Serie A

2ª rodada: Todo poder aos ataques

Napoli, de Hamsík, tem o melhor ataque da Serie A, mas tem que acertar defesa (Sky)

Há quase 10 anos não se fazia tantos gols na Serie A. Nesta rodada, as equipes se esforçaram em ser ofensivas e renderam uma chuva de gols: 43, quase o dobro do que foi marcado na primeira rodada, que atingiu a marca de apenas 22. A última vez que tantos gols saíram em um único fim de semana de campeonato foi em 2004-05 e, depois disso, a Itália teve alguns momentos nefastos, como a marca de apenas 13 gols realizados, em 2010-11, até hoje recorde negativo na história do certame. Hoje, esses gols são reflexos de um ofensivismo que tomou conta do país, com alguns times apostando novamente em trequartistas, ou no 4-3-3 ou em 3-5-2 muito objetivos.

Na 2ª rodada os destaques vão para os ataques de Napoli, Fiorentina, Juventus, Inter, Roma e Milan, que já dão o tom do que vai ser a disputa na parte de cima da tabela – com exceção dos rossoneri, todos os outros times venceram seu primeiro jogo na Serie A. Acompanhe o resumo da rodada.

Chievo 2-4 Napoli
O Napoli já avisou que será o grande adversário da Juventus na luta pelo título, principalmente porque o ataque será implacável. Higuaín, em seu segundo jogo pela equipe azzurra, já se mostrou mais ambientado (mesmo com oito pontos no rosto), e marcou um gol, além de ter dado passe para outro. Callejón, igualmente, pouco a pouco se adapta mais ao time, que por vezes atua numa espécie de 4-2-2-2, com Hamsík e Insigne às costas de Higuaín e Callejón. Hamsík, inclusive, é uma arma à parte, e tem aparecido com mais liberdade para marcar gols – já são quatro, e ele é o artilheiro do campeonato.

Por outro lado, a defesa preocupa. Se, na primeira rodada, a equipe não sofreu contra o Bologna, o Chievo colocou o Napoli nas cordas por diversas vezes. Muitas vezes, por jogadas feitas pelos lados, aproveitando a verve ofensiva dos laterais azzurri. Mas, também, contando com erros individuais no centro da zaga, que permitiram que Paloschi marcasse os dois gols clivensi. Algo a se acertar, para que competir com a Juventus de igual para igual não seja apenas um desejo. No Chievo, agradou a postura ofensiva: pela primeira vez em anos, a equipe parece apta a praticar um futebol mais vistoso. (Nelson Oliveira)

Juventus 4-1 Lazio
No sábado, a Juve entrou em campo e mostrou que o 4 a 0 aplicado sobre a Lazio na Supercopa Italiana não foi acaso. O time de Conte, mais uma vez, mostrou ampla superioridade sobre o adversário e penalizou o time romano com um 4 a 1, em sua estreia no Juventus Stadium na temporada. O primeiro gol saiu ainda aos 14 minutos, depois que Pogba (segunda assistência em dois jogos) tocou para Vidal marcar. Aos 26, o chileno recebeu ótimo lançamento de Bonucci para ampliar. Logo depois, Klose aproveitou rebote de Buffon e diminuiu para a Lazio.

O jogo ficou bom até o fim da primeira etapa. Hernanes, Candreva e Lulic se movimentavam bastante pelo meio e abusavam dos chutes de meia distância. Após a volta do intervalo, porém, a Velha Senhora não deu mais chances: encurralou a Lazio em seu campo de defesa e logo aos 4 minutos chegou ao terceiro gol, em mais um lançamento perfeito de Bonucci para o ataque. Vucinic, que vem ganhando a concorrência com Llorente, dominou e marcou seu 100º gol na Serie A. Aos 18, Hernanes colocou a mão na bola em lance bobo e acabou expulso, facilitando a vida da Juve, que fechou o placar com belo gol de Tévez. Na próxima rodada, tem Derby D’Italia, para a Juve provar se é mesmo tudo isso. (Rodrigo Antonelli)

Catania 0-3 Inter
Desde 2004 a Inter não vencia as duas primeiras partidas da Serie A. E, desde a 8ª rodada do último campeonato, no ápice da gestão Stramaccioni, não ficava sem sofrer gols em dois jogos consecutivos. A “cura Mazzarri” está funcionando, sobretudo defensivamente. Mais uma vez, Campagnaro fez uma boa partida, e o recuo de Nagatomo, na fase defensiva, foi fundamental para coibir os avanços do 4-3-3 siciliano. Do outro lado, Jonathan parece um novo jogador, e ganhou a titularidade com méritos. O ataque está produzindo menos do que o que se espera, mas a coletividade da equipe tem se sobressaído.

