Serie A

Os melhores da Serie A 2012-13

Ao longo das últimas semanas, analisamos a temporada dos 20 clubes que disputaram a Serie A em um especial dividido em duas partes (parte 1 aqui e parte 2 aqui),
destacando os principais pontos de cada equipe, além dos destaques e
fracassos individuais dos elencos. Falamos também sobre as principais revelações do campeonato.
Encerrando este review da temporada, só nos resta montar a seleção dos
melhores do campeonato e também atribuir prêmios por desempenhos
individuais.

As equipes do Quattro Tratti e da Trivela votaram, juntamente com alguns dos mais prestigiados jornalistas especialistas brasileiros e estrangeiros para escolher a seleção da temporada
recém-finalizada da Serie A, e foram escolhidos também os melhores da temporada em seis categorias. Agradecemos a cada
um dos participantes desta votação e também a você, leitor, que nos
acompanha diariamente. O blog continua ativo durante a Copa das Confederações e também acompanha o mercado de transferências, que está perto de reabrir. Agradecemos a todos os que votaram e a todos os leitores que nos acompanharam ao longo da temporada. Vamos, agora, ao
que interessa!

Publicado também na Trivela.

Em grande fase, chileno Vidal quer até a 10 de Del Piero (AFP)

Arturo Vidal

Prêmios: Melhor jogador e Melhor meio-campista


Vidal chegou à Juventus em 2011 para ser titular e não largou o posto desde então, tornando-se cada vez mais e mais fundamental à equipe. Jogando na centro-direita do fortíssimo meio-campo juventino, o chileno assumiu duas responsabilidades. A primeira, foi brilhar no lugar de Pirlo, que ainda fez um bom campeonato, mas sem a mesma intensidade da última temporada. A segunda foi ser o artilheiro da equipe, mesmo jogando mais atrás. 

Com isso, Vidal se tornou o principal jogador da equipe, em campo e também nos números: foram 10 gols e 8 assistências em 31 partidas pela Serie A, além de outros três gols na Liga dos Campeões e um na Supercoppa Italiana. Ao todo, foram 45 partidas e 15 gols (média de um a cada três jogos), números que o fizeram ser eleito pela torcida como o Jogador do Ano. E que, além de valorizá-lo, fazem-no pedir pela camisa 10 que era de Del Piero. Será que conseguirá?

Jovem, mas maduro, Marquinhos foi uma das sensações do futebol italiano (Getty Images)

Marquinhos
Prêmio: Melhor jogador brasileiro

Brasileiros não andam muito em alta na Itália, é verdade. Mas a eleição de Marquinhos foi incontestável, embora Hernanes também tenha feito uma boa temporada. Com apenas 18 anos, o ex-jogador do Corinthians chegou à Roma por empréstimo e, caso fizesse oito partidas, deveria ser contratado em definitivo. Isso não demorou a acontecer, porque já a partir de outubro, nas primeiras rodadas do campeonato, ele conseguiu um posto de titular.

Ao todo, Marquinhos fez 26 partidas no campeonato – passou um período machucado e chegou a ser considerado grave desfalque para o dérbi contra a Lazio, mas se recuperou e foi para o jogo – e foi tido como fundamental para a Roma, que não liberou o jogador para o Mundial sub-20. Embora tenha feito parte de uma das piores defesas do campeonato, sempre foi muito bem individualmente, jogando com muita habilidade na antecipação aos adversários e também em recuperações, muito por causa de seu posicionamento tático privilegiado. Comprado por uma pechincha, vale mais de 20 milhões de euros, pode se valorizar mais e é zagueiro para anos de titularidade na Roma e para integrar o grupo da Seleção.

Paredão da Inter, Handanovic evitou vexame pior na temporada azul e preta (Getty Images)

Samir Handanovic

Prêmio: Melhor goleiro

Na categoria goleiro, a disputa entre Handanovic e Marchetti foi dura. Ambos foram mais responsáveis pela “redução de danos” em suas equipes do que propriamente garantidores de objetivos. Marchetti conseguiu vencer a Coppa Italia com a Lazio, mas Handanovic acabou sendo mais exigido e foi mais espetacular ao longo da temporada. Enquanto o jogador da equipe romana teve uma boa defesa à disposição, o interista teve seu trabalho dificultado por uma zaga mal postada taticamente, com muitas falhas individuais. O esloveno foi um dos cinco goleiros mais exigidos do campeonato, de acordo com estatísticas do jornal Corriere dello Sport.

Handanovic chegou à Inter após cinco grande temporadas como titular da Udinese, para sua primeira chance em um gigante europeu – já havia passado por um grande clube, a Lazio, mas era reserva. Na Inter, se colocou em evidência em 48 jogos (35 deles na Serie A), fazendo grandes defesas e liderando uma defesa confusa. Teve como atuações de destaque duas grandes partidas contra o Milan, uma contra a Roma e duas contra o Tottenham na Liga Europa. Hoje, está no grupo dos melhores goleiros do mundo e vale mais de 20 milhões de euros.

Depois de passagem ruim no Wolfsburg, Barzagli evoluiu na Juve (Image Sport)

Andrea Barzagli

Prêmio: Melhor zagueiro 

É difícil ver jogadores com mais de 30 anos evoluírem no futebol e Barzagli é um desses raros exemplos. O zagueiro se transferiu para o Wolfsburg, da Alemanha, em 2008, depois de ótimos anos no Palermo, que lhe garantiram convocações para a seleção italiana – inclusive, fez parte do grupo que foi tetracampeão mundial, em 2006. Pelos Lobos, apesar de ter conquistado uma Bundesliga, seu futebol caiu muito e ele acabou perdendo seu lugar na seleção. 

