Serie A

Parada de inverno: Roma

Abraço de alívio: Ménez convence e Borriello vence. Quem surge é Greco (Getty Images)

Campanha
5ª posição. 17 jogos, 29 pontos. 8 vitórias, 5 empates, 4 derrotas. 22 gols marcados, 20 sofridos.
Maior sequência de vitórias: 3, da 9ª à 11ª rodada.
Maior sequência de derrotas: –
Maior sequência de invencibilidade:7, da 7ª à 13ª rodada.
Maior sequência sem vencer: 4, da 1ª à 4ª rodada.
Artilheiro: Marco Borriello, 7 gols.
Fair play: 39 cartões amarelos, 5 vermelhos.

Time-base
Júlio Sérgio; Cassetti, Burdisso (Juan), Mexès, Riise; Simplício (Pizarro), De Rossi, Brighi (Perrotta); Ménez; Totti (Vucinic), Borriello.

Treinador
Claudio Ranieri. Na temporada passada, quando substituiu Luciano Spalletti, Ranieri sacudiu a Roma. Numa volta por cima incrível, fez o clube brigar pelo título (e entregá-lo nas rodadas finais). Dessa vez, porém, a pré-temporada mal-feita, principalmente na parte física, levou o time a outro início de campeonato terrível. Preso a um 4-3-1-2 equilibrado, Ranieri conseguiu segurar as pontas e melhorar a situação. Hoje a Roma vence e não convence, mas vai subindo. O treinador romano soube recuperar o futebol de Mexès – esquecido há dois anos -, e aproveitar Fábio Simplício, reforço de utilidade inquestionável nesse primeiro turno. Também lançou Leandro Greco, atleta de 24 anos da base romanista que nunca havia ganhado muitas oportunidades. Diante das frequentes lesões de Pizarro, Perrotta e Taddei, Ranieri tem encaminhado, aos poucos, uma renovação de elenco – o mais velho da Serie A.

Destaque
Jeremy Ménez. Depois de muito tempo ciscando, o francês decidiu jogar. Desde que chegou em Roma, a expectativa criada em torno de si tem sido grande, mas nunca totalmente correspondida. Ménez aparecia e sumia num ciclo inconvincente, e, aos poucos, transformava a expectativa em dúvida. Nesta temporada, porém, ele, que tem sido o principal armador do time, vem em grande fase. Com ótimos dribles e bons passes – embora ainda um pouco egoísta – Ménez é o jogador mais criativo da equipe. Outro que agrada é Borriello: transferido no último dia do mercado, poucos imaginavam que se encaixaria tão bem e tão rapidamente. Seus gols não o fazem só artilheiro do clube, mas têm vindo na hora certa: até o momento, ele ‘garantiu’ 12 pontos à Roma.

Decepção
Adriano. Em seis meses na Itália, o atacante brasileiro se lesionou, não perdeu peso e não entrou em forma. Como consequência, também não entrou em campo. Insatisfeito com a condição de reserva – até fez cara feia e se recusou a entrar em campo contra a Inter -, Adriano se mostrou desapontado e, diz a imprensa, quis (ou quer) sair. O Imperador negou os boatos e deve permanecer, tentando cumprir com as palavras confiantes de quando desembarcou na capital, principalmente com o fato de “ainda dever à Itália“. Outra decepção veio de Francesco Totti: o capitão tem sido previsível, insistente em jogadas saturadas, e vive um dos piores momentos de sua carreira. Não à toa, hoje tem que brigar por posição nos onze iniciais – o que já valeu esbravejos.

Perspectiva
Vaga na Liga dos Campeões e briga por título. Se o começo de campeonato foi desastroso, a irregularidade dos outros times ajudou. Em pouco tempo já foi possível ver a Roma na parte de cima da tabela, mesmo sem convencer. Ajuda o fato da equipe ter crescido nas grandes partidas: os giallorossi ganharam o dérbi contra a Lazio, bateram a Inter em casa e o Milan fora; só empatando com a Juventus, também fora. Pela primeira vez em anos a equipe de Ranieri tem elenco suficiente para aguentar mais de um campeonato. Há excesso de peças de reposição, fazendo com que, muitas vezes, atletas aproveitáveis sequer fiquem no banco – como é o caso de Cicinho e Júlio Baptista, esse último já negociado. Caso Adriano se recupere e Totti volte a mostrar futebol, a Roma ganha condições de brigar pelo título, minada por um meio-campo seguro e atacantes acima da média. Para isso, porém, é necessário ajeitar a defesa: a dupla Juan-Mexès sempre carrega dificuldades, enquanto a lateral-direita de Cassetti se tornou o ponto fraco do time.

3 comentários

  • não acho a lateral direita um problema não, Cassetti hoje em dia é sim o melhor lateral direito italiano em atividade mesmo com seus 33 anos ;*
    agora seria uma boa a possivel chegada de Behrami hoje no West Ham!

  • Apesar de Doni ter ido bem, e seguro, contra o Milan. Acredito que Júlio Sérgio deve continuar como titular da Roma.

    E acho que Burdisso deveria ficar com a Lateral direita. Com a boa fase de Mexés voltando, para mim, quem sai do time é Cassetti. Assim a zaga ficará: Burdisso, Mexés, Juan, Rise. Zaga forte.Essa foi a zaga da Roma no San Siro, quando ganhou do Milan.

    Concordo com tudo. Acho que quando Perrotta voltar, será titular, saindo o Brighi dos 11 inicial.

    Simplicio fica. Totti e Pizzaro, por hora, não tem vez nesse time.

    Adriano?Pra mim, fica de banco, quando Vucinic voltar.

    Abraços.

Deixe um comentário