Dominante em campo, a Inter chegou ao primeiro gol ainda antes do intervalo, depois que Jonathan faz uma ótima jogada, pedalou para cima de um defensor adversário e cruzou para que Palacio apenas empurrasse para o gol vazio. O segundo gol surgiu em jogada semelhante, novamente iniciada pelo brasileiro, e passando pelos pés de Palacio até chegar na cabeça do elemento-surpresa Nagatomo, que também fez seu segundo gol no campeonato, como Palacio. Para fechar a conta, Álvarez, outro que cresce com Mazzarri, fez excelente jogada individual e fechou a conta. Excelente resultado antes do dérbi contra a Juventus, que acontece na 3ª rodada. Para o Catania, resultado que não deve alterar muita coisa. Chamou a atenção a má atuação da defesa e mais uma péssima prova de Monzón, que deve perder a titularidade. (NO)

Milan 3-1 Cagliari
Após o fraco início de temporada, El Shaarawy iniciou a partida contra o Cagliari no banco de reservas. Allegri optou por Robinho ao lado de Balotelli, e deu certo. O brasileiro marcou o primeiro gol do Milan aos 8 minutos após cruzamento de seu companheiro de ataque. Ele se posicionou na grande área, a bola passou por Montolivo e Muntari, e, sem marcação, chutou firme para abrir a contagem. A vantagem foi ampliada aos 30, novamente com assistência de Balotelli. Desta vez, Mexès foi o autor do tento. Antes do fim do primeiro tempo, o ótimo Sau diminuiu, com uma finalização de fora da área.

Já na etapa final, Balotelli marcou o seu gol (claro) a poucos metros da baliza, após erro da defesa sarda. Sau quase fez o segundo do Cagliari no fim da partida, quando Zapata errou e entregou a bola para Ekdal. No entanto, o atacante sardenho chutou em cima de Abbiati, e se machucou no lance. O técnico do Milan também promoveu a estreia de Matri com a camisa rossonera. Ele entrou no lugar de Robinho – El Shaarawy participou de apenas três minutos do jogo. Pelo Cagliari, Astori, especulado para sair da equipe, não entrou na partida. (Murillo Moret)

Roma-Verona 3-0

Cinco
gols marcados, nenhum sofrido e duas vitórias sólidas. Nem o romanista
mais otimista imaginaria que a Roma de Rudi Garcia teria um começo tão
consistente, sem os vacilos que marcaram as passagens de Luis Enrique e
Zdenek Zeman nos últimos anos. A melhor estreia desde a Roma de
Spalletti em 2006-07 e 2007-08, ou a Roma de Capello em 2000-01 e
2003-04. Pelo menos por enquanto, o time da capital corresponde aos
investimentos de um mercado bom e cirúrgico para as necessidades do
grupo. Não à toa, tem, ao lado da também surpreendente Inter de Mazzarri, a
melhor defesa do campeonato nas duas rodadas, além da segunda maior
média de posse de bola e melhor de passes certos. A Roma também é a equipe que mais
finalizou, sempre guiada por Totti e De Rossi.

