Serie A

8ª rodada: com quebra de tabu de uma década, o Milan mostrou força para seguir líder

Na 8ª rodada da Serie A, um jogo chamava mais atenção do que os demais: o confronto entre Napoli e Milan, que poderia fazer a liderança mudar de dono. Porém, o primeiro posto continuou com Ibrahimovic e companhia, já que o Diavolo venceu os azzurri no San Paolo pela primeira vez em 10 anos. Naquela temporada, Ibra também estava em campo e os rossoneri acabaram ficando com o título italiano.

Os cinco atuais primeiros colocados conseguiram levar os três pontos para casa no fim de semana. Vice-líder, o Sassuolo segue imbatível na competição, assim como a Juventus de Ronaldo e companhia. Por sua vez, a Roma continua mostrando bom futebol, enquanto a Inter sofreu para passar pelo Torino. A jornada também foi positiva para Lazio, Benevento e Udinese. Confira, abaixo, o resumo da rodada.

>>> Classificação e artilharia da Serie A

Napoli 1-3 Milan

Gols e assistências: Mertens; Ibrahimovic (Hernandez), Ibrahimovic (Rebic) e Hauge (Bennacer)
Tops: Ibrahimovic e Hernandez (Milan)
Flops: Di Lorenzo e Koulibaly (Napoli)

No encerramento da rodada, o líder Milan (treinado pelo auxiliar Bonera, que substituiu o adoecido Pioli) deu uma prova de força ao bater o Napoli com imensa superioridade. O time rossonero continua invicto no campeonato e, pela segunda vez na era dos três pontos conseguiu somar 20 pontinhos em oito jornadas – a outra foi em 2003, quando conquistou o scudetto. Ademais, há um fator de superstição: em quatro das cinco últimas temporadas em que venceu no San Paolo, o Diavolo foi campeão italiano.

O lance que abriu o placar sintetizou a partida: de um lado, um time jogando por música e contando com um craque decisivo; do outro, um mandante em péssima atuação coletiva e repleto de erros individuais, incluindo de seus pilares. Ibrahimovic não para de fazer gols e, de cabeça, aproveitou o cruzamento de Hernandez para se antecipar a Koulibaly e se juntar a Batistuta, Vieri e Piatek como únicos que balançaram as redes em suas seis primeiras aparições no campeonato. O Napoli teve a chance de empatar com Di Lorenzo, mas o lateral acertou o travessão, mesmo muito bem colocado para o chute.

Na segunda etapa, Ibrahimovic marcou mais uma vez, dessa vez em cruzamento de Rebic. Aos 39 anos, o artilheiro do campeonato chegou a 10 gols e se tornou o jogador mais velho a alcançar uma dezena de tentos em oito rodadas desde Piola, em 1943. Os visitantes diminuíram com Mertens, depois de pressionar alto e roubar a bola no ataque, mas a reação parou por ali. Ou melhor, dois minutos depois, quando Bakayoko foi expulso. Não que fosse possível esperar muito àquela altura: afinal, jogadores como Mário Rui, Di Lorenzo, Lozano e o próprio Mertens fizeram partida muito abaixo da crítica.

Petagna até teve uma boa chance cara a cara com Donnarumma, mas foi o Milan que anotou o terceiro. Aos 95, Hauge deixou Manolas na saudade e tocou na saída de Meret para fechar o caixão. Nem tudo foram flores para o Diavolo, contudo: Ibrahimovic sentiu o posterior da coxa e deve desfalcar a equipe de Pioli nos dois próximos jogos.

Inter 4-2 Torino

Gols e assistências: Sánchez, Lukaku (Sánchez), Lukaku (pênalti) e Martínez (Lukaku); Zaza (Meïté) e Ansaldi (pênalti)
Tops: Lukaku (Inter) e Singo (Torino)
Flops: Young (Inter) e Nkoulou (Torino)

O jogão da rodada. Com muita emoção, a Inter venceu com uma virada espetacular, construída após cerca de 60 minutos de péssimo futebol. O Torino perdeu Belotti no aquecimento, mas mostrou que evoluiu aspectos de seu jogo durante a data Fifa – mesmo com o técnico Giampaolo afastado por covid-19 – e nem pareceu um time desesperado pela vitória. Inteligente, começou melhor, a partir do controle de Lukaku, efetuado por Bremer. No meio-campo, Meïté ditava o ritmo e levava a melhor sobre Barella e Gagliardini, enquanto Vidal tentava segurar o setor nerazzurro. Nos acréscimos da primeira etapa, o Toro fez valer as oportunidades criadas e aproveitou o erro de Sánchez na saída de bola para abrir o placar, com Zaza.

