Serie A

14ª rodada: dupla de Milão abre vantagem e esquenta disputa local pelo scudetto

Última rodada da Serie A em 2020, a 14ª jornada foi das mais quentes do ano. Não só pela vitória do Milan nos acréscimos sobre a Lazio, mas por um inesperado triunfo da Fiorentina na casa da Juventus, que levou a Velha Senhora para a sexta colocação.

O ano termina com o Diavolo na liderança, seguido de pertinho pela Inter, sua rival: a vantagem da Beneamata para a Roma, terceira colocada, é de seis pontos. Por causa desses fatores, 2021 aponta para uma disputa das gigantes da Lombardia pelo scudetto: uma década depois, o título pode voltar a Milão e, assim, encerrar a hegemonia dos bianconeri do Piemonte. Acompanhe o que de melhor aconteceu na rodada.

>>> Classificação e artilharia da Serie A

Milan 3-2 Lazio

Gols e assistências: Rebic (Çalhanoglu), Çalhanoglu (pênalti) e Hernandez (Çalhanoglu); Luis Alberto e Immobile (Milinkovic-Savic)
Tops: Hernandez e Çalhanoglu (Milan)
Flops: Patric e Muriqi (Lazio)

No San Siro, tivemos o jogo mais aguardado da rodada, com o líder Milan recebendo uma Lazio que precisava de uma grande vitória para retomar a confiança e se recuperar na temporada. Sem poder contar com Bennacer e Kessié para o confronto, Pioli escalou seu meio-campo com Tonali e Krunic. Pelo lado laziale, nenhuma surpresa: 3-5-2, com Luis Alberto e Milinkovic-Savic controlando o centro do campo e Immobile e Correa à frente.

O jogo começou com muita superioridade do Milan, que, jogando em casa, encontrava facilidade para somar passes, ativar Çalhanoglu nas costas de Escalante e levar enorme dificuldade ao sistema defensivo rival. Foi desta maneira, que logo aos 10 minutos de jogo, o turco descolou um cruzamento perfeito para Rebic subir mais alto que a defesa e testar para o fundo da rede. Cinco minutos depois, o mesmo Rebic recebeu a bola dentro da área e, quando estava pronto para finalizar, acabou sendo atingido por Patric. Pênalti marcado e Çalhanoglu cobrou sem chances para Reina.

O Milan tinha o jogo completamente sob controle, até que, aos 27 minutos, a Lazio teve um escanteio pelo lado esquerdo e o árbitro – com auxílio do VAR – assinalou pênalti de Kalulu sobre Correa. Immobile cobrou e Donnarumma fez uma linda defesa, mas Luis Alberto aproveitou o rebote e colocou a bola na rede. O jogo mudou com o gol dos visitantes: o Milan perdeu o conforto para sair jogando e a Lazio passou a forçar erros seguidos de Krunic.

Na volta do intervalo, a partida seguiu a tendência do final da primeira etapa e, aos 59 minutos, a Lazio chegou ao empate. A linda jogada trabalhada terminou com Milinkovic-Savic encontrando um belíssimo passe de esquerda para Immobile completar para a rede. Os treinadores se utilizaram das peças que tinham à disposição no banco e a partida virou um verdadeiro tiroteio, com uma leve superioridade da Lazio, que obrigou o goleiro do Diavolo a boas defesas.

Contudo, no fim das contas, Simone Inzaghi acabaria sacando Immobile e Milinkovic-Savic, seus melhores em campo, e viu o Milan crescer. Rebic perdeu duas chances muito claras na reta final, mas Hernandez salvou a pele do colega aos 92 minutos. Çalhanoglu cobrou escanteio com perfeição e o francês fez o gol que decidiu o jogo e fez o Diavolo terminar 2020 com a liderança da Serie A. (Henrique Mathias)

Juventus 0-3 Fiorentina

Gols e assistências: Vlahovic (Ribéry), Alex Sandro (contra) e Cáceres (Biraghi)
Tops: Cáceres e Ribéry (Fiorentina)
Flops: Bonucci e Cuadrado (Juventus)

Em Turim, a Juventus recebeu a Fiorentina poucas horas depois de uma derrota importante no tribunal: o Comitê Olímpico Italiano decidiu que a partida contra a Napoli, que o clube havia vencido por WO por conta do não comparecimento dos azzurri por casos de covid-19 no elenco, teria de ser disputada. E no campo do Allianz Stadium a situação não terminou muito melhor para a Velha Senhora.