Em
casa, a equipe teve ampla superioridade sobre um Verona acuado, mas em 4-3-3 bem
compactado durante o primeiro tempo, e relaxado na volta do intervalo, sobretudo depois que os romanos abriram o placar aos 11 minutos. Após 13
finalizações nos primeiros 45 minutos, a Roma de Garcia enfim conseguiu
achar uma brecha na defesa gialloblù quando Totti abriu para Maicon
(sempre com seus constantes avanços) na direita. O lateral cruzou para o
desvio de Cacciatore, abrindo o marcador no Olímpico. Depois tudo ficou
mais fácil: com muito espaço, Pjanic recebeu de Totti e, como Totti,
encobriu o goleiro Rafael, no golaço da rodada. Em sua estreia, o sérvio
Ljajic recebeu do bósnio Pjanic e fechou o placar, que poderia ter sido
ainda maior não fossem as defesas de Rafael (9) e as chances
desperdiçadas por Gervinho, que também foi bem na sua estreia como
titular e dá indícios de que formará trio interessante com Ljajic e Totti, com muita movimentação e gols, como o romanista espera. (Arthur Barcelos)

Genoa 2-5 Fiorentina
Bang, bang, sei morto. A Fiorentina não contava com Cuadrado e, por isso, alterou o esquema para dar mais importância a Borja Valero, e goleou o Genoa, no Marassi, por 5 a 2. Aquilani colocou a Viola na frente do marcador aos 10 minutos, de cabeça, após cruzamento do espanhol. E a Fiorentina teve uma ótima chance logo no começo do jogo, com Gómez, mas o alemão falhou de forma bizarra. Na sequência, Rossi contou com uma ajuda de Perin, que aceitou o chute de média distância do atacante adversário. Ainda no primeiro tempo, Gómez converteu em gol o cruzamento realizado por Pasqual.

Na etapa final, Gilardino fez um magnífico gol: lançamento longo e voleio no contrapé de Neto. O goleiro brasileiro, bastante criticado por ter falhado na Liga Europa, jogou bem e inclusive praticou um milagre em cabeçada de Gila, na etapa inicial. De pênalti, Lodi fez o segundo tento do Genoa depois do quarto viola – outro de Rossi. Gómez, também em cobrança de penalidade, deu números finais ao confronto. Os dois gols sofridos pela Fiorentina são reflexo da mudança de esquema para quatro zagueiros. A defesa não estava acostumada a ser portar desta maneira e Compper, duas vezes, teve decisões equivocadas em seu posicionamento. (MM)

Udinese-Parma 3-1


eliminada da Europa League, a Udinese agora volta a se preocupar somente
com a Serie A. E no primeiro confronto desde a eliminação precoce nos
play-offs, boa vitória sobre o Parma em Trieste – o Friuli passa por
reformulação agora que pertence ao clube de Pozzo pelos próximos 100
anos. Com o gol logo cedo de Badu aos 11 minutos, aproveitando falha da
defesa crociata, o time de Guidolin soube controlar a partida e criou as
principais oportunidades, embora a equipe de Donadoni tenha tido maior
posse de bola e uma infinidade de finalizações erradas.

Na
base de contra-ataques, Muriel e Di Natale levaram perigo ao gol de
Mirante, que ainda operou três defesas até o segundo gol bianconero. Gol
que saiu em levantamento na área de Maicosuel e que terminou em desvio
de Heurtaux, uma marca registada dessa Udinese de Guidolin, sempre forte
nas bolas paradas. No momento que a Udinese conseguia administrar a
vantagem contra um Parma abatido, Rosi desceu pela direita e cruzou para
o cabeceio de Cassano, que marcou seu primeiro gol na Serie A pelo time
emiliano. O gol não abalou a
Udinese, que por sua vez ainda ampliou com Muriel (já são quatro gols em
seis jogos nesta temporada), após pênalti discutível de Lucarelli sobre
Lazzarri. (AB)

Bologna 2-2 Sampdoria

Em um jogo bastante parelho,
Bologna e Sampdoria conseguiram pontuar pela primeira vez no
campeonato, após enfrentarem, respectivamente, o vicecampeão e a campeã
italiana na rodada passada. Dos 43 gols da rodada, quatro saíram desta
partida e dois foram pinturas. Destaque para a extraordinária pintura do
grego Panagiotis Kone, que fez de voleio o segundo gol bolonhês, quase
idêntico ao que o mesmo fez contra o Napoli, no San Paolo, na temporada
passada (compare aqui e aqui).
Pela Samp, Manolo Gabbiadini, ex-Bologna, acertou um chute de rara
sorte do meio da rua, em cobrança de falta, empatando o jogo, no mesmo
dia em que o jovem teve seu nome incluso na lista de convocados de
Prandelli.

