Serie A

28ª rodada: O título fica em Milão

Depois de passar sufoco, Inter se divertiu na goleada sobre o Genoa. Sobrou espaço até para comemoração engraçadinha de Nagatomo, xodó do vestiário (Getty Images)

Faltando dez rodadas para o fim do campeonato, algo parece certo: o título desta temporada deve ficar em Milão, na primeira briga direta entre Milan e Inter pelo título desde 1992-93. O segundo tropeço consecutivo do Napoli deixou o time do sul da Itália a três pontos da Inter e a oito do líder Milan, distância não tão grande, mas de difícil reversão, se comparadas as tabelas e fases dos times. Pela Liga dos Campeões, além dos partenopei, brigam Lazio e Udinese, com a Roma correndo por fora. Na zona de rebaixamento, o Cesena ganha sobrevida, mas a luta promete ser quente e envolver também Brescia, Lecce, Catania, Parma, Chievo e Sampdoria. O virtual rebaixado Bari tem remotas chances de escapar. Acompanhe o resumo da 28ª rodada.

Inter 5-2 Genoa
Quase de vento em popa, Leonardo chega a 33 pontos em 39 possíveis, desde que assumiu a Inter. A média, melhor que a de Mourinho, significa também o melhor início de um técnico em um clube da Serie A desde Capello, na Juventus de 2004-05, que fez 32. No entanto, o que se tornou recorde para Leonardo, passou perto de ser vexame: a Inter fez um péssimo primeiro tempo e permitiu que o Genoa saísse na frente, com Palacio. Na segunda etapa, a entrada de Pandev deu novo fôlego ao time, que fez três gols em 10 minutos, contando com erros dos adversários e com um Eto’o em estado de graça, para praticamente definir a partida. A goleada, com gols de Pazzini, Eto’o (dois), Pandev e Nagatomo, surgiu naturalmente, com a sintonia entre o camaronês, o macedônio e Sneijder, termômetro do time. Com o resultado, a Inter chega à décima vitória em casa, sete delas por mais de três gols – seis destas sob o comando de Leonardo. O desafio ao Milan está lançado, três rodadas antes do confronto direto no Derby della Madonnina.

Napoli 0-0 Brescia
Depois de perder para o Milan na segunda-feira, o empate contra o abordável Brescia parece deixar o Napoli de fora da briga pelo título: agora, são oito pontos atrás do Milan e três atrás da Inter. Os azzurri tentaram muito, mas esbarraram em defesas providenciais do goleiro Arcari, estreante nesta Serie A já aos 32 anos, que tem surpreendido tanto a ponto de barrar o experiente Sereni. Na segunda etapa, os donos da casa foram para cima e deixaram muitos espaços, possibilitando que a equipe de Brescia fosse perigosa nos contra-ataques e lhes desse sufoco. As andorinhas poderiam sair do San Paolo com uma surpreendente vitória, não fossem o goleiro De Sanctis e as chances perdidas por Caracciolo. O Napoli ainda terá uma baixa para a próxima rodada: o técnico Mazzarri foi expulso, por reclamar acintosamente por um pênalti não marcado sobre Maggio.

Lazio 2-0 Palermo
Dois pontos atrás do Napoli está a Lazio, que mesmo desacreditada, tem se superado e se mantém firme na briga por uma vaga direta na Liga dos Campeões. A equipe biancoceleste não demorou para construir o resultado contra o Palermo e, com menos de 20 minutos, Sculli deixou a má fase de lado e marcou dois gols, contando com a brilhante ajuda de Ledesma, autor das duas assistências. Em sua estreia, o técnico Serse Cosmi – conhecido torcedor da rival Roma -, viveu um dos grandes problemas do Palermo: o elenco curto. Devido a algumas lesões, como a de Miccoli, teve de escalar o time no 3-5-2, com Pastore no ataque, ao lado de Abel Hernández, e pagou por isso: o time perdeu a ligação e, por mais que Ilicic se esforçasse, pouco produzia. Com 11 pontos de diferença para a Lazio, sonhar com uma vaga na LC parece impossível e até mesmo se classificar para a Liga Europa será tarefa complicada.

Udinese 1-0 Bari
Francesco Guidolin já entrou para a história com a sua Udinese. Com a vitória no sufoco sobre o Bari, a equipe chega a 11 jogos de invencibilidade, sua melhor série na Serie A, superando as de Zaccheroni (1997-98) e Spalletti (2004-05). Neste domingo, o time do Friuli não chegou a ser brilhante e encontrou bastante dificuldades, sem Isla pelo lado direito e em uma partida ruim de Armero pelo lado oposto. Sem muito a perder, virtualmente rebaixado, o Bari teve chances com Huseklepp, Ghezzal, Okaka e Rudolf, mas Handanovic se portou bem e garantiu que a defesa bianconera passasse os 9o minutos inviolada. Uma entrada ingênua do péssimo Parisi sobre Sánchez, que soube cavar bem o pênalti, deu a chance para Di Natale definir a partida, chegar aos 22 gols no campeonato, e colocar a Udinese de vez na briga por uma vaga direta na fase de grupos da Liga dos Campeões.