Logo aos 3 minutos, a equipe de Pirlo foi sair jogando, viu a Viola roubar a bola e Ribéry descolar um passe espetacular para Vlahovic conduzir e bater na saída de Szczesny para abrir o placar. Mesmo com o baque do gol sofrido, a Juventus se manteve organizada em campo, dentro de sua ideia já habitual de jogo – 4-4-2 para defender e 3-4-2-1 para atacar, mas dessa vez com Alex Sandro sendo o lateral no momento sem bola e zagueiro no momento com posse.

Se a partida já estava complicada, a situação piorou aos 17 minutos, quando Cuadrado tentava uma jogada pela direita e, ao não conseguir o drible sobre Castrovilli, deixou as travas da chuteira nas pernas do camisa 10 da Fiorentina, sendo expulso. Pirlo recompôs a equipe com Danilo no lugar de Ramsey, passando a jogar o tempo todo no mesmo 4-4-1, com Ronaldo e Morata alternando quem fechava o lado do campo, mas a partida da Vecchia Signora acabara ali.

A Viola soube jogar o jogo, aproveitou a vantagem numérica e contou com um Ribéry brilhante e um Biraghi incisivo para sacramentar a vitória. O craque francês foi um incômodo constante para a Juventus e quando se desgarrou pelo centro da área e abriu a bola para cruzamento do lateral italiano, que Alex Sandro empurrou contra o próprio patrimônio. Poucos minutos depois, o mesmo Biraghi foi lançado pelo corredor esquerdo, cruzou para a entrada da área e Cáceres marcou, acionando a lei do ex e sacramentando o triunfo de Prandelli e companhia, naquela que foi a segunda maior vitória da Viola em visita a sua grande rival. Sexta colocada, a Juventus não perdia por 3 a 0 como mandante na Serie A desde 2010 e nunca havia sido derrotada em Turim por um placar tão elástico desde a inauguração do Allianz Stadium. (HM)

Só felicidade: Ribéry e Prandelli resgataram a Fiorentina na hora certa, com vitória impactante sobre a Juventus (imago)

Verona 1-2 Inter

Gols e assistências: Ilic; Martínez (Hakimi) e Skriniar (Brozovic)
Tops: Hakimi e Skriniar (Inter)
Flops: Miguel Veloso e Colley (Verona)

A Inter visitou o Verona no Bentegodi, em partida muito importante na disputa pelo scudetto. Conte experimentou um 3-4-3, com sua zaga habitual, Barella e Brozovic no meio, Hakimi e Young nas alas e Perisic acompanhando a dupla Lu-La no ataque. Já o Verona, que tem feito bons jogos e demonstrado boa organização defensiva com Juric, entrou em campo apostando em seu forte sistema defensivo e complicou as coisas para a Inter.

Como tem sido costume nas últimas semanas, Conte trabalhou novamente sua saída de bola abrindo Skriniar pela direita, Bastoni pela esquerda e recuando Brozovic para atuar ao lado de De Vrij. Desta maneira, encontra maior segurança para propor o jogo, sem temer que uma recuperação pegue a defesa desprotegida. Contudo, a fluidez da Inter tem sido muito menor e a dificuldade para progredir em campo outra vez foi vista, com o jogo direto com Lukaku sendo a arma mais utilizada.

Todo o primeiro tempo foi disputado por uma Inter desconfortável para propor e um Verona bem confortável em marcar com em bloco médio baixo e apostar nas transições – que não incomodavam os nerazzurri. Contudo, este cenário acabou caindo por terra logo no início da segunda etapa, quando Hakimi disparou pela direita, recebeu a bola e cruzou na medida para Lautaro se antecipar à zaga e marcar. O gol, entretanto, não abalou os donos da casa, que seguiram dentro de sua proposta e apenas 10 minutos depois, chegariam ao empate graças a um erro clamoroso de Handanovic, que soltou o cruzamento fraco de Faraoni nos pés de Ilic.

