Serie A

35ª rodada: Atalanta inicia o último mês do campeonato como favorita à vaga na UCL



Faltando três rodadas para o fim do campeonato, mais algumas definições vão se concretizando na Serie A. Depois do título da Juventus, o Napoli garantiu mais uma vez o vice, mesmo com a troca de treinadores que atrapalhou o time em parte da temporada, até que o grupo assimilasse os conceitos de Carlo Ancelotti. Na parte de baixo, o Frosinone se junta ao Chievo e também jogará a Serie B em 2019-20. O último rebaixado será um entre Empoli, Udinese e Genoa.

As vagas europeias estão mudando de mãos rodada a rodada. Atualmente na quarta posição, que classifica para a Champions League, a Atalanta venceu o confronto direto com a Lazio, numa prévia da final da Coppa Italia, e ficou com uma vitória de vantagem sobre Roma e Milan, que se encontram na zona da Liga Europa. Na busca pela artilharia, Quagliarella também abriu boa frente sobre os adversários: tem 25, três a mais que Zapata. Confira o resumo da rodada.

Lazio 1-3 Atalanta
Parolo (Caicedo) | Zapata (Freuler), Castagne (Gómez) e Wallace (contra)

Tops: Zapata e Gómez (Atalanta) | Flops: Wallace e Correa (Lazio)

A prévia da final da Coppa Italia foi bem movimentada e vencida com maestria pela Atalanta, que continua a encantar a Bota. Apenas um ponto atrás da Inter e com três de vantagem sobre Roma e Milan, a Dea é a grande favorita a conquistar a quarta vaga na Liga dos Campeões, o que seria um feito e tanto – além de inédito – para o clube. Por sua vez, a Lazio vai correr atrás de uma vaga na Europa League, seja via Coppa ou através da sétima posição na Serie A, que seria suficiente em caso de vice no segundo torneio mais importante do país.

Os três pontos do time de Bérgamo tiveram que ser arrancados “na marra”, através de uma virada. Aos 3 minutos, Parolo abriu o placar depois de uma vacilada da zaga dos visitantes, que só ficou observando a construção e o desenrolar da jogada. Ainda no primeiro tempo Zapata empatou, aproveitando chute torto de Freuler e a marcação frouxa de Wallace para fazer seu 22º na competição.

Nos 45 minutos finais, o zagueiro brasileiro amplificou seu repertório de erros decisivos: errou na saída de bola, ficou no mano a mano com Gómez e viu seus esforços para consertar a bobagem serem em vão, já que Castagne recebeu passe forte do argentino e virou. Para finalizar, o brasileiro subiu mal ao tentar evitar a cabeçada de Djimsiti e marcou contra.

Milan 2-1 Bologna
Suso e Borini | Destro (Sansone)

Tops: Donnarumma (Milan) e Pulgar (Bologna) | Flops: Lucas Paquetá (Milan) e Dijks (Bologna)

A última partida da rodada foi bem maluca, e extremamente tensa para o Milan, que passou a semana enclausurado em concentração. Antes do jogo, já se sabia que Bakayoko começaria no banco por ter se atrasado a um treinamento, contudo Biglia se machucou no primeiro tempo. Gattuso pediu para o francês se aquecer e entrar, mas ele disse que precisava de algum tempo, o que foi prontamente respondido com a mudança na alteração – Mauri foi a campo. Treinador e atleta chegaram a discutir, com direito a palavrões, mas Rino minimizou o ocorrido.

Em campo, o Milan precisou contar com uma boa atuação de Donnarumma para ficar vivo no duelo. Orsolini teve chance de ouro no início, mas Gigio defendeu com o ombro. Depois disso, Palacio teve gol anulado e o Diavolo abriu o placar com Suso, que bateu firme, no canto esquerdo do goleiro Skorupski. No segundo tempo, o jogo voltou a ficar agitado e o Milan ampliou, desta vez com Borini – que pegou o rebote de um chute de Lucas Paquetá.

O brasileiro acabaria se tornado protagonista negativo do dia ao procurar confusão depois de receber uma falta dura: tomou amarelo por discutir com os adversários e, quando o árbitro Di Bello tentava afastá-lo da rodinha, se descontrolou e deu um tapa no braço do apitador, o que ocasionou sua expulsão. Em virtude do amarelo (estava pendurado) e do vermelho direto, Paquetá não deve mais jogar na Serie A nesta temporada. O Bologna aproveitou a superioridade numérica e se lançou ao ataque. Mihajlovic lançou mão de Santander e Destro, e o segundo deles diminuiu o placar. A pressão se intensificou e Donnarumma voltou a aparecer, com duas defesas vitais. Na reta final do nervoso confronto, os bolonheses ainda tiveram Sansone e Dijks expulsos por comportamento antidesportivo.

