéphan optou por deixar alguns destaques da equipe, como Camavinga e Niang, no banco de reservas.

Apesar de ainda ter remotas possibilidades de classificação, a Lazio entrou em campo pouco concentrada, sem muita dedicação tática e encarando o jogo como uma simples obrigação. Isso fez diferença contra uma equipe que nada tinha a perder e com jogadores que queriam mostrar serviço. Aos 29 minutos da primeira etapa, Grenier cobrou escanteio pelo lado direito, Acerbi afastou para a entrada da área e a bola sobrou na medida para Boye cabecear de volta para o tumulto, onde encontrou Gnagnon. O zagueiro do Rennes teve tranquilidade para matar a bola e, com a perna direita, superar Proto.

Pouco de relevante aconteceu no restante da partida. O Rennes tentava atacar, mas sem encontrar um ritmo ideal, enquanto a Lazio não fazia muita questão de voltar para o jogo. Aos 80 minutos, Tait recebeu pelo lado esquerdo e finalizou no canto inferior esquerdo de Proto, que espalmou a bola para o centro da área, onde Gnagnon apareceu para completar para o fundo da rede – marcando o seu segundo gol na partida. Com a derrota, a Lazio confirmou a já esperada eliminação e agora volta suas atenções completamente para a Serie A, onde faz grande campanha.



Deixe um comentário