O gol parecia atrapalhar e muito a vida da Inter, mas a bola parada apareceu para resolver as coisas para os nerazzurri. Aos 69, Brozovic cobrou escanteio na medida e Skriniar testou para o fundo da rede. O Verona se lançou ao ataque no restante da partida e a Inter se defendeu com competência. A Beneamata ainda desperdiçou boas chances em transição, com um Lukaku que atuou muito bem, mas não marcou por detalhes. A Inter termina 2020 em segundo lugar na Serie A e igualando o seu melhor ataque na história da competição após 14 rodadas, com 34 gols marcados. (HM)

Roma 3-2 Cagliari

Gols e assistências: Veretout, Dzeko (Karsdorp) e Mancini (Smalling); João Pedro (Oliva) e João Pedro (pênalti)
Tops: Karsdorp (Roma) e João Pedro (Cagliari)
Flops: Pedro (Roma) e Nández (Cagliari)

Depois da goleada sofrida para a Atalanta na rodada passada, a Roma se reencontrou com a vitória diante do Cagliari. Jogando em casa, o time da casa, que teve 62% da posse de bola, chutou 15 vezes à meta de Cragno, que fez alguns milagres para manter o resultado ajustado na etapa inicial.

A Loba contou com uma atuação sólida do lateral Karsdorp e saiu na frente depois de uma jogada do holandês, concluída por Veretout. O empate aconteceu no começo do segundo tempo, com João Pedro, e o Cagliari só não virou o jogo porque o travessão estava no caminho de Simeone. Porém, a Roma se arrumaria e, com dois gols em menos de seis minutos, concretizou a vitória – novamente com participação de Karsdorp. João Pedro ainda descontou mais uma vez, nos acréscimos do segundo tempo.

Com o resultado, a equipe de Paulo Fonseca se firmou na terceira colocação da Serie A, a sete pontos do líder Milan. Já o Cagliari segue irregular: o time da Sardenha não vence há sete jogos. Os únicos pontos positivos para os comandados de Eusebio Di Francesco consistem em Cragno e João Pedro, que seguem em altíssimo nível desde a temporada passada. O brasileiro, por exempo, já soma oito gols e duas assistências nos 14 jogos disputados. (Samuel Novaes)

O trio de defesa da Inter foi pouco exigido contra o Verona e ainda determinou o triunfo nerazzurro, com Skriniar (IPA)

Napoli 1-1 Torino

Gols e assistências: Insigne (Zielinski); Izzo
Tops: Insigne (Napoli) e Izzo (Napoli)
Flops: Petagna (Napoli) e Lukic (Torino)

Tropeços e mais tropeços: esta tem sido a rotina do Napoli nas últimas rodadas da Serie A. Com metade das suas derrotas tendo acontecido nos seus últimos três jogos, a equipe de Gattuso, que não venceu exatamente nessas três rodadas, ficou no empate diante do Torino, no estádio Maradona. A situação só não foi pior porque Insigne fez um golaço nos acréscimos do segundo tempo e empatou a partida para os napolitanos, impedindo o que seria a terceira derrota seguida do time do sul. Com as coisas indo de mal a pior dentro das quatro linhas, o único motivo de comemoração da torcida partenopea nesta semana foi a decisão judicial que reverteu a derrota por WO no confronto com a Juventus, que será remarcado.

Porém, se compararmos a fase do Napoli ao momento do Torino, o time de Gattuso está nas estrelas. Em um jogo em que nenhuma das duas equipes saiu satisfeita, o Toro tem motivos de sobra para se entristecer – ainda que, aparentemente, o ponto somado tenha sido tão improvável quanto importante. Com apenas duas vitórias nos últimos 20 jogos, nesta quarta os grenás tiveram a sua melhor chance de garantirem os três pontos desde o triunfo do dia 4 de novembro, diante do Genoa. A equipe de Giampaolo teve vantagem no placar por 26 minutos, mas deixou a vitória escapar mais uma vez – são 23 pontos desperdiçados nessas condições. A formação de Turim vai passar a virada de ano na lanterna da competição e está a três pontos de deixar a zona de rebaixamento. (SN)

Sampdoria 2-3 Sassuolo

Gols e assistências: Quagliarella (Yoshida) e Keita (Candreva); Traorè, Caputo e Berardi
Tops: Berardi e Traorè (Sassuolo)
Flops: Tonelli e Augello (Sampdoria)

No Marassi tivemos um duelo entre duas equipes que dentro das suas possibilidades e expectativas, realizam uma boa temporada. De um lado, a Sampdoria de Ranieri, com sua defesa mais postada, o jogo de transições rápidas e que consegue competir na maior parte dos jogos; do outro, o Sassuolo de De Zerbi, que gosta de controlar a posse de bola, sair jogando de maneira elaborada e sonha com o salto para disputar uma competição europeia na temporada seguinte.