Houve muita movimentação na primeira metade do primeiro
tempo, mas a Samp teve as chances mais claras. E foram os visitantes que
abriram o placar aos 25, quando o brasileiro Éder empurrou para o gol
um rebote de Curci de um chute fraco de Gabbiadini de fora da área. Frangaço. Os
donos da casa pressionaram, fizeram um gol aos 31, mas este foi anulado.
A pressão deu resultado aos 41, quando Moscardelli pegou rebote do
goleiro brasileiro Júnior Costa dentro da área e empatou. Na segunda
etapa, aos 19, o Kone fez um golaço de voleio, da marca do pênalti, após
cruzamento de Garics da direita. Mas Gabbiadini resolveu fazer jus à
convocação e, com uma cobrança de falta perfeita, empatou o jogo aos 26.
O mesmo atacante ainda esteve a centímetros de virar para a Samp aos
38, após chute rasteiro da ponta esquerda. (Thiéres Rabelo)

Atalanta 2-0 Torino

A Atalanta coroou a 200ª partida de Stefano Colantuono no comando
da equipe com uma importante vitória. Contando com a sorte e com o bom
aproveitamento das bolas paradas, os primeiros três pontos dos nerazzurri
vieram após uma dificílima partida contra o Torino. Porém, o treinador
bergamasco ainda tem muito trabalho pela frente, afinal o ataque novamente
decepcionou. Por outro lado, o voluntarioso Torino precisa apenas de um pouco
mais de capricho nas finalizações para não desperdiçar pontos preciosos.

Na primeira etapa, as melhores oportunidades foram da
Atalanta, mas a ausência de um atacante na hora de completar foi o grande
problema da equipe. Mas, logo nos minutos iniciais da segunda etapa, o gol
saiu. Após cruzamento, Stendardo aproveitou a confusão na área e completou para o
gol, o seu segundo na competição. Com Larrondo suprindo a ausência de Cerci, o
Toro perdeu muito de seu poderio ofensivo e isso se refletiu nas finalizações.
Dos 12 tiros a gol da equipe granata, apenas dois deram trabalho à Consigli – o próprio atacante argentino desperdiçou várias chances.
Ventura até colocou sua grande esperança em campo, mas Cerci ainda ressentindo
um incômodo na coxa, pouco fez para impedir a derrota. No final do jogo,
Lucchini completou de cabeça a cobrança de escanteio de Cigarini e definiu o
resultado. (Caio Dellagiustina)

Sassuolo 1-4 Livorno
Pouco mais de três meses depois do jogo válido pela Serie B italiana, que valia a promoção para a elite, Sassuolo e Livorno se reencontraram. Mas desta vez quem comemorou foi o Livorno, com um sonoro 4 a 1 sobre o rival, fora de casa. Destaque para o estreante Emeghara, que balançou as redes duas vezes. Antes disso, Greco já havia aberto o placar para o Livorno, em excelente cobrança de falta, e Zaza empatado para o Sassuolo. Paulinho foi quem marcou o outro gol da equipe toscana, que conqusitou seus primeiros pontos na competição.

Apesar da vitória, é evidente o baixo nível técnico do time de Nicola, que deve mesmo lutar para não cair. A goleada só foi possível porque o Sassuolo é ainda mais fraco, começando pelo goleiro Rosati, que falhou em pelo menos dois gols na partida de domingo. O técnico Di Francesco cobrou reforços e com razão – no gol, ele ganhou o ótimo Pegolo, do Siena, que deve ser o novo titular. Último colocado na tabela agora, é difícil imaginar uma melhora com a equipe que entrou em campo nas primeiras rodadas. (RA)

Relembre a 1ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Neto (Fiorentina); Stendardo (Atalanta), Bonucci (Juventus), Mexès (Milan); Jonathan (Inter), Vidal (Juventus), Hamsík (Napoli), Pjanic (Roma), Álvarez (Inter); Balotelli (Milan), Rossi (Fiorentina). Técnico: Walter Mazzarri (Inter).

1 comentário

Deixe um comentário