Coppa Italia

Campeã, Juve faz história em jogo no qual Donnarumma passou de herói a vilão do Milan

Quatro vezes Juventus. Quatro gols na final contra o Milan (dois de Benatia, o camisa 4), quatro títulos seguidos da Coppa Italia e quatro dobradinhas nacionais muito bem encaminhadas. Também foi a taça de número quatro do técnico Massimiliano Allegri na competição, que lhe dão a primazia de conquistas ao lado dos colegas Roberto Mancini e Sven-Göran Eriksson. Poucas vezes um número foi tão repetido e significou tanto num jogo de futebol.

Outros número também ficou marcado nesta quarta-feira: 99. Dono desta camisa no Milan, o goleiro Donnarumma foi o grande destaque da decisão – para o bem e para o mal. Mas, antes disso acontecer, um jogo muito equilibrado aconteceu no Olímpico de Roma.

O Milan começou ganhando – ao menos nas arquibancadas. O belo mosaico da torcida rossonera, comparado a um mais simples, organizado pelos juventinos, pareceu impulsionar os comandados de Gattuso. Mesmo com time inferior, o Diavolo foi levemente superior na etapa inicial, e fez Buffon trabalhar em finalização de Çalhanoglu. Bonaventura, o mais ativo dos rubro-negros no primeiro tempo, também tirou tinta da trave em um chute forte de média distância.

Allegri e a Juventus são os maiores campeões da história da competição (Getty)

Após o intervalo, o Milan voltou melhor e teve sete minutos de pressão. A partir daí, desmilinguiu e viu a Juve crescer. Dybala passou a travar um duelo particular com Donnarumma, que fez duas defesas fenomenais em finalizações do argentino. No escanteio cedido por uma delas, a Velha Senhora abriu o placar, aos 56: sumido até então, Pjanic cruzou na cabeça de Benatia, que se desmarcou de Romagnoli e colocou com efeito no ângulo esquerdo rossonero.

Gigio Donnarumma voltou a fazer uma defesa espetacular em chute de Dybala, mas aos 61 minutos, num lance muito similar, cometeu sua primeira falha grave. Douglas Costa arriscou da entrada da área e, ao tentar segurar a bola, o goleiro acabou engolindo um frango. Três minutos depois, o gigante rossonero cometeu um erro ainda mais grosseiro e possibilitou que Benatia fizesse o seu segundo no jogo e ampliasse a vantagem bianconera. Mandzukic cabeceou fraco, após cobrança de escanteio, mas Donnarumma soltou a bola nos pés do defensor marroquino, que aproveitou o rebote e fez 3 a 0.

Os erros de Donnarumma facilitaram a vida da Juve (AP)

Com um placar tão elástico, construído em apenas oito minutos, a Juve matou o jogo. Matuidi assustou a torcida juventina ao acertar a própria trave numa tentativa de corte, mas o gol contra saiu realmente do outro lado. Novamente em cobrança de escanteio, a defesa do Milan errou: Kalinic, que não tem deixado muito a sua marca a favor do seu time, desviou um cruzamento contra as próprias redes e decretou o 4 a 0. Em quatro jogos pela copa, o Milan não havia sofrido um único gol. Deixou para ser vazado (e como) justo na finalíssima. Para piorar, agora a equipe de Gattuso terá que garantir sua vaga na Liga Europa através da Serie A, e terá que pontuar nos confrontos diretos contra Atalanta e Fiorentina.

Com o resultado, a Juventus fez história na Coppa Italia. A Velha Senhora ampliou sua vantagem como maior detentora de títulos da competição (são 13), se tornou a primeira tetracampeã seguida do torneio e também será a única a conseguir a quarta dobradinha nacional no futebol italiano. De quebra, a Juve confirmou sua supremacia sobre o Milan: em cinco decisões contra os rossoneri na copa, venceu quatro. O número mágico de hoje.

1 comentário

  • Esperando o post com a cobertura do xororô, em Napoli após a perda do campeonato na mesma proporção da atenção dada quando da vitória em Torino.
    Pq a cobertura do site não é a mesma de quando eles venceram um confronto fora que sequer os deixaram na liderança?
    Pq agora o site não fala das provocações antecipadas e a vitória de quem ficou quieto e trabalhou para vencer, e fazer história?

Deixe um comentário