Tanto é que retornou para a Itália em janeiro de 2011, em um período no qual a Juventus passava por muitas dificuldades e fazia contratações pouco badaladas – ele custou apenas 300 mil euros . Pouco mais de dois anos depois, ele é titularíssimo da Velha Senhora e da seleção. Jogando pelo lado direito da linha de três zagueiros da equipe de Conte, Barzagli se transformou no coordenador do setor. Foi um dos líderes de roubadas de bola e interceptações na Serie A e ainda se destacou muito pela eficiência no posicionamento e nas jogadas aéreas, além de ser um bom passador. Aos 32 anos, se tornou um zagueiro completo.

Apoiado por Hamsík, Cavani marcou muitos gols e se sagrou artilheiro da Serie A (Caught Offside)

Edinson Cavani
Prêmio: Melhor atacante

São três temporadas consecutivas marcando mais de 30 gols por temporada, sempre mais de 20 na Serie A. Com essa média, Cavani vai se aproximando com muita rapidez ao recorde estabelecido por Maradona em Nápoles. Só isso faz do uruguaio um dos maiores jogadores da história do clube partenopeo, e também um dos grandes matadores da história da Serie A. Neste campeonato, o que impressionou foi o fato de que Cavani nem jogou tanto o quanto poderia. Mal fisicamente em boa parte da primeira metade da temporada, ele não deixou de marcar gols em momento algum. Talvez, se estivesse 100% por mais tempo, teria se juntado a Toni como o único atacante a fazer 30 ou mais gols na Serie A desde a década de 1950. Parou nos 29.

Claro, o trabalho de Cavani, que além de fazer gols de todas as formas, ainda ajuda na defesa e na construção das manobras ofensivas do Napoli foi facilitado pelo grande entrosamento do time e pelo fato de os outros jogadores jogarem para ele. Hamsík foi, mais uma vez, o grande protagonista entre os coadjuvantes, e também merece parte dos méritos pelo desempenho do Matador. Agora, com Rafa Benítez, Cavani continuará no San Paolo? Se não ficar, ao menos o Napoli ficará com mais de 60 milhões de euros em caixa.

Sem cerimônias, Pogba obrigou Conte a modificar esquema do time e ameaçou titularidade de Marchisio (AP)

Paul Pogba
Prêmio: Revelação do campeonato

Todos ouviam falar bem de Pogba desde que Sir Alex Ferguson pediu o jovem do Le Havre para seu Manchester United e gerou polêmica por suposto aliciamento do jogador. Esperta, a Juventus também viu potencial no jogador e o contratou a custo zero, após fim de contrato com os Red Devils. O custo-benefício já foi grande e tende a aumentar cada vez mais, porque Pogba provou que pode ser um dos melhores meio-campistas do futebol europeu por anos.

O francês foi contratado para ser reserva de Pirlo, mas logo achou outro espaço no meio-campo bianconero. Após sua estreia, contra o Chievo, na qual foi muito bem, começou a atuar mais na centro-esquerda da linha de cinco da Juventus, relegando um apagado Marchisio a um posto de coadjuvante. Com muita personalidade e um físico privilegiado, Pogba corre durante uma partida inteira com facilidade, marcando e criando jogadas. Além disso, é um meia que faz gols: é bom pelo alto e nos chutes à distância – marcou dois golaços chutando de fora da área. No fim da temporada, devido ao mau rendimento dos atacantes, Conte preferiu alterar o esquema para um 3-5-1-1, adiantando Marchisio, e acomodando Pogba mais recuado. Ao todo, fez 27 partidas e marcou cinco gols. Números que tendem a aumentar.

Seleção da Serie A 2012-13

Handanovic
(Inter); Barzagli (Juventus), Marquinhos (Roma), Chiellini (Juventus);
Cuadrado (Fiorentina), Vidal (Juventus), Pirlo (Juventus), Valero
(Fiorentina), Hamsík (Napoli); Di Natale (Udinese), Cavani (Napoli).
Técnico: Montella (Fiorentina).

Menções honrosas

Goleiros: Marchetti (Lazio) e Buffon (Juventus)

Defensores: Campagnaro (Napoli), De Sciglio (Milan) e Pasqual (Fiorentina)

Meias: Montolivo (Milan), Cerci (Torino) e Lamela (Roma)

Atacantes: Balotelli (Milan) e Totti (Roma)

Técnicos: Conte (Juventus) e Guidolin (Udinese)

Votantes da seleção da temporada
Anderson Moura (Quattro Tratti)

André Rocha (ESPN)

Antonio Labbate (Football Italia)

Arthur Barcelos (Quattro Tratti)
Braitner Moreira (Correio Braziliense)

Caio Dellagiustina (Quattro Tratti)

Cleber Gordiano (Quattro Tratti)

Cristiano Acconci (Who Scored?)
Daniel Leite (God Save The Ball/iG)

Daniele Monti (Sportv/SkySport Itália)
Felipe Lobo (Trivela)

Felipe Rolim (Esporte Interativo)
Gian Oddi (ESPN)
Giancarlo Rinaldi (Football Italia)

Ivan Zazzaroni (RAI/ZazzaGol)

Julian De Martinis (ESPN FC)

Leandro Stein (Trivela)

Ledio Carmona (Sportv)
Leonardo Bertozzi (ESPN)

Mauro Cezar Pereira (ESPN)

Michel Costa (Além das 4 Linhas)
Murillo Moret (Quattro Tratti)
Nelson Oliveira (Quattro Tratti)
Paolo Bandini (Guardian)
Pedro Spiacci (Quattro Tratti)
Rafael Almeida (ESPN)
Rafael Oliveira (Esporte Interativo)
Rodrigo Antonelli (Quattro Tratti)
Serafino Ingardia (Football Italia) e
Vitor Sergio Rodrigues (Esporte Interativo).

Deixe um comentário