Borini foi o autor do gol da vitória do Milan num tenso duelo contra o Bologna (Image Sport)

Genoa 1-1 Roma
Romero (Miguel Veloso) | El Shaarawy (Dzeko)

Tops: Romero (Genoa) e El Shaarawy (Roma) | Flops: Sanabria (Genoa) e Nzonzi (Roma)

O último dos cinco empates da rodada não agradou nem Genoa nem Roma – isso porque ambas as equipes ficaram muito perto da vitória, por incrível que pareça. Brigando por coisas distintas no campeonato, genoveses e romanos fizeram uma partida de poucas oportunidades e muitos cuidados defensivos, especialmente por parte dos donos da casa. Ainda assim, foram os grifoni que levaram mais perigo na etapa inicial, em duas finalizações de Lapadula. Os giallorossi responderam, mas o ótimo goleiro Radu se mostrou preparado para defender a cabeçada de Fazio.

Foi somente no final do segundo tempo que as redes balançaram. Quem marcou primeiro foi o faraó El Shaarawy, que vitimou seu clube formador ao acertar um belo chute de primeira, depois de o bósnio Dzeko desviar de cabeça. Nove minutos depois, aos 91, o empate saiu com Romero: em cobrança de escanteio, Nzonzi (de 1,98m) decidiu não saltar e o jovem zagueiro apareceu atrás, antecipando Schick e testando para as redes.

No último minuto, o Genoa conseguiu iludir a zaga romana e Nzonzi falhou novamente, deixando Sanabria na cara de Mirante – depois de receber passe esperto de Kouamé, o paraguaio foi calçado pelo goleiro. A cobrança ficou a cargo do próprio camisa 9, mas a finalização foi terrível e Mirante, que esperou até o último instante, conseguiu se redimir com a defesa. O empate não deixa os grifoni tranquilos, já que o Empoli ganhou na rodada, e foi péssimo para os romanistas. Afinal, a equipe de Ranieri está três pontos atrás da Atalanta e ainda enfrenta a Juventus.

Juventus 1-1 Torino
Cristiano Ronaldo (Spinazzola) | Lukic

Tops: Cristiano Ronaldo (Juventus) e Izzo (Torino) | Flops: Pjanic (Juventus) e Bremer (Torino)

O jogo de abertura da rodada foi o Derby della Mole, antecipado para a sexta porque no sábado, dia 4, a Tragédia de Superga – que matou o time do Torino – completava 70 anos. Como a Juventus jogava só para cumprir a tabela e o Torino busca garantir uma vaga nas competições europeias, com a bola rolando o primeiro tempo foi de domínio dos visitantes. O gol, inclusive, saiu cedo: aos 18 minutos, Pjanic era o último homem bianconero e cometeu um vacilo monstruoso. Lukic lhe roubou a bola e bateu bonito, sem chances para Szczesny.

Na segunda etapa, a Juve acordou, mas se tem uma coisa que o Torino sabe fazer é ficar na defensiva – o time de Mazzarri tem uma das melhores defesas da competição, com apenas 16 gols sofridos em 2019. Izzo, Nkoulou e Bremer faziam partida segura, mas, num lance fortuito, o brasileiro não conseguiu segurar Cristiano Ronaldo. Aos 84, após cruzamento de Spinazzola, o português aproveitou o erro de leitura do zagueiro, subiu alto e marcou o centésimo gol de cabeça da carreira – o 21º no campeonato. Com isso, a Juve continua com apenas uma derrota para o rival nos últimos 26 jogos e mantém uma invencibilidade de 24 anos como mandante no dérbi. Para o Toro, o pontinho não foi de se jogar fora.

Udinese 0-0 Inter

Tops: Musso (Udinese) e Asamoah (Inter) | Flops: Lasagna (Udinese) e Borja Valero (Inter)

No último jogo do sábado não tivemos gols e nenhum time amplamente satisfeito com o resultado. A Udinese está a dois pontos da zona de rebaixamento, mas tem a “sorte” de ter confrontos com times de situação definida no campeonato. Já a Inter, que estava tranquila na terceira posição, empatou três jogos em sequência e viu a Atalanta. Como ainda enfrenta Chievo e Empoli em casa e seis pontos bastam para a classificação para a Champions League, a situação não é das piores. Mas vale ficar ligado: ficar fora do torneio continental seria um fracasso para o time de Milão.