No segundo tempo, um outro duelo que vinha sendo favorável aos visitantes determinou a ampliação do placar: Young derrubou Singo na área e Ansaldi pode fazer valer a lei do ex. Em seguida, o time de Conte acordou e passou a ser eficiente na pressão alta. Dois minutos depois, levou a defesa granata a entrar em tilt no lance do gol de Sánchez e, após mais 180 segundos, construir a jogada do empate, garantido por Lukaku.

Os ânimos dos jogadores deram uma acalmada até aos 84, quando Nkoulou cometeu mais um pênalti bobo – sua falta de atenção ao derrubar Hakimi custou, assim como contra a Lazio, pontos para os grenás. O responsável pela virada tinha que ser Lukaku, o melhor em campo. O belga ainda teve tempo de servir Lautaro, que fechou o placar com finalização esperta. A Inter respira aliviada, na quinta posição, enquanto o Torino entrou na zona de rebaixamento.

Lukaku foi o nome da virada da Inter sobre o Torino (imago)

Juventus 2-0 Cagliari

Gols e assistências: Ronaldo (Morata) e Ronaldo (Demiral)
Tops: Ronaldo e Demiral (Juventus)
Flops: Ounas e Pisacane (Cagliari)

Fechando o sábado, a Juventus venceu o Cagliari com muita tranquilidade e subiu para a quarta posição. De Lig, recuperado de lesão, fez a sua primeira partida na temporada e debutou ao lado do turco Demiral. Numa defesa remendada, que contou com Cuadrado como lateral-direito e Danilo pelo lado esquerdo, os centrais tiveram prova de bastante solidez e praticamente anularam Simeone e João Pedro.

A Juve pressionou desde o apito inicial, chegando a ficar com sete jogadores no campo de ataque para atrapalhar a saída de bola adversaria. Quando o time da casa tinha a posse, ficava trocando passes esperando a melhor oportunidade de agredir a defesa sarda. A Velha Senhora chegou a marcar, com Bernardeschi, mas Morata (para variar) estava em impedimento, o que anulou o lance. Porém, minutos depois o espanhol surgiu em posição regular e tocou para Ronaldo completar uma rápida troca de passes com um chute cruzado. Bastaram mais 240 segundos para o português, bem posicionado, anotar sua doppietta numa jogada de escanteio.

A pressão foi forte e o time bianconero poderia ter feito mais gols no primeiro tempo. Após o intervalo, porém, preferiu adotar uma postura mais cautelosa, mantendo a bola consigo e gastando o tempo. Buffon, que completava 25 anos de sua estreia na Serie A, assistiu à partida de camarote.

Verona 0-2 Sassuolo

Gols e assistências: Boga (Berardi) e Berardi (Boga)
Tops: Berardi e Boga (Sassuolo)
Flops: Dawidowicz e Magnani (Verona)

No confronto entre dois dos times de baixo orçamento que fazem ótimas campanhas até então – e praticando futebol de estilos bem diferentes –, o Sassuolo levou a melhor sobre o Verona e segue invicto no campeonato. Com o triunfo, os neroverdi obtiveram dois feitos históricos: pela primeira vez, tiveram quatro triunfos seguidos como visitantes e passaram as oito rodadas iniciais sem uma derrota sequer.

Conseguir tudo isso não foi nada fácil, porém: o Hellas dominou o primeiro tempo e chegou tanto a acertar a trave duas vezes quanto a exigir uma defesaça de Consigli. Só que, aos 42, a zaga scaligera cometeu dois erros imperdoáveis, que chatearam bastante o técnico Juric: os defensores deram tempo e espaço para Berardi criar e afrouxaram a marcação em Boga. Livre pela esquerda, o marfinense recebeu do italiano e marcou um lindo gol, colocando a bola no ângulo de Silvestri.

No segundo tempo, a dupla inverteu as funções: Boga tocou para Berardi, que foi avançando pelo meio e, sem pressão, bateu forte para ampliar. Em desvantagem, o Verona foi para cima e voltou a carimbar a trave mais duas vezes, enquanto Consigli apareceu novamente, dessa vez evitando o gol de Salcedo. Com 18 pontos, o Sassuolo de De Zerbi continua na vice-liderança, apenas 2 pontos atrás do Milan.

