Serie A

7ª rodada: Juve bate o Napoli e protagoniza primeira disparada na liderança

Em menos de dois meses de campeonato, a Juventus já ensaia sua primeira arrancada rumo ao octacampeonato. Com 100% de aproveitamento, a Velha Senhora encarou seu primeiro grande teste na temporada e venceu o Napoli, vice-líder, abrindo seis pontos na liderança. A vantagem já é grande o bastante para dar tranquilidade à Juve nas próximas quatro rodadas, nas quais a equipe bianconera terá adversários bastante acessíveis. Confira o resumo do fim de semana, que teve ainda a vitória da Roma no clássico contra a Lazio e os triunfos de Fiorentina, Inter e Milan.

Juventus 3-1 Napoli
Mandzukic (Ronaldo), Mandzukic e Bonucci (Ronaldo) | Mertens (Callejón)

Tops: Mandzukic e Ronaldo (Juventus) | Flops: Mário Rui e Albiol (Napoli)

O jogo mais aguardado do início da Serie A 2018-19 teve o desfecho mais provável, com a vitória da líder sobre o vice-líder. Afinal, o Napoli, que vencera a Juve na última visita a Turim, nunca emplacou dois triunfos consecutivos na casa de sua maior rival. Os azzurri até ameaçaram quebrar esta escrita no primeiro tempo, mas os bianconeri viraram o jogo e mantiveram seus 100% de aproveitamento e ampliaram sua vantagem. Pela quinta vez em sua história a Velha Senhora conseguiu sete vitórias nas sete primeiras rodadas do campeonato – a anterior foi em 2005.

O 4-4-2 napolitano incomodou a Juventus na parte inicial do jogo, com pressão alta e intensa movimentação de Insigne e Mertens. Foi dessa forma que Zielinski acertou a trave e, pouco depois, aos 10, Allan interceptou passe errado de Bonucci e criou a jogada do gol belga. A Juve encontrou o caminho do gol com Cristiano Ronaldo, que venceu todos os duelos contra Hysaj pelo flanco canhoto e se converteu no garçom do sábado. Primeiro, o craque entortou o albanês e achou Mandzukic livre na pequena área. Super Mario, deixado livre por Albiol, só precisou escorar com a cabeça.

Com liberdade, Cristiano começou a testar Ospina com chutes de média distância. Na primeira finalização após o intervalo, o português acertou a trave e Mandzukic anotou sua doppietta, enquanto Mário Rui somente observava. O lateral-esquerdo foi expulso aos 58, após cometer uma falta idêntica à que já lhe havia rendido um amarelo anteriormente. Por incrível que pareça, o Napoli melhorou com um a menos e ficou perto de empatar, com Callejón. CR7, porém, continuava com liberdade, e decidiu a peleja. Num escanteio, subiu sozinho e possibilitou o tento de Bonucci. Ronaldo ainda teve uma oportunidade para deixar sua marca, mas Ospina lhe fechou a porta.

Roma 3-1 Lazio
Pellegrini, Kolarov e Fazio (Pellegrini) | Immobile

Tops: Pellegrini e Santon (Roma) | Flops: Luis Alberto e Strakosha (Lazio)

Roma e Lazio tinham tudo para fazer um clássico tenso na abertura da sétima rodada. Não só porque a partida é a campeã em cartões vermelhos na era dos três pontos (são 33 desde 1994), mas principalmente por causa da fase atribulada dos giallorossi, que tinham apenas uma vitória no campeonato até superar o Frosinone, na última quarta-feira. Os celestes, porém, entraram frios e não se aproveitaram de eventuais lapsos emocionais da arquirrival. Com isso, agora a Lazio tem 12 pontos e a Roma vem logo atrás, com 11.

