Serie A

32ª rodada: a Atalanta sobrou em Turim, mas a Juve conseguiu ampliar vantagem na liderança



A 32ª rodada da Serie A ficou marcada pela dificuldade dos mandantes de garantirem os três pontos: somente Inter e Genoa ganharam em suas casas, enquanto cinco partidas terminaram empatadas. Entre essas, a mais importante ocorreu em Turim, entre Juventus e Atalanta. No Allianz Stadium, os visitantes tiveram uma excelente exibição, mas viram Ronaldo ser preciso em duas cobranças de pênalti para deixar o placar igual e a Velha Senhora com uma vantagem de oito pontos de vantagem.

Quem decepcionou os seus torcedores pela terceira vez seguida foi a Lazio, que perdeu a segunda posição ao levar a virada do Sassuolo no finalzinho. Ao passo em que os neroverdi encostam no Milan na briga por Liga Europa, na parte de baixo da tabela, o Lecce retornou à zona de rebaixamento depois da vitória do Genoa. Brescia e Spal estão virtualmente rebaixados. Confira o resumo da 32ª rodada.

Juventus 2-2 Atalanta

Gols e assistências: Ronaldo (pênalti) e Ronaldo (pênalti); Zapata (Gómez) e Malinovskyi (Muriel)
Tops: Ronaldo (Juventus) e Gómez (Atalanta)
Flops: Danilo (Juventus) e Ilicic (Atalanta)

A partida que encerrou o sábado era o confronto mais esperado da rodada e correspondeu a todas as expectativas. De um lado, Gasperini coordenou um esforço tático de sucesso, sujeitando a Juventus à dominação da Atalanta por boa parte dos 90 minutos, período em que os nerazzurri tiveram a maior parte da posse de bola e exerceram pressão na adversária. Contudo, a Velha Senhora teve forças para reagir duas vezes e conquistar um empate que lhe deixa com oito pontos de vantagem na liderança. A Dea voltou à quarta posição, mas agora está um ponto atrás de Inter e Lazio.

Pouco antes de a partida começar, a Atalanta teve um desfalque: Gosens sentiu dores no aquecimento e, em seu lugar, Gasperini escalou Castagne. O belga entrou bem no time e participou bastante do excelente primeiro tempo da Dea, que parecia estar em casa. Os 15 minutos inicias foram de pressão alta e amplo domínio da posse de bola, que chegou a 72% para os nerazzurri. Era questão de tempo para o gol sair e ele ocorreu aos 16 minutos: depois de roubada de bola no meio-campo, Gómez e Zapata tabelaram até o colombiano finalizar de forma certeira, dando ao argentino a sua 16ª assistência nesta Serie A.

Como de costume, depois de marcar um gol, o time de Gasperini continua pressionando – algo habitual para uma equipe que chegou à expressiva marca de 20 jogos seguidos indo ao encontro das redes. Chegando ao fim da primeira etapa, a Juve começou a ter a bola e conseguiu algumas boas jogadas com Dybala e Ronaldo. Esse novo arranjo da partida resultou num dos pênaltis: La Joya cruzou para a área, De Roon cortou com o braço e Cristiano converteu.

As entradas de Douglas Costa e Alex Sandro nos lugares de Bernardeschi e Danilo soltaram o time da Juventus, que conseguiu deixar o jogo equilibrado. Para poder voltar ao ataque, Gasperini colocou sangue novo ao sacar Zapata e Gómez para colocar Muriel e Malinovskyi. Em mais um momento de pressão alta, os mandantes tiveram dificuldade de sair jogando e, após troca de passes, o meia ucraniano soltou uma bomba para fazer 2 a 1. Quando parecia que a Atalanta levaria os três pontos, a Juve encontrou mais um pênalti por toque de mão. Ronaldo converteu novamente, chegou a 28 gols no campeonato e mais uma vez salvou a Velha Senhora.