Nesse confronto de ideias, acabamos vendo uma partida bastante aberta, com chances de lado a lado e boas participações individuais. Traorè se destacou pelos visitantes, trabalhando bem para conectar os setores do campo e pisando na área. Já pelo lado dos mandantes, Ekdal foi muito importante pressionando, ajustando os setores e tapando linhas de passe.

O primeiro gol da partida saiu logo aos 2 minutos, quando Tonelli saiu jogando errado, Boga roubou a bola e rapidamente conectou Caputo no comando do ataque. O atacante deu um leve toque para o lado e Traorè ficou na boa para marcar. O placar se manteve o mesmo pelo restante do primeiro tempo. Na volta do intervalo, logo aos 10 minutos, a Sampdoria empatou a partida, depois de boa troca de passes, que terminou com Yoshida encontrando Quagliarella no comando do ataque. O matador dominou, girou e bateu firme para marcar.

Contudo, a esperança de virada da Sampdoria não durou muito tempo, já que Caputo marcou logo na saída de bola, após boa arrancada de Chiriches, que terminou com Berardi finalizando a gol e o camisa 9 aproveitando a rebatida na zaga e para marcar. E o momento ruim da Sampdoria ficou ainda pior apenas dois minutos depois, quando Boga se associou com Traorè pelo lado esquerdo e saiu frente a frente com Audero: o goleiro defendeu a finalização, mas Augello errou o corte no rebote e Berardi marcou. Já no final da partida Candreva cobrou escanteio rasteiro pelo lado direito e Keita bateu com categoria para marcar, descontando – antes de ser expulso por falta dura em Traorè. Com o placar, os neroverdi recuperaram a quarta posição, enquanto a Samp segue no meio da tabela. (HM)

Dzeko contou com boa atuação de Karsdorp para ser decisivo na vitória da Roma sobre o Cagliari (AFP/Getty)

Bologna 2-2 Atalanta

Gols e assistências: Tomiyasu (Orsolini) e Paz (Palacio); Muriel (pênalti) e Muriel
Tops: Tomiyasu (Bologna) e Muriel (Atalanta)
Flops: Schouten (Bologna) e Romero (Atalanta)

Depois de ter a vantagem na partida por cerca de uma hora, a Atalanta, que havia aberto dois gols de vantagem, cedeu o empate para um Bologna em recuperação impressionante. Com dois gols de Muriel, ainda no primeiro tempo, parecia que a Atalanta se encaminharia para mais uma vitória na competição – a segunda de forma consecutiva. Mas, em apenas nove minutos, tudo mudou. Tomiyasu, aos 73 e Paz, aos 82, deram o empate para os donos da casa.

Com altos e baixos, o empate cedido, no fim, para os donos da casa, impediu que a Dea se juntasse à Juve, com 24 pontos, ocupando, de forma compartilhada, a sexta posição da Serie A. Já o Bologna, enfrenta um problema sério: a equipe não vence. Depois de perder para Inter e Roma, o que é compreensível, o time de Mihajlovic não passou do empate contra Spezia e Torino, que brigam na parte de baixo da tabela. O que pode ser um alento para a torcida rossoblù é que o time, diante da Atalanta, foi buscar um resultado que estava longe de parecer possível. A escalação de Tomiyasu como lateral-direito, posição em que teve seu melhor rendimento na última temporada, certamente ajudou. (SN)

Spezia 1-2 Genoa

Gols e assistências: Nzola (Gyasi); Destro (Pandev) e Criscito (pênalti)
Tops: Nzola (Spezia) e Pandev (Genoa)
Flops: Terzi (Spezia) e Czyborra (Genoa)

Em um jogo de duas equipes que estão na parte baixa da tabela, quem se deu melhor foi o Genoa, por mais que Nzola, sempre ele, tenha tentado impedir mais uma derrota do Spezia. Os donos da casa até saíram na frente no primeiro duelo entre estes times da Ligúria na elite, mas Destro e Criscito viraram a partida para os genoveses. Com isso, os grifoni conseguiram sua primeira vitória em 12 jogos e mantiveram uma escrita: após quatro estreias no comando do Genoa, Ballardini segue invicto nesse tipo de partida. O Vecchio Balordo continua na zona de rebaixamento, mas já está na cola do Spezia, primeiro time fora do Z3.