Em campo, a Inter foi melhor, mas teve pouca criatividade e ímpeto para vencer a linha defensiva friulana. A Beneamata acertou a trave no primeiro tempo, enquanto a Udinese teve um lance polêmico a seu favor, quando Mandragora deu uma caneta em Brozovic e caiu dentro da área, depois de o croata usar o corpo. Icardi saiu do banco de reservas para tentar fazer o seu mas não conseguiu. Quando a Inter chegava, o goleiro Musso se mostrava pronto, ao realizar boas defesas na segunda etapa. Na melhor chance, Nainggolan chutou de longe, De Vrij desviou de letra e o arqueiro argentino pegou, meio no susto.

Roma cedeu empate no fim e ficou longe da Champions League (Getty)

Empoli 1-0 Fiorentina
Diego Farias (Di Lorenzo)

Tops: Dragowski e Di Lorenzo (Empoli) | Flops: Veretout e Milenkovic (Fiorentina)

O pessoal de Florença está bem bravo com a situação da Fiorentina: já são 11 jogos sem vencer, uma sequência que a viola não havia tido nem mesmo nas três vezes em que amargou o rebaixamento. O técnico Montella abriu o jogo: a equipe está com dificuldades emocionais. Isso tem sido claramente demonstrado por Veretout, que passou de organizador do time a um acumulador de exibições frustrantes. Quem aproveitou essa situação foi o Empoli, que ficou a dois pontos de sair da zona de rebaixamento. A injeção de ânimo com a vitória no clássico foi necessária, visto que os azzurri enfrentarão Sampdoria, Torino e Inter nas próximas rodadas. Para escapar do descenso, a equipe vai precisar jogar com força e concentração máximas nessa reta final.

Diego Simeone estava no estádio para acompanhar o filho Giovanni, mas saiu frustrado. Além de a Fiorentina ter jogado mal, acabou vendo os donos da casa dominarem a partida, com boas construções nas jogadas e perigo constante à meta defendida por Lafont. O gol que garantiu os três pontos ocorreu no segundo tempo, depois que o brasileiro Diego Farias ganhou no alto de Milenkovic e cabeceou no canto. O Empoli resolveu ficar atrás para segurar o resultado e contou com um Drągowski inspirado: o polonês, que está emprestado pela Fiorentina, defendeu um chute à queima-roupa de Chiesa e ainda voou numa cabeçada de Vlahovic para efetuar uma das defesas do campeonato. Depois do apito final, Veretout foi expulso por reclamação.

Napoli 2-1 Cagliari
Mertens (Ghoulam) e Insigne (pênalti) | Pavoletti (Barella)

Tops: Mertens (Napoli) e Barella (Cagliari) | Flops: Verdi (Napoli) e Lykogiannis (Cagliari)

O último jogo do domingo definiu o vice campeão – matematicamente, já que isso era favas contadas havia meses. Com o apoio de seus torcedores, o Napoli precisou virar no finalzinho para bater o Cagliari, que apenas cumpre tabela. O time da casa não criou muito num primeiro tempo que beirou o marasmo: a única jogada válida de registro foi um chute cruzado de Younes, que Koulibaly por pouco não conseguiu mandar para as redes.

Os gols saíram na etapa final. Melhor em campo, o Cagliari abriu o placar com bonita jogada. Barella recebeu dentro da área e, muito inteligente, tocou de calcanhar para Pavoletti chegar chutando firme, no canto. Mertens teve um tento anulado por impedimento e depois obrigou Cragno a fazer uma defesaça, com a ajuda da trave. Deixaram o baixinho belga cabecear novamente, já aos 85 minutos, e dessa vez ele foi mortal: com o gol, chegou aos 108 pelo clube, igualando Attila Sallustro como o terceiro maior artilheiro azzurro. A virada veio de um pênalti cometido por Cacciatore, que, nos acréscimos, interceptou cruzamento com o braço. Meio sumido em campo, Insigne deu números finais ao jogo.

Parma 3-3 Sampdoria
Gazzola (Gervinho), Kucka (pênalti) e Bastoni | Quagliarella (pênalti), Defrel e Quagliarella (Praet)

Tops: Quagliarella (Sampdoria) e Gervinho (Parma) | Flops: Kucka (Parma) e Colley (Sampdoria)

Muitos gols marcaram a partida da amizade entre Parma e Sampdoria. Para homenagear as torcidas, que são amigas, as equipes foram a campo com uniformes com desenho alusivo ao adversário: os parmenses usaram camisa azul com faixa em branco, azul-escuro e amarelo, enquanto os dorianos colocaram uma cruz preta, vermelha e azul em sua malha branca. Para completar, presentearam os tifosi com uma chuva de gols num confronto amistoso. Afinal, o Parma está praticamente garantido na elite e a Samp não almeja mais nada na temporada.