Inter 3-1 Torino

Gols e assistências: Young (Martínez), Godín (Sánchez) e Martínez (Sánchez); Belotti
Tops: Sánchez e Lautaro (Inter)
Flops: Izzo e Ansaldi (Torino)

A rodada foi finalizada na segunda, e com alívio para a Inter de Conte. O treinador polemizou ao mandar a equipe a campo sem Skriniar e Eriksen, mas com Gagliardini e Borja Valero. Tudo piorou para a Beneamata aos 17 minutos, quando o Torino abriu o placar e pareceu indicar que, mais uma vez, as escolhas do técnico não eram as mais adequadas. Na ocasião do gol, o “galo” Belotti aproveitou o peru de Handanovic: o arqueiro não segurou uma cobrança fraca de escanteio e o atacante marcou. Foi o 15º tento do capitão nesta Serie A e se igualou aos ídolos Graziani e Pulici, que também atingiram essa marca pelos granata em duas temporadas seguidas.

O time da casa se lançou ao ataque após a desvantagem e teve uma boa oportunidade de empatar quando o Torino saiu jogando errado, mas Lautaro perdeu cara a cara com Sirigu. Ainda no primeiro tempo, o Toro pediu pênalti por um toque no braço de Bastoni, mas a arbitragem não marcou nada. Ansaldi também desperdiçou uma chance frente a Handanovic. Isso faria falta, pois a Inter voltou dos vestiários com outra postura e dominou o segundo tempo.

Foram necessários apenas 13 minutos para a Beneamata virar e abrir vantagem expressiva no placar. O empate ocorreu aos 49, em jogada aérea: Young recebeu assistência de Martínez, de cabeça, e finalizou de primeira. A virada veio em uma jogada ensaiada parecida com a do primeiro gol, só que dessa vez foi Sánchez que escorou para Godín completar. Em grande noite, o chileno ainda trabalhou como ladrão de bolas no meio-campo e deu sua segunda assistência no jogo, contribuindo para o fim da seca de cinco jogos sem gols de Lautaro. Na sequência, o Torino assustou com uma cabeçada de Belotti na trave, mas a Inter teve segurança e só não marcou mais vezes por falta de pontaria. Com o placar, o time de Conte assumiu a vice-liderança do campeonato, ao passo que o Toro segue ameaçado, com cinco pontos acima da zona de rebaixamento.

A Inter tirou peso das costas e assumiu vice-liderança ao bater o Torino, de virada (AFP/Getty)

Lazio 1-2 Sassuolo

Gols e assistências: Luis Alberto; Raspadori (Caputo) e Caputo (Ferrari)
Tops: Caputo e Raspadori (Sassuolo)
Flops: Parolo e Bastos (Lazio)

A partida que abriu a rodada, no sábado, ficou marcada por mais um vacilo da Lazio na disputa pelo título. Desde a retomada da Serie A, a equipe de Inzaghi mostrou imensa dificuldade de construir resultados positivos e já soma quatro derrotas em seis jogos – sendo três consecutivas, nos seus compromissos mais recentes. O Sassuolo treinado por De Zerbi vive momento oposto e, com quatro vitórias seguidas, encontra-se na oitava posição, quatro pontos abaixo da zona de classificação para a Liga Europa.

Logo no começo, a Lazio sentiu como a partida seria complicada, pelo gol marcado por Raspadori – anulado por impedimento após longa checagem no VAR, que identificou que a bola havia sido passada por Bourabia, do Sassuolo, e não pelo laziale Parolo. Depois disso, o time neroverde teve boa chance com Djuricic, que acertou o travessão após um chute desviado. Os mandantes atacavam quase sempre através da velocidade de Lazzari, o melhor celeste em campo, e abriram o placar numa jogada do lateral. Após cruzamento rasteiro, Luis Alberto dividiu com Locatelli e levou sorte, pois a bola enganou o goleiro Consigli e estufou as redes.

