Liga dos Campeões

Juve de Ronaldo bate Barça de Messi e assegura liderança na UCL; Lazio avança no sufoco

Na abertura da derradeira rodada da fase de grupos da Uefa Champions League, Juventus e Lazio foram a campo em duas partidas que certamente teriam casa cheia, em outros tempos. Com a vaga nas oitavas de final garantida, a equipe de Turim visitou o Camp Nou na expectativa de tirar o primeiro lugar do Barcelona.

O grande atrativo da partida disputada em solo catalão seria o duelo entre Messi e Cristiano Ronaldo, que não acontecia na Champions League desde 2011. O embate entre os craques estava previsto para acontecer no Allianz Stadium, mas Cristiano, infectado pela covid-19, acabou ficando de fora. Dentro de campo, o português teve mais brilho: marcou duas vezes de pênalti, enquanto o argentino passou em branco.

Por sua vez, a equipe romana tinha uma decisão pela frente e precisava vencer ou empatar contra o Club Brugge, dentro de seus domínios, para evitar a queda à Europa League. No fim das contas, a Lazio confirmou a classificação na segunda posição, sofrendo mais do que deveria e contando com muita sorte. Confira a seguir, a síntese das duas partidas.

Barcelona 0-3 Juventus

Uma Zebra furiosa atropelou o Barcelona, no Camp Nou. A Juventus deu o troco nos catalães e construiu o placar de 0 a 3, suficiente para garantir aos alvinegros a primeira posição do Grupo G. Desde os primeiros minutos, a Juve dominou o Barcelona em todos os sentidos, aplicando uma marcação incômoda no campo adversário e fechando muito bem o setor ocupado por Messi.

O primeiro gol bianconero parecia questão de tempo e saiu aos 13 minutos de jogo – dos pés de Cristiano Ronaldo, é claro. O português foi derrubado na área por Araujo, e converteu a penalidade com um chute forte no centro do gol. Não demorou muito para a Juve dobrar o placar, com uma jogada muito bem trabalhada que terminou em um golaço de McKennie. O estadunidense recebeu um ótimo cruzamento de Cuadrado e, sozinho na pequena área, acertou um voleio plástico para afundar Ter Stegen nas redes.

Passados 20 minutos, a Velha Senhora diminuiu a intensidade e naturalmente passou a dar mais campo para o Barça desenvolver seu jogo. Acontece que o sistema ofensivo dos culés estava em uma péssima noite e raramente trouxe perigo real a Buffon. Ainda por cima, as descidas de ataque do Barça deixaram um enorme espaço para contragolpes, mas a Juve não soube aproveitá-los pela falta de jogadores de velocidade.

O duelo entre Ronaldo e Messi não ocorria na Champions League desde 2011 (IPA)

Na volta para a segunda etapa, as coisas não mudaram muito. O Barça voltou com a mesma postura apática, mas um certo Messi se esforçava para se apresentar para o jogo e encontrar o caminho do gol. Porém, apenas a genialidade do argentino não era suficiente para que o Barcelona tivesse poder de reação. Com poucos minutos, a Juventus ganhou um segundo pênalti graças a um toque de mão de Lenglet. Ronaldo foi pela segunda vez à marca da cal e deslocou Ter Stegen para marcar o gol que daria a liderança do grupo aos italianos.

Depois do terceiro gol, a Juventus tinha como foco administrar a vantagem e esperar o relógio passar. De fato a Juventus se defendeu muito bem e ainda chegou a marcar pela quarta vez, com Bonucci, mas o tento foi corretamente anulado por impedimento. O Barcelona ameaçou com Griezmann, que acertou o travessão, e contou com intervenções de Buffon ante Messi.

No fim das contas, a Zebra de Turim concluiu sua participação na fase de grupos com cinco vitórias e uma derrota, com os mesmos 15 pontos do Barcelona, mas vantagem no saldo de gols do duelo – o Dynamo Kyiv foi para a Liga Europa e o Ferencváros acabou eliminado. Agora, as equipes classificadas aguardam o sorteio do dia 14 de dezembro para conhecerem os seus adversários no mata-mata.

Confira aqui os melhores momentos da partida.

Depois da tempestade, a bonança: a Lazio sofreu contra o Club Brugge, mas passou às oitavas (AFP/Getty)

Lazio 2-2 Club Brugge

A partida da Lazio foi um verdadeiro teste para cardíaco. Os comandados de Inzaghi viveram um drama desnecessário e, por pouco, escaparam de um enorme vexame dentro de casa, contra o Club Brugge. A tempestade em Roma não deu nem sinal de trégua, e o gramado encharcado dificultou o estilo de jogo veloz e vertical da equipe capitolina. Mesmo assim, foi o time da casa que começou melhor a partida, mantendo a posse de bola e indo ao ataque principalmente pelo setor direito. Naquela região, aproveitava as descidas de Lazzari, que logo no primeiro minuto cavou cartão amarelo de Sobol.

O domínio dos italianos não demorou muito para se transformar em gols. Aos 12 minutos, Correa abriu espaço na defesa belga com um belo drible de corpo e concluiu para as redes, aproveitando o rebote de Mignolet. Contudo a reação do Brugge veio imediatamente, quando Vormer aproveitou a falha de Reina para igualar o placar. Depois do empate, os blauw-zwarts equilibraram a partida e trouxeram dificuldade à Lazio marcando a saída de bola em bloco alto.

Na reta final do primeiro tempo, começava a se desenhar um cenário bastante tranquilo para a equipe celeste. Isso porque, aos 27, Immobile converteu uma penalidade que ele mesmo tinha sofrido, e onze minutos mais tarde, a Lazio passou a jogar com um homem a mais. Sobol, amarelado desde o começo, recebeu mais um cartão e foi expulso após a terceira falta dura cometida sobre Lazzari.

No retorno à etapa complementar, o Brugge adotou uma estratégia arriscada e inteligente para disfarçar a inferioridade numérica e ter condições de jogar de igual para igual. Além da entrada de Deli para compor o lado esquerdo, o técnico Clément deu bastante liberdade para o goleiro Mignolet atuar como se fosse um líbero: no meio da linha defensiva, participava da criação de jogadas e rebatia lançamentos vindo da defesa laziale. Uma estratégia de risco calculado, já que ao Brugge só interessava a vitória.

Aos 75 minutos, outro momento-chave na partida: depois de perder a chance de ter definido a partida, Immobile foi substituído e no lance seguinte os visitantes chegaram ao empate, com Vanaken. Se a Lazio tinha a vantagem numérica em campo, o fator psicológico era totalmente favorável ao Brugge. A bola passou a queimar nos pés dos celestes, e não havia ninguém em campo para segurar o jogo e chamar a responsabilidade. O medo tomou conta dos romanos e a classificação esteve ameaçada até os últimos instantes, quando um chute efetuado por De Ketelaere explodiu no travessão e quase despachou a Lazio de vez.

No fim das contas, a Lazio acabou flertando com a desclassificação e com a liderança do grupo em alguns momentos, já que o Borussia Dortmund saiu atrás no placar, mas depois virou o jogo para cima do Zenit – e venceu os russos por 2 a 1. A classificação veio, mas foi uma missão bem mais difícil do que se imaginava. O time alemão terminou com a primeira posição do Grupo F, com 13 pontos, enquanto os laziali fizeram 10 e avançaram com o segundo posto da chave. O Club Brugge (8) foi para a Liga Europa, enquanto o Zenit foi eliminado.

Deixe um comentário