Serie A

36ª rodada: À beira do precipício

Do céu ao inferno: depois de 2009-10 quase perfeito, Sampdoria faz temporada medíocre e está muito perto de ser rebaixada (Sampdoria.it)

Chegando muito perto de seu final, a Serie A está quase que completamente definida: a 36ª rodada confirmou o scudetto do Milan o Brescia na segunda divisão, acompanhando o Bari, além de aprofundar o drama da Sampdoria, a crise da Juventus e o renascimento da Udinese. Agora, restam apenas a definição do último relegado e da distribuição das vagas em competições europeias. Algumas combinações de resultados podem definir todos os vereditos finais já no próximo fim de semana, deixando a última rodada esvaziada, mas também passível de bons jogos, sem pressões externas e com a possibilidade da estreia de jovens das equipes Primavera. Acompanhe o resumo dos jogos do último fim de semana.

Genoa 2-1 Sampdoria
O gostinho de participar ativamente do rebaixamento da maior rival deve ficar na boca de jogadores e torcedores do Genoa por algum tempo. A partida do Marassi não chegou a ser farta de emoções e foi marcada pelo cinismo rossoblù, que jogou um balde de água fria na rival. os dois gols do Genoa surgiram no final de cada tempo. O primeiro, com Floro Flores, confirmou a superioridade da equipe mandante no primeiro tempo, enquanto o de Boselli, no último lance do jogo, foi um castigo para a Samp. A equipe de Alberto Cavasin cresceu no segundo tempo, mas pouco conseguia penetrar na defesa adversária. Dessa forma, Palombo aproveitou a inseguraça de Eduardo e arriscou um chute de fora da área, que o goleirão largou nos pés de Pozzi.

A derrota no Derby della Lanterna deixa a Sampdoria em situação complicadíssima: dois pontos a menos que o Lecce, os dorianos precisam vencer o Palermo em casa e torcer para uma derrota salentina no dérbi contra o Bari. Aí, na última rodada as duas equipes enfrentarão os times de Roma, provavelmente ainda interessados no campeonato. A Samp, porém, terá de lutar contra um estádio e um time com sede de vingança: na última temporada, os blucerchiati venceram a Roma no Olímpico e definiram o scudetto para a Inter. É tempo de rezar.

Udinese 2-1 Lazio
No confronto direto por uma vaga na Liga dos Campeões, a Udinese voltou a jogar bem e, graças a três de seus principais jogadores, Handanovic, Sánchez e Di Natale, volta a ser favorita pelo quarto posto. A volta de Sánchez ao time deu dinamismo: o chileno esteve envolvido nos dois gols de Di Natale – o primeiro, um golaço -, que chegou aos 28 na temporada. O dinamismo de Sánchez ajudou também a melhorar a performance dos alas, Armero e Isla, que fizeram boa partida. No meio-campo, Asamoah fez ótima partida e Inler não fez falta. A Lazio, por sua vez, colaborava: fez um primeiro tempo sofrível.

No meio do segundo tempo, porém, Reja tirou Floccari e Hernanes para colocar Rocchi e Kozák. O capitão da Lazio conseguiu pênalti 20 segundos depois de ter entrado em campo. Angella foi expulso e a situação da euqipe de Údine parecia se complicar, mas Handanovic apenas esperou Zárate cobrar pênalti no meio do gol para fazer sua sexta defesa de pênalti na temporada, estabelecendo recorde histórico. Kozák, o jovem talismã laziale, autor de seis gols no campeonato, ainda reabriu o jogo dez minutos depois, mas o goleiro esloveno passa por fase incrível: fez mais uma defesa fundamental para garantir o resultado.

Lecce 2-1 Napoli
Jogando em casa, o Lecce aproveitou a desmotivação e o nervosismo do Napoli, imerso em discussões sobre o futuro do técnico Walter Mazzarri, para conseguir o grande resultado do fim de semana na briga contra o rebaixamento. Depois de um primeiro tempo fraco, a partida ganhou em emoção quando Campagnaro cometeu pênalti bobo sobre Olivera, que Corvia converteu. O centravante acabou expulso logo depois, assim como Cavani, inexplicavelmente nervoso e em sua pior partida no campeonato. O uruguaio ganhou gancho de três jogos, não enfrenta Inter e Juventus e ficará com a vice-artilharia da Serie A. Pelo menos, o Napoli precisa de apenas um ponto ou de um tropeço da Udinese para se garantir na fase de grupos da próxima Liga dos Campeões.

Ironicamente, foi outro uruguaio que decidiu o jogo: depois do empate de Mascara, Chevantón, que tinha acabdo de entrar, acertou um lindo sem pulo, que explodiu no travessão antes de entrar, respondendo ao golaço de Cavani no duelo do primeiro turno. No final, o baixinho Mascara quase marca seu segundo gol de cabeça no jogo, mas a bola passou à direita do gol de Rosati. Agora, o Lecce jogará o dérbi da Apúlia em Bari e receberá a Lazio em casa, enquanto a Samp também não terá vida fácil.

