Liga dos Campeões

Extremos na UCL: a Juventus segue 100% e a Atalanta sofre de novo contra CR7

Em noite de Champions League, nesta terça-feira, 2 de novembro, situações extremas foram construídas na Itália. Enquanto a Juventus, impulsionada por um grande jogo e uma marca histórica de Dybala, bateu o Zenit com certa facilidade, manteve os 100% de aproveitamento e garantiu a sua vaga nas oitavas de final, a Atalanta esbarrou no pecado repetido contra o Manchester United, de Cristiano Ronaldo, e deixou a vitória escapar. Confira como foram as partidas.

Juventus 4-2 Zenit

Em Turim, a Juventus buscava combater a má fase recente no Campeonato Italiano e seguir com 100% de aproveitamento na Champions. Missão dada e missão cumprida. A equipe de Allegri se mostrou com apetite desde o início do jogo contra o Zenit e conseguiu a sua vaga para as oitavas de final. A equipe fez por merecer o placar elástico, com um grandíssimo jogo de Dybala, acompanhado pela boa atuação de Chiesa.

Escalada em um esquema ofensivo, a Velha Senhora teve sua primeira grande chance aos 7 minutos, quando Bernardeschi apareceu livre na pequena área após sobra de cruzamento, mas finalizou em cima do goleiro Kritsyuk. No minuto seguinte, Dybala acertou a trave e começou a afiar a pontaria. Aos 11, o gol bianconero saiu. Em escanteio cobrado da esquerda, De Ligt desviou em direção à marca do pênalti e La Joya pegou bonito, de primeira, para abrir o placar.

Na comemoração, o argentino se deitou no chão, imitando a célebre pose feita por Michel Platini na final do Mundial Interclubes de 1985. Dybala fazia uma homenagem: o atual camisa 10 juventino superou a lenda em número de gols pela gigante. Enquanto Le Roi fez 104, La Joya chegaria a 106 naquela noite.

Mesmo com o tento, a Juventus seguiu movimentando o campo de ataque. Pouco tempo após marcar, Dybala fez jogada pela direita e rolou para Morata, mas o espanhol perdeu grande chance, finalizando por cima da meta russa. Aos 20, a pressão dos visitantes começava a ser ensaiada, com arremate perigoso de Mostovoy, de dentro da grande área. No minuto 26, Karavaev cruzou da esquerda e Bonucci tentou afastar, mas acabou fazendo contra, numa infelicidade.

Durante o restante da primeira etapa, o jogo se configurou com uma trocação maior, com defesas seguras dos dois goleiros e nenhuma oportunidade tão clara – além de gol de Morata anulado por impedimento. Naquele cenário, se encerravam os 45 minutos iniciais, com um panorama preocupante para os bianconeri, já que os russos tinham jogadores perigosos, como Malcom, Claudinho e Dzyuba, e poderiam desempatar a peleja.

Com espírito renovado para o segundo tempo, a Juventus começou com um ritmo forte e quase retomou a dianteira do placar com Dybala, que fez ótima jogada pela direita e chutou colocado, muito perto da trave. No minuto 55, Chiesa sofreu pênalti depois de ação pela canhota e na cobrança, o capitão argentino mandou para fora. Apesar disso, o árbitro enxergou invasão na área e mandou repeti-la. Na segunda chance, o camisa 10 não desperdiçou. Gol do cara do jogo e da Velha Senhora.

Dez minutos após o tento do argentino, Claudinho assustou e colocou Szczesny para trabalhar em bom chute no cantinho. O goleiro voltou a fazer boa intervenção em arremate de Malcom, pouco tempo depois. Mesmo com mais um esboço de pressão do Zenit, a Juve era mais contundente quando criava suas chances, como aconteceu com McKennie, aos 72: o meia arrancou da intermediária e finalizou no travessão dos russos. Segundos depois, Chiesa apareceu e brilhou. O camisa 22 recebeu pela esquerda, tirou Lovren para dançar e bateu de canhota para o fundo das redes, anotando o terceiro dos mandantes.

A partida se tornou um pouco mais controlada para os comandados de Allegri, que passaram a cadenciar o seu ritmo. Mesmo assim, aos 82, Dybala achou Morata na área e o atacante enfim anotou o seu gol no jogo, apenas tirando de Kritsyuk. Ainda assim, sobrou tempo para o bom time do Zenit diminuir e evitar a goleada. Já no minuto 92, Dzyuba aproveitou levantamento e ajeitou para Azmoun marcar o dele, fechando o placar em 4 a 2. A vitória mantém a classificada Juve na liderança do Grupo H, com 12 pontos, três à frente do Chelsea, com 9. O Zenit, por sua vez, tem 3 e o Malmö, zerado, é o lanterna.

