Seleção italiana

Os 23 de Lippi: Giorgio Chiellini

Essencial na defesa, letal no ataque: Chiellini já marcou 17 gols em quatro anos como titular da Juve.
Na temporada, furou Júlio César, De Sanctis e Marchetti – todos goleiros de Copa (Getty Images)

Nascido em Pisa com o gêmeo Claudio, Giorgio Chiellini começou a jogar futebol no Livorno com apenas 13 anos, ao lado do irmão – que agora é seu procurador. Mesmo que preferisse jogar basquete, torcedor apaixonado do Los Angeles Lakers e fã de Kobe Bryant. Lateral-esquerdo nos tempos do clube amaranto, estreou na Serie C1 em 2001 e continuou como reserva no clube até vencer o Europeu Sub-19 com a Itália da categoria. Foi contratado em co-propriedade pela Roma, mesmo assim continuando no clube. A partir daí, assumiu a titularidade absoluta dos labronici na temporada 2003-04, que se concluiu com a histórica subida para a Serie A depois de mais 50 anos, num jogo em Piacenza. Com a ótima campanha no Livorno, a Juventus se interessou por Chiellini. E assim os toscanos ofereceram 3 milhões pela metade do jogador e o tiraram da Roma, já acertado com o clube de Turim.

Logo ao chegar, Chiellini foi emprestado para a Fiorentina. Pelos viola, estreou no clube com apenas 20 anos, justamente contra a Roma que havia possuído parte de seu passe por 12 meses. Em Florença, foi lançado por Emiliano Mondonico como titular na lateral-esquerda na campanha que garantiu a salvezza da Serie A na última rodada. De quebra, belos gols contra Lecce, Parma e a própria Juve, além de uma convocação para a seleção italiana. Retornou ao clube na temporada 2005-06, sob o comando de Fabio Capello, e jogou várias vezes como titular na campanha da vitória no scudetto posteriormente revogado. Com a equipe rebaixada à Serie B no ano seguinte por decisão judicial, Chiellini se manteve no time e alcançou o salto de qualidade tão esperado.

Agora, Chiellini havia sido transformado em zagueiro por Didier Deschamps. No dia da promoção matemática para a Serie A, marcou duas vezes contra o Arezzo. Ao fim da temporada, chegou perto de se transferir ao Manchester City, mas permaneceu em Turim. Na Serie A, agora sob o comando de Claudio Ranieri, começou como lateral-esquerdo, mas não demorou a voltar para o centro da defesa, assim como à Nazionale. Terminou o campeonato com três gols em 30 jogos, um deles no último minuto de Cagliari 2-3 Juventus, e mais dois contra a Lazio, no jogo que garantiu aos bianconeri o retorno à Liga dos Campeões. Ao fim da temporada, renovou seu contrato até 2013. Poucos meses depois, foi escolhido pela Gazzetta dello Sport um dos melhores zagueiros de 2008, ao lado do inglês John Terry.

Para isso, foi importante sua participação na Euro 2008, na qual foi um dos poucos a se salvar. Estreou no time de Donadoni contra a Romênia na segunda rodada, ao lado de Panucci, e continuou na posição contra França e Espanha, contribuindo para que a Itália só caísse para a Espanha nos pênaltis, nas quartas-de-final. Na seleção, confirmou sua titularidade em toda a campanha das Eliminatórias para a Copa do Mundo da África do Sul. Com a péssima fase de Cannavaro, é o único dos titulares da linha de defesa de Marcello Lippi em grande fase. Pouco demais para aquela que, por muito tempo, foi considerada a melhor do mundo.

Giorgio Chiellini
Nascimento: 14 de agosto de 1984, em Pisa
Posição: zagueiro
Clubes: Livorno (2000-04), Fiorentina (2004-05), Juventus (2005-hoje)
Seleção italiana: 28 jogos, 2 gols
Títulos: 1 Serie B (2007), 1 Serie C (2002)

Deixe um comentário