O segundo tempo foi todo dos visitantes, já que a Lazio conta com poucas peças de reposição aos titulares, está cansada e, assim, vem perdendo pontos nas últimas rodadas. Inteiro, o Sassuolo empatou com o garoto Raspadori: o atacante de 20 anos, em sua primeira oportunidade como titular, recebeu de Caputo e só empurrou para as redes. Depois do empate, a partida ficou bem travada, mas com os visitantes pressionando a extenuada Lazio. A virada só viria aos 89 minutos, com o goleador Caputo, de cabeça: com seu 16º tento na Serie A, se igualou a Berardi como o maior artilheiro do clube emiliano em uma temporada. O calabrês havia estabelecido o recorde em 2013-14.

Brescia 0-3 Roma

Gols e assistências: Fazio, Kalinic (Pérez) e Zaniolo (Perotti)
Tops: Veretout e Zaniolo (Roma)
Flops: Andrenacci e Papetti (Brescia)

A Roma não tomou conhecimento do frágil Brescia e dominou o jogo do início ao fim, conseguindo uma vitória tranquila, que lhe manteve na quinta posição. Com a exceção de um gol anulado de Tonali, nos primeiros minutos, o time visitante controlou a partida, que teve uma etapa inicial sonolenta e seus gols todos no segundo tempo. O bate-papo com Fonseca no intervalo ajudou e a Loba marcou logo na volta ao campo, quando o zagueirão Fazio chutou e o goleiro Andrenacci não conseguiu segurar.

O segundo tento veio com Kalinic – sim, isso mesmo. Meio sumido na temporada, o croata aproveitou um bonito lançamento de Carles Pérez e o erro no tempo de bola de Papetti para driblar Andrenacci e completar. Confiante, o atacante até tentou um gol de bicicleta pouco tempo depois, mas errou. Para fechar a conta, quem marcou o terceiro gol foi Zaniolo. O primeiro tento do garoto desde 20 de dezembro, quando sofreu grave lesão no joelho, ocorreu depois de um contra-ataque da Roma e mais uma amostra de insegurança de Andrenacci.

Em jogo de opostos, o ascendente Sassuolo bateu uma Lazio em queda (Insidefoto)

Napoli 2-2 Milan

Gols e assistências: Di Lorenzo e Mertens (Callejón); Hernandez (Rebic) e Kessié (pênalti)
Tops: Mertens (Napoli) e Bonaventura (Milan)
Flops: Maksimovic (Napoli) e Lucas Paquetá (Milan)

Para encerrar o domingo, tivemos um empate entre um Napoli já classificado para a Liga Europa e um Milan que continua com vantagem sobre os rivais pelo mesmo objetivo: são quatro pontos à frente do Sassuolo, oitavo colocado. O time da casa, comandado pelo ex-rossonero Gattuso, começou pressionando e exigiu boas defesas de Donnarumma. Surpreendentemente, o Diavolo abriu o placar aos 20 minutos, depois que Bennacer achou Rebic na área: o croata girou sobre Maksimovic e passou por elevação para Hernandez marcar com um belo voleio.

Foram necessários 14 minutos para a partida ficar novamente empatada. Insigne cobrou falta, Donnarumma rebateu e a bola sobrou para Di Lorenzo empatar. No segundo tempo, Callejón acionou Mertens, que chutou rasteiro e contou com um desvio que tirou Donnarumma do lance para marcar. O empate do Milan ocorreu após Maksimovic derrubar Bonaventura na área e cometer um pênalti, que Kessié cobrou bem, deslocando o goleiro. Ainda houve tempo para a expulsão de Saelemaekers, que entrou no lugar de Lucas Paquetá no intervalo e conseguiu tomar dois amarelos em três minutos.

Genoa 2-0 Spal

Gols e assistências: Pandev (Falque) e Schöne
Tops: Biraschi e Schöne (Genoa)
Flops: Reca e Bonifazi (Spal)

O Genoa deixou a zona de rebaixamento com uma vitória absolutamente tranquila sobre a condenada Spal, que, faltando seis rodadas por jogar, está 11 pontos atrás dos genoanos. Numa partida em que Perin não precisou sujar o uniforme, uma vez que os visitantes não acertaram o gol nenhuma vez, o controle do meio-campo e os gols dos veteranos Pandev e Schöne foram a chave do triunfo.