A derrota caseira para um adversário direto na luta contra o descenso caiu como um balde de água fria na equipe recém-promovida – afinal, com uma vitória, aumentaria a sua vantagem para a zona de rebaixamento para cinco pontos. Apesar do resultado ruim, os aquilotti puderam celebrar mais um tento da sua maior estrela: Nzola. Com o gol, Nzola chegou ao sétimo na competição e ocupa, no momento, o sétimo posto na lista de artilheiros da Serie A. Ele é a chave para a salvação. (SN)

Sirigu voou, mas não conseguiu evitar o golaço de Insigne no empate entre Napoli e Torino (LaPresse)

Crotone 2-1 Parma

Gols e assistências: Junior Messias (Reca) e Junior Messias (Molina); Kucka (Brunetta)
Tops: Junior Messias e Reca (Crotone)
Flops: Karamoh e Busi (Parma)

Depois de uma derrota, na última rodada, o Crotone se reencontrou com a vitória ao bater o Parma, em casa, por 2 a 1. Com sete pontos ganhos nos últimos doze disputados, a equipe do sul da Itália está cada vez mais perto do Spezia, primeiro time fora da zona de rebaixamento. A boa fase do time de Stroppa vem sido embalada por um brasileiro cujo nome promete boas novas. Junior Messias, autor dos dois gols da vitória de terça, contra o Parma – sendo o segundo deles um golaço por cobertura – já havia sido decisivo na 11ª rodada, quando anotou outra doppietta (justo sobre o Spezia) e garantiu a primeira vitória dos pitagóricos nesta temporada da Serie A.

Mas se o sol está começando a brilhar para o time da Calábria, em Parma só há escuridão: a equipe treinada por Liverani está em queda livre. Nos últimos 11 jogos da Serie A, o time da Emília-Romanha só venceu um, perdendo quatro vezes e empatando seis. A má fase, que já dura cerca de três meses, colocou a equipe apenas dois pontos acima da zona de degola. (SN)

Udinese 0-2 Benevento

Gols e assistências: Caprari (Insigne) e Letizia (Caprari)
Tops: Caprari e Letizia (Benevento)
Flops: Lasagna e Arslan (Udinese)

Na Dacia Arena, Udinese e Benevento fizeram uma partida que confirmou sensações que vêm sendo repetidas durante toda a temporada, em um duelo entre uma equipe excessivamente dependente do seu melhor jogador e um coletivo forte e que potencializa suas peças. Logo aos 9 minutos, a Udinese saiu jogando errado com Samir e o Benevento não perdoou o erro. Schiattarella interceptou o passe, Insigne se conectou com Caprari e o atacante teve qualidade para limpar o lance e bater sem chances para Musso. O gol permitiu ao Benevento seguir muito confortável dentro de sua proposta de marcar com linhas bem próximas, negar espaços aos friulanos pelo centro do campo e somar saídas em transição.

Aos donos da casa restou a alternativa de sempre: confiar em Rodrigo De Paul. O argentino assumiu o jogo – como sempre faz – e lutou muito para conquistar o empate. Somando passes, lançando transições e sendo importante na bola parada. Só que Lasagna perdeu pelo menos três oportunidades e a sorte não sorriu aos bianconeri quando Rodrigo Becão tentou uma bicicleta e De Paul acertou o travessão, em cobrança de falta. Aos 77 o Benevento aproveitou mais um momento de desatenção da defesa para dar números finais ao confronto, com Caprari encontrando um bonito passe nas costas de Ter Avest, para Letizia receber, avançar e finalizar sem chances para Musso. O Benevento vira o ano na 10ª posição, enquanto a Udinese fica na 12ª. (HM)

Seleção da rodada

Cragno (Cagliari); Karsdorp (Roma), Skriniar (Inter), Cáceres (Fiorentina), Hernandez (Milan); Hakimi (Inter), Çalhanoglu (Milan), Traorè (Sassuolo), Junior Messias (Crotone); Ribéry (Fiorentina), Caprari (Benevento). Técnico: Cesare Prandelli (Fiorentina).

Deixe um comentário