O primeiro tempo se desenrolou quase que inteiramente em banho-maria, com ligeiro controle de uma Lazio que não aproveitou as oportunidades. O destino, então, entrou em ação: Pastore saiu lesionado e deu lugar a Pellegrini, que não vinha bem em 2018-19. Romano e romanista, o camisa 7 acabaria por decidir a partida. Aos 45, aproveitou falha coletiva da zaga laziale e abriu a contagem, de calcanhar. No meio do segundo tempo, Fazio também errou feio e possibilitou que Immobile anotasse o empate. A igualdade durou pouco, já que Pellegrini recebeu falta de Badelj na meia-lua. Kolarov converteu a cobrança e se tornou o segundo jogador na história a marcar no dérbi da Cidade Eterna pelas duas equipes locais – o primeiro foi Arne Selmosson, nos anos 1950. Já no finalzinho, Pellegrini ainda cobrou falta com perfeição e permitiu que Fazio se redimisse com a torcida.

Pellegrini ressurgiu e foi decisivo no clássico romano, marcando até gol de calcanhar (Ansa)

Sassuolo 1-4 Milan
Djuricic (Rogério) | Kessié, Suso, Castillejo (Çalhanoglu) e Suso

Tops: Suso e Abate (Milan) | Flops: Bourabia e Di Francesco (Sassuolo)

Soberbo, Suso supera seca e celebra surpresa em Sassuolo. O trava-línguas intencional define bem como foi e quem decidiu a partida a favor do Milan, na noite de domingo na Itália. O espanhol deixou para trás uma sequência de 19 partidas sem balançar as redes e foi um dos principais jogadores na partida que pode ter afastado a crise rossonera – ao menos por enquanto. Do lado neroverde, De Zerbi só pode lamentar a pior partida realizada pelo Sassuolo no ano, principalmente pelo desarranjo no meio-campo.

O Milan começou melhor, acertando a trave com Suso e ficando perto do gol com uma cavadinha de Kessié. Os donos da casa responderam, mas Abate travou Di Francesco na hora certa, com um corte que mudou a história do jogo. Afinal, pouco depois Kessié puxou um contra-ataque sozinho e abriu o placar. No início da etapa final, Suso marcou com um chute de fora da área e Castillejo inaugurou sua contagem pelos rossoneri. Pouco objetivo e desestimulado, o Sassuolo até diminuiu, com Djuricic, mas não foi capaz de pressionar mais. No último lance do jogo, Suso fechou a conta e passou a régua.

Inter 2-0 Cagliari
Martínez (Dalbert) e Politano

Tops: Politano e De Vrij (Inter) | Flops: Sau e Klavan (Cagliari)

A arrancada da Inter continuou neste sábado. Mesmo jogando apenas para o gasto, a equipe nerazzurra conquistou sua terceira vitória consecutiva na Serie A e consolidou sua posição na parte de cima da tabela, apenas dois pontos atrás do Napoli. O Cagliari, por sua vez, continua preocupado com a proximidade da zona de rebaixamento.

Pensando no duelo contra o PSV pela Champions League, Spalletti poupou diversos titulares – Icardi, Asamoah e Skriniar, por exemplo, não jogaram. Quem aproveitou a ausência do camisa 9 foi Martínez, que anotou o seu primeiro pelo clube: Dalbert fez boa jogada pela esquerda e cruzou na medida para Lautaro abrir o placar, aos 12. Dominante, mas pouco agressiva, a Beneamata ainda teve a chance de ampliar duas vezes com Candreva, mas o ponta destro finalizou mal em ambas as situações. O castigo quase chegou para os donos da casa, mas a arbitragem anulou gol de Dessena por um toque com o braço por parte do volante. Já no final, Politano coroou seu bom início de temporada com um bonito gol – o seu primeiro pelo clube.

Fiorentina 2-0 Atalanta
Veretout (pênalti) e Biraghi

Tops: Veretout (Fiorentina) e Gómez (Atalanta) | Flops: Chiesa (Fiorentina) e Zapata (Atalanta)

A Atalanta ficou muito perto de encerrar um jejum de 25 anos sem vitórias contra a Fiorentina na Toscana. Comandada por Papu Gómez, a equipe nerazzurra pressionou muito no primeiro tempo, mas não capitalizou as oportunidades e acabou sendo punida por um incrível erro de arbitragem, que nem mesmo o VAR corrigiu – gerando mais dúvidas pelo má utilização do vídeo na Itália. Com isso, a viola encaminhou sua quarta vitória em casa na temporada e chegou aos 13 pontos, na zona Champions. Por outro lado, os atalantinos continuam com apenas um triunfo, beirando a zona de rebaixamento.