Pandev inaugurou o placar depois de uma jogada que começou com lançamento de Biraschi e participação de Pinamonti e Falque: após passe acrobático do espanhol, o macedônio driblou Bonifazi e bateu rasteiro no canto do goleiro. O Genoa pressionou a saída de bola da Spal e só não ampliou ainda na primeira etapa porque Falque desperdiçou pênalti, defendido por Letica. Após o intervalo, o golaço de falta anotado por Schöne tirou qualquer esperança dos estensi. Com a vantagem, o Genoa administrou o resultado e quase ampliou com Pinamonti, Sanabria e Schöne. A trave, no caso do primeiro, e o goleiro, nas chances dos demais, impediram um placar mais elástico.

Kessié, de pênalti, garantiu ponto importante do Milan contra o Napoli (Getty)

Fiorentina 1-1 Verona

Gols e assistências: Cutrone (Chiesa); Faraoni (Amrabat)
Tops: Cutrone (Fiorentina) e Amrabat (Verona)
Flops: Pulgar (Fiorentina) e Adjapong (Verona)

No Franchi, se enfrentaram dois times colocados no meio da tabela, mas com objetivos diferentes no campeonato. Por pouco, o Verona não conseguiu levar os três pontos para casa. Mais exatamente, dois minutos. O gol de empate sofrido no finalzinho atrapalha a equipe de Juric, que não conseguiu aproveitar para encostar no Milan e, após o terceiro jogo seguido sem vitórias, continua seis pontos distante da posição que dá vaga na Liga Europa. A Fiorentina, por sua vez, está sete acima da zona de rebaixamento.

O Verona saiu na frente aos 18 minutos, depois que a zaga da Viola dormiu. Faraoni recebeu um lançamento do bom Amrabat – já acertado com a Fiorentina para a próxima temporada – e acertou a bola num voleio meio sem jeito, mas suficiente para a bola entrar. Amrabat não se acovardou diante da futura equipe e fez uma partida excelente no meio-campo, sendo o mastim que comandou a retranca do Hellas.

Com pouco espaço e pouca criatividade, os mandantes tentaram chutes de longa distância, com Castrovilli e Kouamé, mas nada obtiveram. A Fiorentina também cruzou várias bolas na área, mas só ficou se lamentando por um pênalti não marcado e por uma oportunidade que Cutrone não conseguiu direcionar para as redes, após um leve desvio de Rrahmani. Mas o atacante italiano levaria a melhor sobre o defensor kosovar aos 96 minutos, quando se desmarcou para receber passe de Chiesa e tocou na saída do goleiro Silvestri.

Udinese 1-3 Sampdoria

Gols e assistências: Lasagna; Quagliarella (Ekdal), Bonazzoli e Gabbiadini (Yoshida)
Tops: Colley e Bonazzoli (Sampdoria)
Flops: Nuytinck e Samir (Udinese)

A Samp conseguiu um excelente resultado nesta rodada ao bater uma Udinese que vinha embalada, com sete pontos conquistados nas três últimas partidas. Parte dessa ótima fase dos friulanos se deve a Lasagna, que anotou nas cinco últimas partidas e, desde a retomada do campeonato, só está atrás de Ronaldo em número de gols marcados – sete contra seis. O resultado levou os dorianos à 14ª posição, com os mesmos 35 pontos da Udinese, mas vantagem nos critérios de desempate.

Os visitantes começaram atacando e tiveram uma boa oportunidade com uma forte cabeçada de Ramírez, que obrigou Musso a se esforçar para defender. Contudo, o time de Údine saiu na frente depois de um lançamento para Lasagna, que se desvinculou do marcador e finalizou sem chances para Audero. De volta ao time da Samp após lesão, Quagliarella fez valer a lei do ex antes do intervalo e empatou depois que Ekdal ajeitou com o peito.