Decisivo, como sempre: Ronaldo garantiu uma doppietta na vitória da Juve sobre o Cagliari (Insidefoto)

Roma 3-0 Parma

Gols e assistências: Mayoral (Spinazzola), Mkhitaryan e Mkhitaryan (Karsdorp)
Tops: Mkhitaryan e Cristante (Roma)
Flops: Kucka e Pezzella (Parma)

Extremamente sólida e com uma consistência relativamente inesperada neste início de temporada, a Roma de Fonseca precisou só do primeiro tempo para definir o placar contra o Parma. Os giallorossi seguem fazendo uma boa temporada e conquistaram a sua terceira vitória seguida, que lhe deixa na terceira colocação, três pontos atrás do Milan. Já os crociati o Parma se encontram uma posição acima da zona de rebaixamento.

O placar no Olímpico poderia ter sido muito mais elástico, visto que a Loba produziu 21 finalizações sendo sete no gol defendido por Sepe. O primeiro tento romanista saiu aos 28 minutos, depois de boa enfiada de bola de Spinazzola para Mayoral bater colocado. Aí começou o show de Mkhitaryan, que vinha de tripletta na rodada anterior: mais modesto, o armeno anotou uma doppietta dessa vez. Para começar, ele marcou o gol mais bonito da rodada, de fora da área, com um sem pulo antológico. Depois, ficou bem posicionado e pegou o cruzamento de Karsdorp. No segundo tempo, bastou à Roma administrar o placar.

Crotone 0-2 Lazio

Gols e assistências: Immobile (Parolo) e Correa (Immobile)
Tops: Immobile e Parolo (Lazio)
Flops: Petriccione e Rispoli (Crotone)

O jogo que abriu a rodada aconteceu debaixo de uma forte chuva, que chegou a alagar alguns pontos da Calábria. A drenagem do gramado do Ezio Scida funcionou bem e, mesmo que a bola parasse de rolar em alguns pontos, os times conseguiram realizar um duelo movimentado. Como os passes não estavam dando certo, o jeito foi apostar na bola área. Depois que Simy acertou a trave celeste, a Lazio cresceu no jogo e mandou no Crotone: num cruzamento na medida de Parolo, o artilheiro Immobile deu de peixinho e abriu o placar. O atacante retornava à equipe depois de superar a covid-19 e, de quebra, se tornou o segundo maior artilheiro do clube.

No intervalo, a chuva deu uma trégua e o campo ficou mais praticável. Porém, o Crotone tinha dificuldade de propor jogo: Simy e sua habilidade de fazer o pivô até proporcionaram algumas oportunidades para o lanterna do campeonato, mas sem sucesso. Com a Lazio, foi o inverso. A equipe continuou criando e Immobile apareceu como garçom: Correu recebeu um passe em profundidade do goleador e finalizou sem ângulo, decretando o placar final e levando os capitolinos à sexta posição.

Na melhor fase da carreira, Berardi conduz o Sassuolo à vice-liderança da Serie A (imago)

Spezia 0-0 Atalanta

Tops: Provedel e Erlic (Spezia)
Flops: Zapata e Pasalic (Atalanta)

A Atalanta começou voando na Serie A, mas vem oscilando por conta do calendário corrido e do elenco curto. No sábado, decepcionou mais uma vez e, com o empate ante o Spezia, completou um mês de maus resultados: conquistou apenas uma vitória em cinco jogos. Ainda sem Hateboer à disposição, Gasperini escalou Depaoli para começar a partida, mas com 25 minutos ele se machucou e Piccini entrou em seu lugar. A Dea foi quase inofensiva pela direita, mas muito ativa pelo lado oposto: Gosens correu o tempo inteiro e até chegou a marcar no segundo tempo, mas teve o gol anulado por impedimento de Zapata.

O Spezia é um time que, embora não tenha tantas peças de qualidade, é bastante organizado – o que mostra o trabalho do técnico Italiano. Além de executarem um bom trabalho defensivo, capaz de parar Zapata, Ilicic e Gómez, os bianchi viram o brasileiro Diego Farias acertar a trave e o centroavante Nzola descolar boas oportunidades no pivô. Porém, o melhor jogador da partida foi Provedel: nos minutos finais, o goleiro parou grandes chances da Atalanta, todas contra Pasalic. Zoet, titular da posição e atualmente lesionado, vai ter que trabalhar duro para retomar seu posto.

Fiorentina 0-1 Benevento

Gols e assistências: Improta (Insigne)
Tops: Improta e Letizia (Benevento)
Flops: Vlahovic e Biraghi (Fiorentina)

Na reestreia de Prandelli pela Fiorentina, quem pode comemorar foi o Benevento de Pippo Inzaghi. No primeiro jogo do domingo, o time campano mostrou evoluções em seus mecanismos de defesa e conseguiu encerrar uma sequencia de quatro partidas seguidas com derrotas graças a um gol no segundo tempo –um tento que coroou uma atuação superior dos giallorossi no Artemio Franchi.