O jogo caminhava por um 0 a 0 amargo para a Atalanta, mas ficou ainda pior para os orobici aos 63 minutos, quando o árbitro Valeri assinalou pênalti inexistente, em simulação de Chiesa. O VAR não corrigiu a decisão e Veretout abriu o placar, permitindo que a Fiorentina tentasse cozinhar o jogo. A formação nerazzurra se lançou ao ataque em busca da reação, mas parou em Lafont. No último lance do jogo, a tecnologia que havia desaparecido, ressurgiu. Biraghi cobrou falta perigosa e, apesar da defesa de Gollini, o gol foi validado – a bola cruzou a linha e o relógio do juiz sinalizou.

Sampdoria 2-1 Spal
Linetty (Quagliarella) e Defrel (Quagliarella) | Paloschi

Tops: Quagliarella (Quagliarella) e Lazzari (Spal) | Flops: Audero (Sampdoria) e Petagna (Spal)

Historicamente, a Spal costuma engrossar o caldo contra a Sampdoria. No fechamento da rodada, nesta segunda, não foi diferente. A equipe de Ferrara saiu na frente, mas não conseguiu manter a vantagem e acabou sendo superada pela dona da casa, que mais uma vez contou com o poder de decisão de Quagliarella e Defrel. A Samp volta à metade superior da tabela, com 11 pontos, enquanto os spallini, com três derrotas seguidas, estacionam na metade dela, com nove.

A Samp começou melhor, chegando perto do gol com Barreto e com um tento de Quagliarella anulado pela arbitragem. A Spal abriu o placar graças a um erro individual: o goleiro Audero soltou o chute de Lazzari e Paloschi, escalado pela primeira vez como titular, aproveitou o rebote. Os dorianos empataram quatro minutos depois, graças a uma jogada coletiva e um forte chute de Linetty. A virada chegou aos 60, com mais uma assistência de Quagliarella: o veterano recebeu lançamento de Barreto e chutou forte para a defesa de Gomis, mas no rebote preferiu ajeitar para Defrel marcar seu quinto na Serie A.

Frosinone 1-2 Genoa
Ciano (pênalti) | Piatek (Kouamé) e Piatek (Kouamé)

Tops: Piatek e Kouamé (Genoa) | Flops: Salamon e Molinaro (Frosinone)

Piatek-mania! O Genoa continua sua positiva campanha na Serie A graças a mais uma prova de força de seu camisa 9, que já é o artilheiro da competição, com oito gols em seis jogos – os genoveses têm uma partida a menos. Piatek foi o primeiro jogador dos maiores campeonatos europeus a anotar 10 tentos na temporada, considerando todas as competições (já tem 12, devido aos quatro feitos na Coppa Italia) e igualou, diante do Frosinone, duas marcas. A primeiras delas foi estabelecida por último por Higuaín, em 2017: Pipita havia sido o último a balançar as redes em seis rodadas seguidas. O polonês também se tornou o primeiro estreante a fazer pelo menos oito gols nas seis partidas iniciais do Italiano desde o dinamarquês Karl Aage Hansen, que conseguiu o feito em 1949, pela Atalanta.

No Benito Stirpe, Piatek guardou seus dois gols num espaço de quatro minutos. Ambos tiveram assistências do marfinense Kouamé, que tem se revelado um complemento perfeito para o centroavante. Primeiro, o lépido africano ganhou no alto de Capuano e ajeitou para o tiro do polonês, da meia-lua. Na sequência, Kouamé aproveitou indecisão de Salamon e rolou para o companheiro só escorar. O Frosinone descontou de pênalti, ainda na primeira etapa, e, enfim, anotou o seu primeiro gol no campeonato. Logo na sequência, Chibsah acertou a trave, mas os ciociari não conseguiram reagir. Após o intervalo, Kouamé teve a chance de deixar a sua marca, mas deu muito azar: tirou do goleiro Sportiello, mas a bola tocou nos dois postes e não entrou.

