Liga Europa

Na Liga Europa, bons triunfos de Roma e Napoli contrastam com a queda de um Milan apagado

A noite europeia desta quinta começou bem para os italianos, com uma goleada imponente da Roma e uma vitória apertada do Napoli, fora de casa, contra o Rijeka. Porém, um Milan irreconhecível tomou um chocolate do Lille e impediu que a terceira rodada da Liga Europa fosse perfeita para os italianos.

Apesar da derrota milanista, vai se desenhando uma situação tranquila para os times do Belpaese, depois de três rodadas da fase de grupos. Pelo Grupo A, a Roma tem a liderança isolada, enquanto o Milan soma 6 pontos e fica atrás do Lille, na chave H, por apenas um. Já o Napoli tem os mesmos 6 pontos de AZ e Real Sociedad, no Grupo F, um dos mais equilibrados da competição. Confira a seguir, a síntese das partidas desta quinta-feira.

Roma 5-0 Cluj

No Olímpico, tivemos uma atuação fenomenal dos romanistas, que abriram 3 a 0 em meia hora de jogo e mataram o confronto com o Cluj. A Loba atropelou o time romeno dentro na Cidade Eterna e, por conta da derrota do Milan, passou a ser a única italiana invicta na competição, com 7 pontos conquistados.

O time de Fonseca levou exatos 57 segundos para abrir o marcador. O tento saiu da cabeçada de Mkhitaryan, ao receber cruzamento de Spinazzola, na medida. O gol tranquilizava a Roma para o decorrer da partida, mas a equipe continuou martelando até achar o segundo com Ibañez, em outro lance de bola aérea. Dez minutos mais tarde, Borja Mayoral ampliou marcando um dos gols mais fáceis de sua carreira, a dois metros do gol, com o goleiro fora do lance. A verdade é que, com exceção de uma finalização de Djokovic defendida por Pau López, só deu Roma no jogo.

Na volta do vestiário, Paulo Fonseca sacou Veretout, Spinazzola e Mkhitaryan para mandar a campo Pellegrini, Pedro e Juan Jesus. Petrescu respondeu com Pereira e Paun, mas àquela altura a partida já estava decidida. No segundo tempo, se viu um jogo moroso, em que a Roma focava em administrar a vantagem e neutralizar o ataque romeno – que não conseguiu criar muito perigo. A principal chance de diminuir foi negada por uma boa intervenção de Kumbulla, em cima da linha.

Já no finalzinho, os atacantes espanhóis transformaram o placar clássico em goleada: aos 84 minutos, Mayoral marcou o segundo, com outra assistência do brasileiro Bruno Peres, e aos 90, Pedro recebeu em profundidade para fechar a conta. Uma vitória para dar ânimo ao elenco romanista e encaminhar a classificação, visto que a Roma se isolou na liderança do Grupo A, com 7 pontos. Young Boys e Cluj têm 4, enquanto o CSKA Sofia tem 1.

Oportunista, Politano decretou a vitória do Napoli sobre o Rijeka (Pixsell)

Rijeka 1-2 Napoli

O Napoli foi até a Croácia e venceu, mesmo sem jogar um futebol de encher os olhos. O time de Gattuso gastou muito tempo girando a bola na intermediária e teve dificuldade em verticalizar o jogo diante de um Rijeka que recuperava a bola e, com poucos toques, encontrava lacunas na defesa italiana para acelerar e levar perigo, com Kulenovic, centroavante com mobilidade que atuou bem na criação de espaços, além de Menalo e Muric, pelos flancos.

A partir dessa estratégia, os mandantes abriram o placar. Em descida pela esquerda, Kulenovic fez a transição e inverteu o jogo para Muric, que recebeu atrás da linha defensiva do Napoli e chapou de primeira para as redes, no contrapé de Meret.

O autor do gol já vinha infernizando a defesa napolitana e, para alívio de Gattuso, o ex-jogador do Pescara se lesionou e precisou ser substituído. Sua saída coincidiu com o momento em que o Napoli conseguiu se organizar e acordar para o jogo. Na reta final da primeira etapa, os partenopei conseguiram o gol em uma das raras chegadas de perigo: Mertens cruzou rasteiro e Demme, na pequena área, finalizou do jeito que deu.

No vestiário, é bem provável que Gattuso tenha dado uma sacudida nos jogadores. Apesar do susto aos três minutos, com a bola na trave de Menalo, o Napoli aos poucos foi achando mais espaço no campo de ataque. Elmas, com um chute de longa distância, exigiu uma bela defesa de Nevistic. O goleiro ainda espalmou para o travessão uma cobrança de falta de Mertens.

Apesar da atuação ruim, o Napoli passava a gostar do jogo. A partir do setor esquerdo, então, nasceu a jogada da virada. Mário Rui cruzou para a área, Petagna não alcançou em depois da furada de Politano, a bola bateu em Braut e terminou dentro do gol. Uma ducha de água fria para os croatas, mas que daria o triunfo e também a liderança do grupo ao Napoli, que está empatado com AZ Alkmaar e Real Sociedad. Enquanto o trio tem 6 pontos, o Rijeka continua zerado.

Frustrado, Ibrahimovic lamenta primeira derrota do Milan em 24 jogos (Getty)

Milan 0-3 Lille

A atuação dos rossoneri foi um desastre completo. O Milan foi amassado dentro de San Siro e viu sua boa sequência de 24 partidas sem derrotas ser encerrada. O Lille jogou ligado no 220 e deu um choque de realidade na equipe de Pioli, que perdeu por três gols de diferença, mas poderia ter sido mais vazada. Os destaque ficaram por conta do turco Yazici, autor dos três gols da partida e novo artilheiro da Liga Europa, e para Renato Sanches, que tomou conta do meio-campo.

Escalado no 4-2-3-1, o Milan teve seu ataque formado por Ibrahimovic, centralizado, e Krunic, Brahim Díaz e Castillejo no suporte. Contudo, o trio não conseguiu abastecer o centroavante sueco, sempre bem monitorado pela zaga francesa. Dalot foi uma boa opção no apoio ofensivo, mas deixou muito espaço em suas costas, permitindo que a equipe de Galtier explorasse aquele flanco para criar lances de perigo.

Como se não bastasse a pobreza no setor ofensivo, a zaga do Milan teve uma partida para ser esquecida, uma vez que os pilares da equipe falharam feio. Primeiro foi Romagnoli, ao derrubar Yazici dentro da área em uma jogada sem perigo algum. Na cobrança, o turco deslocou Donnarumma e abriu o placar. Na etapa complementar, Yazici resolveu chutar de fora da área e contou com um frango do goleiro para marcar o segundo.

E, para fechar o caixão, três minutos depois, um lance constrangedor, em que três atacantes do Lille invadiram a área totalmente livres. David recebeu de Ikoné e passou para Yazici, que só teve o trabalho de colocar no cantinho e sair para o abraço, enquanto os milanistas só olharam para o bandeirinha, na esperança de serem salvos por alguma irregularidade. Com mais de meia hora ainda por ser jogada, o time francês diminuiu um pouco o ritmo, mas continuou levando perigo – quase sempre com o jovem turco – e mal foi ameaçado pelo Milan.

Curiosamente, em três jogos contra o Diavolo, o Lille não sofreu um gol sequer – e venceu ambas no San Siro. Essa superioridade histórica acaba se refletindo na ordem do Grupo H da Liga Europa, liderado pelos franceses, donos de 7 pontos. O Milan tem 6, enquanto Sparta Praga (3) e Celtic (1) estão fora da zona de classificação para a próxima fase.

Deixe um comentário