Coppa Italia

Coppa Italia: Nova surpresa no San Paolo

Kone, o carrasco: com outro gol do grego, Bologna bate o Napoli e segue vivo na Coppa (La Repubblica)

As oitavas de final da Coppa Italia foram definidas e, praticamente, tiveram mais do mesmo. As equipes que eram favoritas a passarem às quartas de competição conseguiram manter sua supremacia, com exceção do Napoli, que perdeu pela segunda vez em casa para o Bologna em três dias e deu adeus à competição. Relembre os outros jogos desta fase aqui e boa leitura.

Napoli 1-2 Bologna

Não deu. De novo. O Napoli foi
derrotado pelo Bologna, por 2 a 1, e está fora da Coppa Italia. Na
primeira partida sem Cannavaro e Grava, suspensos por seis meses por não denunciarem tentativa de
manipulação de resultados, os partenopei começaram com tudo e logo após
os 10 minutos o time da casa já vencia por 1 a 0, com gol de Cavani. O
uruguaio, na comemoração, segurou uma camiseta com os nomes dos
zagueiros. De falta, Cavani quase ampliou a vantagem dos mandantes, no
San Paolo. Mas…

O problema do Napoli é que o Bologna
tem Kone. O meio-campista que marcou um golaço de voleio, na última
rodada do campeonato nacional, fez o que quis com Britos e só não marcou
gol porque Campagnaro salvou a equipe de Nápoles. Pasquato, antes do
fim do primeiro tempo, deu a igualdade ao Bologna. Walter Mazzarri
colocou seus principais jogadores na etapa final. O Napoli, com Cavani,
Insigne, Hamsík e Pandev, perdia gols a rodo. Eis que no último minuto
da partida, ele, Kone, em bela cobrança de falta, virou a partida e deu a
classificação aos bolonheses, que enfrentam a Inter na próxima fase da
copa. (Murillo Moret)

Lazio 1-1 Siena  (4-1 nos pênaltis)

Com um time misto, a Lazio só passou pelo Siena nos pênaltis, graças a um gol salvador que empatou a partida aos 50 minutos do segundo tempo. O técnico Vladimir Petkovic voltou a usar uma formação com três zagueiros protegendo Carrizo – Diakité, Cana e Ciani. Do outro lado, Giuseppe Iachini teve dois dias para trabalhar com os jogadores do Siena. O sucessor de Serse Cosmi também optou por um esquema com um trio de defensores. Durante a primeira etapa, apenas Farelli trabalhou. E foi apenas uma vez, em chute sem perigo de Floccari. As emoções ficaram mesmo para a etapa final. Ciani tentou cortar um cruzamento e acertou a bola em Cana, aos 11 minutos. A bola acabou parando no fundo do gol da Lazio.

Com a desvantagem no marcador, os biancocelesti pressionaram em busca da igualdade. Hernanes não teve sorte em finalização de fora da área; Neto conseguiu salvar em cima da linha, em confusão dentro da área bianconera. O Siena quase matou o jogo em chance desperdiçada por Larrondo, que falhou no um-contra-um com Carrizo, já nos acréscimos. Aliás, foi no tempo de desconto que Ciani, desmarcado, anotou o gol de empate aos 50 minutos. Na prorrogação, duas chances: Vergassola tentou driblar Carrizo, que fechou bem o ângulo e o meio-campista não conseguiu o remate certeiro; na Lazio, Farelli salvou a cabeçada de Mauri. Nos pênaltis, o goleiro laziale cresceu nas cobranças de Vergassola e Larrondo – Belmonte converteu o primeiro. Mauri, Ledesma, Floccari e Kozák marcaram, e a Lazio avançou às quartas de final para enfrentar o Catania. (MM)

Inter 2-0 Verona
Com
um time misto, e sem boa
parte de seus principais “líderes” (inclusive Cambiasso, que havia
perdido apenas um jogo pela Europa League), a Inter sofreu, desperdiçou
várias chances,
mas conseguiu passar para as quartas de final da Coppa. Diante o Verona,
tradicional “rival”, num Giuseppe Meazza vazio (apenas 11.840 pagantes),
que
mais contava com os ultrà gialloblù (cerca de 8 mil) que os nerazzurri
da
Curva Nord, Guarín deu outra amostra de que é a melhor contratação nas
últimas
duas temporadas e o melhor interista em 2012-13: roubada de bola
decisiva e
assistência para Cassano e o sexto gol em 2012-13 – só fica atrás de
Palacio
(10), Milito (8) e empatado com Fantantonio.
Do banco, o colombiano viu o
Hellas pressionar a Inter por cerca de 20 minutos, mais ou menos até a paralisação
devido a fumaça causada pela torcida. Stramaccioni fez seus devidos ajustes e
mesmo com um meio-campo falho e a saída de bola prejudicada, o trio Álvarez,
Palacio e Cassano passou a ditar o ritmo do jogo, auxiliado pelas descidas de
Nagatomo, em outra boa exibição. Depois de muitas chances desperdiçadas e somente com a
entrada de Guarín e Zanetti na segunda etapa a equipe, de fato, conseguiu o
equilíbrio e a falta de pontaria que faltavam. Restando 16 minutos, Castellazzi
voltou a sentir o ombro esquerdo (foi diagnosticado uma luxação) e com todas as
substituições efetuadas, Palacio foi para o gol. O argentino, que fora goleiro na infância, ainda salvou boa cabeçada de
Carrozza. (Arthur Barcelos)
Udinese 0-1 Fiorentina
A Udinese bem que tentou, mas a
Fiorentina de Montella mais uma vez se sobressaiu defensivamente e mesmo com a
dupla de ataque inoperante, teve em Borja Valero, sempre regular, o fator
decisivo. Num dos raros buracos cedidos pela defesa bianconera, Matías
Fernández lançou Valero nas costas de Dusan Basta e o espanhol teve calma e
categoria para dominar, limpar e chutar contra o gol de Padelli, refém do
desvio de Heurtaux.
Atuando em casa, na gelada Údine,
a equipe de Guidolin, que vive mau momento, foi quem dominou a partida, negando
espaços para a Viola e forçando bastante Di Natale e Fabbrini. Contudo, o trio
defensivo de Montella, além do goleiro brasileiro Neto, garantiram a
classificação da equipe toscana, que enfrentará a Roma no
dia 9 de janeiro, em casa. Como a Lazio também passou de fase e os jogos são no mesmo dia, o regulamento prevê que a Roma, que ficou abaixo da rival na última Serie A, não tenha o direito de mandar sua partida em casa. Melhor para a Fiorentina, que jogará contra os giallorrossi no Artemio Franchi. (AB)

Confrontos das quartas de final, que acontecem em jogos de ida, a serem realizads no dia 9 de janeiro:
Inter-Bologna

Fiorentina-Roma

Lazio-Catania

Juventus-Milan

Deixe um comentário