Chievo 0-1 Torino
Zaza (Berenguer)

Tops: Sorrentino (Chievo) e Zaza (Torino) | Flops: Djordjevic (Chievo) e Soriano (Torino)

Chievo e Torino fizeram um jogo tão ruim que a entrada de Zaza provocou um aumento da emoção no gramado do Bentegodi. Graças a um gol do atacante nos minutos finais, o time grená manteve a hegemonia estabelecida sobre os clivensi na última década e chegou ao meio da tabela. Por sua vez, o time de Verona chega ao terceiro jogo sem balançar as redes em casa e a sete partidas sem triunfar. A única vez em que o Chievo passou as sete primeiras rodadas sem vencer foi em 2006-07, quando acabou rebaixado pela única vez em sua história.

O confronto de baixo nível técnico não teve nenhuma chance clara de gol no primeiro tempo. Após o intervalo, Léris chutou na lua a única oportunidade do time da casa e o Toro acordou. Sempre com Zaza, como garçom ou finalizador, o Torino ameaçou Sorrentino, que fez duas boas defesas. Aos 89, o camisa 11 piemontês recebeu enfiada de Berenguer e definiu a vitória. Nos acréscimos, Falque ainda teve chance de ampliar, mas errou o alvo.

Sai, zica! Suso passou 1728 minutos sem marcar um golzinho sequer (Ansa)

Bologna 2-1 Udinese
Santander (Svanberg) e Orsolini (Mattiello) | Pussetto (De Paul)

Tops: Santander (Bologna) e De Paul (Udinese) | Flops: Krejci (Bologna) e Samir (Udinese)

A Udinese chegou ao Dall’Ara como favorita diante do Bologna, pelo bom retrospecto recente contra os felsinei e pela fase de ambos os times na Serie A. No entanto, a equipe de Velázquez não conseguiu matar o jogo no primeiro tempo e levou a virada graças às ótimas atuações de Mattiello e Santander, além da entrada decisiva de Orsolini. O resultado deixa as duas equipes na metade mais baixa da tabela.

Os visitantes começaram jogando melhor e tiveram grande oportunidade quando De Paul, convocado à seleção argentina, deixou Lasagna na cara do gol – o atacante, desequilibrado, acabou chutando para fora. O camisa 10 voltou a aparecer pouco depois, com perfeito lançamento para Pussetto abrir o placar. A partir de então, só deu Bologna. Santander ganhou todas perante a defesa adversária, servindo como parede para seus companheiros ou finalizando ele mesmo. Ainda na etapa inicial, após ter chance negada brilhantemente por Scuffet, o paraguaio empatou com uma bomba, que ainda explodiu no travessão antes de estufar as redes. Os bolonheses viraram no fim do segundo tempo, quando Orsolini completou cruzamento rasteiro e guardou, em seu primeiro toque na bola. O camisa 7 ainda acertou a trave pouco depois.

Parma 1-0 Empoli
Gervinho (Barillà)

Tops: Sepe (Parma) e Zajc (Empoli) | Flops: Ceravolo (Parma) e Mráz (Empoli)

Poucas equipes médias e/ou pequenas têm uma hegemonia caseira tão grande sobre uma adversária quanto o Parma tem contra o Empoli. Em nove confrontos no Tardini pela Serie A, os crociati já somam oito vitórias contra os azzurri. A mais recente delas, neste domingo, foi garantida pelo goleiro Sepe, que teve seus primeiros momentos de brilho na elite exatamente pela equipe da Toscana.

O Parma abriu o placar no primeiro tempo, depois que Barillà roubou bola no meio-campo e arrancou, imparável, até encontrar Gervinho com belo passe. Em busca do empate, o Empoli parou na trave com Zajc e Caputo, e depois encontrou um paredão personificado no goleiro Sepe. O arqueiro emprestado pelo Napoli foi bem ao evitar que um cruzamento fechado de Di Lorenzo o surpreendesse e, já nos minutos finais, fez uma defesa acrobática num chute fortíssimo de La Gumina.

Seleção da rodada
Sepe (Parma); Abate (Milan), De Vrij (Inter), Chiellini (Juventus), Mattiello (Bologna); Pellegrini (Roma), Kessié (Milan); Suso (Milan), Ronaldo (Juventus), Mandzukic (Juventus); Piatek (Genoa). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

Deixe um comentário