Liga das Nações Seleção italiana

Itália bate Polônia e fica a uma vitória da fase final da Nations League

A Itália recebeu a Polônia, pela penúltima rodada da Nations League, e venceu a concorrente direta pela vaga na etapa decisiva da competição por 2 a 0, com gols de Jorginho e Berardi. Sem sofrer com muitos lances de perigo, o time italiano dominou e, agora, só depende de si para se classificar para o final four do torneio da Uefa. Na última jornada, contra a Bósnia, última colocada do grupo, a equipe azul se garantirá com uma vitória simples.

Quando o jogo começou, a Itália era a terceira colocada do Grupo 1 da Liga A. Precisava, necessariamente, vencer no Mapei Stadium para depender apenas de si na última rodada da fase de grupos, contra a eliminada Bósnia. Uma derrota na arena do Sassuolo, em Reggio Emilia, tiraria a equipe de Mancini da próxima fase, já que o confronto entre Polônia e Holanda decidiria o classificado.

Diferentemente do jogo do meio de semana, quando apostou em um time alternativo e com muitos garotos, a Itália foi com o que tinha de melhor para o confronto com a Polônia. Do time que enfrentou a Estônia, só Emerson e Bernardeschi atuaram neste domingo. Escalada com Donnarumma; Florenzi, Acerbi, Bastoni e Emerson; Barella, Jorginho e Locatelli; Bernardeschi, Belotti e Insigne, a Nazionale não tomou conhecimento dos poloneses, que passaram todo o primeiro tempo sem finalizar nenhuma vez à meta de Donnarumma. A Itália, por sua vez, chegava bem e constantemente ao ataque, principalmente pelo lado direito, com uma dupla que infernizou a zaga polonesa.

Bernardeschi e Barella se associavam muito bem, e o meio-campista da Inter era o principal jogador da Itália na partida. Fundamental na marcação alta italiana, quando subia para dar o primeiro combate juntamente com Belotti, Nicolò era o grande organizador da equipe: saíam dos seus pés os melhores lances do time da bota no jogo.

Pênalti grotesco em Belotti abriu a contagem no Mapei Stadium (Getty)

Foi com Barella, inclusive, que a Itália chegou ao seu primeiro gol, que foi justamente anulado por conta de uma clara interferência de Belotti na jogada. Bernardeschi cobrou um lateral rápido para o meia interista, que infiltrava na grande área, cruzar para Insigne afundar a rede. Belotti, que estava impedido, atrapalhou Szczesny e o tento italiano foi invalidado.

Sem conseguir jogar, e com Lewandowski isolado, a Polônia via a Itália ditar o ritmo e ganhar com certa facilidade. Com uma ótima troca de passes e com uma marcação que infernizava a saída de bola polonesa, a Itália ia impondo o seu jogo no estádio do Sassuolo.Com tanto domínio, o time de Mancini não demorou para abrir, de verdade, o marcador. Aos 26 minutos, Krychowiak agarrou Belotti e o árbitro Clément Turpin assinalou pênalti para a Squadra Azzurra. Jorginho – que viria a ter a honra de ser capitão após a saída de Florenzi – foi para a cobrança e não desperdiçou.

Se passou a primeira etapa da partida incólume, a Itália só foi incomodada – e minimamente – no segundo tempo, quando a Polônia adiantou a marcação, atrapalhando a excelente troca de passes da Squadra Azzurra. Apesar de ter subido as suas linhas, a equipe polonesa finalizou, em todo jogo, apenas uma bola na meta italiana. Donnarumma foi um mero espectador.

Por vezes, a vontade dos visitantes se confundia com a violência e, não à toa, Góralski foi expulso. O volante fez hora extra em campo e, após várias faltas duras, só levou o cartão vermelho por conta de uma entrada fortíssima em Bernardeschi. A Itália aproveitou a vantagem numérica para chegar ao seu segundo gol, que vinha sendo ensaiado no 11 contra 11. Insigne recebeu no meio e encontrou Berardi livre na ponta direita. O ponta, que entrou no segundo tempo e jogava em casa, invadiu a área e chutou sem chances para Szczesny. Com padrão de jogo e muita calma, a Nazionale de Roberto Mancini chegou a 21 partidas de invencibilidade.

Deixe um comentário