A agitação começou cedo no Tardini. Aos 2 minutos, Gervinho correu pelo lado e tocou para Gazzola, que só teve o trabalho de empurrar para as redes. Quagliarella teve que empatar de pênalti marcado após sinalização do VAR: o artilheiro do campeonato bateu forte e no meio. A virada da partida veio com Defrel, que aproveitou rebote e anotou contra a equipe que o revelou. No segundo tempo, Kucka vacilou, escorregou sozinho e Praet aproveitou para roubar a bola e passar para Quagliarella chegar aos 25 tentos na competição. A reação dos mandantes teve a participação do zagueiro Colley, que cometeu pênalti – convertido por Kucka – e errou na marcação de Bastoni, que aproveitou rebote de Audero. Ainda houve tempo para que os trapalhões Colley e Kucka fossem expulsos em faltas de ataque e coroassem suas péssimas atuações.

Ronaldo voou para marcar o gol do empate no dérbi contra o Torino (Reuters)

Chievo 0-4 Spal
Felipe (Murgia), Floccari (Kurtic), Felipe (Murgia) e Kurtic (Schiattarella)

Tops: Felipe e Murgia (Spal) | Flops: Cesar e Andreolli (Chievo)

Já rebaixado e último colocado, o Chievo foi a campo com uma formação cheia de jovens estreantes e acabou goleado dentro de sua casa pela Spal. Enquanto a meninada clivense aprendeu da pior forma como a Serie A pode ser complicada, os spallini se livraram de vez do rebaixamento. O craque do dia foi o meia Murgia, emprestado pela Lazio, que participou dos quatro gols visitantes. Quem também se destacou foi o zagueiro brasileiro Felipe, que marcou dois gols, chegou perto de anotar uma tripletta e ainda foi fundamental na zaga, afastando o perigo em cima da linha.

A Spal abriu o placar aos oito minutos, quando Felipe fez, numa cobrança de escanteio – os estensi chegaram ao 15º tento de cabeça e lidera o quesito no campeonato. No segundo tempo a porteira foi aberta. Murgia roubou a bola no ataque, acionou Kurtic e viu Floccari bater forte, sem chances para o goleiro Semper. Felipe marcou seu segundo do dia depois de outra bola parada: Murgia cobrou falta na área e o ítalo-brasileiro desviou com o pé. Para finalizar o jogo, Schiattarella tabelou com o meia laziale e cruzou rasteiro para Kurtic deixar o seu.

Sassuolo 2-2 Frosinone
Ferrari (Rogério) e Boga (Lirola) | Sammarco (Pinamonti) e Paganini (Ciano)

Tops: Boga (Sassuolo) e Sammarco (Frosinone) | Flops: Lemos (Sassuolo) e Beghetto (Frosinone)

O Frosinone precisava de um milagre para evitar o rebaixamento nesta rodada. Estava conseguindo o feito, ao abrir 2 a 0 sobre um Sassuolo que apenas cumpria tabela, mas sucumbiu às suas próprias deficiências e confirmou, matematicamente, o seu retorno à segundona. Os visitantes foram a campo com tudo e construíram sua vantagem ainda no primeiro tempo. Sammarco abriu a contagem com uma finalização no cantinho do goleiro Consigli. Berardi teve a chance de empatar quando ficou cara a cara com Sportiello, mas levou azar: no campo molhado, a bola correu mais do que devia e acertou a trave. A chuva atrapalhou os dois times, mas Paganini, de cabeça, surpreendeu os mandantes antes do intervalo.

Com tamanha desvantagem, o Sassuolo foi em busca de um empate. Aos 66, um chute torto de Rogério virou uma assistência para o zagueiro Ferrari, que aproveitou a cochilada da zaga ciociara. Onze minutos depois, a defesa do Frosinone dormiu de novo e o cruzamento rasteiro de Lirola atravessou toda a grande área até encontrar Boga do lado oposto. empate milagroso veio com Boga depois de Lirola cruzar rasteiro e toda defesa visitante ficar olhando. Agora, os dois times já pensam na temporada seguinte, cada um em sua divisão.

Seleção da rodada
Dragowski (Empoli); Di Lorenzo (Empoli), Izzo (Torino), Felipe (Spal), Castagne (Atalanta); Kurtic (Spal), De Roon (Atalanta), Murgia (Spal); Gómez (Atalanta); Zapata (Atalanta), Quagliarella (Sampdoria). Técnico: Gian Piero Gasperini (Atalanta).

 



Deixe um comentário