Liga dos Campeões

O básico e a vaga: com pouco esforço, Roma e Juve avançam às oitavas da Champions League

Cena comum de dezembro: às vezes, no final do período letivo, o aluno precisa tirar uma nota baixíssima na última prova para garantir sua aprovação. Uma mera formalidade, portanto. Foi mais ou menos esta a situação que Roma e Juventus vivenciaram nesta terça, na Liga dos Campeões, já que precisavam apenas vencer os lanternas de seus grupos, já eliminados, para conquistarem uma vaga nas oitavas de final da competição. A dupla fez sua parte, mas nem precisaria, já que os adversários diretos pela classificação não conseguiram somar os pontos necessários para atrapalhar a vida dos italianos.

Entre Roma e Juve, quem ficou com a maior nota final foi a equipe da capital. Os romanos venceram o Qarabag por 1 a 0 e contaram com o empate por 1 a 1 entre Chelsea e Atlético de Madrid para terminarem a fase de grupos com a primeira posição da complicada chave C. Os italianos e os londrinos ficaram com 11 pontos, mas o confronto direto dava vantagem à Roma. O Atleti, com 7, foi para a Liga Europa.

Para que a noite tivesse este desfecho para a Roma, no entanto, um longo caminho foi trilhado. Hoje, no gramado do Olímpico, a equipe da Cidade Eterna não teve pressa para furar o muro do Qarabag, armado em um 4-1-4-1 muito defensivo, com os meias bastante recuados. Os dois times se agrediram pouco e não criaram grandes ocasiões na primeira etapa. A rigor, a melhor oportunidade da Roma aconteceu logo antes do intervalo, com um chute de Nainggolan defendido por Sehic.

Após o descanso, a Roma subiu o ritmo, buscando definir logo a partida e não precisar contar com o resultado do Stamford Bridge. Dessa forma, aos 53, Perotti deixou Dzeko na cara do gol, mas não foi o centroavante quem marcou: após a rebatida de Sehic, seu colega na seleção da Bósnia, Dzeko até ameaçou ir para a bola, mas Perotti apareceu e cabeceou para as redes. Dali em diante, a Roma novamente se poupou, mas quase ampliou com Nainggolan e Kolarov. O Qarabag respondeu com Míchel, mas Alisson estava atento para garantir a vitória.

Cuadrado abriu os caminhos para a vitória juventina na Grécia (AP)

Por sua vez, a Juventus viajou até a Grécia e diante do Olympiacos, precisou driblar os desfalques de Buffon e Chiellini e a má forma física de Pjanic e Mandzukic – ambos ficaram no banco de reservas. Novamente, a equipe de Turim não foi brilhante, mas fez o mínimo possível para conseguir a vitória por 2 a 0. Szczesny foi um dos grandes destaques da partida, com boas defesas para manter o resultado.

A construção da vitória foi relativamente rápida. Aos 15 minutos, Alex Sandro fez jogada pela esquerda e rolou para a pequena área, onde Cuadrado aparecia para apenas empurrar a bola para o gol vazio. Foi o tento mais rápido desta edição da Champions League. A partir daí, show de Szczesny: o polonês fez duas defesas importantíssimas em finalizações de Nikolaou e Marin. O Olympiacos ainda acertou a trave com Ben Nabouhane, atacante da seleção de Comores.

Em um dia ruim de Higuaín e de Dybala – La Joya foi substituído por Pjanic, no segundo tempo –, a Juve demorou demais para matar o jogo. Na verdade, o gol que definiu o placar final aconteceu apenas aos 89 minutos. Bernardeschi, que substituíra Cuadrado cinco minutos antes, recebeu na ponta direita, driblou um adversário e bateu com a canhota, sem chances para Proto. Com o resultado, a Juventus garantiu a segunda posição no Grupo D, com 11 pontos. O Barcelona fez 14 graças à vitória por 2 a 0 sobre o Sporting, que jogará a Liga Europa.

Deixe um comentário