A Fiorentina, escalada no 4-3-3, tentou atacar pelos lados, mas foi bem marcada pelos atletas adversários. A postura defensiva dos stregoni funcionou e deixou o primeiro pobre de emoções – e, para a Viola, marcado negativamente por uma lesão muscular de Ribéry, o que fará Prandelli ter mais dificuldades de arrumar a casa. Aos 52 minutos, o Benevento aproveitou um erro de Biraghi na saída de bola e abriu o placar com um chute colocado de Improta. Dali em diante, os bruxos ameaçaram mais outras vezes, mas Dragowski foi eficiente e fez boas defesas, como em falta cobrada por Lapadula. No final, foi a vez de Montipò garantir os três pontos para os visitantes após uma tentativa de Vlahovic.

Em vestes de artilheiro, Mkhitaryan foi novamente o grande nome da sólida Roma de 2020-21 (Insidefoto)

Sampdoria 1-2 Bologna

Gols e assistências: Thorsby (Candreva); Regini (contra) e Orsolini (Barrow)
Tops: Orsolini e Palacio (Bologna)
Flops: Regini e Colley (Sampdoria)

Em Gênova, o Bologna conseguiu uma vitória muito importante para respirar e encostar no meio da tabela. Porém estes 3 pontos foram conquistados pelo time de Mihajlovic, ex-Sampdoria, com muita dificuldade – natural, visto que a única vitória obtida pelos rossoblù no Marassi nos últimos 22 anos ocorrera em 2019-20. Parecia que a Samp voltaria a se impor quando, aos 7 minutos. Thorsby aproveitou a cobrança de escanteio de Candreva e abriu o placar. Com isso, os bolonheses chegaram a 41 partidas seguidas sofrendo gols: é a segunda pior marca histórica das cinco grandes ligas europeias, perdendo apenas para o Bordeaux de 1960, vazado em 42 partidas consecutivas.

Para um Ranieri que gosta de jogar na defensiva e com transição rápida, o começo foi excelente. No entanto, o Bologna conseguia chegar com perigo e com boas trocas de passes, envolvendo Schouten, Svanberg, Soriano, Orsolini, Barrow e Palacio. Orso chegou a acertar o travessão, mas o empate veio com um gol contra, aos 44 minutos: Regini errou feio e, ao invés de afastar a cobrança de escanteio, colocou contra o próprio patrimônio. A virada veio no começo da segunda etapa, quando Barrow chamou o marcador para dançar e cruzou na medida para Orsolini cabecear. Precisando sair para o jogo, a Sampdoria deixou muitos espaços e Palacio quase os aproveitou para ampliar. O argentino chegou a acertar a trave, mas o placar ficou mesmo em 2 a 1.

Udinese 1-0 Genoa

Gols e assistências: De Paul (Pereyra)
Tops: De Paul e Nuytinck (Udinese)
Flops: Ghiglione e Perin (Genoa)

No duelo dos desesperados, melhor para a Udinese, que manteve seu positivo histórico recente contra o Genoa e saiu da zona de descenso. A equipe mandante começou melhor, pressionando alto e dificultando a saída de bola rossoblù: precisando usar o famigerado chutão, o time lígure perdeu a posse e Pereyra achou De Paul, que, da meia-lua, bateu cruzado para marcar. A doppieta do camisa 10 só não aconteceu no segundo tempo graças ao travessão, que lhe negou golaço em cobrança de falta.

Nos 45 minutos finais, o time da casa ficou na defensiva, segurando o placar, e entregou a bola para o Genoa, que enfrentava dificuldades para furar a defesa friulana e achar chances de finalização – na única oportunidade perigosa, o goleiro Musso mostrou sua atenção habitual. Aos 95, Scamacca chegou a marcar para os grifoni, mas teve o tento anulado por impedimento. Para piorar a vida dos genoanos, na sequência, o capitão Perin tentou parar um contragolpe bianconero e foi expulso.

Seleção da rodada

Consigli (Sassuolo); Demiral (Juventus), Nuytinck (Udinese), Erlic (Spezia); Berardi (Sassuolo), Mkhitaryan (Roma), Bennacer (Milan), Hernandez (Milan); Lukaku (Inter), Ibrahimovic (Milan), Ronaldo (Juventus). Técnico: Paulo Fonseca (Roma).

Deixe um comentário