Bologna 2-2 Cagliari
Os fanáticos por estatísticas podem comemorar: Donadoni enfim empatou uma partida no comando do Cagliari. Mas foi por pouco: os cagliaritanos sofreram o empate no último lance do jogo, quando até o goleiro Viviano estava na área, tentando um cabeceio salvador, graças a Ramírez e um bonito voleio. Antes disso, a história do jogo tinha sido escrita de outra maneira: o Cagliari saiu atrás, quando Di Vaio converteu pênalti e marcou seu 130º gol na Serie A, confirmando o domínio bolonhês no primeiro tempo. Logo após o intervalo, Donadoni acertou ao tirar Nenê, contraproducente neste domingo, e colocar o jovem Ragatzu, uma das grandes promessas do futebol italiano. O sardo mudou a história da partida, dando vigor ofensivo a um time que, mesmo com duas referências na área, era inefetivo. A virada veio à moda sarda, primeiro com Cossu, em lance polêmico, e depois com o próprio Ragatzu, mas o gol de Ramírez no último suspiro deu números mais justos à partida entre duas das boas equipes medianas da Itália.

Fiorentina 3-0 Catania
A Fiorentina, embalada por Mutu, voltou a jogar bem e venceu, com autoridade, o Catania, cada vez mais ameaçado. Na partida que marcou o encontro entre Mihajlovic e Simeone, amigos e companheiros de time na Lazio campeã italiana em 2000, o sérvio mostrou que tem mais bagagem em sua carreira como treinador. Certo, seu time é superior e o Catania jogou mal, mas a Fiorentina esteve mais bem postada em campo, com o domínio da bola em seu centro, graças às boas partidas de Montolivo e Santana. A recuperação de Mutu, que fez as pazes com a torcida após marcar dois gols e participar do terceiro, e o provável retorno de Jovetic em menos de um mês fazem a viola sonhar com algo mais. Se é difícil conquistar uma vaga na Liga Europa, terminar o campeonato na frente da Juventus, sua grande rival, parece mais plausível: a Velha Senhora tem apenas quatro pontos de vantagem. O Catania, por sua vez, dá a impressão de que só pode se salvar porque tem times piores no campeonato.

Sampdoria 2-3 Cesena
A derrota que decretou o fim da linha para o técnico Domenico Di Carlo esteve imersa em fatos, no mínimo, curiosos. Primeiro, o substituto do treinador, Alberto Cavasin, que não treina um time da Serie A há 10 anos, poderia ter ido para o Cesena, em caso de derrota bianconera. Além disso, poços de segurança das duas equipes, como Gastaldello, capitão doriano, e Antonioli, quarentão do Cesena, falharam feio em lances de gols. Os cavalos marinhos dominaram a partida desde o início e não chegaram a sofrer, visto que as chances da Samp caíram nos pés de Biabiany, péssimo finalizador. Decidiram o jogo para os visitantes as ótimas prestações de Parolo e Giaccherini, que se revezaram entre assistências e golaços, que definiram o jogo em um intervalo de cinco minutos. Pouco reativa, sem ideias e sem ânimo, a Samp apenas ensaiou reação no final, quando pouco poderia ser feito para mudar o jogo. Apenas três pontos acima da zona de rebaixamento, da qual o Cesena saiu momentaneamente, a Sampdoria pode ver a temporada que começou com Liga dos Campeões terminar em choro.

Chievo 0-0 Parma
Chances para ambos os lados, mas um placar que não agrada a ninguém. Chievo e Parma se aproximam perigosamente da zona de rebaixamento, cenário inesperado pelas duas equipes em momentos distintos do campeonato. Entre os visitantes, os melhores em campo foram Mirante, autor de defesas frente a Pellissier e Jokic, e, de maneira improvável, Bojinov, que voltou ao time graças à ausência de Crespo e à lesão muscular sofrida por Amauri aos 20 da primeira etapa. Embora o Parma esteja apenas um ponto acima da zona de retrocesso para a Serie B, o empate até caiu bem, devido ao cenário. Além do problema no comando do ataque, peças importantes como Giovinco e Candreva não jogaram e o time chegou a ficar com dez em campo por 15 minutos, depois da expulsão de Paletta.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 28ª rodada, clique aqui.
Para relembrar os outros jogos da rodada, clique aqui.

Para relembrar a 27ª rodada, clique aqui, aqui e aqui.

Seleção da 28ª rodada
Handanovic (Udinese); Biava (Lazio), Thiago Silva (Milan), Mareco (Brescia); Santana (Fiorentina), Ledesma (Lazio), Gattuso (Milan), Parolo (Cesena), Giaccherini (Cesena); Mutu (Fiorentina), Eto’o (Inter). Técnico: Leonardo (Inter).

1 comentário

Deixe um comentário