No segundo tempo, Lasagna teve uma chance de ouro para colocar seu time outra vez na frente, mas foi a vez de Audero fazer uma boa defesa. O jogo parecia caminhar para o empate, mas a Sampdoria pressionava a cansada Udinese e sacramentou a vitória com dois gols nos dez minutos finais. Primeiro, Bonazzoli aproveitou uma bola espirrada para, de bicicleta, marcar um golaço e virar a partida. Na sequência, Audero errou ao tentar afastar um cruzamento e espalmou a bola sobre Nuytinck, que teve o gol anulado porque houve toque no braço. Abalado, o zagueiro falhou feio na marcação e, possibilitou que, aos 94, Gabbiadini marcasse o terceiro blucerchiato.

Triunfo do Genoa teve um golaço de Schöne (Getty)

Parma 2-2 Bologna

Gols e assistências: Kurtic e Inglese (Gagliolo); Danilo (Orsolini) e Soriano (Tomiyasu)
Tops: Inglese (Parma) e Danilo (Bologna)
Flops: Kucka (Parma) e Tomiyasu (Bologna)

O dérbi emiliano entre Bologna e Parma teve um tempo para cada lado. Quem começou melhor foi o time visitante, que vencia por 2 a 0 com apenas 16 minutos de bola rolando. Aos 3, Orsolini cobrou escanteio e o brasileiro Danilo, capitão do clube, cabeceou bonito para marcar; aos 16, Soriano ampliou ao finalizar de fora da área e acertar o canto direito do goleiro Sepe. Após os gols no começo, o Bologna passou a administrar a partida, o que fazia de forma relaxada devido à escalação improvisada de D’Aversa, que experimentou até colocar o meio-campista Kucka no comando do ataque, entre outras escolhas questionáveis.

No intervalo, o treinador parmense fez alterações e colocou o time para o ataque. O Parma teve a bola por todo o segundo tempo, mas enfrentou grande dificuldade para quebrar a defesa bolonhesa. Até os acréscimos, porém. Aos 93 minutos, Kurtic aproveitou uma cobrança de escanteio desviada por Barrow no primeiro pau e apareceu por trás da zaga rossoblù para diminuir. Com os 10 jogadores no campo de ataque, o time da casa conseguiu o que parecia impossível quando Gagliolo cruzou para Inglese: Svanberg não cortou, Tomiyasu errou flagrantemente na marcação e o camisa 9, que voltava de lesão após seis meses afastado, empatou. O resultado mantém o Parma no meio da tabela e praticamente encerra a corrida do Bologna por uma vaga na Liga Europa: o Milan está oito pontos distante.

Cagliari 0-0 Lecce

Tops: Cragno (Cagliari) e Diego Farias (Lecce)
Flops: Simeone (Cagliari) e Babacar (Lecce)

O único 0 a 0 da rodada teve peso diferente para as equipes. Com o ponto, o Cagliari continua no meio de tabela e distante de uma vaga na Liga Europa, enquanto o Lecce se vê de volta à zona de rebaixamento. A vitória no meio de semana contra a Lazio deu novas energias ao time salentino, que fez um bom jogo na Sardenha, mas não ficou com os três pontos por conta da excelente atuação de Cragno. Nas próximas rodadas, a equipe treinada por Liverani vai enfrentar adversários diretos e pode sonhar em escapar da Serie B.

O Lecce teve oito chutes a gol, que não entraram por causa de Cragno – que teve sua principal defesa já no final, ante Diego Farias – e da trave. No primeiro tempo, o poste foi o obstáculo que impediu Babacar de marcar, cara a cara com o goleiro. Depois, também impediu que Mancosu anotasse, após um rebote do goleiro rossoblù, a dois passos do gol – para seu alívio, estava impedido e o lance não valeu.

Seleção da rodada

Cragno (Cagliari); Biraschi (Genoa), Godín (Inter), Colley (Sampdoria), Castagne (Atalanta); Malinovskyi (Atalanta), Amrabat (Verona), Gómez (Atalanta); Sánchez (Inter); Caputo (Sassuolo), Ronaldo (Juventus). Técnico: Gian Piero Gasperini (Atalanta).



Deixe um comentário