Juventus 2-2 Chievo
A Juventus protagonizou o maior vexame da rodada, depois de fazer partida emocionante contra o Chievo, e está fora da briga pela Liga dos Campeões. O jogo parecia tranquilo, quando Del Piero marcou de pênalti e tinha dado lindo passe para Matri marcar o segundo, mas os comandados de Stefano Pioli reagiram em apenas um minuto e decretaram à Juve o sétimo empate da equipe após sair na frente. Duas cochiladas da defesa juventina permitiram que os clivensi empatassem com dois lances análogos: bola na trave e gols, de Uribe e Sardo, no rebote.

A Velha Senhora ainda acertou duas bolas na trave, com Chiellini e Toni, mas o Chievo poderia ter matado o jogo, caso o colombiano Uribe não tivesse perdido o gol mais feito da temporada, depois de aproveitar estranha saída de Buffon do gol e chutar fraco, em cima de Barzagli, com gol quase aberto. Mesmo assim, o empate serviu para o Chievo, que confirmou matematicamente a permanência na Serie A. Del Neri, que havia dito no domingo que permaneceria para a próxima temporada com certeza absoluta, prontamente mudou o discurso: é a diretoria que decide, disse. Del Neri pode ser o primeiro treinador desde Maifredi, em 1990-91, a não classificar a Juventus para nenhuma competição europeia. Cenário, aliás, muito provável se o Palermo for à final da Coppa Italia.

Inter 3-1 Fiorentina
Em jogo que valia muito pouco, a Inter jogava apenas para confirmar o vice-campeonato e decidiu logo no primeiro tempo, com gols de Pazzini e Cambiasso, ambos saídos dos pés de Eto’o. Pensando na Coppa Italia, Leonardo se permitiu poupar alguns jogadores e, enfim, Coutinho voltou a jogar como titular. O brasileiro fez uma partida mediana, mas marcou um golaço de falta, seu primeiro pelo clube, para terminar a temporada com a moral um pouco mais alta.

Outro brasileiro que também jogou bem foi Júlio César, que realizou pelo menos três defesas importantes, minimizando os danos de uma defesa tão desgastada fisicamente quanto desinteressada. Ranocchia parece esgotado fisicamente: Gilardino, no gol de honra da Fiorentina, teve pouco esforço para ganhar a corrida.

Brescia 1-2 Catania
No Mario Rigamonti, o final do jogo teve emoções opostas: de um lado, o visitante Catania comemorava a sexta salvezza consecutiva, recorde histórico da equipe siciliana, enquanto do outro, o Brescia amargava o retorno imediato à Serie B. O Catania encontrou um adversário muito pouco motivado e já com convicção psicológica de que acabaria rebaixado mais cedo ou mais tarde e aproveitou para garantir logo a permanência, antes de enfrentar Roma e Inter.

O 4-5-1 armado por Simeone funcionou muito bem, isolando Caracciolo e Éder, bem marcados e inacessíveis para Diamanti. O zagueiro Silvestre, capitão do time e melhor rossazzurro na temporada ainda abriu o placar, acrescentando mais um dado à melhor fase de sua carreira – pode até mesmo transferir-se para a Inter. Destaque ainda para Gómez, que chegou para substituir um decepcionante Barrientos e fez temporada muito positiva: no domingo, foi autor das duas assistências.

Cagliari 0-2 Cesena
Totalmente desinteressado na Serie A desde que estacionou no meio da tabela, o Cagliari foi presa fácil para o Cesena, que está muito próximo de confirmar sua permanência. A única vz que Antonioli teve de fazer uma defesa importante foi ainda no primeiro tempo, quando os cesenáticos jogavam mal e permitiram que Missiroli ficasse cara a cara com o goleiro.

Na segunda etapa, o time de Ficcadenti cresceu no jogo graças à Jiménez, que apareceu mais para o jogo e criou chances. Em uma delas, tabelou com Budan e abriu o placar. Com a vantagem, o Cesena começou a jogar nos contra-ataques, apostando na velocidade de Giaccherini e de Malonga, que substituiu Budan, e ampliou com o francês. Conseguir a salvezza será um feito heróico para a equipe romanhola, mas poderia ter sido mais fácil se Ficcadenti houvesse apostado mais em um time leve e rápido.

Bologna 0-0 Parma
No único jogo da rodada que ficou sem gols, um empate foi suficiente para garantir o Parma na elite e deixra o Bologna a apenas um ponto de atingir o feito. Em campo, duas equipes pouco interessadas em partirem ao ataque fizeram um dos piores dérbis emilianos dos últimos tempos. Jogo para se esquecer.

Para resultados, escalações, classificação e estatísticas da 36ª rodada, clique aqui.
Para relembrar os jogos de sábado e o título do Milan, clique aqui.
Para relembrar a 35ª rodada, clique aqui e aqui.

Seleção da 36ª rodada
Handanovic (Udinese); Thiago Silva (Milan), Silvestre (Catania), Dainelli (Genoa); Isla (Udinese), van Bommel (Milan), Cambiasso (Inter), Asamoah (Udinese); Gómez (Catania), Jiménez (Cesena); Di Natale (Udinese). Técnico: Stefano Pioli (Chievo).

Deixe um comentário