Em grande noite, Zapata bem que tentou construir resultado diferente, mas a Atalanta amargou empate com o Manchester United (Getty)

Atalanta 2-2 Manchester United

Em Bérgamo, a Atalanta precisava da vitória para ressurgir de forma aguda no Grupo F, já que perdeu a liderança de forma dramática para o próprio Manchester United no último confronto. Com isso, a Dea se propôs a fazer o que faz de melhor: jogar. A equipe de Gasperini dominou os ingleses durante a primeira etapa e seguiu neste ritmo na segunda, criando mais chances que o adversário e lhe dando poucas brechas.

Com este contexto, a partida parecia excelente, mas um detalhe fez esta classificação perder o sentido. Cristiano Ronaldo, em duas chances, marcou sua doppietta e deu aos Red Devils um ponto que deve ser aclamado pelo o que o time produziu. A equipe de Solskjaer segue como líder da chave, empatada com o Villarreal, com 7 pontos cada. A Atalanta tem 5 e o Young Boys, com 3, segue na lanterna.

Ainda sem Rafael Toloi, Gosens, Djimsiti, Hateboer e Pessina, o time de Gasperini sentiu um pouco menos as ausências, em comparação à partida em Manchester. Com postura parecida à do jogo em Old Trafford, a Dea buscava encurralar o United desde o apito inicial. Entretanto, a primeira oportunidade foi dos visitantes, logo aos 4 minutos: McTominay finalizou, contou com desvio de Palomino e acabou acertando a trave. Aos 12, a resposta italiana foi contundente. Zapata escapou pela esquerda e encontrou Ilicic na entrada da área. O esloveno arrematou para o gol e foi agraciado com um erro clamoroso de De Gea para abrir o placar.

Com os anfitriões na frente, o Manchester se viu obrigado a atacar e, perto da metade do primeiro tempo, a oportunidade chegou. Pogba cruzou da direita, mas Ronaldo não conseguiu direcionar a cabeçada. Algum tempo depois, já aos 30 minutos, o camisa 6 dos Red Devils errou feio na saída de bola e Zapata ficou com a sobra, saindo cara a cara com De Gea. Porém, em recuperação impressionante, o zagueiro Bailly se atirou e bloqueou o que seria o segundo gol nerazzurro. Já nos descontos da primeira etapa, em um lapso de brilho do United, Greenwood, Bruno Fernandes e Ronaldo fizeram bela triangulação, que resultou em um passe açucarado do camisa 18 para CR7 empatar a partida. Script conhecido.

Já na segunda metade de jogo, a Atalanta buscava aproveitar a fragilidade defensiva provocada pela substituição do lesionado Varane por Greenwood – a troca, realizada ainda na primeira parte, desfez a linha de cinco defensores do time de Solskjaer. Dito e feito. No minuto 56, Palomino lançou Zapata, que partiu nas costas de Bailly, ignorou o bote de Maguire e arrematou na saída de De Gea. Em primeiro momento, o arbitro marcou impedimento, mas o VAR verificou que o capitão do United dava condições para o colombiano e confirmou o gol.

Depois do segundo tento dos nerazzurri, o jogo se encaminhou sem muitas emoções até os minutos finais, com os comandados de Gasperini um pouco mais contidos e os ingleses sem qualquer inspiração. Aliás, o grande lance de perigo após o gol foi justamente dos donos da casa, aos 85, com um foguete de Zapata de fora da área, que parou na boa defesa de De Gea. Somente no fim, Solskjaer empilhou substituições, apostando, por exemplo, em Sancho e Van de Beek.

Desta vez, parecia que não haveria salvação para o treinador norueguês. Até que, aos 91, em jogada despretensiosa e de insistência, Greenwood ajeitou e Cristiano Ronaldo disparou um belo chute de primeira, de fora da área, e novamente empatou o jogo. Aconteceu de novo e era inevitável. Um pesadelo para a Dea, como bem destacou seu técnico após a partida. Os italianos deixaram o campo com um gosto mais do que amargo na boca: em segundos, deixaram a liderança da chave e caíram para a terceira posição. Agora, a Atalanta precisará conquistar resultado positivo contra o Young Boys, na Suíça, antes de encarar o Villarreal no Gewiss Stadium.

Compartilhe!

Deixe um comentário